Na referida mensagem, Corbert adverte que “na recta final da campanha presidencial, todos na redacção deveremos ter em conta as nossas políticas, há tempos estabelecidas, para comportamento nas redes sociais”.

 

E lembra: “Os jornalistas do Times devem evitar editorializar nas suas contas pessoais, seja para apoiar os candidatos ou para promover os seus próprios pontos de vistas”.

 

"Isto aplica-se  – enfatiza –  a todos os jornalistas em cada departamento", independentemente de estarem ou não vinculados à cobertura  da campanha, porque  os profissionais envolvidos nesse trabalho precisam de "manter a reputação do Times como um diário credível e equilibrado".

 

Como era de prever, esta comunicação provocou várias reacções, dentro e fora do NYT.

 

O debate sobre este tipo de proibições vem de longa data nos EUA. Mas ganhou agora uma nova importância perante a iniciativa do prestigiado jornal americano, aliás conhecido pelas suas simpatias editoriais a favor dos democratas.

 

 

Leia aqui na integra o texto do site Ética Segura