Pelo contrário, continuou o articulista, a presença de jornalistas em situações de risco deve ser bem remunerada, e resultar em informações de qualidade.


Assim, Ormaetxea insta os colegas de profissão a “observar os labirintos silenciosos” e a “mergulhar nos bastidores”, de forma a quebrar um ciclo jornalismo sensacionalista, e promover novos “media”, que ajudem a gerar conhecimento junto da sociedade civil.