Sábado, 17 de Novembro, 2018
Media

O poder dos caricaturistas de Imprensa é uma “arma de distracção maciça”

O jornal Le Monde organizou um debate sobre o poder do desenho de Imprensa, que teve o seu ponto alto numa mesa-redonda com quatro caricaturistas, animada por Plantu, por ocasião do décimo aniversário da associação Cartooning for Peace. O mesmo Plantu que esteve entre nós, em Lisboa, para receber o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva, ex-aequo com Eduardo Lourenço, numa cerimónia que é apresentada noutro local deste site. O texto do Le Monde descreve a sua obra, em muitos países, como “um verdadeiro trabalho de resistência”: “Desde as fatwas lançadas contra os caricaturistas dinamarqueses em 2005, e depois das matanças de 2015, sabemos alguma coisa a esse respeito”.

Dos quatro caricaturistas que estiveram nesse debate em directo, no Anfiteatro da Opéra Bastille, em Setembro, três são mulheres:

A tunisina Nadia Khiari, que assina Willis, é autora de muitas crónicas sobre a “revolução de jasmim” e publica os seus desenhos no Siné Mensuel, Courrier International e Zellium. O número de leitores que seguem as suas crónicas de amargura subiu rapidamente a mais de 41 milhares. Entre outras distinções internacionais, recebeu em 2015 o Prix Agora Med du Dialogue Interculturel Méditerranéen

Firoozeh Mozaffari é iraniana, estudou desenho em Teerão e trabalhou em jornais como Shargh, Eternad, Farhikhtegan, e no site Khabaroline. Entre outros prémios pelo seu trabalho, faz parte de um grupo de quatro caricaturistas que foram distinguidos por Kofi Annan. Pertence ao comité executivo da Bienal Internacional de Desenho de Imprensa de Teerão, mas boicotou  este acontecimento aquando das violências que se seguiram às eleições presidenciais de 2009.

Louise Angelergues, que assina Louison, é francesa. Estudou nos Ateliers de Sèvres, em Paris, e revelou-se na revista Marianne, onde continua a trabalhar. Publica também no site de L’Obs, Voici.fr, a revista Cheek e Le Monde des Ados. Mantém um blog no Le Monde.

Michel Kichka, nascido na Bélgica, é um dos representantes mais conhecidos da caricatura israelita. Deixou os seus estudos de arquitectura para se fixar em Israel, onde trabalha como ilustrador, autor de BD e “cartoonista”. Colabora em vários canais de televisão israelitas e franceses e ensina Belas-Artes em Jerusalém.

O texto de apresentação deste debate, pelo Le Monde, descreve o poder dos caricaturistas como um poder de denúncia, de análise, de questionamento sobre a realidade e, frequentemente, um contra-poder. Em certos países, e em certos regimes autoritários, os caricaturistas fazem “um verdadeiro trabalho de resistência”.

“No entanto, como gosta de lembrar Kichka, o desenho de Imprensa, ao contrário das armas de destruição maciça, é uma arma de distracção maciça’... (...) Pelo exagero gráfico, o desenhador realiza um trabalho de jornalista: ele deforma a realidade para dizer a verdade. Barómetro da liberdade de expressão, alívio dos nossos males, o poder do desenho de Imprensa não será, antes de tudo, pacificador?” 

O texto de apresentação do Le Monde, que tornou também disponível o vídeo da mesa-redonda animada por Plantu

Connosco
Bettany Hughes, Prémio Europeu Helena Vaz da Silva a comunicar história e património cultural Ver galeria

A historiadora britânica Bettany Hughes, que recebeu este ano o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, sublinhou a importância da memória em toda a actividade humana, mesmo quando se trata de criar um mundo novo. Reconhecida, tanto a nível académico como no da divulgação científica pela televisão, explicou o seu percurso nesta direcção, que “não foi fácil”, como disse, e terminou com um voto pela “paz e a vida, e ao futuro poderoso da Cultura e da herança”.

Guilherme d’Oliveira Martins, anfitrião da cerimónia, na qualidade de administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou Bettany Hughes como “uma historiadora que dedicou os últimos vinte cinco anos à comunicação do passado”, não numa visão retrospectiva, mas sim com “uma leitura dinâmica das raízes, da História, do tempo, das culturas, dos encontros e desencontros, numa palavra: da complexidade”.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, evocou a figura de Helena Vaz da Silva pelo seu “contributo de excepção para a cultura portuguesa, quer enquanto jornalista e escritora, quer na sua vertente mais institucional”, como Presidente da Comissão Nacional da UNESCO e à frente do Centro Nacional de Cultura.

Para Dinis de Abreu, que interveio na sua qualidade de Presidente do Clube Português de Imprensa, Bettany Hughes persegue, afinal, um objectivo em tudo idêntico ao que um dia Helena Vaz da Silva atribuiu aos seus escritos, resumindo-os como “pequenas pedras que vou semeando”:

“Sabe bem evocar o seu exemplo, numa época instável e amiúde caótica, onde a responsabilidade se dilui por entre sombras e vazios, ocupados por populismos e extremismos, de esquerda e de direita, que vicejam e agravam as incertezas” – disse.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
As notícias falsas e a internet
Francisco Sarsfield Cabral
As redes sociais são, hoje, a principal fonte de informação, se não mesmo a única, para imensa gente. O combate às “fake news” tem que ser feito, não pela censura, mas pela consciencialização dos utilizadores da net. Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil graças à utilização maciça das redes sociais. A maioria dos jornais brasileiros de referência não o apoiou, o...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Agenda
19
Nov
21
Nov
22
Nov
Westminster Forum Projects
09:00 @ Londres, Reino Unido
23
Nov
#6COBCIBER – VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo
09:00 @ Faculdade de Letras da Universidade do Porto