Sexta-feira, 4 de Dezembro, 2020
Media

Onde se defende em Espanha o jornalismo "cor-de-rosa"

O jornalismo “cor-de-rosa” é irresistível para o público, que consome os seus conteúdos em qualquer formato. Os “fait divers” abordam temas que são transversais à sociedade, tais como a morte, o amor, o ciúme, a ambição e o medo que despertam empatia quase imediata.

Este tipo de jornalismo é, contudo, especialmente criticado, agora que as redes sociais abriram um fórum de discussão e de críticas entre profissionais.

 Manuel Marlasca trabalha como repórter “cor-de-rosa” há mais de 30 anos, e é autor de um artigo sobre a descredibilização deste tipo de trabalho, publicado nos "Cuadernos de Periodistas" , uma edição da APM, associação com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

 Durante os anos da ditadura franquista, os jornais generalistas viviam de crónicas criminais, "porque não se podia falar de política”. Com o fim do regime de Franco, a liberdade de imprensa chegou e as páginas dos “media” encheram-se de assuntos parlamentares, embora o “cor-de-rosa” continuasse a ocupar espaço. 

Hoje, o “fait divers” mobiliza um importante segmento de leitores, o que, em certa medida, decepciona os responsáveis editoriais, que gostariam de valorizar mais os assuntos sérios.


Marlasca reconhece que há motivos para criticar as reportagens “cor-de-rosa” mas considera que quem o faz, muitas vezes, não tem a experiência nem o estatuto para o fazer. O autor destaca que, com o aparecimento da televisão, muito conteúdo informativo se começou a confundir com entretenimento.Os jornalistas passaram a revelar informações litigiosas e perderam a consideração pelos envolvidos, em prole das audiências.

 

“É nos casos que envolvem menores que o jornalista responsável pela cobertura do evento deve praticar a autocensura e ser exigente consigo mesmo, estabelecendo um compromisso com a factualidade”, reitera Marlasca.

 

O autor considera, porém, que os jornalistas da imprensa “tablóide” desempenham tarefas não partilhadas por outros profissionais, ao procurarem dar voz “à dor das famílias”, com “respeito e empatia”. “Estamos disponíveis a qualquer hora e em qualquer dia da semana, porque a morte e a tragédia não tiram férias”.

 

Além disso, esses jornalistas trabalham, directamente, com “fontes extremamente frágeis e exigentes, que não toleram deslizes na relação estabelecida”. “Nenhum outro género jornalístico exige tantos cuidados. Nenhuma outra manchete ou exclusivo pode prejudicar, da mesma forma, uma investigação judicial ou a vida de um suspeito”.

 

“Ser um bom repórter requer muita empatia. Com as fontes, para entender o que está em jogo quando têm acesso a revelações, e com as vítimas, que não deveriam ter que passar por uma segunda vitimização”. Marlasca sublinha, porém, que devem ser impostos limites, visto que, “o profissionalismo exige distância”. 

O jornalista reconhece, ainda, que é essencial ganhar a confiança das autoridades, que, por norma, não têm simpatia por esses profissionais. “Conquistar as forças de autoridade pode demorar anos, mas para perder o seu apoio, basta um pequena incongruência”.


O autor considera, assim, que os bons jornalistas envolvidos em termos “cor-de-rosa” são “exemplares excepcionais na fauna do jornalismo, verdadeiras aves raras”. E sublinha que “poucos reconhecem a escravidão de trabalhar para um género que é, constantemente, questionado e que exige mais dedicação e zelo do que qualquer outro. Muito antes de haver verificação de factos, nós jornalistas de eventos, fomos forçados a conferir as histórias que contamos contra duas, três, ou mais fontes, devido à sensibilidade do conteúdo”.

Marlasca lamenta, então, que os directores dos “media” não contribuam para a “conservação da espécie”, ao substituir os repórteres especializados por “mão-de-obra mais barata”, esperando que o produto final não sofra. “Somos caros, veteranos e dispomos de um punhado de códigos de outros tempos, que não se encaixam bem em redacções modernas”.

Leia a peça na íntegra em Cuadernos de Periodistas


Connosco
União Europeia implementa medidas para proteger jornalistas... Ver galeria

A Comissão Europeia quer criminalizar o discurso e o incitamento ao ódio na internet, nomeadamente contra jornalistas. A instituição justificou a medida com o aumento das “ameaças físicas e ‘online’ e ataques a jornalistas” na UE, com frequentes “campanhas de difamação e de intimidação geral e interferências politicamente motivadas”.

“Os jornalistas são alvos de assédio, discurso de ódio e campanhas de difamação, por vezes até iniciadas por actores políticos, na Europa e fora, e as mulheres jornalistas são particularmente visadas”, reforçou a Comissão Europeia, notando que, por vezes, isso conduz “à autocensura e à redução do espaço para o debate público sobre questões importantes”.

Bruxelas recordou, igualmente, que, “nos últimos anos, a Europa tem testemunhado ataques brutais aos meios de comunicação social livres”, numa alusão aos assassinatos dos jornalistas Daphne Caruana Galizia, em Malta, e de Jan Kuciak, na Eslováquia.

Por isso mesmo, a Comissão Europeia vai, também, apresentar uma recomendação sobre a segurança dos jornalistas, visando “assegurar uma melhor implementação pelos Estados-membros das normas da recomendação do Conselho da Europa”.

... E lança plano de recuperação para os "media" e fórum europeu Ver galeria

A Comissão Europeia apresentou um plano de recuperação para os “media” europeus, cujas medidas deverão ser aplicadas no primeiro semestre de 2022.

Desta forma, “a Comissão facilitará um melhor acesso ao financiamento, estimulando os empréstimos, bem como o financiamento de capital próprio”.

Estas acções deverão ser complementadas com diálogos bilaterais, de forma a “aumentar o conhecimento do mercado dos meios de comunicação social europeus entre os investidores”.

Bruxelas diz, ainda, querer “prestar apoio dedicado, sob a forma de subsídios para parcerias de colaboração com os meios de comunicação social”, para promover o jornalismo colaborativo e transfronteiriço.

Outra das medidas propostas é a criação de um fórum europeu, para envolver as partes interessadas, incluindo autoridades reguladoras, representantes de jornalistas, organismos de autorregulamentação, sociedade civil e organizações internacionais.

O Clube


Faz cinco anos que começámos este
site, desenhado por Nuno Palma, webdesigner e docente universitário, que desde então colabora connosco.

O projecto foi lançado com uma modéstia de recursos que não mudou entretanto, porque escasseiam os mecenas e os poucos que se nos juntaram também se defrontaram com orçamentos penalizados, seja pela conjuntura económica, seja, mais recentemente, pela crise sanitária. 

Neste contexto, a sobrevivência é um desafio diário, e um lustre de existência deste site é uma profissão de fé e uma teimosia.

O site constitui a respiração do CPI, fora de portas, e a nível global. Os primeiros passos foram dados sem qualquer publicidade. Aparecemos online e por aqui ficámos, procurando habilitar diariamente quem nos visita com a melhor informação sobre as actividades do Clube e o pulsar dos media e do jornalismo, sem restrições de credo, nem obediências de capela. Com rigor e independência.

Fomos recompensados. Só no último ano, de acordo com medições de audiência da Google Analytics, crescemos mais de 50% em sessões efectuadas e mais de 60% em utilizadores regulares. É algo de que nos orgulhamos.



ver mais >
Opinião
As eleições americanas, bem como a pandemia provocada pelo  covid-19, têm sido dois poderosos ímanes na  cobertura mediática, e campo fértil para  o exercício do jornalismo, desde o que é   servido com rigor, àquele que obedece  apenas aos cânones  ideológicos de quem escreve. Houve tempo em que se cultivava o sagrado principio da separação da opinião e da...
No final de 2016 a Newspaper Association Of America, que representava cerca de 2000 publicações nos Estados Unidos e no Canadá, anunciou a sua transformação em News Media Alliance, reflectindo a evolução do sector e passando a incorporar as diversas plataformas em que os grupos produtores de informação qualificada se desdobraram ao longo dos últimos anos, coexistindo o papel com os formatos digitais, mas também video,...
Jornalistas: nem heróis nem vilões
Francisco Sarsfield Cabral
No  jornal “Público” de sábado,  J. Pacheco Pereira elogiou Vicente Jorge Silva porque “fez uma coisa rara entre nós – fez obra. Não tanto como jornalista, mas como criador no terreno da comunicação social”. E destacou o papel do jornal madeirense “Comércio do Funchal”, que, apesar da censura, conseguiu criticar o regime então vigente. Até ao 25 de Abril este jornal logrou,...
De acordo com Carlos Camponez , o «jornalismo de proximidade», porque realmente está mais próximo dos leitores da comunidade onde se integra, pode desempenhar um papel fundamental, «assumindo uma perspetiva de compromisso no incentivo à vida pública». Neste contexto, aquele investigador aponta para a ideia da criação de uma agenda do cidadão, o que, por sua vez, «obriga a que os media invistam em técnicas...
Acordaram para o incumprimento reiterado de alguns órgãos de informação em matéria deontológica? Só perceberam agora. Não deram pela cobertura dos casos Sócrates e companhia, não assistiram à novela Rosa Grilo? Perceberam finalmente que se pratica em Portugal, às vezes e em alguns casos senão mau, pelo menos péssimo jornalismo? Não estamos todos no mesmo saco. Não somos todos iguais....
Agenda
09
Dez
11
Dez
19
Dez
Estratégias de Facebook
10:00 @ Cenjor
04
Jan
Design Editorial
10:00 @ Cenjor
23
Fev
Westminster Forum Projects: O futuro da BBC
10:00 @ Conferência "online"