Segunda-feira, 19 de Agosto, 2019
Jantares-debate

Para Francisco George Portugal é confrontado com "duplo envelhecimento"

Portugal está confrontado com uma situação demográfica de “duplo envelhecimento, na base e no topo”, que é “motivo de grande preocupação”. Temos uma taxa de natalidade das mais baixas na União Europeia, com pouco mais de oito crianças por cada mil habitantes, e um milhão de portugueses com 75 e mais anos, “dos quais 330 mil têm 85 e mais anos”.

Foi por este lado, da população existente e prevista, que o orador convidado do ciclo "Portugal: que País vai a votos?", o médico Francisco George, especialista em Saúde Pública e actual presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, iniciou a sua palestra, no ciclo promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

Este “crescimento negativo”, em que temos, todos os anos, mais óbitos do que nascimentos, contrasta com “a elevada posição que ocupamos, em Saúde materno-infantil, na protecção da mãe e da criança, que é muito superior à que ocupamos na Economia”, num lugar cimeiro “entre os três primeiros países da Europa”.

Francisco George começou por afirmar que “a saúde dos portugueses é excelente. Não falo do Sistema Nacional de Saúde e da sua competente cúpula, o Serviço Nacional de Saúde. Digo que a saúde dos portugueses é excelente. Nunca foi tão boa”. 

Prosseguiu, no entanto, com os números negativos da demografia. A taxa da fecundidade, que corresponde aos nascimentos por mulheres em idade fértil, é de 1,3.  “Isto quer dizer que dez mulheres têm treze filhos”, quando “deviam ter, no mínimo, 21 filhos”, para manterem “a probabilidade de as gerações se sucederem umas às outras”. 

“Há bem pouco tempo, António Correia de Campos dizia que a idade de nascimento do primeiro filho nas mulheres portuguesas derrapou seis anos. É verdade, isto é um motivo de preocupação, porque não só põe em risco a saúde da mãe, como também da criança.” 

“E há alguns aspectos que permitem perceber que poderá estar no horizonte uma subida, se bem que pouco significativa, da mortalidade materna, que era praticamente nula, exactamente devido às questões da idade avançada em relação à idade fértil, muitas vezes próximo dos 40 anos, em lugar de ser na casa dos 20, que é o ideal para a procriação.”  (...) 

Voltando à questão do envelhecimento, Francisco George sublinhou que temos hoje “155 idosos acima dos 75 anos para cada 100 jovens”; e que Portugal “todos os anos decresce, em termos de residentes”: nasceram no ano passado unicamente 87 mil crianças, e este ano “sabemos que morreram, ao longo de 2018, 113 mil pessoas. Há uma diferença de 26 mil”. 

Esta diferença, segundo acrescentou, “podia ser compensada com um saldo migratório, se fosse positivo”; e citou o exemplo da Alemanha e da Suécia, que facilitaram a entrada de refugiados  “porque sabiam que tinham problemas gravíssimos de crescimento negativo à vista, e de envelhecimento muito acentuado”.  (...) 

O envelhecimento populacional tem, depois, “uma transição igualmente no plano do perfil epidemiológico”, com  “menos doenças agudas, mais doenças crónicas.” 

“As doenças crónicas, no conjunto, representam 86% do peso do burden; e o peso do burden, em Saúde, são as doenças que matam, ou incapacitam, antes dos 70 anos.” 

“Não é a mesma coisa ter um enfarte do miocárdio aos 68 anos ou aos 80, 82 ou 86. Não é igual; quando surge um enfarte antes dos 70 anos, uma doença oncológica ou metabólica, degenerativa ou outra, nós, que falamos num problema que pode antecipar a morte, antes da barreira dos 70 anos, falamos em morte prematura.” 

Segundo Francisco George, esta morte prematura “constitui um grande problema no nosso País, e poucos são aqueles que a analisam”. Porque, “dos 113 mil óbitos que se verificaram, 20% foram de portugueses que não chegaram aos 70 anos.”  (...)

Outra consequência é “a probabilidade de um português, um cidadão, sofrer de demência com esta idade, que é superior a 40%”: 

“A verdade é que hoje sabemos que a demência, mais do que uma doença da mente, é uma doença neurológica. Portanto, há aqui um problema, de muitos idosos, internados em lares, estarem com demência, e não serem tratados devidamente, porque são confundidos com doentes com problemas da mente, não o sendo. Este é um problema que os políticos deviam olhar melhor, e não olham.”  (...) 

“A Saúde deu um grande salto”  -  afirmou depois Francisco George: 

“Nós tivémos grandes líderes na Saúde. Provavelmente, aquele que poderá ter sido dos maiores líderes que tivémos na Saúde foi Albino Aroso, que concentrou os meios e investiu na mãe e na criança. As mulheres portuguesas ainda não pensaram aquilo que devem a Albino Aroso, que foi o desenhador, o arquitecto da estratégia que colocou Portugal num lugar cimeiro, em termos da saúde da mãe e da criança.” 

“Não vou ter tempo de descrever as etapas do seu trabalho. Mas a verdade é que, de tal maneira é elevada a posição que ocupamos, em Saúde materno-infantil, na protecção da mãe e da criança, que é muito superior à que ocupamos na Economia, em termos do produto.” 

“O ranking do produto, naturalmente, coloca-nos numa posição com alguma vergonha, no conjunto da Europa, e o ranking da Saúde, sobretudo da mãe e da criança, num lugar cimeiro, muito seguramente entre os três primeiros países da Europa, mais ainda do que nos países do Norte da Europa.”  (...) 

No seguimento destas afirmações, o orador advertiu que, tanto os políticos, que sejam ou tenham sido “titulares de órgãos importantes de soberania”, como também os movimentos grevistas, “devem pensar melhor” sobre a importância do que está em causa: 

“E é verdade que estes movimentos recentes põem em causa, muitas vezes, conquistas que colocaram Portugal em lugares cimeiros, sobretudo nesta fase e nestas questões ligadas à mãe e à criança.”  (...) 

Perto de terminar, Francisco George citou um estudo realizado por um colega médico da mesma especialidade, Saúde Pública, que foi estudar uma amostra de cidadãos que não pagam IRS porque os os rendimentos familiares não ultrapassam os 800 euros, e aqueles que têm os escalões mais elevados de IRS. 

“Fez-se um estudo prospectivo e foi-se comparar o que é que acontecia a um da primeira amostra e da outra, quer uma quer outra muito representativas, com escolhas aleatórias de entre estas populações.” 

“O que é que acontece? O grupo de baixo rendimento surge com incapacidade de Alzheimer 15 anos antes do outro. Há aqui, portanto, um gradiente social: e este gradiente, que gera este fosso de 15 anos, está relacionado com um problema que é a falta de democracia em Saúde. Não há um regime democrático em Saúde Pública.” 

“Vou ser mais claro: e não há porquê? Porque, se é verdade que, nos blocos de partos, nascem crianças, filhos de africanos, filhos de portugueses, filhos de ricos e de pobres, ciganos e aristocratas, nos famosos blocos de partos, que nós conseguimos erguer e pôr a funcionar no País, concebidos por Albino Aroso, portanto em plena igualdade, depois, à medida que as crianças vão crescendo, surgem estratos na população, que os absorvem, que os colocam, e vão surgindo gradientes  -  o que contraria o próprio conceito de democracia.” 

A concluir, o orador mencionou também que os especialistas em Saúde Pública estão “preocupados com os efeitos na Saúde, que decorrem das alterações climáticas, sobretudo a questão das doenças de transmissão vectorial e os cancros da pele, que são vários; a resistência aos anti-microbianos vai pôr em causa a era da luta anti agentes microbiológicos patogénicos, e depois a questão da diabetes, que também não vou ter tempo de dizer, mas só chamar a atenção para este fenómeno, que é, a meu ver, pouco pensado também”.

Connosco
História de um editor espanhol de sucesso em tempo de crise Ver galeria

No decorrer de uma década, e em plena crise económica e do jornalismo,  a Spainmedia ocupou o seu lugar de editora de revistas internacionais na área designada por  lifestyle  - trazendo para o mercado espanhol a versão local de marcas como a Esquire e a Forbes, entre outras.  A história do seu êxito neste espaço é também a de um jornalista, Andrés Rodríguez, que se torna um director editorial bem sucedido  -  e é essa, naturalmente, a primeira pergunta da entrevista que lhe é feita por Media-tics.

A sua resposta é que foi na base de “paixão, entusiasmo e inconsciência”, e muito por tentativa e erro. Logo acrescenta:

“Aprendi, também, a dirigir recursos humanos  - e que, se não formos rentáveis, fechamos mais tarde ou mais cedo. Os media podem sobreviver algum tempo sem rentabilidade mas, por fim, impõe-se a conta dos resultados.”

Reconhece que aprendeu muito na Prisa, mas ficou frustrado com a fronteira marcada entre o sector jornalístico e o financeiro e publicitário. Como explica,  “pensava que para fazer a minha revista eu tinha que poder vender, ter alianças, mas na Prisa isso não podia ser feito por um jornalista”:

“Se alguma coisa corria bem, resultava do êxito do jornalista e do gestor; se corria mal, era resultado do jornalista. Eu queria ser responsável pelo que fizesse mal.”

"Jornalismo de soluções" como mito ou alternativa Ver galeria

Muitos chegam ao jornalismo com o sonho de fazer reportagem que comunique “impacto, conhecimento e inspiração”. Mas quando encontram o espaço ocupado principalmente por notícias negativas, sem caminho de saída, desanimam e chegam a desistir da profissão.

A jornalista argentina Liza Gross conta que passou por isto, tendo deixado o jornalismo “porque estava esgotada a todos os níveis, não só pelo modelo económico como também pelo modo como nós, jornalistas, estávamos a fazer o nosso trabalho”.

O rumo que seguiu levou-a à rede Solutions Journalism Network [Red de Periodismo de Soluciones  nos países de língua espanhola], cujos métodos promove, no sentido de alterar a imagem clássica do jornalista, que deixa de ser apenas o watchdog (“cão de guarda”) que vigia os poderes e denuncia o que está mal, para se tornar o “cão-piloto” capaz de de fazer “a cobertura rigorosa e baseada na evidência de respostas a problemas sociais”.

A reflexão é desenvolvida em dois textos que aqui citamos, da FNPI – Fundación Gabriel García Márquez para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, que trabalha em parceria com a Red de Periodismo de Soluciones  para dar formação nesta nova disciplina.

O Clube

É tempo de férias. E este site do Clube Português de Imprensa (CPI) não foge à regra e volta a respeitar Agosto,  como o mês mais procurado pelos seus visitantes para uma pausa nos afazeres. Suspendemos, por isso,  a  actualização diária,  a partir do  fim de semana. 

Quando retomarmos a actualização  das nossas páginas, no inicio de Setembro, contamos com a renovação do interesse dos Associados do Clube e dos milhares de outros frequentadores regulares,  que nos acompanham  em número crescente e que  se revêem neste espaço, formatado no rigor e na independência em que todos nos reconhecemos,  como  valor matricial do Clube, desde a sua fundação,  há quase meio século.   


ver mais >
Opinião
Os jornalistas e os incêndios
Francisco Sarsfield Cabral
Nos terríveis incêndios florestais de 2017 ouviram-se críticas à maneira sensacionalista como a comunicação social, ou parte dela, havia tratado essa tragédia. Julgo que, de facto, demasiadas vezes houve, então, uma exploração algo abusiva do que se estava a passar. As imagens televisivas de grandes fogos, sobretudo de noite, são muito atractivas. Mas podem induzir potenciais pirómanos a passarem à...
O descalabro do Grupo Global Media era uma questão de tempo. Alienada a sede patrimonial do Diário de Notícias  - o histórico edifício projectado por Pardal Monteiro, no topo da avenida da Liberdade, entregue sem preconceitos à gula imobiliária, perante a indiferença do Municipio e do Governo  - o plano inclinado ficou à vista.Se ao centenário DN foi destinado um comodato  nas Torres Lisboa,  ao Jornal de...
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
Agenda
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
04
Set
Infocomm China
09:00 @ Chengdu, Sichuan Province, China
09
Set
Facebook Ads Summit 2019
09:00 @ Online