Segunda-feira, 20 de Janeiro, 2020
Media

O dilema dos Media quando precisam de fixar assinaturas pagas

É muito fácil levantar um sistema de acesso pago a um jornal digital. Os técnicos de informática sabem como cortar a entrada livre, estabelecer um registo de utentes e abrir uma “portagem” com determinadas tarifas à escolha do leitor. Outra coisa são as consequências deste muro  -  se deixa passar uma torrente de dinheiro ou de dívidas...

Os media sentem-se tentados por esta ideia, mas alguns que já o fizeram, como El País ou Vertele, tiveram resultados catastróficos e voltaram ao acesso gratuito. Um jornal interessado em seguir por este caminho deve fazer as perguntas certas antes de tomar decisões baseando-se no que foi feito pela concorrência, ou no que funciona com The New York Times, ou no que lhe disse o “guru” mais na moda.

E as perguntas certas são as mesmas que se aprendem na escola de jornalismo  -  o quê, quem, porquê, onde e quando. Que devem ser feitas, em última instância, aos leitores que se procura conquistar. A reflexão é de Miguel Ossorio Vega, em Media-tics.

O autor que aqui citamos desdobra as cinco perguntas  - com o seu conselho de utilização -  do seguinte modo:

  1.  -  O que é que se vai cobrar?  O primeiro passo é esclarecer quais são os conteúdos que vão ficar abrigados por essa paywall  - que define a sua própria natureza. Uma das tendências com maior projecção é a dos modelos freemium, que deixam em acesso livre as notícias, reservando trabalhos exclusivos, reportagens ou textos de opinião.
  2.  -  Quem vai pagar?  É preciso conhecer o perfil dos vários grupos de leitores que frequentam o jornal em causa, e depois ajustar os modelos de assinatura a cada um deles. Mas a Imprensa responsável não é friendly com toda a gente, como a Netflix, se quiser assumir a sua responsabilidade de guardiã e vigilante. O que conduz à pergunta seguinte.
  3.  -  Por que motivo queremos cobrar?  O jornal que somos tem a estrutura adequada para exigir aos leitores que paguem o nosso produto? Merecemos isso? Teremos de lhes explicar por que razão lhes pedimos que dêem uma parte do seu vencimento para nos sustentar. O motivo tem que ter peso convincente.
  4.  -  Onde vamos cobrar?  Os jornais digitais são, em princípio, de alcance internacional. Mas o primeiro passo é decidir qual vai ser o seu mercado objectivo. Um conselho básico será o de não se fechar a ninguém e procurar leitores em qualquer espaço de mercado em que o meio em causa tenha presença demonstrada ou potencial.
  5.  -  Quando se vai cobrar?  A maioria dos jornais que instala um muro “poroso” oferece um determinado número de notícias grátis por dia, ou por mês, a partir das quais o leitor tem de pagar. Mas há sempre modos de saltar por cima. E há jornais que o mantêm, mesmo sabendo disso. E outros, como eldiario.es, conseguem que mais de 30 mil pessoas paguem por conteúdos que até podiam ler de graça. The Guardian faz o mesmo. Tornaram-se referência no mundo das assinaturas. Também se podem pedir aos leitores “excentricidades” como a de pagarem só a partir da notícia nº 25, em Política, por exemplo, mas a partir da nº 5 em Desportos... Ou o contrário, desde que seja decidido com cabeça e conhecimento dos dados.

 

No final de tudo isto, o conselho de Ossorio Vega é que estas perguntas sejam dirigidas aos próprios leitores, “sem receio nem pudor”. Perguntas que eles vão responder e podem esclarecer a decisão do jornal em causa.

 

O texto aqui citado, na íntegra em Media-tics.

Connosco
Novas ferramentas para gerir os "media online" Ver galeria

O Instituto Internacional de Imprensa (IPI) divulgou uma nova ferramenta para moderadores online dos media lidarem com situações de abuso que ocorrem nas redes sociais. 

As ferramentas e estratégias para gerir os debates no Facebook e no Twitter fazem parte da plataforma do IPI Newsrooms Ontheline, que reúne várias sugestões sobre como combater o assédio online contra jornalistas.

O objectivo é explicar de que forma os moderadores podem gerir as redes sociais e como devem aplicar essas ferramentas, bem como as opções disponíveis pelas próprias plataformas das redes, de forma a conseguirem dar resposta ao abuso online e às ameaças contra os media e jornalistas individuais.
As medidas definidas são o resultado de várias entrevistas com peritos em audiências dos principais media da Europa. Devido à constante evolução, estas estratégias estão sujeitas a revisão e actualização constantes.

A maioria dos peritos, consultados pela IPI, salienta que existem várias ferramentas que podem ser utilizadas para a moderação de mensagens abusivas no Twitter, entre as quais o muting e o bloqueio. 

Em relação ao Facebook, os moderadores podem apagar os comentários, esconder comentários com conteúdo abusivo, banir um utilizador das páginas do medium, remover o utilizador de uma página, desactivar os comentários, bloquear determinadas palavras ou, ainda, reportar uma página ou um post.

Crise gera em Espanha modelos jornalísticos inovadores Ver galeria

A indústria do jornalismo em Espanha está em crise há mais de uma década. O colapso do crescimento económico afectou todas as áreas. Os fabricantes reduziram orçamentos de publicidade, o desemprego reduziu o poder de compra das famílias, que, por sua vez,  diminuíram as suas despesas, incluindo as dos meios de comunicação social.
O autor analisa os novos modelos de projetos que procuram responder aos desafios informativos actuais,  com apostas diferentes dos convencionais, baseados na verificação informativa, no uso dos mecanismos de transparência, na contextualização informativa, no jornalismo de dados ou na visualização.

Os meios de comunicação social também reduziram as suas despesas, entre 2005 e 2008, pelo menos 12 200 empregos foram suprimidos, segundo dados do Relatório da Profissão Jornalística de 2015. E em 2018, o investimento em publicidade ainda era 30% inferior ao de 2008.

O Clube

Ao retomar a regularidade de actualização deste site, no inicio de outra década, achámos oportuno proceder ao  balanço do vasto material arquivado, designadamente, em textos de reflexão sobre a forma como está a ser exercido o jornalismo,  no contexto de um período extremamente exigente  para os novos e velhos  “media”.

O resultado dessa pesquisa retrospectiva foi muito estimulante, a ponto de termos sentido  ser um imperativo partilhá-la, no essencial,  com quem nos acompanha mais de perto, sendo, no entanto,  recém-chegados. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...