Quinta-feira, 21 de Novembro, 2019
Media

Jornalismo "proactivo" para captar de novo leitores desencantados

Vale a pena publicar notícias que ninguém vai ler? E se muitos já não lêem porque não querem? Que podemos nós diante do número crescente dos que intencionalmente evitam os noticiários?
O último relatório do Instituto Reuters, sobre jornalismo digital, diz que o seu número já vai nos 32%.

“Tanto o Reino Unido como os EUA estão sob o efeito de um longo período de noticiário político muitíssimo anormal, devido ao Brexit e à eleição de Donald Trump. O que daqui resulta, se dermos crédito às conclusões do relatório, é um abaixamento do interesse em envolverem-se com quaisquer fontes de notícias.”

Segundo Emily Bell, que aqui citamos do diário britânico The Guardian, “há muitas vezes uma grande diferença entre o que as pessoas dizem que fazem e aquilo que realmente estão a fazer”. Os números das audiências podem não ser todos explicáveis por um declínio de interesse  - também reflectem as mudanças de ranking do motor de busca da Google, ou do algoritmo que alimenta o portal do Facebook.

Mas é verdade que há cada vez mais jornalistas e editores preocupados pela questão de saber como captar de novo a atenção dos que já estão no ponto de rejeitar as notícias.

“Se eu pudesse dispensar toda a minha equipa [que trata] das redes sociais, e substitui-la por uma equipa de envolvimento de audiências, era isso que fazia amanhã”  - disse a Emily Bell um editor com este tipo de preocupação. 

“Editar as notícias, e motivar as audiências no sentido de se interessarem por elas, são [duas coisas] muitas vezes consideradas como, intrinsecamente, a mesma função  - embora as competências necessárias para ambas possam estar em tensão uma com a outra”  - esclarece a autora. 

O site de “jornalismo lento” Tortoise, de que já aqui falámos, anunciou um esforço de alargamento da sua rede de membros por meio de palestras sobre temas definidos, em escolas, centros comunitários e outros espaços como estes. 

Já o Huffington Post tinha feito tournées pelos EUA (e partes do Reino Unido), com um autocarro, logo a seguir às eleições de 2016. The Guardian organizou os seus primeiros eventos de “notícias abertas” aos leitores há mais de uma década, e The New York Times tem o seu espaço próprio para este efeito, ligado ao seu grande edifício no centro de Nova Iorque. 

As revistas The Atlantic e New Yorker, bem como o diário nativo-digital Texas Tribune, têm estado a fazer os seus próprios “festivais de ideias, que constituem não só uma base à qual convidam os seus leitores, para tomarem parte num debate, mas ainda para proporem assinaturas e contribuições voluntárias”. 

Também a rede Solutions Journalism Network tem feito experiências ao nível local, envolvendo directamente as comunidades para falarem de coisas que as afectam, e ajudando assim as redacções “a cobrirem os assuntos de um modo que possa sugerir resultados, mais do que simplesmente esclarecer os problemas”. 

Está assim a desenvolver-se um crescente interesse por um jornalismo “proactivo”, que procura chegar ao contacto com aquelas audiências desinteressadas, evitando “os efeitos diluentes das redes sociais”. 

Mesmo que tenhamos dúvidas sobre o seu resultado  - como conclui Emily Bell -  “estas iniciativas de envolvimento proporcionam, pelo menos, um contacto vivo real com outros seres humanos, abordando não só os problemas do modelo de negócio das empresas de media, mas também alguns dos efeitos de isolamento digital que estão na sua causa”.


O artigo aqui citado, na íntegra em The Guardian

Connosco
O risco do jornalismo de dados produzir gráficos enganosos Ver galeria

As visualizações de dados podem ser enganosas. No seu novo livro, "How Charts Lie",Alberto Cairo, não poupa palavras para expor os perigos de visualizações de dados mal projectadas. 

O autor identifica cinco grandes categorias de desenhos de gráficos, que não são o que parecem à primeira vista, desde os que contêm dados insuficientes até aos que, deliberadamente, ocultam ou enganam o espectador. 

Os jornalistas podem proteger-se de serem "enganados" pelos gráficos, aceitando que são tão vulneráveis quanto o público em geral.

Cairo descreve os gráficos como argumentos feitos visualmente, que precisam de ser avaliados e verificados com o mesmo cuidado que qualquer outro dado ao qual recorremos para escrever uma história. 

O número crescente de ferramentas de visualização de dados gratuitas e de baixo custo, como Datawrapper e Flourish, tornaram as histórias baseadas em dados acessíveis, até mesmo às pequenas redacções.

"Pensamos no New York Times como o padrão ouro da visualização de dados, mas, na Flórida, o Tampa Bay Times tem apenas duas ou três pessoas a realizar esse tipo de trabalho e estão a fazer peças vencedoras do Pulitzer", explica o autor. 

O artigo de Corinne Podger, publicado no site do IJNet, analisa os riscos dos enganos do jornalismo de dados.

Jornalismo tecnológico requer soluções no mundo digital Ver galeria

A postura dos jornalistas em relação aos meios tecnológicos tem vindo a sofrer algumas alterações. 

Os jornalistas têm adoptado novamente uma atitude de “watchdog” em relação a Silicon Valley, tendo começado a produzir reportagens sobre negligência e outros problemas gerados por estas empresas. Começaram a debater questões sociais e técnicas, como o caso das campanhas de desinformação e os efeitos discriminatórios de algoritmos. 

Porém, é importante que os jornalistas não só ajudem a compreender os problemas tecnológicos, mas que identifiquem, também, as possíveis soluções e os efeitos positivos da tecnologia na sociedade. 

Os autores do texto, publicado no site Columbia Journalism Review, sugerem que seja adoptado um jornalismo de soluções como um movimento a seguir na cobertura de temas tecnológicos. Este género de jornalismo propõe realizar reportagens centradas nas respostas aos problemas sociais reportados, minimizando a ideia feita de que os jornalistas apenas estão presentes quando ocorrem escândalos. 

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Agenda
01
Dez
05
Dez
Jornalismo Empreendedor
09:00 @ Cenjor
10
Dez
Colóquio - A Batalha: 100 anos
15:00 @ Biblioteca Nacional de Portugal