Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018

  

Uma colectânea de textos em Setembro para ler ou reler

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.

Um site com vocação de futuro

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

Prémio de Jornalismo da Lusofonia será entregue em Macau

O Clube

O primeiro Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído em parceria pelo Clube Português de Imprensa e Jornal Tribuna de Macau, é entregue, a 1 de Novembro, em cerimónia solene marcada para o Clube Militar em Macau.

O Prémio, no valor de 10 mil euros, foi atribuído por unanimidade do júri à jornalista Sílvia Gonçalves, do jornal macaense em língua portuguesa Ponto Final, pelo seu trabalho intitulado “Floriram por Pessanha as rosas bravas, 150 anos depois”, conforme se refere noutro espaço deste site.

O referendo ao Código Deontológico dos Jornalistas e o CPI

O Clube

Há um processo referendário em curso, promovido pelo Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas,  e que tem como universo eleitoral todos os jornalistas com Carteira Profissional,  contando  com a colaboração “oficiosa”  da Comissão da Carteira, que montou uma plataforma digital,  destinada a assegurar a  votação eletrónica.

A iniciativa resulta de uma moção aprovada no último Congresso de Jornalistas, organizado pelo Sindicato com o apoio da Casa da Imprensa e do Clube de Jornalistas, entidades que se juntam novamente, agora  designadas na qualidade de  fiscalizadoras do referendo.

Recorde-se  que o Clube Português de Imprensa, uma  das mais antigas  associações profissionais do sector,   não foi convidado para o Congresso, juntamente com o CNID, que congrega jornalistas da Imprensa desportiva.


Prémio Europeu Helena Vaz da Silva será entregue na Gulbenkian

O Clube

O cineasta alemão Wim Wenders foi distinguido com o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, pelo seu contributo para a história multicultural da Europa e dos ideais europeus. Ao ser informado da decisão, Wim Wenders declarou que “a Europa é uma utopia em curso, construída, mais do que por qualquer outra coisa, pelo seu legado cultural”. A cerimónia de entrega do Prémio  - instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura, em cooperação com a “Europa Nostra” e o Clube Português de Imprensa -  terá lugar em 24 de Outubro de 2017, na Fundação Calouste Gulbenkian.

Prémio de Jornalismo da Lusofonia já tem júri formado

O Clube

Está formado o Júri que vai apreciar os trabalhos concorrentes ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia, instituído pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM),  com o apoio da Fundação Jorge Álvares.

O Júri será presidido por Dinis de Abreu, em representação do CPI, e integrado pelos jornalistas José Rocha Diniz, fundador e administrador do Jornal Tribuna de Macau, José Carlos de Vasconcelos, director do JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, Carlos Magno, pela Fundação Jorge Álvares e por José António Silva Pires, também do CPI.

Prémio de Jornalismo da Lusofonia registou significativa afluência de concorrentes

O Clube

Terminou o prazo de candidaturas ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia , instituído por uma  parceria do  Clube Português de Imprensa (CPI)  com o Jornal Tribuna de Macau (JTM), no quadro das comorações que assinalam o 35º aniversário daquele diário de língua portuguesa em Macau.

Com o valor de 10 mil euros e periodicidade anual, o Prémio será atribuído por um Júri constituído por representantes do CPI, do JTM e por personalidades de reconhecido mérito na área do jornalismo ou que se tenham distinguido na defesa, divulgação ou ensino da Língua Portuguesa no Mundo.

A composição  do Júri será em breve anunciada  pelas duas entidades promotoras.  

1  2  3  
PESQUISA AVANÇADA
PESQUISAR POR DATA
PESQUISAR POR CATEGORIA
PESQUISAR POR PALAVRA-CHAVE

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...