Quinta-feira, 20 de Fevereiro, 2020
Opinião

Quando a ética não é flor que se cheire…

por Dinis de Abreu

O caso do novo secretário de Estado com a tutela da comunicação social é assaz curioso. Nuno Artur Silva foi dono, até há dias, das Produções Fictícias, empresa que incluía a RTP no seu portfólio de clientes, facto que não o inibiu de aceitar  ser administrador daquele operador público, com a responsabilidade dos conteúdos.

Cumprido o primeiro mandato, sem abdicar da participação societária nas Produções Fictícias, o Conselho Geral Independente da estação pública fez saber ao gestor  que  “a sua continuidade na RTP era incompatível com a irresolução do conflito de interesses entre a sua posição na empresa e os seus interesses patrimoniais privados, cuja manutenção não é aceitável”. E não foi reconduzido.

De facto, Nuno Artur Silva continuava a ser dono das Produções Fictícias e do Canal K, embora tivesse cessado funções de administrador da produtora.

Agora, fia mais fino. Nas vésperas de ser indigitado para o Governo, Nuno Artur Silva vendeu as acções da sua empresa a um sobrinho e sentiu-se livre de suspeições, à luz da nova lei das incompatibilidades, cujo regime aplicável lhe passa ao lado.

Trocado por miúdos, isto significa que,  de acordo com a  nova lei da transparência para detentores de cargos públicos, nada impedirá,  doravante,  as Produções Fictícias de celebrar contratos com o Estado ou participar em concursos públicos.

Um alivio, decerto, para o novo governante, que nem se esquivou a considerar, peremptório, que, com a  venda efectuada, e atento “o regime jurídico“ agora em vigor,  já  “não se verificam quaisquer incompatibilidades e impedimentos”  para o exercício do  cargo.

Admitamos que tem razão, até porque a legislação neste particular, depois de estar adormecida durante vários anos, adaptou-se ao “l`air du temps”, para poupar as “famílias” no governo a mais desgostos.  Ou sarilhos.

Mas se já era bizarro (para ficar por aqui) um fornecedor de conteúdos da RTP, “saltar a barreira” e passar a geri-la na mesma área, como se fosse a coisa mais natural desta vida, até o impedirem de continuar, então ir tutelar a mesma casa, de onde saiu por causa de uma situação de reconhecido conflito de interesses, é algo absolutamente kafkiano.

O versátil “ajudante” de António Costa, compondo uma santa ingenuidade que não lhe fica bem, alegou até, em comunicado, que enquanto secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Média, não irá “intervir nas decisões relativas à negociação, celebração e execução de contratos referentes à programação e conteúdos das mesmas”, pois “tais decisões competem aos respectivos conselhos de administração”.

É preciso topete. E não fazer a menor ideia das regras elementares que distinguem a ética da apetência por uma sinecura…. Ou quando a ética não é flor que se cheire!...

Connosco
Amal Clooney advoga mais liberdade de imprensa Ver galeria

A enviada especial britânica para a liberdade de imprensa, Amal Clooney, tem trabalhado, afincadamente, em defesa do livre exercício do jornalismo, mas acredita que os seus esforços estão a ser anulados por alguns líderes mundiais. Clooney destaca  as medidas coercivas de Donald Trump, a quem comparou, em entrevista ao “Guardian”, ao nível dos líderes autoritários.

Amal, que se distinguiu na defesa dos direitos humanos, destacou a urgência de o governo britânico unir esforços para derrotar os “predadores” da liberdade. A advogada acredita que tem em Dominic Raab, secretário dos Negócios Estrangeiros, um aliado, mas que as suas propostas requerem um apoio mais alargado. 

Agora que o Ofcom vai passar a regular a Internet no Reino Unido, Amal sugeriu a implementação de um instrumento, baseado nas sanções Magnitsky, visando penalizar qualquer entidade ou indivíduo que ameace os jornalistas, ou que restrinja conteúdos “online”.

Plataforma estabelece "ponte" entre académicos e imprensa Ver galeria

Apesar do grande número de estudos científicos publicados diariamente no Brasil, contactar os responsáveis por essas pesquisas pode ser, particularmente, ingrato. Perante essa realidade, duas jornalistas brasileiras especializadas em ciência, Ana Paula Morales e Sabine Righetti, criaram uma plataforma “online” para servir de “ponte” entre especialistas académicos e a imprensa. 

A Agência Bori é já parceira de 90 revistas científicas, mas quer expandir-se a novas publicações. A plataforma vai, agora, apresentar, semanalmente, três estudos inéditos, com potencial de divulgação e interesse público. Além disso, a equipa da Agência Bori está a realizar “workshops” de “media” para os cientistas que disponibilizam os seus conteúdos.

A Bori funciona através de um sistema de inteligência artificial único,  que agrega artigos de jornais científicos e gera alertas, de acordo com critérios definidos pelos jornalistas. Para ter acesso aos estudos, os profissionais de imprensa podem subscrever, gratuitamente, a plataforma.


O Clube


Três jornais açorianos celebram este ano aniversários redondos. O Diário dos Açores completa século e meio de existência , o que é marcante. O Jornal dos Açores perfaz cem anos, outra vitória sobre o tempo. E o Açoriano Oriental , chega aos 185 anos , uma longevidade qualificada , que o coloca entre os diários mais antigos em publicação. A todos o Clube Português de Imprensa felicita , pela resistência e pelo mérito , numa época em que floresce a falta de memória nas redações. E associa-se neste site às respectivas efemérides.
Houve tempo em que os jornais se felicitavam com júbilo, e parabenizavam os concorrentes aniversariantes. Tempos idos. Agora , ignoram-se como se houvesse um deserto à volta de cada um.
Ser diário centenário num arquipélago de pouca gente, de onde tantos emigraram, e sobreviver em confronto com a agressividade da Internet e dos audiovisuais , é proeza de vulto.
São uma lição que merece relevo, cheia de ensinamentos para outros que desistiram antes de tempo.

ver mais >
Opinião