Quarta-feira, 28 de Outubro, 2020
Media

A revolução digital está a modificar a estratégia dos grandes jornais dos EUA

Um número crescente de  jornais começa a utilizar os meios digitais para combater os ataques ao seu trabalho, ou para mitigar a disseminação da desinformação, segundo um estudo publicado pelo ICFJ -- International Center for Journalists.

 

De acordo com a análise, mais de dois terços dos jornalistas e das redacções usam, agora, tecnologias digitais. Os “media” europeus (92%) são os mais activos a este respeito. Nos Estados Unidos, mais da metade dos jornalistas inquiridos utiliza ferramentas digitais para verificar a informação.


A revolução digital permite, igualmente, fazer chegar conteúdos a zonas remotas do planeta e facilita, ainda, o aprofundamento de jornalismo de referência. O “New York Times” foi pioneiro. Em 2016, o jornal norte-americano lançou uma versão em castelhano, que, apesar de ter encerrado por falta de rentabilidade, dispunha de mais de 300 mil subscritores.


Apenas algumas semanas antes do fim do “NYT en Español”, o “The Washington Post”, lançou uma nova secção de opinião, também em castelhano, intitulada de "Post Opinión". No novo espaço serão publicados colunas e ensaios originais com temas relevantes para os habitantes da América Latina, Espanha e Estados Unidos. Além de artigos originais, a secção também oferece traduções de editoriais e artigos escritos em inglês.


Além disso, os “podcasts” têm vindo a ganhar terreno. Por exemplo, “The Daily”, o “podcast”  matinal do “New York Times”, superou os mil milhões de “downloads”, desde o seu lançamento em fevereiro de 2017.


Esse “podcast”, dirigido e apresentado pelo jornalista Michael Barbaro, tornou-se o produto noticioso mais ouvido nos Estados Unidos, com uma média de dois milhões de ouvintes por dia.


A inovação dos métodos informativos não tem, contudo, sido suficiente para aumentar a confiança dos leitores nos “media”. 


A oitava edição do Digital News Report do Reuters Institute revela que o grau de confiança nos meios de comunicação diminuiu em dois pontos percentuais para 42%, e que, apenas 49% dos consumidores de informação confiam na imprensa que lêem. No caso de notícias consultadas através das redes sociais, a confiança global é, ainda, menor (23%).


O Facebook continua a liderar a utilização das redes sociais para fins informativos, mas os utilizadores passam mais tempo no WhatsApp e no Instagram. Em países como o Brasil (53%), Índia (52%) e África do Sul (49%), o WhatsApp tornou-se uma plataforma noticiosa essencial.


O Digital News Report observa, igualmente, que o processo de subscrição paga a jornais tem sido lento, apesar da diversificação informativa.


Todos os “media” digitais dependem, em maior ou menor grau, de grandes plataformas, como o Google, o que levanta, ainda, maiores problemas. Esses gigantes tecnológicos conseguiram atrair a maioria dos investimentos na área da publicidade, o que afecta, negativamente, o lucro dos grupos de imprensa.


Os governos começam, porém, a mostrar preocupação com a sustentabilidade e independência dos “media”. A nova lei francesa, por exemplo, prevê que o Google e “browsers paguem aos jornais pelos resumos de notícias que exibem nos seus agregadores. As mudanças podem ser lentas, mas estão a chegar.

Connosco
A cobertura noticiosa nas eleições americanas vistas em países com censura Ver galeria

As campanhas eleitorais norte-americanas têm sido acompanhada um pouco por todo o mundo, já que os cidadãos estão interessados em conhecer as possíveis consequências destas eleições presidenciais.

Perante este quadro, o “Nieman Lab” tentou descobrir quais são as premissas que dominam os “media” mundiais, de forma a apurarem qual o discernimento dos cidadãos, perante os candidatos democrata e republicano.

Após um mês de análise, com recurso a inteligência artificial, o “Nieman Lab” concluiu que a cobertura noticiosa das eleições tem sido, particularmente, intensa no Irão, na Rússia e na China, onde os “media” criticam as acções de Donald Trump.

Os principais temas abordados, pela comunicação social destes países, são os debates presidenciais, a gestão do novo coronavírus e as  políticas de imigração.

Depois do primeiro debate presidencial, a imprensa chinesa questionou a utilidade deste evento para o eleitorado, e criticou a conduta do actual Presidente.

Jornal britânico quer provar que imprensa não tem os dias contados... Ver galeria

Dez anos após o lançamento do jornal britânico “i”, o editor-executivo Oliver Duff diz ter provas suficientes para afirmar que o “formato impresso” vai “prosperar durante muito mais tempo do que a maioria dos especialistas defende”.

Em declarações à “Press Gazette”, Duff afirmou que os jornais impressos têm-se mostrado “resilientes” e inovadores”. 

Além disso, aquele responsável considera que os leitores valorizam este formato por ser “táctil”, ter “curadoria”, e conter muitos “elementos surpresa”, que contribuem para a formação de uma comunidade de cidadãos com valores semelhantes.

Segundo recordou Duff, nos primeiros meses de circulação, o “i” não foi bem recebido pela maioria dos críticos dos “media”, mas conquistou uma base de leitores fiéis, que foram dando “feedback” sobre aquilo que pretendiam consumir.

O “i” tornou-se assim um jornal reconhecido pela sua objectividade factual e isenção política. 

De forma a conquistarem o interesse dos leitores, os colaboradores fazem análises profundas de situações disruptivas e tentam criticar, apenas, “aquilo que tem de ser criticado”.


O Clube


Terminada a pausa de Agosto, este site do CPI  retoma a sua actividade e as  actualizações diárias, num contacto regular que faz parte da rotina de consulta dos nossos associados e parceiros, e que  tem vindo a atrair um confortável e crescente número de visitantes em Portugal e um pouco por todo o mundo, com relevo para os países lusófonos.

Sem prejuízo de  algumas alterações de estrutura funcional , o site continuará  acompanhar, a par e passo,  as iniciativas do Clube, bem como o  que de mais relevante  ocorrer no País e fora dele em matéria de jornalismo,  jornalistas e de liberdade de expressão.

Os media enfrentam uma situação complexa e, para muitos,  não se adivinha um desfecho airoso. 

O futuro dos media independentes está tingido de sombras.  E o das associações independentes de jornalistas – como é o caso do Clube Português de Imprensa – não se antevê, também, isento de dificuldades, que saberemos vencer, como vencemos outras ao longo de quase quatro décadas de história, que se completam este ano.

Desde a sua fundação, em 1980, o CPI viveu exclusivamente  com o apoio dos sócios, e de alguns mecenas que quiseram acompanhar os esforços do Clube,  identificado com uma sólida  profissão de fé em defesa do jornalismo e dos jornalistas.



ver mais >
Opinião
O que nos aconteceu?
Dinis de Abreu
O que nos aconteceu? Interrogava-se o cardeal D. José Tolentino de Mendonça, há menos de um mês, na conferência inaugural das jornadas nacionais de comunicação social da Igreja Católica.  Na génese da pergunta, a pandemia e “um novo pacto de comunicação“ que sugeriu como  “reflexão sobre o sentido da vida”, num tempo incerto em que os media sofreram, como reconheceu,...
No final de 2016 a Newspaper Association Of America, que representava cerca de 2000 publicações nos Estados Unidos e no Canadá, anunciou a sua transformação em News Media Alliance, reflectindo a evolução do sector e passando a incorporar as diversas plataformas em que os grupos produtores de informação qualificada se desdobraram ao longo dos últimos anos, coexistindo o papel com os formatos digitais, mas também video,...
Jornalistas: nem heróis nem vilões
Francisco Sarsfield Cabral
No  jornal “Público” de sábado,  J. Pacheco Pereira elogiou Vicente Jorge Silva porque “fez uma coisa rara entre nós – fez obra. Não tanto como jornalista, mas como criador no terreno da comunicação social”. E destacou o papel do jornal madeirense “Comércio do Funchal”, que, apesar da censura, conseguiu criticar o regime então vigente. Até ao 25 de Abril este jornal logrou,...
De acordo com Carlos Camponez , o «jornalismo de proximidade», porque realmente está mais próximo dos leitores da comunidade onde se integra, pode desempenhar um papel fundamental, «assumindo uma perspetiva de compromisso no incentivo à vida pública». Neste contexto, aquele investigador aponta para a ideia da criação de uma agenda do cidadão, o que, por sua vez, «obriga a que os media invistam em técnicas...
Acordaram para o incumprimento reiterado de alguns órgãos de informação em matéria deontológica? Só perceberam agora. Não deram pela cobertura dos casos Sócrates e companhia, não assistiram à novela Rosa Grilo? Perceberam finalmente que se pratica em Portugal, às vezes e em alguns casos senão mau, pelo menos péssimo jornalismo? Não estamos todos no mesmo saco. Não somos todos iguais....
Agenda
10
Nov
Digital Media Europe 2020
10:00 @ Áustria - Viena
11
Nov
O valor e o futuro dos "media" públicos
13:00 @ Sessões "online" Reuters Institute
24
Nov
Congresso de Jornalismo para Dispositivos Móveis
10:00 @ Universidade da Beira Interior