Além disso, cada jornalista pode colocar apenas três questões, que devem ser enviadas, previamente, para os assessores de imprensa do Governo.


Apesar de o Japão ser um dos países asiáticos que mais favorece a liberdade de imprensa -- ficando apenas atrás da Coreia do Sul e de Taiwan -- os jornalistas independentes continuam a ser alvo de discriminação e de violência verbal.


Em 2020, posicionou-se em 66º lugar, entre 180 países, no Ranking de Liberdade de Imprensa dos RSF.