Terça-feira, 28 de Janeiro, 2020

História breve do Clube

O Clube Português de Imprensa (CPI) foi fundado em 1980, congregando jornalistas e gestores de empresas de media.

Na primeira acta da Assembleia Geral fundadora do Clube, datada de 17 de Dezembro, consta a lista dos primeiros corpos sociais eleitos.

Dois jornalistas prestigiados à época, Norberto Lopes e Raul Rego, aceitariam presidir, respectivamente, à Assembleia Geral e ao Conselho Fiscal. 

A lista dos corpos sociais incluiria ainda os nomes de Vítor Direito, Pacheco de Andrade, Freitas Cruz, José Manuel Barroso (Assembleia Geral);  Francisco da Costa Reis, José Eduardo Moniz, Helena Marques e Mário Mesquita (Conselho Fiscal);  Dinis de Abreu, Carlos Barbosa, Nuno Rocha, Marcelo Rebelo de Sousa e Diogo Pires Aurélio (Conselho Directivo).

O projecto dos Estatutos, pelos quais o CPI ainda hoje se rege, foi de Marcelo Rebelo de Sousa.

Entre as primeiras iniciativas, deliberadas nessa Assembleia fundadora, figuravam três debates, cujos temas centrais abrangiam as relações da Imprensa e o Poder, a gestão das empresas jornalísticas, o ensino de jornalismo e a carteira profissional dos jornalistas.

Eram ainda instituídos três Prémios de Jornalismo: Reportagem, Fotojornalismo e “Cacha”. Outros se seguiriam mais tarde, formando  um conjunto de incentivos, onde o CPI foi pioneiro, na valorização do jornalismo e dos jornalistas.

Nessa acta consagra-se, também, que o jornalista Francisco Pinto Balsemão seria considerado sócio-fundador, “logo que cesse as suas funções governativas”, por ter sido “um dos principais animadores do projecto”.

O impulso original  para o lançamento do CPI coube a Carlos Barbosa e a Dinis de Abreu, logo secundados por Marcelo Rebelo de Sousa e Francisco Pinto Balsemão.

À distância de 35 anos, a História do Clube tem etapas inesquecíveis, designadamente  a atribuição do Diploma pelo qual foi reconhecido como Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, conforme despacho publicado no Diário da República  de 18 de Abril de 1989, assinado pelo então Primeiro Ministro,  Aníbal Cavaco Silva.

Connosco
Jornalismo universitário americano cultiva independência Ver galeria

A indústria mediática está em decadência. Nos últimos dez anos, perdeu-se um quarto dos empregos no sector e espera-se que, na próxima década, desapareçam mais 10%.

O jornais regionais são, particularmente, prejudicados, com mais de 1.400 cidades norte-americanas a ficar sem a cobertura local.

Cole Stallone, director do jornal universitário “Washington Square News”, escreveu um artigo oportuno sobre a importância da aposta no jornalismo independente, promovido por estudantes.

Para Stallone, embora o jornalismo seja uma profissão em risco, continua a ser importante cobrir histórias e acontecimentos. Enquanto os profissionais se debatem com a importância de relatar eventos de maior dimensão, é crucial que haja cidadãos que se ocupem de ocorrências locais.


Como a tecnologia pode ser "amiga" do jornalismo... Ver galeria

A desinformação é uma das maiores preocupações dos “media” e, com o desenvolvimento tecnológico, têm surgido alguma soluções interessantes. O Blockchain é um programa que bloqueia, automaticamente, informações que considera falsas, e embora não se entenda que pode salvar o jornalismo, ainda pode ser útil à imprensa. O problema é que os leitores não parecem interessados nos factos.

O “The New York Times” lançou um projecto com o objectivo de perceber se o bloqueio facilita, ou não, a compreensão da origem das notícias, por parte dos consumidores. Os colaboradores têm pesquisado utilizadores e construído protótipos da Blockchain, divulgando, agora algumas das suas revelações iniciais.


O Clube

Ao retomar a regularidade de actualização deste site, no inicio de outra década, achámos oportuno proceder ao  balanço do vasto material arquivado, designadamente, em textos de reflexão sobre a forma como está a ser exercido o jornalismo,  no contexto de um período extremamente exigente  para os novos e velhos  “media”.

O resultado dessa pesquisa retrospectiva foi muito estimulante, a ponto de termos sentido  ser um imperativo partilhá-la, no essencial,  com quem nos acompanha mais de perto, sendo, no entanto,  recém-chegados. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
Agenda
03
Fev
Workshop on Networks of (dis-)information
09:30 @ Universidade Nova de Lisboa I NOVA FCSH I iNOVA Media Lab
11
Mar
O cinema e a televisão como "forma de futuro"
15:00 @ Universidade Lusófona