Sábado, 25 de Maio, 2019
Media

Quando o jornalismo procura o passado para ler o futuro

O futuro que foi imaginado pela literatura do passado nem sempre coincide com o que vemos hoje. Tanto pelo seu lado mais luminoso, como pelo mais sombrio, podemos reencontrar “imagens das histórias utópicas ou distópicas já contadas”.
Mas, “em tempos de esperança reduzida, em que pouco se vê além da poeira levantada pela vida agitada deste momento, as distopias têm voltado a ser mais lembradas”.

É esta a reflexão inicial de Vanessa Pedro, docente de jornalismo e pesquisadora do ObjEthos, num artigo sobre este gosto presente pelos zombies, “as histórias dos mortos-vivos, que nem se vão nos deixando em paz e nem voltam mesmo à vida como um milagre que poderia trazer esperanças de renovação”.

Neste tipo de leitura  - como acrescenta -  “o passado acaba sendo um ideal mais interessante e feliz do que o futuro”:

“E aí vemos diversos agendamentos, inclusive como pauta do Jornalismo e da sociedade de forma geral. O período da ditadura militar brasileira passa a ser idolatrado, defendido e desejado, quase festejado. (...)  Até as décadas que antecedem e sucedem a Segunda Guerra Mundial entraram na disputa, têm sido citadas, defendidas, atacadas, recontadas para serem usadas como narrativas de um mundo ideal, ou ideal para ser repelido.” (...)

No Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

A autora menciona a redescoberta de obras como “1984”, de George Orwell, citadas e “indicadas em bibliografias para nos ajudar a compreender as formas de controlo da sociedade e a pensar em como o mundo pode ser no futuro  - parece que com mais cara de passado do que de futuro”. 

Menciona também a “Retrotopia, de Zygmunt Bauman, que se debruçou  “sobre esse movimento contemporâneo de busca de soluções para um mundo melhor, não mais num futuro a ser construído, mas em ideias e experiências do passado”. 

“Nacionalismos exacerbados, fechamentos de fronteiras retornam e se fortalecem depois de um momento de apagamento de fronteiras, da rede mundial conectar pessoas e as migrações se transformarem em movimentações, idas e vindas.” (...) 

“Uma certa nostalgia aparece em diversas áreas na mesma medida em que o ataque à História também aparece. E a onda, sobretudo, é para glorificar simplificando fases, experiências históricas e sociais, actores e lutas. Não vi ainda um desejo por repetir de alguma maneira as extravagâncias e avanços da década de 1920 e sim retornos aos anos de 1950 ou à ditadura de 1964. Essa volta ao passado tem certo cheiro de mofo. Não parece acontecer por motivações benjaminianas de alguma filiação à fileira de vencidos, mas a uma repetição da História como farsa.” (...) 

Onde entra o Jornalismo neste movimento?  - interroga-se a autora. 

Também ele pode cair, no seu agendamento de reportagens “que buscam explicar algum aspecto da História”, na linha deste “pensamento de futuro baseado em um desejo pelo passado”. 

Ou pode, por outro lado, colocar-se “como um novo sujeito a falar da História”: 

“Na busca por essas pautas e nessa relação com a História e a Historiografia, o Jornalismo revisita momentos, personagens, desloca olhares, questiona inclusive discursos que buscam glorificar o passado para imaginar um futuro ao invés de construí-lo.” (...) 

Vanessa Pedro cita, como exemplo desta atitude, a resposta a “declarações que tentavam diminuir a importância de figuras como Chico Mendes”  - na forma de “reportagens sobre o activista, o seu assassinato e a causa que defendia”.(...) 

“Sabidamente defensor da Amazónia e dos povos da floresta, Chico Mendes foi assassinado em 1988 por fazendeiros que se opunham às suas acções como ambientalista e seringueiro. Naquela época, a opinião pública soube do assassinato, se posicionou na condenação da morte violenta e até os livros didácticos o colocaram como personagem importante para a causa ambiental e na disputa de terras no Brasil. Mas o momento actual de reescrita orwelliana da História chamou o Jornalismo a revisitar o tema, o acontecimento, e a reposicionar Chico Mendes como activista e vítima da violência política.” (...)

 

O artigo aqui citado, na íntegra no Observatório da Imprensa.

Connosco
Prémios Europeus de Jornalismo privilegiam grandes reportagens Ver galeria

Foram designados os vencedores do European Press Prize, que contempla, desde 2013, os melhores trabalhos do jornalismo europeu, como uma espécie de equivalente europeu do famoso Prémio Pulitzer nos EUA. A cerimónia de atribuição, realizada na sede do diário Gazeta Wyborcza, em Varsóvia, nomeou cinco meios de comunicação e a rede de jornalistas  Forbidden Stories, que prossegue e procura concluir as reportagens de investigação de profissionais que deram a vida por elas.

Os jornais onde foram publicados os trabalhos premiados são a Der Spiegel, o El País Semanal e o Süddeutsche Zeitung Magazin, The Guardian e o site de jornalismo de investigação Bellingcat, no Reino Unido. O júri, que examinou centenas de trabalhos vindos de toda a Europa, era constituído po Sir Harold Evans, da Reuters, Sylvie Kauffmann, de Le Monde, Jorgen Ejbol, do Jyllands-Posten, Yevgenia Albats, de The New Times, e Alexandra Föderl-Schmidt, do Süddeutsche Zeitung.

Crise actual do jornalismo é "diferente de todas as que já teve" Ver galeria

O jornalismo “já não é mais o que era antigamente, e as pessoas e as sociedades relacionam-se hoje de forma distinta, muitas vezes abrindo mão do jornalismo para isso”. Em consequência, o jornalismo “está numa crise diferente de todas as que já teve: não é só financeira, mas política, ética, de credibilidade, de governança”.

“Mas é importante ter em mente que não se pode resolver um problema tão complexo assim com uma bala de prata, com uma tacada perfeita. A crise afecta profissionais, públicos e organizações de forma distinta, inclusive porque tem escalas distintas. Um pequeno jornal do interior é afectado pela crise de um modo e não pode responder a ela como um New York Times. A crise é frenética, dinâmica e complexa. Enfrentá-la é urgente.”

Esta reflexão é de Rogério Christofoletti , docente de jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina, que sintetiza o seu pensamento sobre esta matéria num livro acabado de lançar  - “A crise do jornalismo tem solução?” -  e responde a uma entrevista no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...
A celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa  constitui o pretexto e o convite para uma reflexão que não nos exclui. Com os jornais em contínua degradação de vendas em banca, obrigando  já a soluções extremas  - como se verificou com o centenário  “Diário de Noticias”, que passou a ser semanário, embora sem inverter o plano inclinado -,  a apatia...
A Google trouxe a Lisboa Mark Howe, um veterano da publicidade no Reino Unido. Actualmente responsável da Google pela relação com as agências de meios na Europa, Mark Howe contou uma história que mostra bem a importância de as marcas comunicarem de forma continuada – mesmo que o objectivo não seja as vendas imediatamente. A situação passou-se no Reino Unido e nos EUA durante a II Grande Guerra. Por iniciativa dos governos foi...
Agenda
27
Mai
DW Global Media Forum
09:00 @ Bona, Alemanha
02
Jun
"The Children’s Media Conference"
11:00 @ Sheffield, Reino Unido
14
Jun
14
Jun
21
Jun
Social Media Day: Halifax
09:00 @ Halifax, Nova Escócia, Canadá