Sexta-feira, 10 de Julho, 2020
Jantares-debate

António Carrapatoso: concorrência distorcida em comunicação social fraca

O País “que vai a votos” não está bem, segundo António Carrapatoso, e a sua comunicação social também não está.
Nosso mais recente convidado, o gestor e empresário António Carrapatoso afirmou que o País “não está bem” porque a forma como a sociedade está organizada e funciona “não permite aproveitar e desenvolver as capacidades dos portugueses”.

Quanto à comunicação social que temos, definiu-a como “uma instituição fraca, que não cumpre suficientemente o seu papel do ponto de vista do interesse do cidadão”, por não ser suficentemente independente, inovadora e diversificada.
“A sua qualidade, acutilância, capacidade de investigação, de escrutínio e explicativa, estão aquém do desejável”  - disse.

Sobre as causas desta situação, a seguir à reduzida dimensão do mercado, apontou a “concorrência distorcida”, as deficiências da regulação e legislação e motivos de outra ordem:

Em sua opinião, não se faz mais para mudar porque “muitos partidos e líderes políticos estão contentes com a situação actual, não querem uma comunicação social verdadeiramente independente, investigadora, escrutinadora e qualificada”;  e ainda porque os próprios cidadãos “não ligam assim tanto à importância da comunicação social”  - motivo porque também "não fazem subscrições que poderiam fazer".

Na sua palestra, António Carrapatoso definiu a insuficiente independência da comunicação social em três aspectos: o facto de ser dependente de “financiadores”, do contributo publicitário de algumas empresas “maiores” do regime, e “de ligações a partidos, dos recados que tem de dar”. 

Isto não quer dizer  - afirmou  - “que não haja pessoas independentes, e se calhar a maior parte dos jornalistas até procura ser independente, só que, depois, as condições concretas não lhes permitem terem os recursos e as possibilidades de exercerem essa independência na forma mais plena”. (...) 

Invocando uma razão factual, sublinhou a dimensão muito reduzida do nosso mercado, uma parte do qual foi “capturada por empresas internacionais, como Google e Facebook”: 

“Chegámos outra vez aos números de receitas de publicidade de antes da crise; em 2008, 2009, as receitas anuais do mercado de publicidade eram de cerca de 800 milhões de euros, e agora ainda estamos nos 600 milhões, e uma parte destes 600 milhões é capturada por plataformas internacionais que não existiam antes.” 

Quanto à “fonte essencial de receitas” que deviam ser as assinaturas, recordou que “os assinantes, em Portugal, são apenas 2%, e não é da população, é daqueles que são letrados na Internet”:
“Em Portugal só são 2% dos três milhões que têm um mínimo de literacia no digital. Mas em Espanha são 4%, de um número maior, nos EUA são 8%, e na Finlândia e nos países escandinavos são 12%, de uma população elegível muito maior.” 

“Portanto, 2% de assinantes dos três milhões de letrados são 60 mil assinantes. Se cada um paga uma assinatura de 50 euros sem IVA, por ano, estamos a falar em três milhões de euros. Sabem mais ou menos quanto custa um jornal? Fazer um jornal digital como o Observador, com a abrangêcia e, julgo eu, com a qualidade que o Observador  terá, não custa menos de cinco milhões de euros por ano. Mas a receita toda das subscrições, no País, actualmente, é apenas de 60 mil x 50 euros, ou 60, são três milhões ou 3.600… E a publicidade para o digital também são só cerca de 35 milhões de euros, para todos.”  (...)

Sobre o fenómeno da “concorrência distorcida”, defendeu que “as actividades de regulação e a legislação deviam eliminar distorções de concorrência, os poderes dominantes, ‘proteger’ os novos, permitir que os novos surgissem naturalmente, e permitir também transacções entre activos”: 

“Se um meio de comunicação não está bem, pode ser comprado por alguém, desde que saiba quem é, desde que não tenha uma posição dominante.”  (...) 

“É esta flexibilidade que não existe em Portugal. Não há retorno para investidores e colaboradores. É difícil compensar, pela qualidade e pelas suas competências, e manter jornalistas. Jornalistas mais séniores, a certa altura, vão para uma empresa de comunicação, ou vão para assessores de alguém, e muitos deles não vão permanecer, muitos deles não permanecem, mesmo tendo vontade.” (...) 

O que há a fazer, em sua opinião, “é reduzir a distorção à concorrência, é contribuir para uma discussão, na União Europeia, sobre os comportamentos predatórios das tais redes internacionais, é promover um debate interno sobre a situação da comunicação social e mostrar que é essencial para o desenvolvimento do nosso País”.  (...)

 

Sobre a situação geral do País, António Carrapatoso afirmou que o problema é “estrutural”, abrangendo “o sistema político, judicial, económico, social, e a interligação entre todos eles”, não dando aos portugueses oportunidades para se realizarem e não desenvolvendo as capacidades que já têm. 

A carga fiscal, segundo afirmou, “é muito elevada, nomeadamente para o baixo nível de rendimentos, e mesmo assim o Estado não consegue fornecer serviços públicos com a suficiente qualidade”: 

“A classe média, de certa forma quase que desapareceu no seu conceito original, pois a maioria das famílias tem dificuldade em alcançar uma razoável qualidade de vida. E os jovens começam a desesperar por falta de oportunidades e possibilidades e a acreditar que, permanecendo no País, dificilmente irão alcançar um nível de vida sequer igual ao dos seus pais.” 

“Ultimamente tem-se falado mesmo, mais do que o habitual, em desígnio do País, objectivos claros e caminho a prosseguir, e que os políticos têm de nos dar algo para acreditarmos, a todos. Será isto mesmo fundamental que nos falta? Precisamos deste desígnio, e que os políticos nos digam qual é o caminho a prosseguir?” – perguntou. 

António Carrapatoso afirmou que, salvo circunstâncias pontuais, como foi a altura do 25 de Abril, “não há desígnios nem objectivos nacionais claros, no concreto e em termos práticos, que sejam partilhados por todos, ou pelo menos por mais de 80% da população”: 

“E não se pode estar à espera que sejam os políticos a determiná-los. Podem contribuir, fazem parte do processo, obviamente, mas estamos à espera que os políticos é que definam o desígnio nacional e o caminho a percorrer?” 

“Sabemos quais são as motivações dos políticos, da maior parte deles. Sabemos qual é o sentido de bem comum, o sentido de interesse público que eles têm  - uns terão mais, outros terão menos. Mas provavelmente não é o máximo possível em todos eles.”  (...) 

O “rastilho” para isso  - segundo o orador -  “terá de vir mais dos filósofos, dos poetas e escritores, dos historiadores, dos líderes de opinião informais dos vários níveis da sociedade, e não é só os mais letrados; o rastilho tem que vir, às vezes, de pessoas mais simples, as tais pessoas mais comuns, que estão numa pequena fábrica, ou numa associação recreativa”. (...) 

“É daí, de pessoas mais e menos qualificadas, mas com a mesma vontade de trazer algo de novo para o País, que temos de esperar que esse ‘rastilho’ surja. Espera-se depois que alguns políticos saibam ler esses sinais e a dinâmica da sociedade e, com espírito de missão e de serviço público, façam as suas propostas e se proponham a governar.”  (...) 

Mais adiante, afirmou que a descrição do País feita pelos políticos, sobretudo no Governo, é uma “visão positiva” baseada em feitos “que muitas vezes são apenas económicos, em termos de números, que transmitem pouco do que é a estrurura do País”, apresentando a sua própria visão como “menos positiva, mas mais realista”: 

“Nós temos uma sociedade que é rígida, resistente à mudança, e isto é uma coisa que se nota, desde a revolução industrial  - resistimos à revolução industrial, resistimos a uma lei de rendas, por exemplo, resistimos a muita coisa.” 

“Temos uma sociedade envelhecida, em termos demográficos, uma sociedade de poderes dominantes, de lugares marcados, a todos os níveis, e poderes dominantes não só a nível empresarial, como a nível do Estado  - um dos principais poderes dominantes é o Estado…” 

“É natural, agora temos de definir o que é que o Estado deve ser, que dimensão é que deve ter, e quem gere o Estado, e que pesos e contrapesos é que há, que responsabilização é que há, e que reporte é que há da actividade desenvolvida no Estado.”  (...)

  

“Temos um Estado pesado, mal gerido, perdulário, com muitos impostos elevados ao serviço de interesses corporativos e privados. O Estado não está muitas vezes ao serviço da sociedade, está ao serviço das corporações que estão a gerir o Estado  - políticas, ou sindicais, ou outras, e de interesses ao fim e ao cabo privados.” (...) 

Afirmou ainda que há grandes desigualdades na sociedade, “e algumas estão a ser criadas e até reforçadas”.  (...) 

“É preciso assumir que a base de tudo é o cidadão, o privado, sendo que o colectivo, o público, devia estar ao serviço do cidadão e do privado, e que o Estado, principal poder dominante, não pode ser instrumentalizado só por alguns.” 

“Tem que se relembrar que o Estado pode ser garante, mas não tem que ser necessariamente prestador de todos os serviços. O Estado pode ser garante, a um dado nível na educação, ou na saúde, mas pode subcontratar esses serviços, em concorrência com o próprio, mas em concorrência transparente e séria.”  (...) 

E a concluir o seu diagnóstico sobre a situação política geral, António Carrapatoso disse ainda: 

“Como desatar o nó e limitar a resistência à mudança? Essencialmente temos que esperar que haja os tais novos protagonistas, aos vários níveis, da sociedade política e civil, como falámos, com visão e coragem para prometer novas visões, valores e projectos. E temos que mobilizar os cidadãos dando-lhes resposta. (...)  O tal projecto político, de visão para a sociedade, o tal caminho a prosseguir, que já vimos que nunca vai ser do agrado de todos, mas deve ter certos valores informadores, esse caminho tem que ser adaptado a cada tipo de cidadão.”  (...) 

Connosco
Empresas de "fact-checking" empenhadas em travar "fake news" Ver galeria

As empresas de “fact-checking” continuam empenhadas em combater a desinformação sobre o novo coronavírus e em travar novas vagas de “fake news”.

Com este objectivo, a CoronaVirusFacts Alliance, que reúne dezenas de organizações de verificação de factos, aliou-se à academia, de forma a conseguir analisar as principais tendências da “infodemia”, bem como os seus efeitos na sociedade.

A aliança de “fact-checkers” seleccionou, então, os projectos das Universidades de Minas Gerais, Wisconsin-Madison, Dartmouth, MIT, e Texas, cada um com objectivos específicos.

O representante Universidade de Minas Gerais ficará responsável por catalogar os diferentes tipos de notícias falsas, para que seja mais fácil identificar padrões de desinformação.

Na Universidade de Wisconsin-Madison, as duas investigadoras seleccionadas vão estudar a utilidade dos infográficos no combate das “fake news” e as diferenças entre os “fact-checkers” de cada país.

Já no MIT, serão analisadas notícias facciosas divulgadas, através do Whatsapp, em países do sul asiático.



Jornalistas independentes em Hong Kong podem vir a ser expulsos Ver galeria

Os jornalistas estrangeiros radicados em Hong Kong podem vir a ser expulsos do território,  caso “cruzem a linha” ao reportarem pedidos pela independência da região, advertiu Charles Ho, membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês.

“Se um jornalista promover apelos pela independência de Hong Kong, é óbvio que será expulso”, afirmou Ho, que é, também, chefe do grupo de imprensa de Hong Kong Sing Tao News Corporation. “Hong Kong continuará a gozar de liberdade de expressão e os jornalistas ainda serão capazes de reportar sobre questões de independência, mas não deverão ser vistos como motivadores da causa”.

Recorde-se que a China aprovou, recentemente, a lei de segurança nacional de Hong Kong, visando punir “actos de secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras para pôr em risco a segurança nacional”.

O documento exige, ainda, que o governo de Hong Kong reforce a “orientação, supervisão e regulamentação” da imprensa local.

O documento foi aprovado na sequência repetidas advertências do poder comunista chinês contra a dissidência em Hong Kong, abalada em 2019 por sete meses de manifestações em defesa de reformas democráticas e quase sempre marcadas por confrontos com a polícia, que levaram à detenção de mais de nove mil pessoas.


O Clube


A pandemia trouxe dificuldades acrescidas aos
media e as associações do sector não passaram incólumes, forçadas a fechar a porta e a manter o contacto com os seus associados através de meios virtuais, como é o caso deste “site” do Clube.

Ao longo da fase mais aguda do coronavírus e da quarentena imposta em defesa da saúde pública, continuámos, como prometemos, em regime de teletrabalho,  mantendo a actualização regular  do “site”, por considerarmos importante  para os jornalistas  ter à sua disposição um espaço, desenhado a  rigor,  com o retrato diário  dos factos e tendências  mais relevantes que foram acontecendo no mundo mediático durante a crise.

É um trabalho sempre  incompleto, até porque a crise, com origem no vírus, veio aprofundar e agravar a outra crise estrutural já existente, em particular, na Imprensa.    

Mas o Clube foi recompensado por não ter desistido,  com o aumento significativo  da projecção  deste “site”, na ordem dos  63,2% de utilizadores regulares, comparativamente com o ano anterior, medidos pela Google Analytics.

Note–se que se verificou este  crescimento não obstante o “site” ter sido vítima, por duas vezes, de ataques informáticos, que nos bloquearam durante vários dias.  

É uma excelente “performance” que nos apraz partilhar com os associados e outros frequentadores interessados em conhecer, a par e passo,  os problemas que estão dominar os media, sem esquecer a inovação e a criatividade, factores  indispensáveis para salvar muitos  projectos.

Concluímos hoje  como o fizemos há meses, quando precisámos de mudar de rotinas, perante o vírus instalado entre nós: Contem com o Clube como o Clube deseja contar convosco.


ver mais >
Opinião
Uma certeza que nasceu nos últimos meses é a facilidade com que as pessoas mudam de hábitos. Em consequência o comportamento face ao consumo de conteúdos está a modificar-se cada vez de forma mais rápida e os mais novos são claramente os que com maior facilidade adoptam novidades. Durante o confinamento e a explosão de uso da internet houve uma aplicação que ganhou destaque em todo o mundo – o Tik Tok. Trata-se...
A internet e a liberdade de expressão
Francisco Sarsfield Cabral
As notícias falsas, os insultos, os apelos ao ódio, etc. abundam na internet. Mas criar uma qualquer censura é muito perigoso e iliberal. A intolerância com os intolerantes costuma acabar mal, diz-nos a história. O presidente Trump, que tinha lamentado a morte pela polícia de Minneapolis de um negro que estava a ser aprisionado, reagiu às violentas manifestações naquela cidade, chamando “bandidos” aos manifestantes e...
À medida que a pandemia parece mais controlada e o regresso ao trabalho se faz, conforme as regras de desconfinamento gradual, instalou-se uma “guerra mediática” de contornos invulgares, favorecida pela trapalhada da distribuição de apoios anunciados pelo governo, supostamente,  através da compra antecipada de espaço para publicidade institucional. Primeiro assistiu-se a uma “guerra “ privada, entre a Cofina e o...
Numa era digital, marcada por uma constante e acelerada mudança, caracterizada por um globalismo padronizador de culturas e de costumes, muitas indústrias e profissões estão a alterar-se totalmente, ou até mesmo a desaparecer. Tudo isto se passa num ritmo freneticamente acelerado, que nos afoga literalmente num caudal de informação, muitas vezes difícil de filtrar e descodificar em tempo útil. A evolução...
Acordaram para o incumprimento reiterado de alguns órgãos de informação em matéria deontológica? Só perceberam agora. Não deram pela cobertura dos casos Sócrates e companhia, não assistiram à novela Rosa Grilo? Perceberam finalmente que se pratica em Portugal, às vezes e em alguns casos senão mau, pelo menos péssimo jornalismo? Não estamos todos no mesmo saco. Não somos todos iguais....
Agenda
27
Jul
Jornalismo ético como garantia de democracia
09:30 @ Universidade de Madrid
14
Set
15
Out
Conferência sobre a história do jornalismo em Portugal
10:00 @ Universidade Nova de Lisboa -- Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
18
Out
Conferência World Press Freedom
10:00 @ Países Baixos -- Hague