Terça-feira, 5 de Julho, 2022

  

A internet e as vulnerabilidades portuguesas

O Clube


Os ciberataques passaram a fazer parte da paisagem mediática portuguesa. Depois do Grupo Impresa ter sido seriamente afectado, juntamente com a Cofina, embora esta em menor grau de exposição, chegou a vez do Grupo Trust in News, que detém o antigo portfólio de revistas de Balsemão, como é o caso do semanário “Visão”.
Outras empresas foram igualmente visadas, em maior ou menor escala, desde a multinacional Vodafone aos laboratórios Germano de Sousa.
Não cabe neste espaço qualquer comentário especializado a tal respeito, mas não nos isentamos de manifestar uma profunda preocupação relativamente à continuidade - e aparente impunidade - destes actos ilegais, que estão a pôr a nu as vulnerabilidades dos sistemas e redes, tanto públicos como privados.
Recorde-se que este site do Clube Português de Imprensa já foi alvo, também, de intrusões pontuais que bloquearam a sua actualização regular, o que voltou a acontecer, embora de uma forma indirecta, como consequência da inoperacionalidade do operador de telecomunicações atingido.

Oxalá estes ataques de “hackers”, já com um carácter mais “profissional”, tenha contribuído para alertar os especialistas e as autoridades competentes em cibersegurança no sentido de adoptarem as medidas de protecção que se impõem.
As fragilidades ficaram bem à vista.

 

Bom Ano!

O Clube



Quando abrimos um novo calendário fazemo-lo sempre com a esperança de que o Novo Ano seja melhor. Por maioria de razão, se os projectos e as actividades continuaram no ano findo fortemente condicionadas pela pandemia nas suas múltiplas variantes.
O Clube Português de Imprensa, como outras associações congéneres, não escapou aos efeitos da crise sanitária e viu-se forçado a diminuir o número de iniciativas previstas, designadamente, no âmbito das comemorações do seu 40º aniversário.
As incertezas estão longe de se encontrarem dissipadas, embora a agressividade do covid esteja a ficar contida, graças à comprovada eficácia das vacinas e aos antivirais já anunciados e aprovados.
Sobram, contudo, ainda muitas dúvidas a juntar ao cansaço das populações, sujeitas a medidas restritivas que alteram profundamente o seu modelo de trabalho e de vivência social.
Esta crise sanitária demorada tem sido, também, um desafio aos media e aos jornalistas, confrontados com uma situação absolutamente nova.
Houve jornais que soçobraram e outros que conseguiram ser pioneiros em inovações que os relançaram e contrariaram a asfixia das quebras de circulação e de publicidade.
Mas, globalmente, a Imprensa retraiu-se, enquanto a televisão e, principalmente, a internet ganharam a dianteira no processo informativo, conquistando sobremaneira o público mais jovem.
Oxalá 2022 seja um ano de mudança positiva, e que saibamos ser criativos no sector associativo, para recuperar o tempo perdido ou condicionado, e que o futuro próximo dos media e do jornalismo comprove que soubemos ultrapassar o “cabo das tormentas” …

Bons ventos e Bom Ano!

A Direcção

O associativismo precisa de melhores dias …

O Clube


O associativismo já conheceu melhores dias. Ao contrário do que se observa aqui mesmo ao lado em Espanha, onde a APM – Associacion de la Prensa de Madrid – uma das mais antigas e conceituadas instituições ao serviço dos media, do jornalismo e dos jornalistas - desenvolve uma actividade multidisciplinar e intervém com regularidade no espaço público sobre problemas do sector, em Portugal as organizações de jornalistas são escassas e sobrevivem com não poucas dificuldades.
Há uma certa apatia dos profissionais em relação a associações onde deveriam estar representados, o que contribui para a falta de reconhecimento público da sua importância.
Claro que a precariedade que afecta as redacções e, em particular, os jornalistas mais jovens, não estimula o convívio e, menos ainda, a participação em debates regulares sobre o exercício da profissão e os seus condicionamentos.
E, no entanto, nunca foi tão urgente a análise sobre os desafios complexos que se colocam ao jornalismo, seja no plano ético, seja na interacção com os leitores/consumidores da informação, seja ainda no plano tecnológico, que tem progredido a um ritmo impressionante.
Hoje já se medem competências pelo número de “clicks” e há quem cultive a ideia de que um jornalista deverá ser remunerado em função da audiência que um seu texto mereça junto da comunidade de leitores. Uma perversão.
É para estes e outros temas conexos que o CPI continuará a olhar neste site e fora dele, porque uma democracia não se consolida sem jornais e outros media e um jornalista não pode ser substituído por um qualquer arrivista nas redes sociais.
Por isso teimamos em continuar, passados 40 anos.

O Orçamento e a urgência de reanimação dos “media”

O Clube


Conhecidas as propostas do governo para o Orçamento de Estado, verifica-se que o sector dos media continua a ser o “parente pobre”, sem atrair medidas de reanimação capazes de corrigirem e de equilibrarem o plano inclinado em que se encontra a maioria das empresas jornalísticas, já periclitantes antes de serem fortemente flageladas pela pandemia.
O Sindicato dos Jornalistas lamenta-o e estranha que o OE ignore “completamente as dificuldades da comunicação social”. As associações do sector, como é o caso do CPI, certamente não menos.
O documento é omisso em medidas de apoio, que possam contribuir para inverter o declínio das vendas de jornais e revistas, sem pôr em causa a independência das publicações.
O bom jornalismo não precisa de ser subsidiado, mas implica redacções ágeis e com capacidade de resposta, que não dependam das redes sociais para medirem a realidade.
Com as contas no “vermelho”, as empresas editoriais não dispõem , contudo, de meios nem de condições propícias ao investimento, por exemplo, na reportagem de investigação.
Os jornalistas saem cada vez menos e a pandemia, com o teletrabalho, mais acentuou esse défice de contacto com o exterior.
É impossível não concordar com o SJ quando este defende várias medidas, como a criação de um voucher de 20 euros por agregado familiar para assinaturas ou compra de jornais e revistas, o desconto do IVA de produtos de media no IRS e a oferta de jornais ou de uma assinatura digital a todos os jovens que completem 18 anos.
Salva-se apenas a digitalização, a única que tem verbas disponíveis no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). É importante. Mas não é exclusivamente por aí que se salvam os media em sérias dificuldades, que lutam pela sobrevivência. E que são um pilar da democracia. Eis um debate urgente ao qual nos associamos.

Realidades e desafios no regresso de férias

O Clube


Recomeçamos. A pausa de agosto foi um tempo de análise e de reflexão sobre as delicadas circunstâncias que rodeiam e condicionam os media portugueses e as associações representativas do sector.
Enquanto as redacções encolhem e os jornais lutam pela sobrevivência, as grandes plataformas digitais tornam-se omnipresentes e absorvem a melhor publicidade.
Um estudo da ERC revela que dois terços dos inquiridos utiliza a internet, mas que, depois das televisões, as redes sociais aparecem já como fonte noticiosa preferencial, suplantando os jornais impressos.


A dificuldade da imprensa, com tiragens minguadas, influenciou a principal distribuidora de jornais e revistas no sentido de lançar uma taxa diária a cobrar aos quiosques e outros postos de venda.
Por agora, a cobrança está suspensa, no seguimento de uma providência cautelar aceite pelo tribunal, mas nada garante que o desfecho não venha a penalizar mais ainda a circulação da Imprensa.
A fragilidade das empresas de media agravou a sua dependência, e tornou-as gradualmente mais permeáveis aos desígnios do poder político.
Seja no audiovisual, seja nas publicações impressas, observa-se uma crescente uniformidade noticiosa, a par de uma actuação comprometida com as prioridades da agenda do Executivo.
Neste contexto, as associações do sector não têm a vida facilitada, quer pelo enfraquecimento do mecenato, quer pela apatia já antiga que se nota nos jornalistas no tocante ao associativismo.
Com 40 anos feitos de actividade ininterrupta, o Clube Português de Imprensa tem neste site uma forma de ligação privilegiada com associados e outros profissionais do sector, bem como com os estudantes dos cursos de jornalismo, apoiado em parcerias que são preciosas fontes complementares de informação e de análise.
Por aqui continuamos, com a consciência do desafio e do risco envolventes, e com a noção de partilha e de serviço que nos anima desde o início.

O site vai de férias….

O Clube


Como tem sido habitual, desde o lançamento deste site do Clube Português de Imprensa, interrompemos a sua actualização diária em Agosto, atendendo ao período de férias que atravessamos.

Registamos, entretanto, com apreço o crescimento constante da audiência deste projecto da nossa associação (acima dos 20%, no último ano civil , medidos pela Google Analytics ), sinal  de que quem nos visita e acompanha com regularidade sente  tratar-se  de uma aposta  totalmente vocacionada para debater as questões que se colocam, de uma forma cada vez mais urgente , ao jornalismo e aos jornalistas.

A pandemia criou, entretanto, novos problemas que têm sido superados com profissionalismo, enquanto o trabalho editorial sofreu fortes constrangimentos, desde logo de natureza financeira.

Foi precisamente com o objectivo de não quebrarmos a ligação com associados e outros seguidores do site que mantivemos as características habituais do espaço, recorrendo ao teletrabalho. 

Com a actividade ainda reduzida devido às incertezas da crise sanitária - o que comprometeu, até, as comemorações do nosso 40º aniversário -, o Clube reabrirá este site a partir do dia 30 de Agosto (uma Segunda-Feira).

Até lá, tenham Boas Férias!

A Direcção 

Aniversário sem festa em jeito de balanço…

O Clube


Ao completar 40 anos de actividade ininterrupta o CPI – Clube Português de Imprensa tem um histórico de que se orgulha. Foi a 17 de dezembro de 1980 que um grupo de entusiastas quis dar forma a um projecto inédito no associativismo do sector. 

Não foi fácil pô-lo de pé, e muito menos foi cómodo mantê-lo até aos nossos dias, não obstante a cultura adversarial que prevalece neste País, sempre que surge algo de novo que escapa às modas em voga ou ao politicamente correcto.
O Clube cresceu, foi considerado de interesse público; inovou ao instituir os Prémios de Jornalismo, atribuídos durante mais de duas décadas; promoveu vários ciclos de jantares-debate, pelos quais passaram algumas das figuras gradas da vida nacional; editou a revista Cadernos de Imprensa; teve programas de debate, em formatos originais, na RTP; desenvolveu parcerias com o CNC- Centro Nacional de Cultura, Grémio Literário, e Lusa, além de outras, com associações congéneres estrangeiras prestigiadas, como a APM – Asociacion de la Prensa de Madrid e Observatório de Imprensa do Brasil.
A convite do CNC, o Clube juntou-se, ainda, à Europa Nostra para lançar, conjuntamente, o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, instituído pela primeira vez em 2013, em, homenagem à jornalista, que respirava Cultura, cabendo-lhe o mérito de relançar o Centro e dinamizá-lo com uma energia criativa bem testemunhada por quem a acompanhou de perto.
Mais recentemente, o Clube lançou os Prémios de Jornalismo da Lusofonia, em parceria com o jornal A Tribuna de Macau e a Fundação Jorge Álvares, procurando preencher um vazio que há muito era notado.
Uma efeméride “redonda” como esta que celebramos é sempre pretexto para um balanço. A persistência teve as suas recompensas, embora, hoje, os jornalistas estejam mais preocupados com a sua subsistência num mercado de trabalho precário, do que em participarem activamente no associativismo do sector.
Sabemos que esta realidade não afecta apenas o CPI, mas a generalidade das associações, no quadro específico em que nos inserimos. Seriam razões suficientes para nos sentarmos todos à mesa, reunindo esforços para preparar o futuro.
Com este aniversário do CPI fica feito o convite.

A Direcção

Um brinde ao futuro

O Clube


Faz cinco anos que começámos este
site, desenhado por Nuno Palma, webdesigner e docente universitário, que desde então colabora connosco.

O projecto foi lançado com uma modéstia de recursos que não mudou entretanto, porque escasseiam os mecenas e os poucos que se nos juntaram também se defrontaram com orçamentos penalizados, seja pela conjuntura económica, seja, mais recentemente, pela crise sanitária. 

Neste contexto, a sobrevivência é um desafio diário, e um lustre de existência deste site é uma profissão de fé e uma teimosia.

O site constitui a respiração do CPI, fora de portas, e a nível global. Os primeiros passos foram dados sem qualquer publicidade. Aparecemos online e por aqui ficámos, procurando habilitar diariamente quem nos visita com a melhor informação sobre as actividades do Clube e o pulsar dos media e do jornalismo, sem restrições de credo, nem obediências de capela. Com rigor e independência.

Fomos recompensados. Só no último ano, de acordo com medições de audiência da Google Analytics, crescemos mais de 50% em sessões efectuadas e mais de 60% em utilizadores regulares. É algo de que nos orgulhamos.


1  2  3  4  5  6  7  
PESQUISA AVANÇADA
PESQUISAR POR DATA
PESQUISAR POR CATEGORIA
PESQUISAR POR PALAVRA-CHAVE

O Clube


Os ciberataques passaram a fazer parte da paisagem mediática portuguesa. Depois do Grupo Impresa ter sido seriamente afectado, juntamente com a Cofina, embora esta em menor grau de exposição, chegou a vez do Grupo Trust in News, que detém o antigo portfólio de revistas de Balsemão, como é o caso do semanário “Visão”.
Outras empresas foram igualmente visadas, em maior ou menor escala, desde a multinacional Vodafone aos laboratórios Germano de Sousa.
Não cabe neste espaço qualquer comentário especializado a tal respeito, mas não nos isentamos de manifestar uma profunda preocupação relativamente à continuidade - e aparente impunidade - destes actos ilegais, que estão a pôr a nu as vulnerabilidades dos sistemas e redes, tanto públicos como privados.
Recorde-se que este site do Clube Português de Imprensa já foi alvo, também, de intrusões pontuais que bloquearam a sua actualização regular, o que voltou a acontecer, embora de uma forma indirecta, como consequência da inoperacionalidade do operador de telecomunicações atingido.

Oxalá estes ataques de “hackers”, já com um carácter mais “profissional”, tenha contribuído para alertar os especialistas e as autoridades competentes em cibersegurança no sentido de adoptarem as medidas de protecção que se impõem.
As fragilidades ficaram bem à vista.

 


ver mais >
Opinião
Convivi com Mário Mesquita no Diário de Notícias, a partir de janeiro de 1976, quando ambos aceitámos o desafio de Vítor Cunha Rego para reabrir o jornal e enfrentar a profunda crise em que este tinha mergulhado, sob a anterior direcção liderada por José Saramago e Luís de Barros, afectos ao Partido Comunista.Com o desfecho do movimento do 25 de novembro e o fim do PREC, a publicação do jornal fora suspensa, para ser...
Mário Mesquita não era um amigo. Era muito mais. Estava naquela plataforma superior onde se instalam certos espíritos de que bebemos as palavras antes de bebermos o café acidental que nos reúne. Mário Mesquita era muito amigo de alguns amigos meus e isso tornava-o uma figura esfíngica que, embora pudesse encontrar-se em fato de banho a desfiar uma dourada, tinha a capacidade permanente de conectar o Tico e o Teco (os dois únicos...
Em memória do jornalista Mário Mesquita
Francisco Sarsfield Cabral
Fui surpreendido e chocado pela notícia da morte de Mário Mesquita. Não era próximo dele e por isso ignorava se o atormentava alguma doença.Mário Mesquita foi mais tempo académico, como professor e teórico de jornalismo (publicou oito livros sobre jornalismo) do que jornalista. Numa entrevista a Ana Sá Lopes e Nuno Ferreira Santos, em 24 de agosto do ano passado, Mário Mesquita ironizou sobre ser quase sempre considerado como...
O meu amigo Mário Mesquita
José Manuel Barroso
Não sabia que ele estava doente. A última vez que nos encontrámos foi por acaso, no abrandar da pandemia. Tinha ido comer um gelado, com meu neto, na Versalhes, e ele estava lá, na gulodice também, com um amigo comum. Foi há um ano atrás. “É pá, temos de ir almoçar um dia!” E trocámos números de telemóvel. O costume... Quis que o meu neto o conhecesse - “vou apresentar-te um amigo do...
Conhecemo-nos num fim de tarde cinzento, estava o DN suspenso, na sequência do 25 de Novembro de 1975. Victor Cunha Rego e Mário Mesquita, indigitados para a direção, chamaram-me para darem conta do seu projecto para o futuro do jornal. Era um jovem, ouvi-os quase deslumbrado, havia outra linguagem, objectivos, um rumo no sentido por mim tido como certo, mas aquilo que me impressionou foi constatar que o futuro director-adjunto era quase tão jovem como eu...