Sábado, 8 de Maio, 2021
Jantares-debate

Decálogo de Eduardo Marçal Grilo: "Os extremismos estão a tomar conta da Europa"

Falando sobre “os grandes desafios” que temos de enfrentar na próxima década, Eduardo Marçal Grilo advertiu que “os extremismos estão a tomar conta da Europa”:

“Julgo que é mais importante, para o futuro da Europa, a médio-longo prazo, o que se vai passar nas eleições de Maio do que nas de Outubro. Ou seja, são mais importantes as eleições europeias, a nível europeu, do que as legislativas aqui em Portugal.”

A reflexão de Marçal Grilo foi proferida no contexto do jantar-debate de 22 de Novembro, que inaugura o novo ciclo sob o título “Portugal: que País vai a votos?”  -  organizado pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

O orador, socorrendo-se de um decálogo de temas, sublinhou o risco “dos extremismos e do apagamento dos partidos moderados e reformistas”, acrescentando que “os extremismos trouxeram sempre às sociedades onde se implantaram problemas acrescidos, de confronto e de violência. E sobretudo transformando a política numa coisa que hoje se nota muito: é que já praticamente não há adversários: há inimigos.”

O nosso convidado introduziu a sua palestra afirmando que, “como português e como europeu, e olhando para os grandes desafios e as grandes questões que se nos colocam, eu antevejo que é na Europa, e no projecto da construção de uma Europa unida, que devem residir as nossas maiores esperanças, mas também as nossas maiores preocupações”.

 

Marçal Grilo identificou então uma sequência de “dez grandes desafios para a próxima década”, que apresentou pela seguinte ordem:

Procura da paz. “Este é um desafio a que todos temos de prestar enorme atenção e prioridade. A Europa vive há mais de 70 anos num clima de paz, mas não nos devemos esquecer que os Balcãs não tiveram essa paz, teve sobretudo o centro da Europa. (...) O mundo precisa seguramente de uma reforma das Nações Unidas, precisa que os Estados Unidos se clarifiquem, que esta América Trump, ou America First, se defina melhor, ou que nós a consigamos compreender um pouco melhor  - se é que o Presidente Trump é compreensível...  E a ideia que eu tenho é que, na procura da paz, a Europa tem que ser um conjunto coerente.”
“A Europa vai perdendo peso, quer do ponto de vista demográfico, quer da sua relevância económica, mas   perderá muito mais se a Europa se desunir, ou pior ainda, se desintegrar aquilo que se chama a União Europeia.” (...) 


O segundo desafio é o das migrações, que “são hoje uma constante, dividem os povos mais desfavorecidos deste mundo próspero em que nós vivemos, com duas grandes fronteiras, a do Mediterrâneo e a do México. E esta matéria tem sido um dos factores de maior desintegração em termos europeus. Nós portugueses, com esta enorme capacidade de acolhimento, que temos tido (mas também favorecidos pela situação geográfica), temos de continuar a perceber duas coisas”:

“Que não é possível resolver, nem enfrentar o problema das migrações, de todos aqueles que nos procuram, sem que haja uma estratégia comum, o que reforça a ideia de uma Europa unida e organizada. O segundo é o de que também não é possível combater as migrações (...) se não desenvolvermos as sociedades africanas. A Europa tem que ter uma contribuição significativa para o desenvolvimento dos países e das sociedades africanas, e só fazendo crescer estas economias nós podemos, em certa medida, travar este fluxo migratório que vem para a costa europeia do Mediterrâneo.”

O terceiro é o da digitalização das economias e da vida das sociedades modernas. Sobre este tema, Marçal Grilo chamou a atenção para o facto de que a chamada “sociedade 4.0” levanta problemas sérios sobre “a formação de uma mão-de-obra qualificada e preparada para enfrentar os novos desafios, os apoios a todos os que se vêem numa situação de desemprego forçado, o diálogo entre governo, empresas e sindicatos como forma de ir ao encontro de soluções para esta forma de mudança estrutural e, finalmente, a adopção de políticas sociais que protejam os mais desfavorecidos e excluídos”. (...) Lembrou ainda que “Portugal tem um tecido económico muito frágil, em que 97% ou 98% é constituído por micro, pequenas e médias empresas”, e que há “um aspecto que os últimos indicadores revelam: é que as novas empresas estão a provocar uma maior desigualdade na sociedade”:

“As novas tecnologias e empresas, as start-ups, não tanto as empresas clássicas quando adoptam as novas tecnologias, mas as iniciativas mais modernas, sobretudo nas tecnologias mais avançadas, estão a provocar um aumento da desigualdade, sobretudo salarial.”

Seguidamente apelou à defesa dos “valores que caracterizam as sociedades ocidentais, designadamente nos países europeus e nos Estados Unidos”: a democracia, a liberdade de associação, os direitos e liberdades individuais, a solidariedade, o respeito pelos outros, a convivência entre raças, culturas e religiões e a tolerância.

Marçal Grilo sublinhou que “a defesa destes valores não passa apenas pela sua prática no dia a dia, mas sobretudo por uma educação para os valores”, propondo que esta tivesse em conta uma formação em três pilares: “os conhecimentos clássicos, as línguas, a matemática, a História, a filosofia, as artes, a música, tudo o que tem a ver com o conhecimento; o segundo pilar, que tem a ver com os comportamentos  - a responsabilidade, a autonomia, o pensamento independente, a capacidade de liderar, o trabalho em grupo; e finalmente os valores, os que identifiquei há pouco, mas sobretudo o do respeito entre todos, o sentido ético, que se perdeu completamente”…

“Se há factor que influenciou a crise, depois de 2007, 2008, foi a falta de sentido ético de todos aqueles que produziram aquelas centenas de milhares de produtos que foram lançados pelo mundo, e que lançaram o mundo naquela confusão imensa.” (...)  O orador concluiu este ponto com um apelo à defesa e promoção da língua e da literatura portuguesa no mundo.


O quinto desafio é o dos perigos que se manifestam nas democracias representativas. “O que aconteceu com a Cambridge Analytica, quer no que respeita ao Brexit quer à eleição do Presidente Trump, mostra duas coisas: que a democracia representativa é hoje manipulada  - é possível manipulá-la de tal forma que nós conseguimos, através dos hackers, dos ciber-ataques, pela utilização do Big Data, das redes sociais, etc.  - somos capazes de pôr os eleitores a votar, pensando que estão a votar naquilo que os defende. E isto é apenas um pequeno e inicial exemplo do que poderá acontecer em sistemas eleitorais futuros.”

Marçal Grilo deixou uma interrogação sobre “para onde vai a democracia representativa” e “como podemos aperfeiçoar os nossos regimes democráticos, para garantir a representatividade dos diversos sectores de opinião”.

Sobre os extremismos e “o apagamento dos partidos moderados e reformistas”, o orador fez uma breve descrição do surgimento dos movimentos nacionalistas e independentistas por toda a Europa, nas últimas décadas, sublinhando:

“Portugal é uma espécie de excepção. Nós mantemos aqui uma configuração partidária com uma enorme estabilidade. Se olharmos para as eleições de 1975, e substituirmos a CDE pelo Bloco de Esquerda, temos praticamente o mesmo panorama. Até quando? Veremos.” (...) 

O desafio das alterações climáticas. Sobre esta matéria, o nosso convidado afirmou que “estamos a introduzir um dano tal no nosso planeta”, com todas as formas de poluição conhecidas, que, também neste ponto, “só uma Europa unida será capaz de cumprir os Acordos de Paris; ninguém terá capacidade, por si só, de lutar contra esta degradação do ambiente a que estamos a assistir por todo o mundo”. (...)

 
Marçal Grilo falou, a seguir, das fontes energéticas, sobre a necessária transição das energias fósseis para as renováveis:

“O carvão está a perder peso, o gás natural e o petróleo manterão durante alguns anos uma tendência ainda de crescimento, mas é a utilização das energias renováveis, eólica, a solar, a biomassa, que têm vindo a ganhar peso na produção e consumo de energia. Mas estamos ainda muito longe de atingir um patamar que permita conjugar o desenvolvimento crescente económico, e o bem-estar das populações, com o enquadramento ambiental que assegure a qualidade do ar, dos oceanos, dos lagos e dos rios, que seja garante do equilíbrio do planeta em que vivemos.”

O combate ao terrorismo. O orador comparou os tipos de terrorismo a que assistimos nas últimas décadas, desde os que representavam  “uma espécie de luta pela independência (o IRA e a ETA), depois movimentos como Baader-Meinhof e Brigadas Vermelhas, de acção armada contra o sistema capitalista”, até ao actual terorismo islâmico, que “é diferente porque funciona não racionalmente, é descentralizado, opera por grupos espalhados praticamente por todo o mundo”.

E assenta em três factores: no jogo da imagem, (o que importa é o que a TV mostra, e as redes sociais), no medo, e na procura da alteração dos comportamentos:

“Eles querem dizer: nós somos capazes de vos fazer viver de uma forma diferente.”

Sobre este ponto, Marçal Grilo chamou a atenção para “as muitas fragilidades da Europa” nesta matéria, sobretudo com o Brexit  - referindo-se à qualidade dos sistemas de informação britânicos, que o resto da Europa não terá ao mesmo nível.

A concluir, Marçal Grilo falou da necessária “concepção de um novo modelo para o projecto de construção de uma Europa Unida”, citando Helmut Kohl, que em 1991 disse que “a união monetária sem unidade política será a longo prazo insustentável”:

“Eu não sei se isto é verdade hoje… A ideia que tenho é de que nós teremos que repensar o modelo de integração europeia. A próxima década vai trazer uma grande imprevisibildade  -  se há coisa que se possa prever é a imprevisibilidade, mas a Europa tem que se estruturar e tem que se consolidar como um projecto para que nós sejamos capazes de enfrentar todos estes desafios.”   

“Tudo isto passa por uma Europa muito mais articulada, e muito menos uma Europa em que a única coisa que importa são os fundos…Os países que vieram do que impropriamente se chamava a Europa de Leste, e mesmo ainda aqui em Portugal, o que importa são os fundos.”  (...)

 

Connosco
"The Guardian" festeja 200 anos com jornalismo na primeira linha Ver galeria

O jornal britânico “ The Guardian” celebrou, recentemente, o seu 200º aniversário.

E, como forma de assinalar a efeméride, vários editores de publicações internacionais enviaram uma mensagem de tributo à publicação.

O então “Manchester Guardian” lançou a sua primeira edição em 5 de Maio de 1821, em resposta ao massacre de Peterloo. Desde esse dia, o título publicou mais de 54 mil edições e milhões de artigos jornalísticos, conquistando alguns prémios pelo caminho, incluindo um Pulitzer.

Para Christian Broughton, director do “Independent”, o “Guardian” soube “aproveitar um massacre para iniciar um movimento”.

“O massacre de Peterloo foi um incidente único”, disse Broughton. “Enquanto houver realidades difíceis sobre as quais reportar, continuaremos a precisar de jornalistas a exercerem as suas funções, e leitores que reconheçam o seu valor”.

Por sua vez, Marty Baron, do “Independent”, elogiou o “Guardian” por ser uma “fonte de inspiração para muitos”.

“Quando se completam 200 anos enquanto instituição mediática, isso significa que se está a fornecer um serviço público de qualidade”, afirmou.

Já Fran Unsworth, directora da BBC News, considerou o marco de 200 anos como uma “conquista extraordinária”.

“A história do ‘Guardian’ é uma tapeçaria rica em jornalismo de investigação, com responsabilização do poder político e em atenção aos interesses dos seus leitores”, rematou Unsworth.

Da mesma forma, o editor-executivo do “El País”, Javier Moreno, expressou a sua admiração pelo “jornal lançado no século XIX, em Manchester”, que se “tornou numa referência mundial”.

Outros jornalistas destacaram, por outro lado, os esforços da publicação para construir um modelo de negócio sustentável.

Hillary contra países autoritários que utilizam "media" para propaganda Ver galeria

Por ocasião do 200º aniversário do “Guardian”, a antiga candidata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, concedeu uma entrevista ao jornal britânico, para debater a importância do combate à desinformação.

Conforme recordou o “Guardian”, Hillary Clinton foi candidata presidencial numa altura em que as campanhas “fake news” começaram a ganhar força.

Aliás, de acordo com várias fontes jornalísticas, a campanha de Clinton foi prejudicada por um movimento de Moscovo, que começou a disseminar notícias falsas sobre o passado da candidata nas redes sociais.

Cinco anos depois -- e apesar da mudança de presidência dos EUA-- as campanhas de desinformação e as “teorias da conspiração” ganharam ainda mais força, ameaçando a segurança e o bem-estar dos cidadãos.

Posto isto, Hillary Clinton defende que os “media” têm que alterar a sua estratégia e deixar de “defender que a verdade se encontra algures no meio”, enquanto se preparam para enfrentar o poder das redes sociais.

“As empresas tecnológicas são, agora, muito mais poderosas do que qualquer meio de comunicação tradicional”, reiterou a antiga primeira-dama dos EUA. “Acho que tem de haver um reconhecimento internacional dos perigos da desinformação, bem como da questão do monopólio”, continuou, referindo-se, em concreto, ao caso do Facebook.

Assim, Clinton espera que o actual governo dos EUA imponha novas directrizes a estas empresas.

O Clube


Ao completar 40 anos de actividade ininterrupta o CPI – Clube Português de Imprensa tem um histórico de que se orgulha. Foi a 17 de dezembro de 1980 que um grupo de entusiastas quis dar forma a um projecto inédito no associativismo do sector. 

Não foi fácil pô-lo de pé, e muito menos foi cómodo mantê-lo até aos nossos dias, não obstante a cultura adversarial que prevalece neste País, sempre que surge algo de novo que escapa às modas em voga ou ao politicamente correcto.
O Clube cresceu, foi considerado de interesse público; inovou ao instituir os Prémios de Jornalismo, atribuídos durante mais de duas décadas; promoveu vários ciclos de jantares-debate, pelos quais passaram algumas das figuras gradas da vida nacional; editou a revista Cadernos de Imprensa; teve programas de debate, em formatos originais, na RTP; desenvolveu parcerias com o CNC- Centro Nacional de Cultura, Grémio Literário, e Lusa, além de outras, com associações congéneres estrangeiras prestigiadas, como a APM – Asociacion de la Prensa de Madrid e Observatório de Imprensa do Brasil.
A convite do CNC, o Clube juntou-se, ainda, à Europa Nostra para lançar, conjuntamente, o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, instituído pela primeira vez em 2013, em, homenagem à jornalista, que respirava Cultura, cabendo-lhe o mérito de relançar o Centro e dinamizá-lo com uma energia criativa bem testemunhada por quem a acompanhou de perto.
Mais recentemente, o Clube lançou os Prémios de Jornalismo da Lusofonia, em parceria com o jornal A Tribuna de Macau e a Fundação Jorge Álvares, procurando preencher um vazio que há muito era notado.
Uma efeméride “redonda” como esta que celebramos é sempre pretexto para um balanço. A persistência teve as suas recompensas, embora, hoje, os jornalistas estejam mais preocupados com a sua subsistência num mercado de trabalho precário, do que em participarem activamente no associativismo do sector.
Sabemos que esta realidade não afecta apenas o CPI, mas a generalidade das associações, no quadro específico em que nos inserimos. Seriam razões suficientes para nos sentarmos todos à mesa, reunindo esforços para preparar o futuro.
Com este aniversário do CPI fica feito o convite.

A Direcção


ver mais >
Opinião
Se olharmos para o ranking da liberdade de imprensa, elaborado pela organização internacional Repórteres sem Fronteiras (RSF), verificamos que Portugal fecha o top ten em 2020, entre 180 países avaliados, tendo melhorado duas posições desde o ano anterior. É uma classificação confortável, numa lista liderada pela Noruega, onde a vizinha Espanha aparece em 29.º lugar e a Coreia do Norte em último, um exemplo...
Limites da liberdade de expressão
Francisco Sarsfield Cabral
Na internet não deve continuar a prevalecer a lei da selva. O que não é um apelo à censura, muito menos se ela for praticada pelos gestores das empresas tecnológicas. Cabe à política, e não às empresas, assegurar o bem comum. Quem escreve na internet deverá sujeitar-se às condições jurídicas que não permitam atos que são considerados crimes nos media tradicionais.Não há...
Venham mais 40!...
Carlos Barbosa
No Brasil, começou esta aventura, com o Dinis de Abreu!! Foi há 40 anos, estava ele no Diário de Noticias e eu no Correio Manhã, quando resolvemos, com mais uma bela equipa de jornalistas, fundar o Clube Português de Imprensa. Completamente independente e sem qualquer cor politica, o Clube cedo se desenvolveu com reuniões ,almoços, palestras, etc. Tivemos o privilégio de ter os maiores nomes da sociedade civil e política portuguesa...
A perda da memória é um dos problemas do nosso jornalismo. E os 40 anos do Clube Português de Imprensa (CPI) reforçam essa ideia quando revejo a lista dos fundadores e encontro os nomes de Norberto Lopes e Raul Rego, dois daqueles a quem chamávamos mestres, à cabeça de uma lista de grandes carreiras na profissão. São os percursores de uma plêiade de figuras que enriqueceram a profissão, muitas deles premiados pelo Clube...
A ideia fundadora do CPI, pelo menos a que justificou a minha adesão plena à iniciativa, foi o entendimento de que cada media é uma comunidade de interesses convergentes. A dos editores da publicação, a dos produtores, a dos que comercializam. Isto é, uma ideia cooperativa de acionistas, jornalistas e outros trabalhadores. E, obviamente, uma ideia primeira de independência e de liberdade. Esta ideia causou, há quarenta anos, algum...
Agenda
11
Mai
A Inteligência Artificial e o Futuro do Jornalismo
14:00 @ Palácio Nacional da Ajuda
18
Mai
Congreso Internacional de Ética de la Comunicación
10:00 @ Universidade Complutense de Madrid
18
Mai
19
Mai
2021 Collaborative Journalism Summit
09:00 @ Conferência "online" do Journalism Fund