Terça-feira, 11 de Maio, 2021
Jantares-debate

António Carrapatoso: concorrência distorcida em comunicação social fraca

O País “que vai a votos” não está bem, segundo António Carrapatoso, e a sua comunicação social também não está.
Nosso mais recente convidado, o gestor e empresário António Carrapatoso afirmou que o País “não está bem” porque a forma como a sociedade está organizada e funciona “não permite aproveitar e desenvolver as capacidades dos portugueses”.

Quanto à comunicação social que temos, definiu-a como “uma instituição fraca, que não cumpre suficientemente o seu papel do ponto de vista do interesse do cidadão”, por não ser suficentemente independente, inovadora e diversificada.
“A sua qualidade, acutilância, capacidade de investigação, de escrutínio e explicativa, estão aquém do desejável”  - disse.

Sobre as causas desta situação, a seguir à reduzida dimensão do mercado, apontou a “concorrência distorcida”, as deficiências da regulação e legislação e motivos de outra ordem:

Em sua opinião, não se faz mais para mudar porque “muitos partidos e líderes políticos estão contentes com a situação actual, não querem uma comunicação social verdadeiramente independente, investigadora, escrutinadora e qualificada”;  e ainda porque os próprios cidadãos “não ligam assim tanto à importância da comunicação social”  - motivo porque também "não fazem subscrições que poderiam fazer".

Na sua palestra, António Carrapatoso definiu a insuficiente independência da comunicação social em três aspectos: o facto de ser dependente de “financiadores”, do contributo publicitário de algumas empresas “maiores” do regime, e “de ligações a partidos, dos recados que tem de dar”. 

Isto não quer dizer  - afirmou  - “que não haja pessoas independentes, e se calhar a maior parte dos jornalistas até procura ser independente, só que, depois, as condições concretas não lhes permitem terem os recursos e as possibilidades de exercerem essa independência na forma mais plena”. (...) 

Invocando uma razão factual, sublinhou a dimensão muito reduzida do nosso mercado, uma parte do qual foi “capturada por empresas internacionais, como Google e Facebook”: 

“Chegámos outra vez aos números de receitas de publicidade de antes da crise; em 2008, 2009, as receitas anuais do mercado de publicidade eram de cerca de 800 milhões de euros, e agora ainda estamos nos 600 milhões, e uma parte destes 600 milhões é capturada por plataformas internacionais que não existiam antes.” 

Quanto à “fonte essencial de receitas” que deviam ser as assinaturas, recordou que “os assinantes, em Portugal, são apenas 2%, e não é da população, é daqueles que são letrados na Internet”:
“Em Portugal só são 2% dos três milhões que têm um mínimo de literacia no digital. Mas em Espanha são 4%, de um número maior, nos EUA são 8%, e na Finlândia e nos países escandinavos são 12%, de uma população elegível muito maior.” 

“Portanto, 2% de assinantes dos três milhões de letrados são 60 mil assinantes. Se cada um paga uma assinatura de 50 euros sem IVA, por ano, estamos a falar em três milhões de euros. Sabem mais ou menos quanto custa um jornal? Fazer um jornal digital como o Observador, com a abrangêcia e, julgo eu, com a qualidade que o Observador  terá, não custa menos de cinco milhões de euros por ano. Mas a receita toda das subscrições, no País, actualmente, é apenas de 60 mil x 50 euros, ou 60, são três milhões ou 3.600… E a publicidade para o digital também são só cerca de 35 milhões de euros, para todos.”  (...)

Sobre o fenómeno da “concorrência distorcida”, defendeu que “as actividades de regulação e a legislação deviam eliminar distorções de concorrência, os poderes dominantes, ‘proteger’ os novos, permitir que os novos surgissem naturalmente, e permitir também transacções entre activos”: 

“Se um meio de comunicação não está bem, pode ser comprado por alguém, desde que saiba quem é, desde que não tenha uma posição dominante.”  (...) 

“É esta flexibilidade que não existe em Portugal. Não há retorno para investidores e colaboradores. É difícil compensar, pela qualidade e pelas suas competências, e manter jornalistas. Jornalistas mais séniores, a certa altura, vão para uma empresa de comunicação, ou vão para assessores de alguém, e muitos deles não vão permanecer, muitos deles não permanecem, mesmo tendo vontade.” (...) 

O que há a fazer, em sua opinião, “é reduzir a distorção à concorrência, é contribuir para uma discussão, na União Europeia, sobre os comportamentos predatórios das tais redes internacionais, é promover um debate interno sobre a situação da comunicação social e mostrar que é essencial para o desenvolvimento do nosso País”.  (...)

 

Sobre a situação geral do País, António Carrapatoso afirmou que o problema é “estrutural”, abrangendo “o sistema político, judicial, económico, social, e a interligação entre todos eles”, não dando aos portugueses oportunidades para se realizarem e não desenvolvendo as capacidades que já têm. 

A carga fiscal, segundo afirmou, “é muito elevada, nomeadamente para o baixo nível de rendimentos, e mesmo assim o Estado não consegue fornecer serviços públicos com a suficiente qualidade”: 

“A classe média, de certa forma quase que desapareceu no seu conceito original, pois a maioria das famílias tem dificuldade em alcançar uma razoável qualidade de vida. E os jovens começam a desesperar por falta de oportunidades e possibilidades e a acreditar que, permanecendo no País, dificilmente irão alcançar um nível de vida sequer igual ao dos seus pais.” 

“Ultimamente tem-se falado mesmo, mais do que o habitual, em desígnio do País, objectivos claros e caminho a prosseguir, e que os políticos têm de nos dar algo para acreditarmos, a todos. Será isto mesmo fundamental que nos falta? Precisamos deste desígnio, e que os políticos nos digam qual é o caminho a prosseguir?” – perguntou. 

António Carrapatoso afirmou que, salvo circunstâncias pontuais, como foi a altura do 25 de Abril, “não há desígnios nem objectivos nacionais claros, no concreto e em termos práticos, que sejam partilhados por todos, ou pelo menos por mais de 80% da população”: 

“E não se pode estar à espera que sejam os políticos a determiná-los. Podem contribuir, fazem parte do processo, obviamente, mas estamos à espera que os políticos é que definam o desígnio nacional e o caminho a percorrer?” 

“Sabemos quais são as motivações dos políticos, da maior parte deles. Sabemos qual é o sentido de bem comum, o sentido de interesse público que eles têm  - uns terão mais, outros terão menos. Mas provavelmente não é o máximo possível em todos eles.”  (...) 

O “rastilho” para isso  - segundo o orador -  “terá de vir mais dos filósofos, dos poetas e escritores, dos historiadores, dos líderes de opinião informais dos vários níveis da sociedade, e não é só os mais letrados; o rastilho tem que vir, às vezes, de pessoas mais simples, as tais pessoas mais comuns, que estão numa pequena fábrica, ou numa associação recreativa”. (...) 

“É daí, de pessoas mais e menos qualificadas, mas com a mesma vontade de trazer algo de novo para o País, que temos de esperar que esse ‘rastilho’ surja. Espera-se depois que alguns políticos saibam ler esses sinais e a dinâmica da sociedade e, com espírito de missão e de serviço público, façam as suas propostas e se proponham a governar.”  (...) 

Mais adiante, afirmou que a descrição do País feita pelos políticos, sobretudo no Governo, é uma “visão positiva” baseada em feitos “que muitas vezes são apenas económicos, em termos de números, que transmitem pouco do que é a estrurura do País”, apresentando a sua própria visão como “menos positiva, mas mais realista”: 

“Nós temos uma sociedade que é rígida, resistente à mudança, e isto é uma coisa que se nota, desde a revolução industrial  - resistimos à revolução industrial, resistimos a uma lei de rendas, por exemplo, resistimos a muita coisa.” 

“Temos uma sociedade envelhecida, em termos demográficos, uma sociedade de poderes dominantes, de lugares marcados, a todos os níveis, e poderes dominantes não só a nível empresarial, como a nível do Estado  - um dos principais poderes dominantes é o Estado…” 

“É natural, agora temos de definir o que é que o Estado deve ser, que dimensão é que deve ter, e quem gere o Estado, e que pesos e contrapesos é que há, que responsabilização é que há, e que reporte é que há da actividade desenvolvida no Estado.”  (...)

  

“Temos um Estado pesado, mal gerido, perdulário, com muitos impostos elevados ao serviço de interesses corporativos e privados. O Estado não está muitas vezes ao serviço da sociedade, está ao serviço das corporações que estão a gerir o Estado  - políticas, ou sindicais, ou outras, e de interesses ao fim e ao cabo privados.” (...) 

Afirmou ainda que há grandes desigualdades na sociedade, “e algumas estão a ser criadas e até reforçadas”.  (...) 

“É preciso assumir que a base de tudo é o cidadão, o privado, sendo que o colectivo, o público, devia estar ao serviço do cidadão e do privado, e que o Estado, principal poder dominante, não pode ser instrumentalizado só por alguns.” 

“Tem que se relembrar que o Estado pode ser garante, mas não tem que ser necessariamente prestador de todos os serviços. O Estado pode ser garante, a um dado nível na educação, ou na saúde, mas pode subcontratar esses serviços, em concorrência com o próprio, mas em concorrência transparente e séria.”  (...) 

E a concluir o seu diagnóstico sobre a situação política geral, António Carrapatoso disse ainda: 

“Como desatar o nó e limitar a resistência à mudança? Essencialmente temos que esperar que haja os tais novos protagonistas, aos vários níveis, da sociedade política e civil, como falámos, com visão e coragem para prometer novas visões, valores e projectos. E temos que mobilizar os cidadãos dando-lhes resposta. (...)  O tal projecto político, de visão para a sociedade, o tal caminho a prosseguir, que já vimos que nunca vai ser do agrado de todos, mas deve ter certos valores informadores, esse caminho tem que ser adaptado a cada tipo de cidadão.”  (...) 

Connosco
" The Guardian" evoca o bicentenário e retrata os seus erros e falhas editoriais Ver galeria

O “Guardian” celebrou, recentemente, o seu 200º aniversário. Como tal, o jornal britânico publicou uma edição especial, dando destaque a artigos sobre a importância da liberdade de imprensa, bem como a cartas enviadas por editores da imprensa internacional.

Contudo, por esta ocasião, o “Guardian” quis, ainda, reconhecer as suas falhas ao longo dos anos, assinalando-as como momentos de aprendizagem.

Neste sentido, o “Guardian” começou por recordar que dedicou apenas algumas linhas ao naufrágio do Titanic em 1912; publicou artigos com base em descobertas científicas mal fundamentadas; além de ter anunciado, na década de 1970, a chegada de uma “era do gelo”.

No entanto, conforme referiu o jornal, os seus maiores erros foram cometidos na coluna editorial, já que é nesta secção que as publicações assinalam o principal assunto do dia e “onde os erros ficam marcados para a posteridade”.

Neste âmbito, o “Guardian” recordou que, no final da década de 1860, defendeu a criação de uma Confederação no Sul dos Estados Unidos, criticando, por isso, a presidência de Abraham Lincoln.

Conforme assinalou o jornal, para o “Guardian” daquela época, “Lincoln era uma fraude que tratava a emancipação dos escravos como algo negociável, que isso era um obstáculo da união dos EUA”.

Além disso, num editorial publicado após o assassinato daquele Presidente norte-americano, o jornal referiu-se às suas políticas como “uma série de actos abomináveis contra toda a verdadeira noção de direito constitucional e de liberdade humana”.

"The Guardian" festeja 200 anos com jornalismo na primeira linha Ver galeria

O jornal britânico “ The Guardian” celebrou, recentemente, o seu 200º aniversário.

E, como forma de assinalar a efeméride, vários editores de publicações internacionais enviaram uma mensagem de tributo à publicação.

O então “Manchester Guardian” lançou a sua primeira edição em 5 de Maio de 1821, em resposta ao massacre de Peterloo. Desde esse dia, o título publicou mais de 54 mil edições e milhões de artigos jornalísticos, conquistando alguns prémios pelo caminho, incluindo um Pulitzer.

Para Christian Broughton, director do “Independent”, o “Guardian” soube “aproveitar um massacre para iniciar um movimento”.

“O massacre de Peterloo foi um incidente único”, disse Broughton. “Enquanto houver realidades difíceis sobre as quais reportar, continuaremos a precisar de jornalistas a exercerem as suas funções, e leitores que reconheçam o seu valor”.

Por sua vez, Marty Baron, do “Independent”, elogiou o “Guardian” por ser uma “fonte de inspiração para muitos”.

“Quando se completam 200 anos enquanto instituição mediática, isso significa que se está a fornecer um serviço público de qualidade”, afirmou.

Já Fran Unsworth, directora da BBC News, considerou o marco de 200 anos como uma “conquista extraordinária”.

“A história do ‘Guardian’ é uma tapeçaria rica em jornalismo de investigação, com responsabilização do poder político e em atenção aos interesses dos seus leitores”, rematou Unsworth.

Da mesma forma, o editor-executivo do “El País”, Javier Moreno, expressou a sua admiração pelo “jornal lançado no século XIX, em Manchester”, que se “tornou numa referência mundial”.

Outros jornalistas destacaram, por outro lado, os esforços da publicação para construir um modelo de negócio sustentável.

O Clube


Ao completar 40 anos de actividade ininterrupta o CPI – Clube Português de Imprensa tem um histórico de que se orgulha. Foi a 17 de dezembro de 1980 que um grupo de entusiastas quis dar forma a um projecto inédito no associativismo do sector. 

Não foi fácil pô-lo de pé, e muito menos foi cómodo mantê-lo até aos nossos dias, não obstante a cultura adversarial que prevalece neste País, sempre que surge algo de novo que escapa às modas em voga ou ao politicamente correcto.
O Clube cresceu, foi considerado de interesse público; inovou ao instituir os Prémios de Jornalismo, atribuídos durante mais de duas décadas; promoveu vários ciclos de jantares-debate, pelos quais passaram algumas das figuras gradas da vida nacional; editou a revista Cadernos de Imprensa; teve programas de debate, em formatos originais, na RTP; desenvolveu parcerias com o CNC- Centro Nacional de Cultura, Grémio Literário, e Lusa, além de outras, com associações congéneres estrangeiras prestigiadas, como a APM – Asociacion de la Prensa de Madrid e Observatório de Imprensa do Brasil.
A convite do CNC, o Clube juntou-se, ainda, à Europa Nostra para lançar, conjuntamente, o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, instituído pela primeira vez em 2013, em, homenagem à jornalista, que respirava Cultura, cabendo-lhe o mérito de relançar o Centro e dinamizá-lo com uma energia criativa bem testemunhada por quem a acompanhou de perto.
Mais recentemente, o Clube lançou os Prémios de Jornalismo da Lusofonia, em parceria com o jornal A Tribuna de Macau e a Fundação Jorge Álvares, procurando preencher um vazio que há muito era notado.
Uma efeméride “redonda” como esta que celebramos é sempre pretexto para um balanço. A persistência teve as suas recompensas, embora, hoje, os jornalistas estejam mais preocupados com a sua subsistência num mercado de trabalho precário, do que em participarem activamente no associativismo do sector.
Sabemos que esta realidade não afecta apenas o CPI, mas a generalidade das associações, no quadro específico em que nos inserimos. Seriam razões suficientes para nos sentarmos todos à mesa, reunindo esforços para preparar o futuro.
Com este aniversário do CPI fica feito o convite.

A Direcção


ver mais >
Opinião
Se olharmos para o ranking da liberdade de imprensa, elaborado pela organização internacional Repórteres sem Fronteiras (RSF), verificamos que Portugal fecha o top ten em 2020, entre 180 países avaliados, tendo melhorado duas posições desde o ano anterior. É uma classificação confortável, numa lista liderada pela Noruega, onde a vizinha Espanha aparece em 29.º lugar e a Coreia do Norte em último, um exemplo...
Limites da liberdade de expressão
Francisco Sarsfield Cabral
Na internet não deve continuar a prevalecer a lei da selva. O que não é um apelo à censura, muito menos se ela for praticada pelos gestores das empresas tecnológicas. Cabe à política, e não às empresas, assegurar o bem comum. Quem escreve na internet deverá sujeitar-se às condições jurídicas que não permitam atos que são considerados crimes nos media tradicionais.Não há...
Venham mais 40!...
Carlos Barbosa
No Brasil, começou esta aventura, com o Dinis de Abreu!! Foi há 40 anos, estava ele no Diário de Noticias e eu no Correio Manhã, quando resolvemos, com mais uma bela equipa de jornalistas, fundar o Clube Português de Imprensa. Completamente independente e sem qualquer cor politica, o Clube cedo se desenvolveu com reuniões ,almoços, palestras, etc. Tivemos o privilégio de ter os maiores nomes da sociedade civil e política portuguesa...
A perda da memória é um dos problemas do nosso jornalismo. E os 40 anos do Clube Português de Imprensa (CPI) reforçam essa ideia quando revejo a lista dos fundadores e encontro os nomes de Norberto Lopes e Raul Rego, dois daqueles a quem chamávamos mestres, à cabeça de uma lista de grandes carreiras na profissão. São os percursores de uma plêiade de figuras que enriqueceram a profissão, muitas deles premiados pelo Clube...
A ideia fundadora do CPI, pelo menos a que justificou a minha adesão plena à iniciativa, foi o entendimento de que cada media é uma comunidade de interesses convergentes. A dos editores da publicação, a dos produtores, a dos que comercializam. Isto é, uma ideia cooperativa de acionistas, jornalistas e outros trabalhadores. E, obviamente, uma ideia primeira de independência e de liberdade. Esta ideia causou, há quarenta anos, algum...
Agenda
11
Mai
A Inteligência Artificial e o Futuro do Jornalismo
14:00 @ Palácio Nacional da Ajuda
18
Mai
Congreso Internacional de Ética de la Comunicación
10:00 @ Universidade Complutense de Madrid
18
Mai
19
Mai
2021 Collaborative Journalism Summit
09:00 @ Conferência "online" do Journalism Fund