Segunda-feira, 24 de Fevereiro, 2020

  

Zuckerberg acha natural maior regulação tecnológica

Mundo Galeria

O presidente executivo e fundador do Facebook,Mark Zuckerberg, considera que é necessário haver mais regulação para as empresas tecnológicas. Num artigo de opinião publicado no “Financial Times”, o líder daquela rede social assumiu que uma maior normatização ajudará a garantir o futuro das democracias.

Zuckerberg assumiu, mesmo, que, por vezes é incapaz de definir o que deve ou não ser permitido nas plataformas que administra e que, por isso, deveriam existir regras mais claras. 

 “Não creio que as empresas privadas devam tomar decisões autonomamente, quando valores democráticos fundamentais estão em causa“, escreveu Zuckerberg, sublinhando que não se quer “desresponsabilizar” e que continua a trabalhar para que a rede social progrida nessas questões. Aliás, o Facebook publicou, recentemente, um conjunto questões e propostas, visando o combate dos desafios que as redes sociais, as empresas tecnológicas e os Estados podem enfrentar nas próximas décadas.

Reuters Institute apoiado pelo Google e pela Universidade de Oxford

Media Galeria

A Google News Initiative e Universidade de Oxford concordaram em alargar o prazo de financiamento do projecto Digital News Report, do Reuters Institute for the Study of Journalism, até, pelo menos, Agosto de 2023.


O Reuters Institute Digital News Report constitui uma iniciativa académica independente, que analisa as tendências mundiais da indústria mediática “online”. Os resultados dos estudos são, amplamente, utilizados pela imprensa, bem como por analistas e especialistas universitários.

A extensão do prazo permitirá ao Reuters Institute for the Study of Journalism estudar um total de 44 mercados (mais seis do que no ano passado). A manutenção do financiamento permitirá, ainda, uma análise mais aprofundada dos desenvolvimentos da imprensa. 

"Podcasts" no "Fígaro"

Breves

O “ Fígaro” tem uma nova aposta na sua série de “podcasts”. A juntar-se a programas de política, “fait divers” e sociedade, surge, agora, um “podcast” sobre “media”.

O jornalista Enguérand Renault está, agora, responsável por um apanhado, de cinco minutos, sobre as novidades da televisão, rádio e, também, das plataformas “online”.

A era digital obriga os editores a puxar pela criatividade ...

Media Galeria

A era digital está a obrigar os directores dos jornais a puxarem pela criatividade e a arranjarem novos métodos para conquistar assinaturas. Assim, cada vez são mais títulos que desenvolvem estudos na tentativa de percepcionar a melhor maneira de incutir hábitos de consumo informativo.

A fórmula mais popular passa pelo envio de “newsletters” regulares, que chegam ao “e-mail” dos leitores sempre no mesmo dia e à mesma hora. Assim, os subscritores ficam a saber o que, segundo o jornal, vale a pena a ler, e quando o devem fazer. 

Além da aposta crescente nas “newsletters”, os jornais começam, também, a trabalhar em estratégias de “marketing” e estão, permanentemente, a melhorar as plataformas digitais.

Boris Johnson quer alterar o modelo da BBC

Media Galeria

A guerra entre Boris Johnson e a BBC está para durar e até pode vir a acentuar-se nos próximos meses. Segundo informação adiantada “Sunday Times”, o operador público poderá transformar-se num  “serviço de subscrição”. 

O “Sunday Times” apontou, mesmo, que o primeiro-ministro britânico se mostrou “verdadeiramente estridente” quanto à necessidade de uma reforma profunda do operador, que pode, ainda, incluir uma “redução do número de canais televisivos” . Actualmente, a BBC tem oito canais  nacionais e vários outros a nível local.

O Secretário dos Transportes, Grant Shapps, confirmou à Sky News que a proposta está sob “consulta”. “A BBC é um tesouro nacional. Todos nós queremos que seja um enorme sucesso, mas reconhecemos que, num mundo em mudança, a própria BBC terá de mudar”, afirmou.

Imprensa dos EUA

Breves

O McClatchy, o segundo maior Grupo de imprensa americano, declarou falência e deverá agora ser gerido por um fundo de resgate. 

O pedido de falência procura eliminar a dívida contraída, que corresponde a mais de meio bilião de dólares, e garantir a sobrevivência dos 30 jornais diários do Grupo.

Jornalista brasileiro morto no Paraguai

Media Galeria

O jornalismo continua a ser uma profissão de risco na América Latina, com um registo crescente de atentados contra repórteres. O último caso registou-se no Paraguai, onde o jornalista brasileiro Lourenço Veras foi morto, em retaliação pelas suas investigações.

Veras era director do “Porã News”,  um jornal “online” especializado em reportagens sobre questões de crime organizado e tráfico de droga, na zona fronteiriça entre o Brasil e o Paraguai. 

Segundo declarações da Federação Nacional de Jornalistas do Brasil, Veras confessou receber ameaças, desde 2013, em relação às suas reportagens. O jornalista que trabalhou, durante seis meses, enquanto correspondente regional do “ABC Color”, chegou, mesmo, a estar sob protecção policial.

Imprensa britânica preocupada com regulação do “Ofcom”

Media Galeria

A imprensa britânica teme que o controlo de conteúdos “online” pelo Ofcom constitua uma tentativa governamental de condicionar a liberdade de imprensa. O “The Daily Mail”, a título de exemplo, argumenta que a nova lei "pode levar à censura estatal".


Vários outros “media” estão, agora, em campanha para que a regulamentação do Ofcom se cinja a empresas tecnológicas, como o Facebook e o Google, e não se alargue à imprensa “online”. Os directores dos jornais receiam, igualmente, que a acção da entidade reguladora impeça a partilha de algumas das suas notícias mais “chocantes”.


A NMA -- News Media Association, organização que representa a maioria dos jornais britânicos, já expressou, igualmente, o seu desagrado face à proposta governamental e prometeu lutar pela garantia da “isenção explícita, em qualquer legislação, para editores e jornalistas", que são, afinal, mediadores da democracia.

1  2  3  4  5  6  7  8  9  ... »
  
PESQUISA AVANÇADA
PESQUISAR POR DATA
PESQUISAR POR CATEGORIA
PESQUISAR POR PALAVRA-CHAVE

O Clube


Três jornais açorianos celebram este ano aniversários redondos. O Diário dos Açores completa século e meio de existência , o que é marcante. O Jornal dos Açores perfaz cem anos, outra vitória sobre o tempo. E o Açoriano Oriental , chega aos 185 anos , uma longevidade qualificada , que o coloca entre os diários mais antigos em publicação. A todos o Clube Português de Imprensa felicita , pela resistência e pelo mérito , numa época em que floresce a falta de memória nas redações. E associa-se neste site às respectivas efemérides.
Houve tempo em que os jornais se felicitavam com júbilo, e parabenizavam os concorrentes aniversariantes. Tempos idos. Agora , ignoram-se como se houvesse um deserto à volta de cada um.
Ser diário centenário num arquipélago de pouca gente, de onde tantos emigraram, e sobreviver em confronto com a agressividade da Internet e dos audiovisuais , é proeza de vulto.
São uma lição que merece relevo, cheia de ensinamentos para outros que desistiram antes de tempo.

ver mais >
Opinião
Neste primeiro semestre, três jornais açorianos comemoram uma longevidade assinalável. Conforme se regista noutros espaços deste site, o Diário dos Açores acabou de completar século e meio de existência;  em Abril, será a vez do Açoriano Oriental,  o mais antigo, soprar 185 velas; e, finalmente em Maio, o Correio dos Açores alcança o seu primeiro centenário. Em tempo de crise na Imprensa,...
O volume de investimento publicitário na imprensa tem estado em queda, mas vários estudos indicam que os leitores de jornais e revistas continuam a ser influenciados pela publicidade que encontram nas páginas das publicações que consomem regularmente. Por outro lado a análise dos dados do mais recente estudo Bareme Impresa, da Marktest, revela que os indivíduos da classe alta têm níveis de audiência de imprensa 40% acima dos...
Graves ameaças à BBC News
Francisco Sarsfield Cabral
A BBC é, provavelmente, a referência mundial mais importante do jornalismo. Foi uma rádio muito ouvida em Portugal no tempo da ditadura, para conhecer notícias que a censura não deixava publicar. E mesmo depois do 25 de Abril, durante o chamado PREC (processo revolucionário em curso) também o recurso à BBC News por vezes dava jeito para obter uma informação não distorcida por ideologias políticas.Ora a BBC News...