Quinta-feira, 22 de Outubro, 2020

  

... E Grupo Telegraph bate recorde de subscritores

Media Galeria

O Telegraph Media Group atingiu um número recorde de 522 mil subscritores do seu jornalismo, digital e impresso. De acordo com o “Telegraph”,  o crescimento foi impulsionado, durante os primeiros oito meses do ano, pelo forte interesse na cobertura do coronavírus. 

Nick Hugh, director, executivo do Telegraph Media Group, afirmou que “o ano de 2019 representou mais um período de sucesso do Grupo, ao continuarmos a nossa transformação para um negócio de subscrição. O nosso crescimento substancial e consistente de assinaturas continuou em 2020, com o importante marco de 500 mil assinantes ultrapassado em Maio de 2020".

“Com a receita média por assinante também a aumentar, de acordo com o nosso plano, continuamos no bom caminho para atingirmos um modelo de negócio sustentável e rentável. Isto explica o nosso investimento contínuo em jornalismo de qualidade -- algo que se tornou cada vez mais importante nestes tempos incertos". 


Jornais Metropolitanos nos EUA expandem-se

Mundo Galeria

Nos Estados Unidos, alguns jornais metropolitanos estão a alargar a sua área de cobertura, contrariando décadas de contenção de custos na área de reportagem e de recursos humanos, notou Rich Edmonds num artigo publicado na revista “Poynter”. 

É o caso do Boston Globe”, do “Star Tribune” de Minneapolis, e do “Post and Courier of Charleston”, que abriram escritórios e contrataram correspondentes noutras cidades.

De notar que estes jornais metropolitanos são alguns dos mais bem sucedidos, contando com uma forte base de leitores e de subscritores “online”.

O “ Globe” foi o primeiro a lançar-se na expansão, num território ocupado, anteriormente,  pelo “Providence Journal”. 

Num “e-mail” enviado à “Poynter”, o editor do “Globe” contou que a experiência está a ser bem sucedida, e que, por isso, irá contratar quatro outros jornalistas e um profissional de “marketing “de Rhode Island.

Empresário compra 40% da Global Media

Media Galeria

O empresário Marco Galinha, do Grupo Bel, adquiriu 40% do Grupo Global Media -- detentor de jornais como “Diário de Notícias”, “Jornal de Notícias” e “O Jogo”-- por quatro milhões de euros. A entrada do investidor no capital do Grupo já foi comunicada aos trabalhadores.

O novo accionista participa no capital da Global Media através da compra de uma participação do Novo Banco (10,5%) e outra posição controlada pelo BCP (no total, quase 30%).  

Contudo, Marco Galinha terá, ainda, de despender mais 6 milhões de euros, destinados aos pagamento de indemnizações da dispensa de 120 colaboradores do Grupo. 

De acordo com o plano a que o jornal “Observador” teve acesso, o número de jornalistas envolvidos nesta reestruturação poderia ascender a 70, com o “Diário de Notícias” a reduzir o seu “staff” editorial de 44 para cerca de 20 profissionais.

O empresário comprometeu-se, também, com o controlo da gestão do Grupo durante quatro anos.


“Público” altera modelo de comentários no “site”

Media Galeria

O “site” do jornal “Público” actualizou as regras da comunidade e dos comentários, como forma de garantir debate qualificado e cordial e combater a degradação do discurso em plataformas “online”.

Desde 2012 que as caixas de comentários do “Público” funcionavam através de moderação comunitária. “O sistema assenta numa hierarquia de leitores –’iniciantes’, ‘experientes’, ‘influentes’ e ‘moderadores’ – que traduz o historial e a qualidade da sua participação”, explica a publicação.

Contudo, o jornal argumenta que este sistema deixou de ser viável, já que muitos dos comentários se baseiam em insultos e apelos ao ódio, o que obrigava à intervenção da redacção.

Assim, o “site” vai impôr um limite diário de dois comentários submetidos por leitores não-assinantes. Da mesma forma, os moderadores que não subscrevam o jornal, terão um limite diário de três acções.


Lusa e Efe desenham estratégia comum

Media Galeria

As agências noticiosas Lusa e Efe, querem “participar activamente” no plano de acção para a democracia europeia, de Bruxelas, já que consideram ser “o último garante” da informação livre.

“As agências de notícias de Portugal, Lusa, e de Espanha, Efe, vêm manifestar a sua firme intenção de participarem, activamente, no European Democracy Action Plan [Plano de Ação para a Democracia Europeia], que a Comissão Europeia pretende apresentar até ao final de 2020”, referiram as empresas, numa carta conjunta enviada às instituições europeias em Bruxelas.

Asquelas agências disseram contribuir “ diariamente, e de forma significativa, para minorar as dificuldades de redações cada vez mais reduzidas” e que, por isso, “devem ser contempladas no plano europeu de ajuda aos ‘media’” e no combate contra a desinformação.



“Correio da Manhã” liderou audiências digitais

Media Galeria

A versão digital do “Correio da Manhã” recuperou, em Agosto,  a liderança no “ranking” da NetAudience. Com um “reach” multiplataforma de 3,57 milhões de pessoas, o diário da Cofina ultrapassou a TVI que, em Julho, tinha ocupado o primeiro lugar na “tabela”.

A estação de Queluz alcançou, agora, cerca de  3,31 milhões de leitores, descendo à segunda posição. 

O “top 3” de Agosto fica completo com o “Jornal de Notícias” que repete a terceira posição, alcançada em Julho, com um “reach” multiplataforma de 3,27 milhões de consumidores

Entre os títulos generalistas, seguem-se o “Expresso”, que registou no último mês um “reach” digital de 2,22 milhões, e o “Diário de Notícias”, com 2,18 milhões

A NiT liderou o segmento de “Lifestyle”, com um “reach”  multiplataforma de 2,69 milhões de leitores.
No segmento desportivo, a liderança continua a pertencer ao “Record” (1,87 milhões). Seguem-se-lhe “ o Jogo”, (1,4 milhões), e o “MaisFutebol”, (1,19 milhões).


Realidade aumenta em projecto comum ao "NYT" e Facebook

Media Galeria

O “New York Times” desenvolveu, em parceria com o Facebook, um projecto de realidade aumentada, que deverá ajudar na contextualização dos artigos publicados naquele jornal.

Esta iniciativa inclui, então, filtros de imagem, que poderão ser utilizados na rede social Instagram. Numa fase inicial, a ferramenta disponibilizará conteúdos sobre o centenário do sufrágio feminino, cobertura dos incêndios florestais na Califórnia, abordando, ainda, a qualidade do ar durante o período de confinamento.

Os utilizadores do Instagram podem interagir com os filtros e efeitos, através da página de perfil do “NYT”, sob o separador de efeitos. Estas imagens poderão, também, ser colocadas sobre fotografias originais.

De acordo com Monica Drake, editora-executiva no “NYT”, este projecto será útil para fazer chegar o jornalismo a mais pessoas. "Esperamos que, quando os utilizadores encontrarem estes filtros, visitem a nossa página, para lerem uma história mais completa". 


Formato "podcast" ganha audiência nos EUA com notícias locais

Mundo Galeria

Os “podcasts” são um produto em crescimento, com uma oferta cada vez mais diversificada, e com uma audiência alargada. Estes programas vão desde histórias de ficção, até “sketches” de comédia, contando, também, com uma grande variedade de boletins informativos.

Nos Estados Unidos, a NPR (National Public Radio) é uma das principais “vozes” da informação em formato de “podcast” e, ao mesmo tempo, uma das empresas mais inovadoras.

Isto porque, além de oferecer conteúdos sobre os principais temas da actualidade norte-americana,  a NPR foi pioneira na introdução de geolocalização, para dar notícias locais aos seus ouvintes.

Agora, os seguidores do “podcast”, que se encontrem numa de dez cidades -- Boston, New York, Philadelphia, Washington, D.C., Chicago, Minneapolis/St. Paul, Dallas, Los Angeles, San Francisco, e Portland -- receberão um alerta com as notícias locais, cortesia das  estações membro da NPR.


« ... 5  6  7  8  9  10  11  12  13  ... »
  
PESQUISA AVANÇADA
PESQUISAR POR DATA
PESQUISAR POR CATEGORIA
PESQUISAR POR PALAVRA-CHAVE

O Clube


Terminada a pausa de Agosto, este site do CPI  retoma a sua actividade e as  actualizações diárias, num contacto regular que faz parte da rotina de consulta dos nossos associados e parceiros, e que  tem vindo a atrair um confortável e crescente número de visitantes em Portugal e um pouco por todo o mundo, com relevo para os países lusófonos.

Sem prejuízo de  algumas alterações de estrutura funcional , o site continuará  acompanhar, a par e passo,  as iniciativas do Clube, bem como o  que de mais relevante  ocorrer no País e fora dele em matéria de jornalismo,  jornalistas e de liberdade de expressão.

Os media enfrentam uma situação complexa e, para muitos,  não se adivinha um desfecho airoso. 

O futuro dos media independentes está tingido de sombras.  E o das associações independentes de jornalistas – como é o caso do Clube Português de Imprensa – não se antevê, também, isento de dificuldades, que saberemos vencer, como vencemos outras ao longo de quase quatro décadas de história, que se completam este ano.

Desde a sua fundação, em 1980, o CPI viveu exclusivamente  com o apoio dos sócios, e de alguns mecenas que quiseram acompanhar os esforços do Clube,  identificado com uma sólida  profissão de fé em defesa do jornalismo e dos jornalistas.



ver mais >
Opinião
No final de 2016 a Newspaper Association Of America, que representava cerca de 2000 publicações nos Estados Unidos e no Canadá, anunciou a sua transformação em News Media Alliance, reflectindo a evolução do sector e passando a incorporar as diversas plataformas em que os grupos produtores de informação qualificada se desdobraram ao longo dos últimos anos, coexistindo o papel com os formatos digitais, mas também video,...
O acesso dos jornalistas da BBC às redes sociais pode vir a ser condicionado, segundo revelou o novo director geral do operador público inglês, Tim Davie. A decisão é polémica, mas haja quem lhe atire “a primeira pedra” ao argumentar , numa comissão parlamentar especializada, onde foi ouvido, que "se alguém é o rosto da BBC e entra em política partidária, não me parece que seja o lugar certo para...
Jornalistas: nem heróis nem vilões
Francisco Sarsfield Cabral
No  jornal “Público” de sábado,  J. Pacheco Pereira elogiou Vicente Jorge Silva porque “fez uma coisa rara entre nós – fez obra. Não tanto como jornalista, mas como criador no terreno da comunicação social”. E destacou o papel do jornal madeirense “Comércio do Funchal”, que, apesar da censura, conseguiu criticar o regime então vigente. Até ao 25 de Abril este jornal logrou,...
De acordo com Carlos Camponez , o «jornalismo de proximidade», porque realmente está mais próximo dos leitores da comunidade onde se integra, pode desempenhar um papel fundamental, «assumindo uma perspetiva de compromisso no incentivo à vida pública». Neste contexto, aquele investigador aponta para a ideia da criação de uma agenda do cidadão, o que, por sua vez, «obriga a que os media invistam em técnicas...
Acordaram para o incumprimento reiterado de alguns órgãos de informação em matéria deontológica? Só perceberam agora. Não deram pela cobertura dos casos Sócrates e companhia, não assistiram à novela Rosa Grilo? Perceberam finalmente que se pratica em Portugal, às vezes e em alguns casos senão mau, pelo menos péssimo jornalismo? Não estamos todos no mesmo saco. Não somos todos iguais....