Terça-feira, 28 de Janeiro, 2020
Media

Justiça europeia dá razão à Google e limita o direito ao esquecimento ao território da união

A Google, conquistou pela segunda vez em duas semanas, uma vitória perante o Tribunal Europeu numa disputa com a agência de dados francesa.

Cinco anos após os juízes decidirem que os utilizadores europeus passam a poder solicitar a eliminação dos resultados dos mecanismos de pesquisa associados ao seu nome, o TJUE, considerou agora que "o gestor de um mecanismo de pesquisa não é forçado a remover links em todo o mundo", mas, apenas na União Europeia.

A luta pelo direito ao esquecimento começou em Espanha, quando um advogado recorreu à Agência Espanhola de Protecção de Dados para conseguir que a Google retirasse do seu serviço, as informações publicadas no jornal La Vanguardia, relacionadas com dívidas à Segurança Social.
O caso chegou ao Luxemburgo, onde foi decidido que, os cidadãos europeus podem solicitar "directamente" ao mecanismo de busca a remoção do seu nome.

Entretanto,  um utilizador francês, procurou a Comissão Nacional de Computação e Liberdade francesa ao descobrir que alguns links que ele tinha pesquisado ainda apareciam no sistema, quando  o seu nome era inserido no mecanismo de busca.


Isso aconteceu porque a Google removeu a informação dos motores das suas subsidiárias europeias. Mas, não as removeu nas do resto do mundo.


A autoridade francesa exigiu que a Google concordasse com o pedido do seu cidadão. No entanto, a gigante americana apenas passou a suprimi-los de pesquisas realizadas na UE.


Em alternativa,  estabeleceu uma área geográfica, para que essas informações problemáticas não pudessem ser consultadas a partir de dispositivos do país de residência do requerente.

 

A Comissão Nacional de Computação e Liberdade considerou essas medidas insuficientes e multou a multinacional em 100 mil euros. A Google  recorreu  da decisão , alegando  que, em sua opinião, não é obrigada a remover os links em todo o mundo. A Justiça europeia deu-lhe razão.


O Tribunal do Luxemburgo admite que, num espaço global sem fronteiras, retirar  as  ligações seria a fórmula que "responderia plenamente ao objectivo de protecção prosseguido pelo direito da União". Porém, ressalva que muitos países terceiros não contemplam o direito de serem esquecidos , ou, se o fazem, abordam o assunto de maneira diferente.


O TJUE também lembra que não é um "direito absoluto", mas está sujeito ao "princípio da proporcionalidade". Ou seja, o respeito à privacidade e à protecção de dados deve ser  equilibrado  com a liberdade de informação.


O tribunal conclui, portanto, que a legislação comunitária "não prevê instrumentos e mecanismos de cooperação no que se refere á retirada de links fora da União ", portanto, a Google" não é obrigada a "prosseguir com a retirada em todas as versões do seu mecanismo".


Ainda assim, o facto de as leis não exigirem a remoção não significa, necessariamente,  que ela seja proibida, lembra o Tribunal: Mas esse é um campo que escapa aos seus poderes e que os países da UE devem explorar.


Há apenas uma semana, a Google venceu outra batalha no Luxemburgo, depois do tribunal invalidar a lei alemã que proíbe de mostrar nos seus resultados de pesquisa, os resumos das notícias dos media, sem antes pagar aos editores.


A empresa norte-americana aplaudiu a decisão do tribunal superior, e garante que, desde 2014, trabalha afincadamente para "encontrar um equilíbrio razoável entre o direito das pessoas acederem à informação e a privacidade".



(Mais informação em El País)

Connosco
Jornalismo universitário americano cultiva independência Ver galeria

A indústria mediática está em decadência. Nos últimos dez anos, perdeu-se um quarto dos empregos no sector e espera-se que, na próxima década, desapareçam mais 10%.

O jornais regionais são, particularmente, prejudicados, com mais de 1.400 cidades norte-americanas a ficar sem a cobertura local.

Cole Stallone, director do jornal universitário “Washington Square News”, escreveu um artigo oportuno sobre a importância da aposta no jornalismo independente, promovido por estudantes.

Para Stallone, embora o jornalismo seja uma profissão em risco, continua a ser importante cobrir histórias e acontecimentos. Enquanto os profissionais se debatem com a importância de relatar eventos de maior dimensão, é crucial que haja cidadãos que se ocupem de ocorrências locais.


Como a tecnologia pode ser "amiga" do jornalismo... Ver galeria

A desinformação é uma das maiores preocupações dos “media” e, com o desenvolvimento tecnológico, têm surgido alguma soluções interessantes. O Blockchain é um programa que bloqueia, automaticamente, informações que considera falsas, e embora não se entenda que pode salvar o jornalismo, ainda pode ser útil à imprensa. O problema é que os leitores não parecem interessados nos factos.

O “The New York Times” lançou um projecto com o objectivo de perceber se o bloqueio facilita, ou não, a compreensão da origem das notícias, por parte dos consumidores. Os colaboradores têm pesquisado utilizadores e construído protótipos da Blockchain, divulgando, agora algumas das suas revelações iniciais.


O Clube

Ao retomar a regularidade de actualização deste site, no inicio de outra década, achámos oportuno proceder ao  balanço do vasto material arquivado, designadamente, em textos de reflexão sobre a forma como está a ser exercido o jornalismo,  no contexto de um período extremamente exigente  para os novos e velhos  “media”.

O resultado dessa pesquisa retrospectiva foi muito estimulante, a ponto de termos sentido  ser um imperativo partilhá-la, no essencial,  com quem nos acompanha mais de perto, sendo, no entanto,  recém-chegados. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
Agenda
03
Fev
Workshop on Networks of (dis-)information
09:30 @ Universidade Nova de Lisboa I NOVA FCSH I iNOVA Media Lab
11
Mar
O cinema e a televisão como "forma de futuro"
15:00 @ Universidade Lusófona