Os estudantes indicaram, por exemplo, que antes de partilharem um determinado artigo, tentam verificar a credibilidade da fonte, dando atenção ao número de seguidores e às interacções com a página.


Ainda assim, alguns dos jovens continuam a partilhá-las. Tudo depende do tópico que é abordado.


Publicações sobre corrupção, burlas, segurança e terrorismo são muitas vezes publicadas --  idependentemente de serem consideradas, ou não, fidedignas pelos utilizadores --  para “chamar a atenção”.


Por outro lado, a maioria dos estudantes afirmou que não partilharia uma peça de índole política.


Desta forma, os investigadores acreditam que as escolas destes países devem introduzir planos de literacia mediática, para que os estudantes passem a ter mais e melhores ferramentas para combater a desinformação e deixem de partilhar, com tanta frequência, “misinformação”.