Sexta-feira, 3 de Abril, 2020
Opinião

Novidades, Tendências & Curiosidades Digitais

por Manuel Falcão

Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital patrocinado deverão triplicar até 2021 e as previsões do mercado internacional apontam para uma subida progressiva e constante dos preços da publicidade em meios digitais nos próximos anos. Vale a pena conhecer algumas das principais conclusões do relatório referido. Em primeiro lugar, a plataforma preferida para trabalhar conteúdos: 55% dos inquiridos declarou utilizar e preferir a plataforma WordPress.

Em segundo lugar os publishers digitais consideram que a diversificação das receitas é o único caminho possível para garantir que o negócio seja saudável. Foram referidas cinco estratégias principais de monetização: 79% dos publishers obtêm receitas da publicidade nas suas propriedades digitais. Mas outras fontes de receita incluem a indicação de links afiliados (30%), vendas de assinaturas (22%), branded content e publicidade nativa (18%) e eventos fora do ambiente digital (12%). As newsletters e os emails continuam a ser a forma mais popular de os publishers contactarem o seu público e aumentarem o tráfego nos seus sites e são utilizados por 80% dos inquiridos. A presença em social media faz o pleno – é universal, todos a têm, pelo menos numa plataforma, frequentemente em mais do que uma. Outro dado a ter em conta é que existe uma correlação acentuada entre a frequência da publicalção de conteúdos novos e o tráfego obtido. Enquanto os modelos de negócio e a forma de elaboração e utilização de contéudos varia, a verdade é que o ponto comum é que a grande maioria dos publishers com bons resultados produz e disponibiliza grandes quantidades de novos conteúdos a um ritmo semanal. Finalmente a maior parte dos publishers permite acesso ao seu arquivo como forma de prolongar a permanência no site e oferecer maior possibilidade de exposição da publicidade dos seus anunciantes.

 

Para aligeirar termino com um outro estudo, levado a cabo pelo Flipboard e que estuda a correlação entre os conteúdos consumidos pelos seus 145 milhões de utilizadores e que permitirá a algumas marcas encarar a segmentação à luz de nova informação. Assim, por exemplo, 79% das pessoas que lêem sobre sapatos de desporto também se interessam por artigos sobre negócios e economia, o que ultrapassa os 70% que procuram informação sobre festivais musicais e que também querem saber de noticiário económico. Outras curiosidades: 59% de pessoas que procuram artigos sobre animais domésticos também procuram informação sobre política e 52% das pessoas que pesquisam artigos sobre nutrição querem ler artigos sobre marketing.

Connosco
A importância do jornalismo no reforço da transparência Ver galeria

É missão de todos os jornalistas ajudar o público a ver e a compreender os acontecimentos mais relevantes para a sociedade. Faz ainda parte dessa profissão auxiliar as pessoas a distinguir as opiniões, desde as irracionais, instigadas pelo ódio, aos factos jornalisticamente apurados. 

Em tempo de pandemia do novo coronavírus, a informação de qualidade ganha o mesmo grau de importância que o trabalho de médicos e de cientistas. Um novo estudo ou a cura de uma doença deverá ser divulgado e discutido à exaustão por especialistas e terá a divulgação assegurada pelos veículos de comunicação por intermédio dos jornalistas.

Num oportuno artigo publicado no Observatório da Imprensa, associação com a qual o CPI mantém um acordo de parceira, a jornalista Denise Becker reflectiu sobre a importância do papel da imprensa fidedigna, particularmente, numa altura em que figuras políticas desvalorizam os impactos de uma pandemia. 
Segundo a autora, o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, tem deixado a nação perplexa, ao minimizar os efeitos do novo coronavírus, contrariando as recomendações dos médicos, do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde para conter a disseminação da pandemia. Da mesma forma , o Presidente tem tecido duras críticas aos “media”, acusando-os de alarmismo e disseminar o pânico.

A vaga de "infodemia" como consequência do Covid-19 Ver galeria

A história da Humanidade ficou marcada por diversas pandemias, que tiveram consequências profundas. Tais acontecimentos marcaram o imaginário de alguns dos mais proeminentes autores da literatura modernas, que tomam acontecimentos trágicos, e absurdos, como a base das suas obras, reflexões e analogias.

Agora, atravessamos uma situação semelhante, mas com uma infinidade de recursos informativos. Nunca tivemos tantas possibilidades de informação e comunicação disponíveis, em momentos de crise e tensão, e  tantos dados e números que ajudam, sem dúvida, nas nossas tentativas de restabelecer o controle sobre a caótica situação. É a vaga da “infodemia”.

Saber o que acontece, as possibilidades envolvidas, as fórmulas para lidar com o risco e com a doença são factores fundamentais. No entanto, esse avanço em relação a outros tempos e ameaças produz, também, efeitos colaterais.

Perante os actuais acontecimentos  que assolam o mundo, o filósofo José Costa teceu considerações sobre algumas das mais conhecidas metáforas da literatura contemporânea, que fazem “ponte” com essa “infodemia”.  O artigo foi, originalmente, publicado no “Observatório da Imprensa”, associação com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

O Clube


A pandemia provocada pelo coronavírus está a provocar um natural alarme em todo o mundo e a obrigar a comunidade internacional a adoptar planos de contingência,  inéditos em tempo de paz, designadamente, obrigando a quarentenas e a restrições, cada vez mais gravosas, para tentar controlar o contágio. 

A par da Saúde e do dispositivo de segurança, são os “media” que estão na primeira linha para informar e esclarecer as populações, alguns já com as suas redacções a trabalhar em regime de teletrabalho.   

Este “site” do Clube Português de Imprensa , também em teletrabalho, procurará manter as suas actualizações regulares, para que os nossos Associados e visitantes em geral disponham de mais  uma fonte de consulta confiável, acompanhando o que se passa  com os “media”, em diferentes pontos do globo, e em comunhão estreita perante uma crise de Saúde com contornos singulares.

O jornalismo e os jornalistas têm especiais responsabilidades,  bem como   as associações do sector. Se os transportes, a Banca, e o abastecimento de farmácias e de bens essenciais são vitais  para assegurar o funcionamento do  País,  com a maior parte das portas fechadas, a informação atempada e rigorosa não o é menos.  

Contem com o Clube como o Clube deseja contar convosco.  

 


ver mais >
Opinião
Agenda
06
Abr
16
Abr
SEO para Jornalistas
18:30 @ Cenjor
17
Jun
Congresso Mundial de "Media"
10:00 @ Saragoça
18
Jun
Stereo and Immersive Media 2020
09:30 @ Universidade Lusófona