null, 8 de Dezembro, 2019
Estudo

O futuro dos “media” e da comunicação à luz do impacto da nova geração tecnológica

O relatório “Media em Mudança – Análise de relatórios de consultoras e entidades de investigação sobre o futuro dos media e da Comunicação” apresenta diversos capítulos acerca de várias indústrias ligadas à comunicação e à exploração de temas como o 5G e o impacto desta nova geração tecnológica nas indústrias, ainda em desenvolvimento,

Os relatórios das consultoras e das instituições de investigação analisados, confirmaram a evolução do modelo de negócio dos media, cada vez mais ligada às multiplataformas e aos novos meios de comunicação. 

O 5G tornará os modelos de negócio susceptíveis de mudanças e de  adaptações, o que possivelmente gerará uma profunda evolução dos sectores. 

Os relatórios analisados não dramatizam a possibilidade de algumas indústrias perderem relevância ou sofrerem alterações radicais.

Os relatórios acerca do jornalismo e da imprensa apresentam uma indústria com mais dificuldades, mas tal não implica que a evolução do sector não tenha oportunidades para se consolidar e reafirmar do ponto de vista económico. 

De um modo geral, o mundo mediático está cada vez mais imprevisível. Aspectos como o crescimento do streaming parecem ter um papel relevante no futuro, nomeadamente, para a população mais jovem.

Existem oportunidades interessantes a surgir, que podem permitir que alguns meios se reafirmem na sociedade e no mercado, se tiverem a capacidade de adaptação e a capacidade de investimento que potencie esse crescimento. 

TV tradicional e canais de streaming 

Os canais tradicionais de televisão têm apostado cada vez mais em serviços de streaming, disponibilizados em paralelo com o canal por cabo ou por satélite.O crescimento do streaming e do video-on-demand (em subscrições, receitas e conteúdos), é uma matéria consensual em  todos as investigações. 


Por outro lado, a crescente digitalização de todo o processo relacionado com TV e streaming– no qual o 5G terá um papel importante – irá alterar as funcionalidades de produção, distribuição e recomendação de conteúdo. 


Já outra característica fundamental do mercado será a crescente segmentação/personalização da publicidade, adaptando-se a novos formatos e maximizando a experiência e o valor do cliente. Quanto às receitas do streaming/video-on-demand, o crescimento  foi bastante forte há uns anos, continuando a progredir até estabilizar no mercado. 


É expectável que o crescimento do investimento global em streaming, exceda,  já em 2020,  o investimento, nos EUA, do broadcast regular e do top 30 de TV por cabo. 


Notícias, imprensa e jornalismo digital 

Na  análise dos relatórios relativos aos modelos de negócio actuais, no âmbito da imprensa e do jornalismo, ressalta clara uma tendência para se optar por um modelo baseado nos modelos digitais. 


Segundo um relatório da KPMG (2016), os jornais precisam de adquirir uma abordagem renovada na maneira como actuam e garantem as suas receitas. 


“Os negócios do futuro poderão ter modelos bastante distintos dos que existem actualmente e, com excepção dos jornais que oferecem conteúdo premium e conseguem obter algumas receitas nesse segmento , muitos outros poderão ter de adoptar um modelo exclusivamente digital, tornando muito difícil  a existência de um modelo baseado no papel impresso”. 

As principais fontes de receitas da imprensa e dos jornais, são as assinaturas,  com cerca de 52%, seguindo-se a exibição publicitária (27%) e, com menor percentagem, a publicidade nativa (8%). 

Diversos relatórios fazem referência à crescente importância do vídeo no que diz respeito ao consumo de noticias. 

“Segundo a Cisco (2015), três quartos do tráfego dos telemóveis/smartphones e tablets iriam incluir vídeos nos cinco anos seguidos; já o The Future Today Institute (2018) revela que, nos EUA, em 2018, 46% dos americanos preferem ver vídeos sobre alguma notícia, sendo que 35% preferem ler e 17% preferem ouvir. Isto aponta, pois, para a importância crescente deste tipo de mediação multimédia. Em grande parte, tal crescimento terá a influência do 5G, que irá permitir uma maior acessibilidade e facilidade no que respeita à visualização de vídeos”. 


O estudo faz ainda cinco previsões sobre o futuro do jornalismo, como o regresso do «jornalismo regional», a redacção aprofundada dos temas jornalísticos, a automação na escrita de certas notícias com o auxílio do 5G e da inteligência artificial. 


Rádio 

“Um relatório de 2018 da OFCOM, reguladora britânica para a comunicação, refere que nove em cada dez adultos no Reino Unido ouvem rádio todas as semanas,  durante uma média de quase 21 horas por semana, e que 75% de todos os ouvintes o fazem ao vivo/em directo. Estes dados representam bem uma tendência geral de resiliência e de um potencial de mercado interessante para tais empresas de comunicação”. 

“Segundo a Deloitte (2018), projecta-se que, em 2019, a rádio irá continuar a ser ouvida por bastante jovens, estimando-se que, nos EUA, indivíduos entre os 18 e os 34 anos ouvirão rádio pelo menos uma vez por semana e por mais de 80 minutos por dia, em média”. 

O 5G e a sua importância no mercado 

O 5G terá, certamente, um grande impacto na criação de novas possibilidades e no aceleramento de tendências, especialmente, no campo da comunicação e dos media

Prevê-se que ocorra um crescimento bastante elevado (dos 170 mil milhões de dólares, em 2017, para cerca de 420 mil milhões de dólares em 2028) por parte do mercado global de media e entretenimento. O estudo prevê, ainda, que desse montante, 124 mil milhões ficarão nos EUA e que a China averbará  outra grande fatia no mercado global, pois são duas grandes potências do mercado  5G. 

“De um modo geral, as receitas, por parte do 5G no que diz respeito aos media, poderão vir a ser divididas nas seguintes cinco categorias/segmentos: 1) Media móvel aprimorada, com o uso de media paga e incorporada que inclui vídeo, música ou jogos em redes 5G; 2) Publicidade móvel aprimorada, que corresponde a publicidade existente em telemóveis ou noutros formatos visuais, como a realidade virtual (RV) ou a realidade aumentada (RA); 3) Banda larga doméstica e TV, correspondente ao uso do 5G como a principal conexão de internet doméstica,  fornecida com um pacote de TV; 4) Media imersiva, que diz respeito a conteúdos e aplicações de AR e RV, nomeadamente, ao nível de jogos, algo que será, com o 5G, disponibilizado em massa; 5) Novos media, que corresponde a projectos e aplicações que não existem actualmente e que o 5G ajudará a criar, como é o caso de exibições holográficas em 3D”. 

Quanto ao papel da Europa no 5G, um relatório da Deutsche Research Bank (2018), refere três grandes riscos que a Europa tem na área digital:

“1) As empresas europeias correm o risco de ficar ainda mais atrasadas nas áreas centrais de mudança tecnológica, onde já perderam terreno significativo para os seus concorrentes americanos e chineses; 

2) As empresas europeias encontram-se a investir muito pouco, em comparação com EUA e China, na área da inteligência artificial; 

3) Onde as empresas europeias desenvolveram boas posições boas ou foram líderes em áreas como robótica e automação, indústria 4.0, mobilidade conectada e redes inteligentes de energia, correm o risco de serem atacadas, ultrapassadas ou expulsas para fora do mercado”. 

A Europa precisará de investir nas suas infra-estruturas digitais, possivelmente, a necessidade de investimento ultrapassará os 500 mil milhões de euros em infra-estruturas e serviços de comunicação e internet, o que será, em grande parte, responsabilidade de empresas do sector privado. 

Mais informações em Obercom.

 

Connosco
A cientista Fabiola Gianotti recebeu Prémio Helena Vaz da Silva Ver galeria

O Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian acolheu novamente a cerimónia de entrega do  Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, atribuído , este ano, a Fabiola Gianotti,  cientista italiana em Física de partículas e primeira mulher nomeada directora-geral do Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN), por ter contribuido para a divulgação da cultura científica de uma forma atractiva e acessível.

Este Prémio Europeu,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura (CNC) em cooperação com a  Europa Nostra e o Clube Português de Imprensa (CPI)  recorda a jornalista portuguesa, escritora, activista cultural e política (1939 – 2002), e a sua notável contribuição para a divulgação do património cultural e dos ideais europeus. 

É atribuído anualmente a um cidadão europeu, cuja carreira se tenha distinguido pela difusão, defesa, e promoção do património cultural da Europa, quer através de obras literárias e musicais, quer através de reportagens, artigos, crónicas, fotografias, cartoons, documentários, filmes de ficção e programas de rádio e/ou televisão.

O Prémio conta com o apoio do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

Controlo de informação agrava-se e contamina vários países Ver galeria

A China e a Rússia utilizam técnicas de controlo de informação invasivos, desde as comunicações privadas dos cidadãos à censura. 

O uso de sistemas tecnológicos autoritários, por actores estatais, com o objectivo de diminuir os direitos humanos fundamentais dos cidadãos é algo que ultrapassa todos os limites. 

Valentin Weber, do Programa de Bolsas de Estudo de Controlo de Informações do Fundo Aberto de Tecnologia, decidiu realizar uma análise sistemática dos seus drivers e obteve sintomáti cos resultados. 

Através da pesquisa, Valentin descobriu que, até ao momento, mais de cem países compraram, imitaram ou receberam treino em controlo de informação da China e da Rússia.

Verificou, ainda,  casos de países cujos objectivos de controlo e monitorização da informação são semelhantes, como a Venezuela, o Egipto e Myanmar. 

Na lista surgiram, também, países possivelmente menos suspeitos, nos quais a conectividade se está a expandir, como Sudão, Uganda e Zimbábue; várias democracias ocidentais, como Alemanha, França e Holanda; e até mesmo pequenas nações como Trinidad e Tobago. 

“Ao todo, foram detectados 110 países  com tecnologia de vigilância ou censura importada da Rússia ou da China”, refere o artigo da OpenTechnology Fund, publicado no Global Investigative Journalism Network.

O Clube

Este site do Clube, lançado em Novembro de 2016, e com  actividade regular desde então, tem-se afirmado tanto como roteiro do que acontece de novo na paisagem mediática, como ainda no aprofundamento do debate sobre as questões mais relevantes do jornalismo, além do acompanhamento e divulgação das iniciativas do CPI.

O resultado deste esforço tem sido notório, com a fixação de um crescente número de visitantes, oriundos de uma alargada panóplia de países, com relevo para os de língua portuguesa, facto que é muito estimulante e encorajador. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
Agenda
09
Dez
Dia nacional da imprensa
09:30 @ Auditório ISCAC Coimbra Business School
10
Dez
Colóquio - A Batalha: 100 anos
15:00 @ Biblioteca Nacional de Portugal
31
Dez
20
Jan