O terceiro factor relaciona-se, por sua vez, com a falta de transparência dos “media”, o que dificulta o exercício crítico assertivo por parte do público, e contribui para o aumento da desconfiança no trabalho editorial.


Neste contexto, Coelho acredita que a sociedade brasileira deve incentivar o sentido crítico dos consumidores de conteúdos mediáticos, contribuindo para uma melhor relação entre a imprensa e os seus leitores, e para a identificação correcta dos ataques aos jornalistas.


Até porque, nas palavras de  Ciro Marcondes Filho, a crítica é “um sintoma de sobrevivência”.


Leia o artigo original em “Observatório da Imprensa”