Segunda-feira, 16 de Dezembro, 2019
Media

Justiça europeia dá razão à Google e limita o direito ao esquecimento ao território da união

A Google, conquistou pela segunda vez em duas semanas, uma vitória perante o Tribunal Europeu numa disputa com a agência de dados francesa.

Cinco anos após os juízes decidirem que os utilizadores europeus passam a poder solicitar a eliminação dos resultados dos mecanismos de pesquisa associados ao seu nome, o TJUE, considerou agora que "o gestor de um mecanismo de pesquisa não é forçado a remover links em todo o mundo", mas, apenas na União Europeia.

A luta pelo direito ao esquecimento começou em Espanha, quando um advogado recorreu à Agência Espanhola de Protecção de Dados para conseguir que a Google retirasse do seu serviço, as informações publicadas no jornal La Vanguardia, relacionadas com dívidas à Segurança Social.
O caso chegou ao Luxemburgo, onde foi decidido que, os cidadãos europeus podem solicitar "directamente" ao mecanismo de busca a remoção do seu nome.

Entretanto,  um utilizador francês, procurou a Comissão Nacional de Computação e Liberdade francesa ao descobrir que alguns links que ele tinha pesquisado ainda apareciam no sistema, quando  o seu nome era inserido no mecanismo de busca.


Isso aconteceu porque a Google removeu a informação dos motores das suas subsidiárias europeias. Mas, não as removeu nas do resto do mundo.


A autoridade francesa exigiu que a Google concordasse com o pedido do seu cidadão. No entanto, a gigante americana apenas passou a suprimi-los de pesquisas realizadas na UE.


Em alternativa,  estabeleceu uma área geográfica, para que essas informações problemáticas não pudessem ser consultadas a partir de dispositivos do país de residência do requerente.

 

A Comissão Nacional de Computação e Liberdade considerou essas medidas insuficientes e multou a multinacional em 100 mil euros. A Google  recorreu  da decisão , alegando  que, em sua opinião, não é obrigada a remover os links em todo o mundo. A Justiça europeia deu-lhe razão.


O Tribunal do Luxemburgo admite que, num espaço global sem fronteiras, retirar  as  ligações seria a fórmula que "responderia plenamente ao objectivo de protecção prosseguido pelo direito da União". Porém, ressalva que muitos países terceiros não contemplam o direito de serem esquecidos , ou, se o fazem, abordam o assunto de maneira diferente.


O TJUE também lembra que não é um "direito absoluto", mas está sujeito ao "princípio da proporcionalidade". Ou seja, o respeito à privacidade e à protecção de dados deve ser  equilibrado  com a liberdade de informação.


O tribunal conclui, portanto, que a legislação comunitária "não prevê instrumentos e mecanismos de cooperação no que se refere á retirada de links fora da União ", portanto, a Google" não é obrigada a "prosseguir com a retirada em todas as versões do seu mecanismo".


Ainda assim, o facto de as leis não exigirem a remoção não significa, necessariamente,  que ela seja proibida, lembra o Tribunal: Mas esse é um campo que escapa aos seus poderes e que os países da UE devem explorar.


Há apenas uma semana, a Google venceu outra batalha no Luxemburgo, depois do tribunal invalidar a lei alemã que proíbe de mostrar nos seus resultados de pesquisa, os resumos das notícias dos media, sem antes pagar aos editores.


A empresa norte-americana aplaudiu a decisão do tribunal superior, e garante que, desde 2014, trabalha afincadamente para "encontrar um equilíbrio razoável entre o direito das pessoas acederem à informação e a privacidade".



(Mais informação em El País)

Connosco
A cientista Fabiola Gianotti recebeu Prémio Helena Vaz da Silva Ver galeria

O Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian acolheu novamente a cerimónia de entrega do  Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, atribuído , este ano, a Fabiola Gianotti,  cientista italiana em Física de partículas e primeira mulher nomeada directora-geral do Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN), por ter contribuido para a divulgação da cultura científica de uma forma atractiva e acessível.

Este Prémio Europeu,  instituído em 2013 pelo Centro Nacional de Cultura (CNC) em cooperação com a  Europa Nostra e o Clube Português de Imprensa (CPI)  recorda a jornalista portuguesa, escritora, activista cultural e política (1939 – 2002), e a sua notável contribuição para a divulgação do património cultural e dos ideais europeus. 

É atribuído anualmente a um cidadão europeu, cuja carreira se tenha distinguido pela difusão, defesa, e promoção do património cultural da Europa, quer através de obras literárias e musicais, quer através de reportagens, artigos, crónicas, fotografias, cartoons, documentários, filmes de ficção e programas de rádio e/ou televisão.

O Prémio conta com o apoio do Ministério da Cultura, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Turismo de Portugal.

Controlo de informação agrava-se e contamina vários países Ver galeria

A China e a Rússia utilizam técnicas de controlo de informação invasivos, desde as comunicações privadas dos cidadãos à censura. 

O uso de sistemas tecnológicos autoritários, por actores estatais, com o objectivo de diminuir os direitos humanos fundamentais dos cidadãos é algo que ultrapassa todos os limites. 

Valentin Weber, do Programa de Bolsas de Estudo de Controlo de Informações do Fundo Aberto de Tecnologia, decidiu realizar uma análise sistemática dos seus drivers e obteve sintomáti cos resultados. 

Através da pesquisa, Valentin descobriu que, até ao momento, mais de cem países compraram, imitaram ou receberam treino em controlo de informação da China e da Rússia.

Verificou, ainda,  casos de países cujos objectivos de controlo e monitorização da informação são semelhantes, como a Venezuela, o Egipto e Myanmar. 

Na lista surgiram, também, países possivelmente menos suspeitos, nos quais a conectividade se está a expandir, como Sudão, Uganda e Zimbábue; várias democracias ocidentais, como Alemanha, França e Holanda; e até mesmo pequenas nações como Trinidad e Tobago. 

“Ao todo, foram detectados 110 países  com tecnologia de vigilância ou censura importada da Rússia ou da China”, refere o artigo da OpenTechnology Fund, publicado no Global Investigative Journalism Network.

O Clube

Este site do Clube, lançado em Novembro de 2016, e com  actividade regular desde então, tem-se afirmado tanto como roteiro do que acontece de novo na paisagem mediática, como ainda no aprofundamento do debate sobre as questões mais relevantes do jornalismo, além do acompanhamento e divulgação das iniciativas do CPI.

O resultado deste esforço tem sido notório, com a fixação de um crescente número de visitantes, oriundos de uma alargada panóplia de países, com relevo para os de língua portuguesa, facto que é muito estimulante e encorajador. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
Agenda
31
Dez
20
Jan