A  dívida da Presstalis situava-se na ordem dos 500 a 600 milhões de euros, que correspondia a pagamentos em atraso a postos de venda e a editores. A isto acresceu o encerramento de 20 a 25% dos quiosques franceses, em período de confinamento.