Castilho acrescentou, ainda, que apelar à opinião pública é, actualmente, a única opção disponível para Lula, “já que este não conta com uma maioria efectiva no Congresso Nacional, dispõe apenas de uma simpatia temporária da grande imprensa e enfrenta resistências nas Forças Armadas e no sector empresarial privado”.