null, 8 de Dezembro, 2019
Tecnologias

A Inteligência artificial pode beneficiar o jornalismo

Em Fevereiro passado, a Polis, o think-tank internacional de jornalismo da London School of Economics and Political Science, iniciou um projecto de investigação em colaboração com a Google News Initiative com o objectivo de investigar a relação entre jornalismo e inteligência artificial.

Depois de sete meses de trabalho e de colaborações com 71 organizações de media que recorrem a esta tecnologia, a Journalism AI publicou, recentemente, as conclusões, num relatório lançado na Hacks/Hackers London, a 18 de Novembro.

Medium entrevistou o director fundador da Polis, Charlie Beckett sobre o IA e o jornalismo.

Segundo Beckett, “o relatório chega num momento crítico para o sector de notícias, mas também num momento vital para essas tecnologias de IA. As organizações de notícias de todo o mundo, de todos os tipos, estão a começar a utilizar a IA de forma significativa – desde investigações, à personalização, à forma como as notícias são consumidas.”

“O relatório mostra que já existem alguns usos imaginativos e eficientes, mas há, também, uma série de desafios, como treino e viés algorítmico. O jornalismo está sob pressão como negócio, mas também está lutando para provar o seu valor num mundo de desinformação e conflito político. A IA não vai resolver todos esses problemas, mas a menos que entendamos melhor, vamos perder uma chance de melhorar a capacidade do jornalismo de prosperar num mundo orientado por dados”.

 

Muitas redacções continuam a evitar esta tecnologia ou utilizam o IA de forma fraccionada. Algumas apenas agora começam a ver como podem criar estratégias para maximizar a sua eficácia no processo de criação de notícias, desde a recolha, até a produção e distribuição. 

 

“Acho que a melhor comparação é com os estágios iniciais das redes sociais, há cerca de dez anos, quando algumas organizações de notícias estavam apenas a experimentar o Facebook ou o Twitter, enquanto outras entenderam que isso iria eventualmente mudar todo o seu negócio e sistemas editoriais”.

 

Para o director fundador da Polis, uma das maiores questões em torno da IA para o jornalismo é a falta de recursos para pesquisa e desenvolvimento no sector do jornalismo, sendo que apenas as redações maiores têm recursos humanos e financeiros para adoptar essa tecnologia de forma sistemática. 

 

“Portanto, o perigo é que as pequenas empresas jornalísticas possam ser deixadas para trás. No entanto, há também sinais de que as organizações noticiosas locais e especializadas podem usar a IA para obter uma vantagem comparativa, se se concentrarem nas suas necessidades e objectivos”. 

 

Um dos maiores desafios à adopção da IA, citado pelos entrevistados, é a resistência cultural (24%), incluindo o medo de perder empregos. 

 

É fundamental que não se abondonem os bons valores do jornalismo para usar a nova tecnologia e os inquiridos consideram, também, que é há necessidade de se realizar um investimento maciço em treino, competências e educação, não só para a equipa de TI especializada, mas para toda a redacção. 

 

“A IA não vai matar o jornalismo, mas também não vai salvá-lo sozinha. No entanto, pode desempenhar um papel na ajuda ao jornalismo para provar o seu valor para o público, numa altura em que a desinformação e a polarização estão a tornar mais difícil do que nunca para o cidadão encontrar os factos e o debate que o podem ajudar a viver as suas vidas. O facto é que vamos todos viver num mundo em que os enormes fluxos de dados serão impulsionados por algoritmos, muitas vezes moldados por empresas de tecnologia e outras organizações. A IA pode ajudar o jornalismo a combater directamente "notícias falsas", por exemplo, através de sistemas de autenticação automatizados. De um modo mais geral, pode ajudar a mostrar ao público em que informações confiar e a criar melhores formas de ligar bons conteúdos às pessoas que deles necessitam”, explica Beckett.

 

 

Mais informação em Medium.

Connosco
A cientista Fabiola Gianotti recebeu Prémio Helena Vaz da Silva Ver galeria

O Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian acolheu novamente a cerimónia de entrega do  Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, atribuído , este ano, a Fabiola Gianotti,  cientista italiana em Física de partículas e primeira mulher nomeada directora-geral do Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN), por ter contribuido para a divulgação da cultura científica de uma forma atractiva e acessível.

Este Prémio Europeu,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura (CNC) em cooperação com a  Europa Nostra e o Clube Português de Imprensa (CPI)  recorda a jornalista portuguesa, escritora, activista cultural e política (1939 – 2002), e a sua notável contribuição para a divulgação do património cultural e dos ideais europeus. 

É atribuído anualmente a um cidadão europeu, cuja carreira se tenha distinguido pela difusão, defesa, e promoção do património cultural da Europa, quer através de obras literárias e musicais, quer através de reportagens, artigos, crónicas, fotografias, cartoons, documentários, filmes de ficção e programas de rádio e/ou televisão.

O Prémio conta com o apoio do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

Controlo de informação agrava-se e contamina vários países Ver galeria

A China e a Rússia utilizam técnicas de controlo de informação invasivos, desde as comunicações privadas dos cidadãos à censura. 

O uso de sistemas tecnológicos autoritários, por actores estatais, com o objectivo de diminuir os direitos humanos fundamentais dos cidadãos é algo que ultrapassa todos os limites. 

Valentin Weber, do Programa de Bolsas de Estudo de Controlo de Informações do Fundo Aberto de Tecnologia, decidiu realizar uma análise sistemática dos seus drivers e obteve sintomáti cos resultados. 

Através da pesquisa, Valentin descobriu que, até ao momento, mais de cem países compraram, imitaram ou receberam treino em controlo de informação da China e da Rússia.

Verificou, ainda,  casos de países cujos objectivos de controlo e monitorização da informação são semelhantes, como a Venezuela, o Egipto e Myanmar. 

Na lista surgiram, também, países possivelmente menos suspeitos, nos quais a conectividade se está a expandir, como Sudão, Uganda e Zimbábue; várias democracias ocidentais, como Alemanha, França e Holanda; e até mesmo pequenas nações como Trinidad e Tobago. 

“Ao todo, foram detectados 110 países  com tecnologia de vigilância ou censura importada da Rússia ou da China”, refere o artigo da OpenTechnology Fund, publicado no Global Investigative Journalism Network.

O Clube

Este site do Clube, lançado em Novembro de 2016, e com  actividade regular desde então, tem-se afirmado tanto como roteiro do que acontece de novo na paisagem mediática, como ainda no aprofundamento do debate sobre as questões mais relevantes do jornalismo, além do acompanhamento e divulgação das iniciativas do CPI.

O resultado deste esforço tem sido notório, com a fixação de um crescente número de visitantes, oriundos de uma alargada panóplia de países, com relevo para os de língua portuguesa, facto que é muito estimulante e encorajador. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
Agenda
09
Dez
Dia nacional da imprensa
09:30 @ Auditório ISCAC Coimbra Business School
10
Dez
Colóquio - A Batalha: 100 anos
15:00 @ Biblioteca Nacional de Portugal
31
Dez
20
Jan