Segunda-feira, 16 de Setembro, 2019
Media

Morte e renascimento da objectividade em jornalismo

Também a objectividade já não é o que era dantes. Significava outra coisa, e foi mudando ao longo do tempo. Referimo-nos à objectividade no jornalismo, entendida como uma atitude ética de neutralidade e imparcialidade, mantendo uma distância sem preconceito em relação às fontes, aos objectivos e aos resultados do nosso trabalho. Mas não foi assim que começou.

Segundo Dan Schiller, historiador e docente de Comunicação, a “objectividade” começou por ser a justificação para um jornalismo sensacionalista de crimes, na década de 1840, apoiando depois uma estratégia comercial, “porque um jornal partidário tinha necesssariamente menor audiência do que um que fosse neutro”.

“Mesmo assim, a objectividade só passou a ser um padrão no jornalismo americano quando um tipo de reportagem tendenciosa e corrupta se tornou um escândalo nacional nos anos de 1920.”

É esta a reflexão inicial de um texto sobre “a morte e renascimento da objectividade”, na Global Investigative Journalism Network.

Segundo os autores, Mark Lee Hunter e Luk Van Wassenhove, o próprio termo desapareceu do Código de Ética da SPJ – Society of Professional Journalists, a mais antiga associação da classe, fundada em Abril de 1909, “embora se tenha mantido o ideal de imparcialidade” [fairness, no original]. 

Saltando mais de um século para o nosso tempo, “o conceito tem sido profundamente subvertido, tanto pelas redes da alt-right media que levaram Donald Trump até à Casa Branca, como pelos media cativos, como a Russia Today, como ainda pelos media dirigidos por parte interessada, exemplificados por importantes ONG’s”. 

Estes novos competidores, da esquerda ou da direita, têm traços comuns: 

“Todos floresceram no espaço crescente deixado pelo esvaziamento do jornalismo tradicional [mainstream news media, no original]. Nenhum deles está grandemente preocupado em ser ‘imparcial e equilibrado’ [fair and balanced, no original]  - que era o slogan bizarro da Fox News até 2017 -  muito menos neutral. O que mais lhes interessa é ganharem as guerras que consideram importantes.” 

“Mudança semelhante é agora visível em The New York Times e The Washington Post, que evoluíram no sentido de se tornarem escudos e faróis para a ‘resistência’ americana.” 

“Ao mesmo tempo, o Times apregoa o seu próprio trabalho por meio do slogan  - “Verdade  - é agora mais importante do que nunca.” 

“De facto é, mas, antes de Trump, a proposta de valor era que os jornalistas, em primeiro lugar, procuram acesso a várias fontes, que contam as suas próprias verdades, e depois justapõem estas versões da realidade. Em teoria, isso permite aos leitores chegarem à sua própria verdade.” 

“Nós somos dos que pensam que o Times e o Post estão a fazer o que é necessário e correcto, e ficamos felizes por serem premiados por isso, com aumentos de audiência e de receita. Mas nunca tínhamos imaginado que, no tempo das nossas vidas (que inclui o Watergate), os dirigentes desta indústria iriam tornar-se jornais de oposição. Mesmo o que era chamado o adversarial journalism dos anos de 1970 nunca se tornou uma marca oficial.” 

O artigo que citamos menciona depois vários estudos recentes que apontam a tendência de uma valorização crescente, por parte de muitos leitores, de jornais com “posições fortes”. Mas permanece um traço de objectividade na “insistência em que os factos devem ser verificados; tendo sido uma posição ética, a objectividade tornou-se um procedimento técnico focado no rigor. Isto reflecte a nossa capacidade, em crescimento rápido, de procurar e verificar a informação ”. (...) 

“Infelizmente, a objectividade para com os factos  - aceitando factos de que mesmo os nossos amigos não gostam, ou expondo factos que era suposto ficarem na sombra -  já não nos dá um aspecto neutral. Vejam a Hungria, onde o apoio de George Soros aos media independentes foi considerado por Viktor Orban como uma arma. Dizer a verdade ao poder faz de nós inimigos públicos, segundo Trump e, na Arábia Saudita, parece ser um crime capital.” (...)


 

“Seja qual for a sua verdade objectiva, os factos não falam por si mesmos. É preciso alguém que lhes dê significado e impacto, e é isso que o nosso público precisa e espera de nós. É também isso que estão a fazer os nossos adversários, com cinismo e com sucesso, dizendo os únicos factos que apoiam as suas ambições.” 

“Não temos de nos tornar como eles para reconhecer que nunca mais voltamos a ser ‘objectivos’, excepto no sentido crucial de procurarmos verdades verificadas. Temos de tornar claro o que defendemos [what we stand for, no original] e de que modo.”

 

O artigo aqui citado, na íntegra na  Global Investigative Journalism Network

Connosco
Portugal entre os que menos pagam por jornalismo na Internet Ver galeria

“Em Portugal, o número de consumidores de notícias que pagam por jornalismo online baixou 2% em relação ao ano passado. Hoje são apenas 7% o total de leitores pagantes. Se considerarmos apenas os que têm uma assinatura recorrente, o número desce para 5%”, refere João Pedro Pereira, num artigo do jornal Público, intitulado “Quem Paga o Poder”.

O colunista lembra que após a massificação da Internet, ocorrida na década de 90, do século passado, começaram as quebras nas vendas de jornais e revistas. Os números do Instituto Nacional de Estatística, revelam que o número total de exemplares vendidos caiu 40% entre 2011 e 2017.

A grande quebra nas vendas de jornais foi acompanhada da redução, também drástica do segmento da publicidade, que, segundo o mesmo Instituto, caiu 41% entre 2008 e 2017.
O dilema dos conteúdos pagos como resposta à quebra de receitas Ver galeria

 

Num contexto de crise, o conteúdo pago ganha maior relevo, sendo considerado um mal necessário por muitos órgãos de comunicação social.  Mas será que é possível haver qualidade nos textos patrocinados? Esta é a questão levantada por Lívia Souza Vieira, num artigo reproduzido no site do Observatório de Imprensa do Brasil, com a qual o CPI mantém um acordo de parceria.

A professora de jornalismo, cita The  New York Times e a revista The Atlantic, como exemplos de duas publicações de referência, onde esse passo para a qualidade parece ter sido dado.

O primeiro, quando publicou uma peça paga pela Netflix, sobre as particularidades do sistema prisional feminino, integrado numa campanha da série televisiva, “Orange is the new black”, que teve a vantagem de abordar um tema normalmente esquecido pelas agendas.

No segundo caso, salienta-se o facto de a publicação ter revisto e actualizado as regras e procedimentos para publicação de conteúdos pagos.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Uma das coisas em que a informação sobre o mercado publicitário português peca é na análise das contas que são ganhas pelas agências de meios aqui em Portugal. Volta e meia vejo notícias do género a marca X decidiu atribuir a sua conta de publicidade em Portugal à agência Y. Quando se vai a ver, o que aconteceu é que a marca internacional X decidiu num qualquer escritório em Londres, Paris ou Berlim,...
Agenda
19
Set
Local Media Fal(l) School
09:00 @ Covilhã
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul
24
Set
Radio Show
09:00 @ Hilton Anatole, Dallas, EUA
07
Out