Quarta-feira, 8 de Abril, 2020
Estudo

Maior risco para o jornalismo é perda de credibilidade

Interrogados sobre qual é o maior risco do jornalismo a curto prazo, os jornalistas portugueses declaram, em primeiro lugar (com 30,7% das respostas), que é a sua “descredibilização aos olhos do público e das audiências”. Vêm a seguir, com a mesma percentagem (22,8%), o de desaparecer, “tornar-se irrelevante ou perder influência”, e o do “facilitismo e falta de investigação”.

A “precariedade dos jornalistas e das redacções” é o maior risco para 20,8%, e a “dependência ou subserviência a interesses económicos ou políticos” aparece em primeiro lugar em 16,8% das respostas.  Estes dados são do relatório “O que devem saber os Jornalistas? Práticas e Formação em Portugal”, realizado pelo OberCom – Observatório da Comunicação e o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL), com o apoio do Sindicato dos Jornalistas e do CENJOR, agora divulgado.

A maioria dos jornalistas centra-se na faixa entre os 46 e os 55 anos (com 29,8%), seguida pela faixa entre os 36 e os 45 (com 25,1%). Na faixa entre os 26 e os 35 há 17,9% de inquiridos e, na que têm mais de 56 anos, há 16,6%. O inquérito, enviado e preenchido por via digital, foi respondido por 236 inquiridos.

No que diz respeito à formação, e respondendo à pergunta sobre que apostas consideram que deveriam ser feitas para o futuro, 28,8% falam de “melhorar a componente prática”, 27% de melhorar a que respeita “ao uso de tecnologias e à multimédia”, e 26,1% ao “reforço de competências éticas e deontológicas”. 

Nas considerações finais deste trabalho verifica-se que “muitos dos jornalistas têm sentido necessidade de obter formação complementar, sendo que, nos últimos cinco anos, mais de metade dos inquiridos obteve algum tipo de formação, a maioria destes por iniciativa própria e sem qualquer tipo de apoio por parte da empresa em que trabalha”. 

Sobre os modelos de ensino e futuras melhorias que poderiam ser feitas, surgiram algumas conclusões interessantes: 

“Em termos do futuro do ensino, parece essencial que as instituições procurem oferecer aos alunos uma componente mais prática, nomeadamente com a existência de estágios mais regulares em empresas, mas também com, por exemplo, visitas recorrentes a redacções de meios de comunicação, de modo a incutir nos alunos noções mais próximas da realidade jornalística.”  (...) 

“Seria também interessante para o ensino do jornalismo que se apostasse numa maior interdisciplinaridade, oferecendo aos alunos não apenas formação mais específica  - que, de qualquer modo, se revela naturalmente importante -  mas também formação ou noções fortes em áreas como História, Sociologia ou Economia, proporcionando aos alunos um conhecimento mais geral sobre as questões da sociedade e dos homens.” 

“A isto alia-se a necessidade que os jornalistas sentem em que sejam incluídos e reforçados nos alunos aspectos de índole ética e deontológica, que ofereceriam estrutura à sua actividade como profissionais. Isto porque, do que foi retirado da análise às respostas dos jornalistas, por vezes o que parece faltar aos jovens jornalistas são noções mais básicas não apenas sobre a realidade das redacções, mas também sobre a realidade que os rodeia enquanto cidadãos, e não tanto questões técnicas ou específicas.” 

“Uma visão mais ampla do que é o jornalismo, vendo este não como uma actividade fechada, mas principalmente como uma actividade que se interrelaciona com diversas outras áreas, poderia beneficiar e oferecer competências de base aos jovens que iniciam a prática jornalística.” 

Sobre o grau de escolaridade verificado por este estudo, 37,7% dos inquiridos referem ter uma licenciatura de quatro a cinco anos, com menos (20,8%) a deterem um bacharelato ou uma licenciatura de três anos;  já 15,7% dizem ter mestrado, 15,3% referem ter apenas o ensino secundário e 4,2% são doutorados. 

Mais informação no OberCom, que inclui o link para o texto ingral deste relatório, em pdf.

Connosco
Editores descontentes com projecto de apoio aos jornais "à medida das televisões" Ver galeria

Na sequência de apelos de várias empresas mediáticas, o Governo está, finalmente, a preparar um conjunto de medidas de apoio aos “media”, gravemente afectados pela crise instalada no país, na sequência da pandemia de Covid-19. 

Tudo indica, contudo, que o pacote destinado a compensar a quebra de receitas de circulação e publicidade não irá ao encontro das necessidades dos editores de jornais e revistas nem, tão pouco, de quem as distribui.

Isto porque as medidas que o Governo está a preparar terão como base a quebra de receitas da publicidade, omitindo, porém, o valor perdido com a diminuição abrupta na circulação, problema que não afecta as televisões.
"O pacote, como está neste momento, é feito à medida das televisões, porque não tem em conta os jornais e revistas, os meios mais prejudicados com a crise de saúde e económica que estamos a viver", explicou Afonso Camões, administrador do Grupo Global Media. "Sem imprensa escrita, é ,em primeira e última análise, o direito à informação, o Estado de direito e a Democracia que ficam em causa".

Perseguição à imprensa gera divisão ideológica no Brasil Ver galeria

Apesar dos esforços dos “media” para alcançar um consenso perante a pandemia do coronavírus, o discurso do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, tem contribuído para a polarização ideológica dos cidadãos, referiu Francisco Fernandes Ladeira, num artigo publicado no Observatório da Imprensa.

Isto porque, segundo Ladeira, Bolsonaro tem contrariado as directivas da imprensa para a contenção do coronavírus, apontadas pela OMS e pelo próprio ministério da Saúde brasileiro, acusando os “media” de disseminarem o pânico, deliberadamente, e sem fundamento.
Até meados do mês de Março, com a divulgação dos primeiros casos de covid-19 no Brasil, havia um relativo consenso entre a população sobre a quarentena transversal ser a melhor alternativa para evitar a rápida propagação do coronavírus.
Porém, devido aos discursos “inflamados” do Presidente os “media” têm sido descredibilizados. Essas premissas incentivaram, mesmo, aviolência sob jornalistas, que têm encontrado cada vez mais obstáculos ao exercício da profissão.

O Clube


A pandemia provocada pelo coronavírus está a provocar um natural alarme em todo o mundo e a obrigar a comunidade internacional a adoptar planos de contingência,  inéditos em tempo de paz, designadamente, obrigando a quarentenas e a restrições, cada vez mais gravosas, para tentar controlar o contágio. 

A par da Saúde e do dispositivo de segurança, são os “media” que estão na primeira linha para informar e esclarecer as populações, alguns já com as suas redacções a trabalhar em regime de teletrabalho.   

Este “site” do Clube Português de Imprensa , também em teletrabalho, procurará manter as suas actualizações regulares, para que os nossos Associados e visitantes em geral disponham de mais  uma fonte de consulta confiável, acompanhando o que se passa  com os “media”, em diferentes pontos do globo, e em comunhão estreita perante uma crise de Saúde com contornos singulares.

O jornalismo e os jornalistas têm especiais responsabilidades,  bem como   as associações do sector. Se os transportes, a Banca, e o abastecimento de farmácias e de bens essenciais são vitais  para assegurar o funcionamento do  País,  com a maior parte das portas fechadas, a informação atempada e rigorosa não o é menos.  

Contem com o Clube como o Clube deseja contar convosco.  

 


ver mais >
Opinião
Com a crise do coronavirus, os sinos começaram a “tocar a rebate” pela Imprensa que, em Portugal, já se defrontava com uma situação precária, devido à quebra continuada de vendas e de receitas publicitárias. Os anunciantes começaram por migrar para as televisões, com uma política de preços em jeito de “saldo de fim de estação”, e mais tarde para a Internet, seduzidos pelas ...
O paradoxo mediático
Francisco Sarsfield Cabral
Em toda a parte, ou quase, a pandemia causada pelo coronavírus fechou em casa muitos milhões de pessoas, para evitarem ser contaminadas. Um dos efeitos desse confinamento foi terem aumentado as audiências de televisão. Por outro lado, as pessoas precisam de informação, por isso o estado de emergência em Portugal mantém abertos os quiosques, que vendem jornais.   Melhores tempos para a comunicação social? Nem por isso,...
No Brasil uma empresa de mídia afixou uma campanha, de grande formato, com uma legenda: “Eu tô aqui porque sou um outdoor. E você, tá fazendo o quê na rua?”. Este é o melhor exemplo que vi nos últimos dias sobre a necessidade de manter a comunicação e reforçar as mensagens. Em Portugal e no estrangeiro sucedem-se adiamentos e cancelamentos de campanhas. Mas há também marcas que resolveram até...
Agenda
15
Jun
Jornalismo Empreendedor
18:30 @ Cenjor
17
Jun
Congresso Mundial de "Media"
10:00 @ Saragoça
18
Jun
Stereo and Immersive Media 2020
09:30 @ Universidade Lusófona
22
Jun