Terça-feira, 17 de Maio, 2022
Estudo

Maior risco para o jornalismo é perda de credibilidade

Interrogados sobre qual é o maior risco do jornalismo a curto prazo, os jornalistas portugueses declaram, em primeiro lugar (com 30,7% das respostas), que é a sua “descredibilização aos olhos do público e das audiências”. Vêm a seguir, com a mesma percentagem (22,8%), o de desaparecer, “tornar-se irrelevante ou perder influência”, e o do “facilitismo e falta de investigação”.

A “precariedade dos jornalistas e das redacções” é o maior risco para 20,8%, e a “dependência ou subserviência a interesses económicos ou políticos” aparece em primeiro lugar em 16,8% das respostas.  Estes dados são do relatório “O que devem saber os Jornalistas? Práticas e Formação em Portugal”, realizado pelo OberCom – Observatório da Comunicação e o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL), com o apoio do Sindicato dos Jornalistas e do CENJOR, agora divulgado.

A maioria dos jornalistas centra-se na faixa entre os 46 e os 55 anos (com 29,8%), seguida pela faixa entre os 36 e os 45 (com 25,1%). Na faixa entre os 26 e os 35 há 17,9% de inquiridos e, na que têm mais de 56 anos, há 16,6%. O inquérito, enviado e preenchido por via digital, foi respondido por 236 inquiridos.

No que diz respeito à formação, e respondendo à pergunta sobre que apostas consideram que deveriam ser feitas para o futuro, 28,8% falam de “melhorar a componente prática”, 27% de melhorar a que respeita “ao uso de tecnologias e à multimédia”, e 26,1% ao “reforço de competências éticas e deontológicas”. 

Nas considerações finais deste trabalho verifica-se que “muitos dos jornalistas têm sentido necessidade de obter formação complementar, sendo que, nos últimos cinco anos, mais de metade dos inquiridos obteve algum tipo de formação, a maioria destes por iniciativa própria e sem qualquer tipo de apoio por parte da empresa em que trabalha”. 

Sobre os modelos de ensino e futuras melhorias que poderiam ser feitas, surgiram algumas conclusões interessantes: 

“Em termos do futuro do ensino, parece essencial que as instituições procurem oferecer aos alunos uma componente mais prática, nomeadamente com a existência de estágios mais regulares em empresas, mas também com, por exemplo, visitas recorrentes a redacções de meios de comunicação, de modo a incutir nos alunos noções mais próximas da realidade jornalística.”  (...) 

“Seria também interessante para o ensino do jornalismo que se apostasse numa maior interdisciplinaridade, oferecendo aos alunos não apenas formação mais específica  - que, de qualquer modo, se revela naturalmente importante -  mas também formação ou noções fortes em áreas como História, Sociologia ou Economia, proporcionando aos alunos um conhecimento mais geral sobre as questões da sociedade e dos homens.” 

“A isto alia-se a necessidade que os jornalistas sentem em que sejam incluídos e reforçados nos alunos aspectos de índole ética e deontológica, que ofereceriam estrutura à sua actividade como profissionais. Isto porque, do que foi retirado da análise às respostas dos jornalistas, por vezes o que parece faltar aos jovens jornalistas são noções mais básicas não apenas sobre a realidade das redacções, mas também sobre a realidade que os rodeia enquanto cidadãos, e não tanto questões técnicas ou específicas.” 

“Uma visão mais ampla do que é o jornalismo, vendo este não como uma actividade fechada, mas principalmente como uma actividade que se interrelaciona com diversas outras áreas, poderia beneficiar e oferecer competências de base aos jovens que iniciam a prática jornalística.” 

Sobre o grau de escolaridade verificado por este estudo, 37,7% dos inquiridos referem ter uma licenciatura de quatro a cinco anos, com menos (20,8%) a deterem um bacharelato ou uma licenciatura de três anos;  já 15,7% dizem ter mestrado, 15,3% referem ter apenas o ensino secundário e 4,2% são doutorados. 

Mais informação no OberCom, que inclui o link para o texto ingral deste relatório, em pdf.

Connosco
Jornalistas enfrentam “período negro” com risco de vida Ver galeria

O mês de Maio tem sido negro para os jornalistas, com o assassinato de quatro mulheres  jornalistas em apenas sete dias.

Conforme apontou o “Guardian”, dois dos homicídios ocorreram no México, um dos países mais perigosos para o exercício jornalístico. As vítimas foram Yesenia Mollinedo Falconi e Sheila Johana García Olivera, do “site”  “El Veraz”.

Semanas antes da sua morte, Yesenia Mollinedo Falconi, havia recebido ameaças de morte, na sequência das suas investigações sobre crime e corrupção. Ainda assim, aquela jornalista estava confiante de que não corria perigo.

Dois dias após a morte das profissionais mexicanas, foi noticiada outra tragédia: o assassinato de Shireen Abu Akleh, uma correspondente da Al Jazeera, que acompanhava o conflito israelo-árabe há vários anos.

O Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU mostrou-se “chocado” com a morte deste profissional e exigiu, entretanto,  uma “investigação independente e transparente” sobre o sucedido.

Também a directora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, se juntou no apelo a uma “investigação completa” à morte da jornalista.

“O assassinato de uma jornalista claramente identificada, numa zona de conflito, é uma violação do direito internacional“, disse Azoulay em comunicado, pedindo uma investigação para levar “os responsáveis à justiça”.

No dia a seguir, ficou conhecido o homicídio da jornalista colombiana Francisca Sandoval, morta durante a cobertura noticiosa de uma manifestação.


“Media” polacos apostam em conteúdos em ucraniano Ver galeria

Na Polónia, várias empresas mediáticas começaram a lançar produtos noticiosos em ucraniano, como forma de responder às necessidades dos três milhões de refugiados que chegaram ao país desde o início da guerra.

Conforme apontou o “Nieman Lab”, a Agência Noticiosa Polaca (Polska Agencja Prasowa, ou PAP) foi uma das primeiras organizações a partilhar artigos em ucraniano, graças a uma equipa de cinco jornalistas, que têm vindo a dedicar-se à tradução e produção de conteúdos.

Este serviço em ucraniano foi criado em apenas uma semana, e publica artigos diários sobre a invasão da Ucrânia.

“Esta guerra mudou tudo”, disse Jaros?aw Junko, coordenador dos serviços ucraniano e russo daquela agência noticiosa. “Todos os ‘sites’ informativos polacos de renome começaram a oferecer produtos em ucraniano. Esta é uma mudança importante, e mostra que a Polónia está a respeitar os ‘vizinhos’ que chegam ao país”.

Agora, a PAP quer expandir a editoria ucraniana, passando a incluir conteúdos sobre apoio legal, e ajuda económica para refugiados.

Outra das publicações que apostou em conteúdos ucranianos foi a “Onet” que, agora, partilha dez artigos diários sobre o conflito e, ainda, sobre a adaptação à vida na Polónia.

“Fazemos o nosso melhor para sermos um guia sobre a vida neste país”, explicou Kamil Turecki, coordenador da “Onet”.

Também o Grupo RMF decidiu ajudar esta causa, lançando uma nova estação de rádio em ucraniano, com frequências nas cidades fronteiriças de Przemysl e Hrubieszow.

O Clube


Os ciberataques passaram a fazer parte da paisagem mediática portuguesa. Depois do Grupo Impresa ter sido seriamente afectado, juntamente com a Cofina, embora esta em menor grau de exposição, chegou a vez do Grupo Trust in News, que detém o antigo portfólio de revistas de Balsemão, como é o caso do semanário “Visão”.
Outras empresas foram igualmente visadas, em maior ou menor escala, desde a multinacional Vodafone aos laboratórios Germano de Sousa.
Não cabe neste espaço qualquer comentário especializado a tal respeito, mas não nos isentamos de manifestar uma profunda preocupação relativamente à continuidade - e aparente impunidade - destes actos ilegais, que estão a pôr a nu as vulnerabilidades dos sistemas e redes, tanto públicos como privados.
Recorde-se que este site do Clube Português de Imprensa já foi alvo, também, de intrusões pontuais que bloquearam a sua actualização regular, o que voltou a acontecer, embora de uma forma indirecta, como consequência da inoperacionalidade do operador de telecomunicações atingido.

Oxalá estes ataques de “hackers”, já com um carácter mais “profissional”, tenha contribuído para alertar os especialistas e as autoridades competentes em cibersegurança no sentido de adoptarem as medidas de protecção que se impõem.
As fragilidades ficaram bem à vista.

 


ver mais >
Opinião
Impressiona saber que há mais de 600 mil portugueses a lerem jornais e revistas através da plataforma WhatsApp, conforme foi revelado por um estudo recente da Netsonda, o qual, apesar da margem de erro considerada, amplia as audiências da Imprensa.Segundo o estudo, realizado num universo de 470 entrevistas online, concluiu-se que o recurso àquela plataforma “potencializa até 6,5 vezes o alcance dos jornais e revistas em Portugal, quando comparados com os...
Terrorismo Digital
José Luís Ramos Pinheiro
Os ataques digitais traduzem novas formas de terrorismo. Digitais, mas terroristas. Não são claros todos os interesses envolvidos. Nem todos os interessados. Nem a escala que estas situações têm ou podem vir a ter. Mas um ataque digital como aquele que vitimou os sites da Impresa no início do ano, é um ataque a todos nós - meios de comunicação social, empresas, instituições e cidadãos.Trata-se da liberdade...
A comunicação social e a pandemia
Francisco Sarsfield Cabral
Nos últimos dias várias pessoas me confessaram terem deixado de seguir os noticiários televisivos, por sentirem ser insuportável a quase total concentração na covid-19 de muitos desses noticiários. Admito, por isso, que a nossa comunicação social tem por vezes exagerado ao transmitir uma atitude de alarme face ao crescimento dos casos de covid-19.  É possível que os políticos tenham mais ou menos...
Entrevistar crianças de 10 anos como se fossem adultos informados e capazes de tomar decisões não me parece ser o melhor caminho para a comunicação social lidar com o tema do vírus.1 -- Deu que falar a fotografia absolutamente censurável divulgada após a detenção de João Rendeiro na África do Sul. Muitas foram as vozes que, na comunicação social, criticaram a exibição daquela imagem....
Venham mais 40!...
Carlos Barbosa
No Brasil, começou esta aventura, com o Dinis de Abreu!! Foi há 40 anos, estava ele no Diário de Noticias e eu no Correio Manhã, quando resolvemos, com mais uma bela equipa de jornalistas, fundar o Clube Português de Imprensa. Completamente independente e sem qualquer cor politica, o Clube cedo se desenvolveu com reuniões ,almoços, palestras, etc. Tivemos o privilégio de ter os maiores nomes da sociedade civil e política portuguesa...
Agenda
19
Mai
2022 Collaborative Journalism Summit
10:00 @ Chicago, Estados Unidos
25
Jun
LinkedIn para Jornalistas
10:00 @ Cenjor
27
Jun
12th World Conference of Science Journalists
10:00 @ Medellín, Colômbia
10
Jul
Washington Journalism and Media Conference (WJMC)
10:00 @ Universidade George Mason