Quarta-feira, 13 de Novembro, 2019
Tecnologias

Novas ferramentas para gerir os "media online"

O Instituto Internacional de Imprensa (IPI) divulgou uma nova ferramenta para moderadores online dos media lidarem com situações de abuso que ocorrem nas redes sociais. 

As ferramentas e estratégias para gerir os debates no Facebook e no Twitter fazem parte da plataforma do IPI Newsrooms Ontheline, que reúne várias sugestões sobre como combater o assédio online contra jornalistas.

O objectivo é explicar de que forma os moderadores podem gerir as redes sociais e como devem aplicar essas ferramentas, bem como as opções disponíveis pelas próprias plataformas das redes, de forma a conseguirem dar resposta ao abuso online e às ameaças contra os media e jornalistas individuais.
As medidas definidas são o resultado de várias entrevistas com peritos em audiências dos principais media da Europa. Devido à constante evolução, estas estratégias estão sujeitas a revisão e actualização constantes.

A maioria dos peritos, consultados pela IPI, salienta que existem várias ferramentas que podem ser utilizadas para a moderação de mensagens abusivas no Twitter, entre as quais o muting e o bloqueio. 

Em relação ao Facebook, os moderadores podem apagar os comentários, esconder comentários com conteúdo abusivo, banir um utilizador das páginas do medium, remover o utilizador de uma página, desactivar os comentários, bloquear determinadas palavras ou, ainda, reportar uma página ou um post.

muting permite que os moderadores silenciem determinadas contas e pode ser aplicado em situações de abuso online, que violem os padrões dos media ou da comunidade doTwitter. A opção dilui o impacto directo do abuso, pois o alvo deixará de receber notificações da conta silenciada. Por sua vez, o utilizador também não tem conhecimento que foi “silenciado”, o que pode evitar possíveis reacções. 

 

O “silenciamento” também permite que os moderadores continuem a ter conhecimento dos conteúdos que os utilizadores estão a produzir, podendo permanecer atentos a eventuais ameaças.

 

O bloqueio, por norma, deve ser aplicado quando existem contas que enviam spam ou quando se trata de bots. Esta medida é adoptada apenas em último caso, para evitar reacções negativas dos utilizadores bloqueados, uma vez que estes são notificados. Esta acção também impede que o moderador possa controlar qualquer ameaça iminente.


Os moderadores identificam, ainda, ao Twitter, através de relatórios, os tweets ou contas que produzem as ameaças, possivelmente reais e iminentes, ou que contêm imagens violentas.

 

No caso das opções disponíveis no Facebook, os moderadores podem apagar os comentários quando estes tiverem conteúdo agressivo ou ameaçador e no caso de conterem palavras ou insultos depreciativos. No caso de críticas, estas são permitidas, independentemente do quão duras forem.

 

A opção de esconder comentários com conteúdo abusivo é pouco utilizada, uma vez que o utilizador e os seus “amigos” continuam a ter acesso ao conteúdo.

 

Banir um utilizador das páginas do meio de comunicação pode ser aplicado em situações em que o utilizador publica repetidamente comentários de ódio e outros abusivos, mesmo depois de ter sido advertido.

 

Remover o utilizador de uma página pode ser uma forma de dissuadir comentários abusivos. A opção é menos definitiva do que “banir”, uma vez que o utilizador pode voltar a seguir a página.

 

Desactivar os comentários é uma opção que apenas se encontra disponível em posts de vídeo, por norma, a opção é utilizada quando não há forma de moderar o fluxo de comentários, como nos casos de vídeos ao vivo.

 

O Facebook tem, também, um filtro de “profanação”, e esta é uma opção útil que permite bloquear determinadas palavras nos comentários.

 

Os moderadores podem, ainda, denunciar uma página ou um post, caso considerem que foram violados os padrões do Facebook ou dos media. Ao denunciar conteúdos, a política declarada da plataforma é que avaliará a necessidade de bloqueio ou remoção da informação em questão. 

 

Mais informação em IPI.

Connosco
Onde se fala de jornalismo mais factual e menos negativo Ver galeria

Os meios de comunicação social exibem um enviesamento em relação a tudo aquilo que é negativo, seja nas notícias, seja no comentário. 

O jornalismo parece ter uma tendência para o negativo. Aparentemente, só o que é repentino e mau é digno de notícia, verificando-se que as coisas positivas são vistas como uma maçada.

O jornalismo acaba por ampliar a negatividade sempre que opta por não considerar os acontecimentos positivos.

A opinião é de Steven Pinker, professor de psicologia em Harvard e autor, numa crónica na revista POLITICO Magazine, do livro “Enlightenment Now: The Case for Reason, Science, Humanism, and Progress”. 

O autor apela a um jornalismo mais factual e considera que a governação democrática não pode funcionar se ninguém acreditar nisso, e o pessimismo jornalístico semeou o fatalismo e o radicalismo nas nossas instituições.

Jovens privilegiam “infotainment” em vez de notícias Ver galeria

Um estudo encomendado pelo Reuters Institute for the Study of Journalism (RISJ) à agência Flamingo – especializada na concepção de estratégias culturais –, revela que a forma como as audiências mais jovens nos Estados Unidos e no Reino Unido abordam as notícias é diferente das gerações anteriores. 

Os jovens procuram, principalmente, o progresso, o que influencia a forma como pesquisam e recebem notícias.

As audiências mais jovens, por norma, não procuram notícias e não se informam de forma proactiva, são indiretamente expostas à informação através de redes sociais, conteúdos digitais, programas de televisão e conversas online

Ao mesmo tempo, focam-se noutros tipos de conteúdos, como a combinação de informação e entretenimento (infotainment), histórias de lifestyle ou conteúdos de bloggers.

Em suma, as gerações mais jovens estão cada vez mais desconectadas das formas tradicionais de consumo de notícias, por considerarem que são menos relevantes para si.

APM, com a qual o CPI mantém um acordo de parceria, publicou no seu site um artigo no qual realiza a análise do estudo.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O caso do novo secretário de Estado com a tutela da comunicação social é assaz curioso. Nuno Artur Silva foi dono, até há dias, das Produções Fictícias, empresa que incluía a RTP no seu portfólio de clientes, facto que não o inibiu de aceitar  ser administrador daquele operador público, com a responsabilidade dos conteúdos. Cumprido o primeiro mandato, sem abdicar da...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Agenda
16
Nov
19
Nov
Connections Europe
09:00 @ Marriott Hotel, Amsterdão
19
Nov
19
Nov
Dia da Comunicação
10:00 @ Teatro Tivoli