Terça-feira, 11 de Dezembro, 2018
Media

Degradação da liberdade de Imprensa condiciona o jornalismo independente

O relatório anual da organização não-governamental Repórteres sem Fronteiras descreve “uma degradação profunda e preocupante da liberdade da Imprensa no mundo”.  O índice utilizado, desde 2013, na sua Classificação Mundial da Liberdade da Imprensa, subiu de 3.719 pontos, no ano passado, para 3.857 neste ano, o que significa um agravamento de 3,71% (ou de 13,6% em relação a 2013).

Portugal aparece em 23º lugar, enquanto surge a Namíbia surge logo a seguir, em 24º, à frente de países como a Espanha, França, Reino Unido e Estados Unidos.

A apresentação destes dados aponta como razões principais uma “deriva liberticida dos governos, como na Turquia ou no Egipto, uma tomada de controlo dos media públicos, mesmo na Europa (na Polónia, por exemplo), e situações de segurança cada vez mais tensas, na Líbia e no Burundi, ou claramente catastróficas, como no Iémen.”  

O texto introdutório diz ainda:

 

“Face às ideologias, nomeadamente religiosas, hostis à liberdade de informação, e aos grandes aparelhos de propaganda, a situação da informação independente é cada vez mais precária, tanto no sector público como no privado.”  (...)  “Alguns Estados não hesitam em suspender o acesso à Internet, quando não destroem, pura e simplesmente, as sedes, as antenas ou as impressoras dos media que os incomodam. Entre 2013 e 2016, verifica-se uma queda de 16% neste indicador.”  

Também no quadro legal a situação tem piorado para os jornalistas, perseguidos por “insultos ao presidente”, por “blasfémia” ou “apoio ao terrorismo”. Como efeito secundário desta ameaça permanente, “os jornalistas têm uma tendência cada vez mais acentuada para a auto-censura”.  

Na classificação por países, que faz uma lista de 180, por ordem decrescente de situação favorável, os primeiros quatro lugares são ocupados por países do Norte da Europa (Finlândia, Holanda, Noruega e Dinamarca), seguindo-se  a Nova Zelândia e a Costa Rica, e logo depois Suíça, Suécia, Irlanda e Jamaica.

A Venezuela não ia além dos 137º lugar no ranking , posição que terá perdido de então para cá, à medida que Maduro tem reforçado o controlo ou o silenciamento dos principais meios de comunicação não oficiais.

Portugal aparece em 23º lugar, a Espanha em 34º, o Reino Unido em 38º e os Estados Unidos em 41º. Há um capítulo final que explica detalhadamente a metodologia utilizada para chegar a esta classificação, verificando-se que a Eritreia e a Coreia do Norte ocupam o final da lista.

No capítulo denominado Análises é feita uma leitura comparada entre várias grandes regiões mundiais, onde se descrevem, por exemplo, as situações no Médio Oriente – África do Norte, com os jornalistas constrangidos “entre o terrorismo e os abusos da luta anti-terrorista”.  

A Europa é apresentada como estando “ameaçada pelos seus demónios e pelos do mundo”:

“A tendência que se esboçava na Europa, aquando da classificação de 2015, a saber, a de uma erosão do modelo, tende a confirmar-se em 2016: desvios da contra-espionagem e da luta contra o terrorismo, adopção de leis permitindo uma vigilância de grande escala, aumento dos conflitos de interesse, intervenção cada vez maior das autoridades sobre os meios públicos e por vezes os privados  -  o continente onde a liberdade da Imprensa é, em média, a maior, não se destaca por uma trajectória positiva.”  


A classificação divulgada no site dos Repórteres sem Fronteiras

Connosco
Estratégia mediática da China usa "barcos emprestados" para "autenticar" a propaganda... Ver galeria

Durante décadas, a estratégia de imagem da China foi defensiva, de resposta, e apontada sobretudo à sua audiência interna. O efeito mais visível era o desaparecimento de conteúdos: revistas estrangeiras com páginas arrancadas, ou as emissões da BBC que ficavam escuras quando tratavam de temas sensíveis, como o Tibete, Taiwan ou o massacre de Tienanmen.

Mas nos últimos anos a China desenvolveu uma estratégia mais sofisticada e assertiva, apontada às audiências internacionais. E Pequim está a fazê-lo com grande investimento financeiro  - que inclui cobertura jornalística patrocinada.

Um dos exemplos mais ostensivos é agora a contratação de jornalistas ocidentais para a China Global Television Network  - o ramo internacional da Televisão Central da China -  com estúdios em Chiswick, Londres. O objectivo deste esforço é, nas palavras do Presidente Xi Jinping, “contar bem a história da China”. E não faltam candidatos. A informação consta de uma reportagem extensa, em The Guardian.

Jornais perdem publicidade e a democracia qualidade Ver galeria

A receita proveniente da publicidade nos diários impressos está a desaparecer num movimento que parece inexorável. Acontece em todos os mercados, e nomeadamente no dos EUA, que pode servir de aviso aos outros: neste caso, a receita da publicidade de todos os diários foi de 13.330 milhões de dólares em 2016, de 9.760 neste ano de 2018, quase a acabar, e será de apenas 4.400 milhões em 2022, segundo a mais recente projecção da eMarketer.

Na Espanha, e segundo os dados da InfoAdex sobre os nove primeiros meses de 2018, regista-se uma queda generalizada de 6,1% no investimento na Imprensa escrita, depois de onze anos de descida sem fim. O balanço é de Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics, que conclui: “A desinformação instala-se à vontade e é urgente fazer qualquer coisa. Não abandonemos os editores, ou a qualidade da democracia irá pelo mesmo ralo por onde se escoa a conta de resultados dos meios de comunicação.”

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O Presidente Marcelo é um dos poucos políticos portugueses com legitimidade para colocar a questão dos apoios do estado à produção jornalística porque ele é produtor e produto do sistema mediático.A sua biografia confunde-se com a liberdade de imprensa e a pergunta que Marcelo faz é, para ele, uma questão de consciência presidencial.Dito isto, pergunto:O que diríamos nós se fosse Donald Trump a...
Perante a bem conhecida e infelizmente bem real crise da comunicação social o Presidente da República questionou, há dias, se o Estado não tem a obrigação de intervir. Para Marcelo Rebelo de Sousa há uma "situação de emergência", que já constitui um problema democrático e de regime. A crise está longe de ser apenas portuguesa: é mundial. E tem sobretudo a ver com o facto de cada vez mais...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...