Ou seja, embora os utilizadores não queiram induzir os seus seguidores em erro, ainda podem fazê-lo inusitadamente, caso se deparem com artigos enganosos.


Por isso mesmo, a responsabilidade pela disseminação de “fake news” deveria recair sobre as plataformas, e não sobre os cidadãos.