sto constitui uma mudança de foco das publicações que, ainda há pouco tempo, usavam técnicas de “clickbait” e jornalismo de pouca qualidade para atrair leitores e conseguir mais capital, através de publicidade digital.

O estudo indica, ainda, que o Twitter é a plataforma que mais tem contribuído para o combate da desinformação, enquanto o Facebook é a rede social que mais difunde notícias falsas. 

Os jornais entrevistados para o estudo consideram que a Google é a plataforma que mais apoia o jornalismo, visto que desenvolveu novas formas de obtenção de lucros para os jornais “online”. A imprensa considera que tem conquistado uma maior diversidade de conteúdo, com alguns títulos a apostarem em “podcasts” diários. As redacções estão, também .a tentar ampliar a agenda de noticiosa e modernizar a apresentação dos jornais. 

 

Consulte o relatório completo em Reuters Institute.