Terça-feira, 27 de Julho, 2021
Jantares-debate

Para Francisco George Portugal é confrontado com "duplo envelhecimento"

Portugal está confrontado com uma situação demográfica de “duplo envelhecimento, na base e no topo”, que é “motivo de grande preocupação”. Temos uma taxa de natalidade das mais baixas na União Europeia, com pouco mais de oito crianças por cada mil habitantes, e um milhão de portugueses com 75 e mais anos, “dos quais 330 mil têm 85 e mais anos”.

Foi por este lado, da população existente e prevista, que o orador convidado do ciclo "Portugal: que País vai a votos?", o médico Francisco George, especialista em Saúde Pública e actual presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, iniciou a sua palestra, no ciclo promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Este “crescimento negativo”, em que temos, todos os anos, mais óbitos do que nascimentos, contrasta com “a elevada posição que ocupamos, em Saúde materno-infantil, na protecção da mãe e da criança, que é muito superior à que ocupamos na Economia”, num lugar cimeiro “entre os três primeiros países da Europa”.

Francisco George começou por afirmar que “a saúde dos portugueses é excelente. Não falo do Sistema Nacional de Saúde e da sua competente cúpula, o Serviço Nacional de Saúde. Digo que a saúde dos portugueses é excelente. Nunca foi tão boa”. 

Prosseguiu, no entanto, com os números negativos da demografia. A taxa da fecundidade, que corresponde aos nascimentos por mulheres em idade fértil, é de 1,3.  “Isto quer dizer que dez mulheres têm treze filhos”, quando “deviam ter, no mínimo, 21 filhos”, para manterem “a probabilidade de as gerações se sucederem umas às outras”. 

“Há bem pouco tempo, António Correia de Campos dizia que a idade de nascimento do primeiro filho nas mulheres portuguesas derrapou seis anos. É verdade, isto é um motivo de preocupação, porque não só põe em risco a saúde da mãe, como também da criança.” 

“E há alguns aspectos que permitem perceber que poderá estar no horizonte uma subida, se bem que pouco significativa, da mortalidade materna, que era praticamente nula, exactamente devido às questões da idade avançada em relação à idade fértil, muitas vezes próximo dos 40 anos, em lugar de ser na casa dos 20, que é o ideal para a procriação.”  (...) 

Voltando à questão do envelhecimento, Francisco George sublinhou que temos hoje “155 idosos acima dos 75 anos para cada 100 jovens”; e que Portugal “todos os anos decresce, em termos de residentes”: nasceram no ano passado unicamente 87 mil crianças, e este ano “sabemos que morreram, ao longo de 2018, 113 mil pessoas. Há uma diferença de 26 mil”. 

Esta diferença, segundo acrescentou, “podia ser compensada com um saldo migratório, se fosse positivo”; e citou o exemplo da Alemanha e da Suécia, que facilitaram a entrada de refugiados  “porque sabiam que tinham problemas gravíssimos de crescimento negativo à vista, e de envelhecimento muito acentuado”.  (...) 

O envelhecimento populacional tem, depois, “uma transição igualmente no plano do perfil epidemiológico”, com  “menos doenças agudas, mais doenças crónicas.” 

“As doenças crónicas, no conjunto, representam 86% do peso do burden; e o peso do burden, em Saúde, são as doenças que matam, ou incapacitam, antes dos 70 anos.” 

“Não é a mesma coisa ter um enfarte do miocárdio aos 68 anos ou aos 80, 82 ou 86. Não é igual; quando surge um enfarte antes dos 70 anos, uma doença oncológica ou metabólica, degenerativa ou outra, nós, que falamos num problema que pode antecipar a morte, antes da barreira dos 70 anos, falamos em morte prematura.” 

Segundo Francisco George, esta morte prematura “constitui um grande problema no nosso País, e poucos são aqueles que a analisam”. Porque, “dos 113 mil óbitos que se verificaram, 20% foram de portugueses que não chegaram aos 70 anos.”  (...)

Outra consequência é “a probabilidade de um português, um cidadão, sofrer de demência com esta idade, que é superior a 40%”: 

“A verdade é que hoje sabemos que a demência, mais do que uma doença da mente, é uma doença neurológica. Portanto, há aqui um problema, de muitos idosos, internados em lares, estarem com demência, e não serem tratados devidamente, porque são confundidos com doentes com problemas da mente, não o sendo. Este é um problema que os políticos deviam olhar melhor, e não olham.”  (...) 

“A Saúde deu um grande salto”  -  afirmou depois Francisco George: 

“Nós tivémos grandes líderes na Saúde. Provavelmente, aquele que poderá ter sido dos maiores líderes que tivémos na Saúde foi Albino Aroso, que concentrou os meios e investiu na mãe e na criança. As mulheres portuguesas ainda não pensaram aquilo que devem a Albino Aroso, que foi o desenhador, o arquitecto da estratégia que colocou Portugal num lugar cimeiro, em termos da saúde da mãe e da criança.” 

“Não vou ter tempo de descrever as etapas do seu trabalho. Mas a verdade é que, de tal maneira é elevada a posição que ocupamos, em Saúde materno-infantil, na protecção da mãe e da criança, que é muito superior à que ocupamos na Economia, em termos do produto.” 

“O ranking do produto, naturalmente, coloca-nos numa posição com alguma vergonha, no conjunto da Europa, e o ranking da Saúde, sobretudo da mãe e da criança, num lugar cimeiro, muito seguramente entre os três primeiros países da Europa, mais ainda do que nos países do Norte da Europa.”  (...) 

No seguimento destas afirmações, o orador advertiu que, tanto os políticos, que sejam ou tenham sido “titulares de órgãos importantes de soberania”, como também os movimentos grevistas, “devem pensar melhor” sobre a importância do que está em causa: 

“E é verdade que estes movimentos recentes põem em causa, muitas vezes, conquistas que colocaram Portugal em lugares cimeiros, sobretudo nesta fase e nestas questões ligadas à mãe e à criança.”  (...) 

Perto de terminar, Francisco George citou um estudo realizado por um colega médico da mesma especialidade, Saúde Pública, que foi estudar uma amostra de cidadãos que não pagam IRS porque os os rendimentos familiares não ultrapassam os 800 euros, e aqueles que têm os escalões mais elevados de IRS. 

“Fez-se um estudo prospectivo e foi-se comparar o que é que acontecia a um da primeira amostra e da outra, quer uma quer outra muito representativas, com escolhas aleatórias de entre estas populações.” 

“O que é que acontece? O grupo de baixo rendimento surge com incapacidade de Alzheimer 15 anos antes do outro. Há aqui, portanto, um gradiente social: e este gradiente, que gera este fosso de 15 anos, está relacionado com um problema que é a falta de democracia em Saúde. Não há um regime democrático em Saúde Pública.” 

“Vou ser mais claro: e não há porquê? Porque, se é verdade que, nos blocos de partos, nascem crianças, filhos de africanos, filhos de portugueses, filhos de ricos e de pobres, ciganos e aristocratas, nos famosos blocos de partos, que nós conseguimos erguer e pôr a funcionar no País, concebidos por Albino Aroso, portanto em plena igualdade, depois, à medida que as crianças vão crescendo, surgem estratos na população, que os absorvem, que os colocam, e vão surgindo gradientes  -  o que contraria o próprio conceito de democracia.” 

A concluir, o orador mencionou também que os especialistas em Saúde Pública estão “preocupados com os efeitos na Saúde, que decorrem das alterações climáticas, sobretudo a questão das doenças de transmissão vectorial e os cancros da pele, que são vários; a resistência aos anti-microbianos vai pôr em causa a era da luta anti agentes microbiológicos patogénicos, e depois a questão da diabetes, que também não vou ter tempo de dizer, mas só chamar a atenção para este fenómeno, que é, a meu ver, pouco pensado também”.

Connosco
Conversas com jornalistas para promover a literacia mediática Ver galeria

O trabalho editorial é, por vezes, um mistério para as audiências que não entendem o processo adjacente, e que tendem a desumanizar a figura do jornalista, tomando-o como alguém quase “robotizado”, que prima pela neutralidade e objectividade, sem nunca se envolver com as histórias que publica.

Este tipo de percepção cria, assim, um distanciamento entre os profissionais dos “media” e os restantes cidadãos, que encaram as reportagens com cepticismo e desconfiança, criticando o papel do jornalista na sociedade.

Perante este cenário, os repórteres McArdle Hankin e Lauren Peace decidiram lançar o projecto “Local Live(s) Project”, que convida os jornalistas locais a falarem do seu percurso profissional, com o objectivo de fomentar uma relação de confiança com o público e promover a literacia mediática informal.

Em entrevista para a “Columbia Journalism Review”, os criadores da iniciativa explicaram que tudo começou com conversas informais, em que os jornalistas subiam a palco para contar as peripécias do trabalho jornalístico, respondendo às questões colocadas.

Mais tarde, com a pandemia, os eventos passaram a ser promovidos “online”, através de videoconferências.

Rússia intensifica restrições ao jornalismo independente Ver galeria

As autoridades russas classificaram o “site” de jornalismo independente “Proekt” como “indesejável”, banindo a actividade da plataforma a nível nacional, e atribuindo aos seus colaboradores o estatuto de “agentes estrangeiros”, denunciou o Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ).

Desta forma, quaisquer relações comerciais ou pessoais com o “site” passaram a ser consideradas ilegais.

“Ao banirem o ‘Proekt” e ao adicionarem novos nomes à lista de ‘agentes estrangeiros’, as autoridades russas parecem querer silenciar as últimas vozes independentes do país”, afirmou Gulzona Said, coordenadora do CPJ, acrescentando que “as intenções do governo deveriam ser revistas, de forma a proteger a liberdade de imprensa”.

Recentemente, foram introduzidas emendas ao código criminal russo, que prevêm penas de prisão, até quatro anos, para os jornalistas que colaborem com “media” indesejados, ou de até seis anos, para os profissionais que forem considerados culpados de “organizar essas actividades”.

Da mesma forma, os jornalistas ou “media” classificados como “agentes estrangeiros” podem enfrentar diversas restrições a nível financeiro.

De acordo com Mikhail Rubin, antigo editor-executivo da publicação, estas medidas são, provavelmente, uma resposta às investigações realizadas pelo título sobre o Presidente russo, Vladimir Putin, e o seu círculo mais próximo.

O Clube


Ao completar 40 anos de actividade ininterrupta o CPI – Clube Português de Imprensa tem um histórico de que se orgulha. Foi a 17 de dezembro de 1980 que um grupo de entusiastas quis dar forma a um projecto inédito no associativismo do sector. 

Não foi fácil pô-lo de pé, e muito menos foi cómodo mantê-lo até aos nossos dias, não obstante a cultura adversarial que prevalece neste País, sempre que surge algo de novo que escapa às modas em voga ou ao politicamente correcto.
O Clube cresceu, foi considerado de interesse público; inovou ao instituir os Prémios de Jornalismo, atribuídos durante mais de duas décadas; promoveu vários ciclos de jantares-debate, pelos quais passaram algumas das figuras gradas da vida nacional; editou a revista Cadernos de Imprensa; teve programas de debate, em formatos originais, na RTP; desenvolveu parcerias com o CNC- Centro Nacional de Cultura, Grémio Literário, e Lusa, além de outras, com associações congéneres estrangeiras prestigiadas, como a APM – Asociacion de la Prensa de Madrid e Observatório de Imprensa do Brasil.
A convite do CNC, o Clube juntou-se, ainda, à Europa Nostra para lançar, conjuntamente, o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, instituído pela primeira vez em 2013, em, homenagem à jornalista, que respirava Cultura, cabendo-lhe o mérito de relançar o Centro e dinamizá-lo com uma energia criativa bem testemunhada por quem a acompanhou de perto.
Mais recentemente, o Clube lançou os Prémios de Jornalismo da Lusofonia, em parceria com o jornal A Tribuna de Macau e a Fundação Jorge Álvares, procurando preencher um vazio que há muito era notado.
Uma efeméride “redonda” como esta que celebramos é sempre pretexto para um balanço. A persistência teve as suas recompensas, embora, hoje, os jornalistas estejam mais preocupados com a sua subsistência num mercado de trabalho precário, do que em participarem activamente no associativismo do sector.
Sabemos que esta realidade não afecta apenas o CPI, mas a generalidade das associações, no quadro específico em que nos inserimos. Seriam razões suficientes para nos sentarmos todos à mesa, reunindo esforços para preparar o futuro.
Com este aniversário do CPI fica feito o convite.

A Direcção


ver mais >
Opinião
Há sinais que não enganam, ou que só enganam quem queira deixar-se enganar.Enquanto o Parlamento “chumbou” a tentativa de revogar o polémico artigo 6º da Carta Portuguesa de Direitos Humanos na Era Digital, apontado como tendencialmente censório, anuncia-se, de mansinho, uma possível revisão da Lei de Imprensa, com o pretexto de estar a celebrar-se o bicentenário do primeiro documento publicado com esse objectivo. Para...
O acordo de Macau rasgado pela China
Francisco Sarsfield Cabral
Sem alterar qualquer nova lei, em Macau, como em Hong-Kong, a China não respeita os acordos que assinou. O Governo português nem sequer protesta. Razão tem o presidente J. Biden para endurecer o relacionamento com a China e o seu regime de ditadura absoluta do partido comunista chinês.  Na passada terça-feira o jornal “Público” dedicou quatro páginas à atual situação em Macau. Dois jornalistas (Hugo Pinto e...
Venham mais 40!...
Carlos Barbosa
No Brasil, começou esta aventura, com o Dinis de Abreu!! Foi há 40 anos, estava ele no Diário de Noticias e eu no Correio Manhã, quando resolvemos, com mais uma bela equipa de jornalistas, fundar o Clube Português de Imprensa. Completamente independente e sem qualquer cor politica, o Clube cedo se desenvolveu com reuniões ,almoços, palestras, etc. Tivemos o privilégio de ter os maiores nomes da sociedade civil e política portuguesa...
A perda da memória é um dos problemas do nosso jornalismo. E os 40 anos do Clube Português de Imprensa (CPI) reforçam essa ideia quando revejo a lista dos fundadores e encontro os nomes de Norberto Lopes e Raul Rego, dois daqueles a quem chamávamos mestres, à cabeça de uma lista de grandes carreiras na profissão. São os percursores de uma plêiade de figuras que enriqueceram a profissão, muitas deles premiados pelo Clube...
A ideia fundadora do CPI, pelo menos a que justificou a minha adesão plena à iniciativa, foi o entendimento de que cada media é uma comunidade de interesses convergentes. A dos editores da publicação, a dos produtores, a dos que comercializam. Isto é, uma ideia cooperativa de acionistas, jornalistas e outros trabalhadores. E, obviamente, uma ideia primeira de independência e de liberdade. Esta ideia causou, há quarenta anos, algum...
Agenda
23
Ago
28
Set
World News Media Congress
09:00 @ Taipei, Taiwan
13
Out
01
Nov
The African Investigative Journalism Conference
10:00 @ Joanesburgo, África do Sul