Quarta-feira, 23 de Outubro, 2019
Jantares-debate

Para Francisco George Portugal é confrontado com "duplo envelhecimento"

Portugal está confrontado com uma situação demográfica de “duplo envelhecimento, na base e no topo”, que é “motivo de grande preocupação”. Temos uma taxa de natalidade das mais baixas na União Europeia, com pouco mais de oito crianças por cada mil habitantes, e um milhão de portugueses com 75 e mais anos, “dos quais 330 mil têm 85 e mais anos”.

Foi por este lado, da população existente e prevista, que o orador convidado do ciclo "Portugal: que País vai a votos?", o médico Francisco George, especialista em Saúde Pública e actual presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, iniciou a sua palestra, no ciclo promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Este “crescimento negativo”, em que temos, todos os anos, mais óbitos do que nascimentos, contrasta com “a elevada posição que ocupamos, em Saúde materno-infantil, na protecção da mãe e da criança, que é muito superior à que ocupamos na Economia”, num lugar cimeiro “entre os três primeiros países da Europa”.

Francisco George começou por afirmar que “a saúde dos portugueses é excelente. Não falo do Sistema Nacional de Saúde e da sua competente cúpula, o Serviço Nacional de Saúde. Digo que a saúde dos portugueses é excelente. Nunca foi tão boa”. 

Prosseguiu, no entanto, com os números negativos da demografia. A taxa da fecundidade, que corresponde aos nascimentos por mulheres em idade fértil, é de 1,3.  “Isto quer dizer que dez mulheres têm treze filhos”, quando “deviam ter, no mínimo, 21 filhos”, para manterem “a probabilidade de as gerações se sucederem umas às outras”. 

“Há bem pouco tempo, António Correia de Campos dizia que a idade de nascimento do primeiro filho nas mulheres portuguesas derrapou seis anos. É verdade, isto é um motivo de preocupação, porque não só põe em risco a saúde da mãe, como também da criança.” 

“E há alguns aspectos que permitem perceber que poderá estar no horizonte uma subida, se bem que pouco significativa, da mortalidade materna, que era praticamente nula, exactamente devido às questões da idade avançada em relação à idade fértil, muitas vezes próximo dos 40 anos, em lugar de ser na casa dos 20, que é o ideal para a procriação.”  (...) 

Voltando à questão do envelhecimento, Francisco George sublinhou que temos hoje “155 idosos acima dos 75 anos para cada 100 jovens”; e que Portugal “todos os anos decresce, em termos de residentes”: nasceram no ano passado unicamente 87 mil crianças, e este ano “sabemos que morreram, ao longo de 2018, 113 mil pessoas. Há uma diferença de 26 mil”. 

Esta diferença, segundo acrescentou, “podia ser compensada com um saldo migratório, se fosse positivo”; e citou o exemplo da Alemanha e da Suécia, que facilitaram a entrada de refugiados  “porque sabiam que tinham problemas gravíssimos de crescimento negativo à vista, e de envelhecimento muito acentuado”.  (...) 

O envelhecimento populacional tem, depois, “uma transição igualmente no plano do perfil epidemiológico”, com  “menos doenças agudas, mais doenças crónicas.” 

“As doenças crónicas, no conjunto, representam 86% do peso do burden; e o peso do burden, em Saúde, são as doenças que matam, ou incapacitam, antes dos 70 anos.” 

“Não é a mesma coisa ter um enfarte do miocárdio aos 68 anos ou aos 80, 82 ou 86. Não é igual; quando surge um enfarte antes dos 70 anos, uma doença oncológica ou metabólica, degenerativa ou outra, nós, que falamos num problema que pode antecipar a morte, antes da barreira dos 70 anos, falamos em morte prematura.” 

Segundo Francisco George, esta morte prematura “constitui um grande problema no nosso País, e poucos são aqueles que a analisam”. Porque, “dos 113 mil óbitos que se verificaram, 20% foram de portugueses que não chegaram aos 70 anos.”  (...)

Outra consequência é “a probabilidade de um português, um cidadão, sofrer de demência com esta idade, que é superior a 40%”: 

“A verdade é que hoje sabemos que a demência, mais do que uma doença da mente, é uma doença neurológica. Portanto, há aqui um problema, de muitos idosos, internados em lares, estarem com demência, e não serem tratados devidamente, porque são confundidos com doentes com problemas da mente, não o sendo. Este é um problema que os políticos deviam olhar melhor, e não olham.”  (...) 

“A Saúde deu um grande salto”  -  afirmou depois Francisco George: 

“Nós tivémos grandes líderes na Saúde. Provavelmente, aquele que poderá ter sido dos maiores líderes que tivémos na Saúde foi Albino Aroso, que concentrou os meios e investiu na mãe e na criança. As mulheres portuguesas ainda não pensaram aquilo que devem a Albino Aroso, que foi o desenhador, o arquitecto da estratégia que colocou Portugal num lugar cimeiro, em termos da saúde da mãe e da criança.” 

“Não vou ter tempo de descrever as etapas do seu trabalho. Mas a verdade é que, de tal maneira é elevada a posição que ocupamos, em Saúde materno-infantil, na protecção da mãe e da criança, que é muito superior à que ocupamos na Economia, em termos do produto.” 

“O ranking do produto, naturalmente, coloca-nos numa posição com alguma vergonha, no conjunto da Europa, e o ranking da Saúde, sobretudo da mãe e da criança, num lugar cimeiro, muito seguramente entre os três primeiros países da Europa, mais ainda do que nos países do Norte da Europa.”  (...) 

No seguimento destas afirmações, o orador advertiu que, tanto os políticos, que sejam ou tenham sido “titulares de órgãos importantes de soberania”, como também os movimentos grevistas, “devem pensar melhor” sobre a importância do que está em causa: 

“E é verdade que estes movimentos recentes põem em causa, muitas vezes, conquistas que colocaram Portugal em lugares cimeiros, sobretudo nesta fase e nestas questões ligadas à mãe e à criança.”  (...) 

Perto de terminar, Francisco George citou um estudo realizado por um colega médico da mesma especialidade, Saúde Pública, que foi estudar uma amostra de cidadãos que não pagam IRS porque os os rendimentos familiares não ultrapassam os 800 euros, e aqueles que têm os escalões mais elevados de IRS. 

“Fez-se um estudo prospectivo e foi-se comparar o que é que acontecia a um da primeira amostra e da outra, quer uma quer outra muito representativas, com escolhas aleatórias de entre estas populações.” 

“O que é que acontece? O grupo de baixo rendimento surge com incapacidade de Alzheimer 15 anos antes do outro. Há aqui, portanto, um gradiente social: e este gradiente, que gera este fosso de 15 anos, está relacionado com um problema que é a falta de democracia em Saúde. Não há um regime democrático em Saúde Pública.” 

“Vou ser mais claro: e não há porquê? Porque, se é verdade que, nos blocos de partos, nascem crianças, filhos de africanos, filhos de portugueses, filhos de ricos e de pobres, ciganos e aristocratas, nos famosos blocos de partos, que nós conseguimos erguer e pôr a funcionar no País, concebidos por Albino Aroso, portanto em plena igualdade, depois, à medida que as crianças vão crescendo, surgem estratos na população, que os absorvem, que os colocam, e vão surgindo gradientes  -  o que contraria o próprio conceito de democracia.” 

A concluir, o orador mencionou também que os especialistas em Saúde Pública estão “preocupados com os efeitos na Saúde, que decorrem das alterações climáticas, sobretudo a questão das doenças de transmissão vectorial e os cancros da pele, que são vários; a resistência aos anti-microbianos vai pôr em causa a era da luta anti agentes microbiológicos patogénicos, e depois a questão da diabetes, que também não vou ter tempo de dizer, mas só chamar a atenção para este fenómeno, que é, a meu ver, pouco pensado também”.

Connosco
Jornalistas deverão estar prevenidos para identificar e corrigir notícias falsas... Ver galeria

Existem várias lacunas na pesquisa de desinformação política e os debates contínuos sobre o que constitui as fake news e a sua classificação acabam por ser uma distracção, desviando as atenções das “questões críticas” relacionadas com o problema.

É importante reconhecer que as fake news existem, que estamos expostos a essas falsas informações, mas, se quisermos combatê-las, é indispensável procurar a sua origem, a sua forma de disseminação e analisar as consequências sociais e políticas.

É, ainda, imprescindível que os jornalistas estejam preparados e informados para não colaborarem na propagação deste tipo de informação.

Por vezes, o objectivo que se esconde em algumas fake news é que os media acabem por disseminá-las, acelerando a sua difusão. Por esse motivo, foi identificado o chamado “ponto de inflexão”, que representa o momento em que a história deixa de ser partilhada exclusivamente em “nichos” e acaba por atingir uma dimensão maior, alcançando várias comunidades. 

A jornalista Laura Hazard Owen abordou o tema num texto publicado no NiemanLab, no qual também faz referências à melhor forma de reconhecer os de conteúdos manipulados.

Suspensão de acordo do “Brexit” dividiu a imprensa britânica Ver galeria

Suspensa a aprovação do acordo no Parlamento britânico até que haja a regulamentação apropriada, a imprensa londrina apresentou-se dividida em relação ao Brexit.

Por um lado, a esperança de evitar um “não acordo” e uma saída abrupta, por outro a exaltação em relação à votação. 

Os media ingleses evidenciaram posições antagónicas em relação aos últimos acontecimentos e isso foi claro pela forma como abordaram a situação. 

Enquanto que o Sunday Express assumiu uma postura pró-Brexit e foi mais hostil com os deputados, acusando-os de atrasarem o processo, o Independent preferiu focar-se nas ruas, onde perto de um milhão de cidadãos se manifestaram para exigir que lhes seja dada a palavra final. Por sua vez, o Observer realçou a derrota do primeiro ministro, que se viu forçado a suspender a aprovação do acordo.

Le Monde publicou, entretanto, um texto no qual é feita uma análise dos media britânicos neste contexto.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Agenda
28
Out
Fotojornalismo e Direitos de Autor
09:00 @ Cenjor, Lisboa
01
Nov
1º Congresso Internacional de Rádios Lusófonas
14:30 @ Angra do Heroísmo, Açores
19
Nov
Connections Europe
09:00 @ Marriott Hotel, Amsterdão
21
Nov