null, 27 de Setembro, 2020
Media

Em defesa do "slow journalism" para assegurar mais tempo ao leitor

A verdade é que não fomos feitos para absorver tanta informação. Um número crescente de leitores ressente-se do consumo excessivo de conteúdos e da “sobrecarga” de noticiário.
“News is noise” [as notícias são ruído] é o diagnóstico do estado a que chegámos, neste ponto da revolução digital  - e há uma série de novos media voltados para o chamado jornalismo lento, “digerível”, assente mais na reflexão do que na reacção.

Uma proporção significativa dos actuais leitores “sente-se esgotada pela quantidade de notícias” a que é hoje exposta, segundo informação preliminar do próximo Digital News Report do Instituto Reuters, ainda não divulgado. Por troca do conhecido acrónimo FOMO – fear of missing out [corrente entre os “viciados” nas redes sociais], já está em voga o JOMO – joy of missing out.
O que significa assumir “a alegria de perder alguma coisa”, em vez do “medo de perder alguma coisa”, ou “ficar de fora”...

Mas será que a tartaruga do slow journalism vai mesmo conseguir ganhar a corrida contra a lebre? É esta a reflexão  - e a pergunta -  do jornalista Benjamin Bathke, no NiemanLab.

O “jornalismo lento” começou por volta de 2011, com o lançamento da revista trimestral Delayed Gratification no Reino Unido. Depois de cerca de uma dúzia de mais experiências nesta orientação, a questão é séria e persiste: 

Pode o “jornalismo lento” servir como alternativa à fadiga das notícias  - e à fuga das notícias? E serão estes novos media capazes de “capitalizar sobre o desencanto dos consumidores com uma oferta que as pessoas estejam dispostas a pagar”? 

Um dos pontos fundamentais deste tipo de jornalismo é o de “dar aos leitores uma hipótese realista de consumirem tudo antes de chegar mais conteúdo”. 

“É por isso que os membros do jornal britânico Tortoise Media recebem apenas cinco artigos por dia no seu portal slow newsfeed, como lhe chama uma sua co-fundadora e editora, Katie Vanneck-Smith.” 

Não é um produto jornalístico barato, mas os assinantes “membros” adquirem, por 250 libras por ano (cerca de 315 dólares), todo o acesso à edição digital (que tem paywall), a revista trimestral enviada por correio e uma série de programas interactivos em que a Tortoise solicita a sua participação nas conferências editoriais, por exemplo. Tem neste momento 40 empregados e mais de cinco mil membros fundadores. 

O autor do artigo que aqui citamos apresenta, depois, o exemplo do jornal dinamarquês Zetland, que tem uma produção diária “ainda mais lenta do que a da Tortoise”. A média de artigos que chegam à caixa de correio dos seus membros é de apenas dois por dia. 

“O grande problema das pessoas que são atraídas para o Zetland é a sensação de serem bombardeadas com notícias, e de terem dificuldade em encontrar um jornalismo sólido e profundo, em que valha a pena gastarem o seu tempo”  - diz a sua co-fundadora e editora principal, Lez Korsgaard.  “Não conseguimos chegar ao fim de um portal de notícias [news feed], mas conseguimos chegar ao fim do Zetland, e isso é muito bom: ‘OK, foi esta a aula por hoje, agora vou sair e apanhar sol, a conversar com um amigo’.” 

À semelhança do que sucede com a Tortoise, 35% dos assinantes do Zetland afirmam que este “número digerível de artigos” foi a primeira, ou uma das principais razões para se tornarem membros. A assinatura mensal é de 129 coroas (quase 20 dólares), e a anual de 1.288 coroas (196 dólares). Embora o Zetland ainda não seja lucrativo, já tem cerca de dez mil assinantes, está a fazer crowdfunding e espera chegar ao ponto de equilíbrio durante este ano. 

Os artigos são ainda publicados em formato áudio, com o autor a contar ao ouvinte, antes de ler o texto, a importância que aquela notícia teve para si mesmo. A redacção é de 25 jornalistas. (...) 

Outras publicações digitais baseadas na “membrasia” e proporcionando um “jornalismo lento” que se preocupa com os hábitos dos leitores são o jornal alemão Krautreporter, o suíço Republik, o italiano Il Salto, o finlandês Long Play e o holandês (de que já temos aqui falado) The Correspondent

“Este último, que é talvez o mais conhecido jornal de slow journalism, recolheu 2.627 milhões de dólares de cerca de 46 mil pessoas, durante o ano passado, numa campanha para levar o seu ‘antídoto contra a moagem diária das notícias’ aos leitores de língua inglesa.” (...) 

“À medida que cresce o número das pessoas conscientes e preocupadas pelas consequências negativas da tecnologia e do consumo das redes sociais sobre a nossa saúde mental, [sobe] também o número dos possíveis assinantes dos media de ‘jornalismo lento’.” 

A concluir o seu trabalho, Benjamin Bathke interroga-se sobre se estas “tartarugas” vão conseguir ganhar mesmo a corrida. Muito depende da efectiva qualidade do jornalismo que sejam capazes de proporcionar. O outro lado da questão é o de saber se o vício do FOMO [o tal “medo de estar a perder alguma coisa”], induzido como uma droga pelas redes sociais, não vai ter grandes recaídas mesmo entre os assinantes de slow journalism que julgávamos “desintoxicados”. 

Avaliando o movimento do slow journalism como um todo, talvez a grande questão seja a de saber quantas pessoas, entre os milhões das que se sentem “esgotadas pela avalanche de notícias”, vão tornar-se de facto membros contribuintes. (...) 

 

O artigo aqui citado, na íntegra no Nieman Lab.
Uma entrevista de há dois anos com a editora do Zetland. A revista Delayed Gratification. E mais informação no nosso site.

Connosco
“Media” franceses publicam carta de apoio ao “Charlie Hebdo” Ver galeria

Cerca de uma centena de “media” franceses publicaram uma carta aberta de apoio à revista “Charlie Hebdo”, em resposta a um apelo do director da publicação, Riss. Aliás, as antigas instalações da revista voltaram a testemunhar a violência: em 25 de Setembro, quatro pessoas ficaram feridas, naquele local, noutro ataque desta vez com arma branca.

Em declarações à agência de notícias France-Presse, Riss afirmou que a revista satírica francesa tinha sido “mais uma vez ameaçada por organizações terroristas”, em pleno julgamento dos atentados de Janeiro de 2015, visando, igualmente, “todos os meios de comunicação e, mesmo, o Presidente”.

“Achámos necessário sugerir aos ‘media’ que pensassem na resposta colectiva que merecia ser dada a esta situação”, explicou.

Na carta aberta, intitulada “Juntos, vamos defender a liberdade”, os órgãos de comunicação social apelaram, então,  à defesa da imprensa.  “Hoje, em 2020, alguns de vós estão a receber ameaças de morte nas redes sociais quando expõem opiniões. Os meios de comunicação social são, abertamente, visados por organizações terroristas internacionais. Os Estados exercem pressões sobre os jornalistas franceses [considerados] ‘culpados’ de publicarem artigos críticos”, pode ler-se no documento.


Liberdade de imprensa em Hong Kong continua a deteriorar-se Ver galeria

As autoridades de Hong Kong estão a apertar  as restrições à liberdade de imprensa, tendo anunciado que vão deixar de aceitar determinadas acreditações jornalísticas.

Assim, só serão aceites acreditações fornecidas por organizações noticiosas registadas no sistema de informação governamental. Desta forma, as centenas de  jornalistas membros daHong Kong Journalists Association (HKJA) e da Hong Kong Press Photographers Association (HKPPA) não poderão comparecer a conferências de imprensa. 

Entretanto, a  HKJA, a HKPPA, e cinco outros sindicatos, exigiram que a nova política fosse retirada. "A emenda permite às autoridades decidirem quem é considerado repórter, o que altera, fundamentalmente, o sistema existente em Hong Kong.  (...) Isto condicionará, gravemente, a liberdade de imprensa, conduzindo a cidade a um regime autoritário".

Numa carta remetida ao Hong Kong Foreign Correspondents Club , um superintendente da polícia, Kwok Ka-chuen,  tentou justificar a aplicação da emenda, afirmando que as manifestações da região semi-autónoma "atraem, frequentemente centenas de repórteres, que participam em protestos, e que agridem a polícia”.  "Isto sobrecarrega a aplicação da lei”.


O Clube


Terminada a pausa de Agosto, este site do CPI  retoma a sua actividade e as  actualizações diárias, num contacto regular que faz parte da rotina de consulta dos nossos associados e parceiros, e que  tem vindo a atrair um confortável e crescente número de visitantes em Portugal e um pouco por todo o mundo, com relevo para os países lusófonos.

Sem prejuízo de  algumas alterações de estrutura funcional , o site continuará  acompanhar, a par e passo,  as iniciativas do Clube, bem como o  que de mais relevante  ocorrer no País e fora dele em matéria de jornalismo,  jornalistas e de liberdade de expressão.

Os media enfrentam uma situação complexa e, para muitos,  não se adivinha um desfecho airoso. 

O futuro dos media independentes está tingido de sombras.  E o das associações independentes de jornalistas – como é o caso do Clube Português de Imprensa – não se antevê, também, isento de dificuldades, que saberemos vencer, como vencemos outras ao longo de quase quatro décadas de história, que se completam este ano.

Desde a sua fundação, em 1980, o CPI viveu exclusivamente  com o apoio dos sócios, e de alguns mecenas que quiseram acompanhar os esforços do Clube,  identificado com uma sólida  profissão de fé em defesa do jornalismo e dos jornalistas.



ver mais >
Opinião
Jornalistas: nem heróis nem vilões
Francisco Sarsfield Cabral
No  jornal “Público” de sábado,  J. Pacheco Pereira elogiou Vicente Jorge Silva porque “fez uma coisa rara entre nós – fez obra. Não tanto como jornalista, mas como criador no terreno da comunicação social”. E destacou o papel do jornal madeirense “Comércio do Funchal”, que, apesar da censura, conseguiu criticar o regime então vigente. Até ao 25 de Abril este jornal logrou,...
Uma crise sem precedentes
Dinis de Abreu
No meio de transferências milionárias, ao jeito do futebol de alta competição, em que se envolveram dois operadores privados de televisão, a paisagem mediática portuguesa, em vésperas da primeira  “silly season” da “nova normalidade”, está longe de respirar saúde e desafogo. Se a Imprensa regional e local vive em permanente ansiedade, devido ao sufoco financeiro que espartilha a maioria dos seus...
De acordo com Carlos Camponez , o «jornalismo de proximidade», porque realmente está mais próximo dos leitores da comunidade onde se integra, pode desempenhar um papel fundamental, «assumindo uma perspetiva de compromisso no incentivo à vida pública». Neste contexto, aquele investigador aponta para a ideia da criação de uma agenda do cidadão, o que, por sua vez, «obriga a que os media invistam em técnicas...
Uma certeza que nasceu nos últimos meses é a facilidade com que as pessoas mudam de hábitos. Em consequência o comportamento face ao consumo de conteúdos está a modificar-se cada vez de forma mais rápida e os mais novos são claramente os que com maior facilidade adoptam novidades. Durante o confinamento e a explosão de uso da internet houve uma aplicação que ganhou destaque em todo o mundo – o Tik Tok. Trata-se...
Acordaram para o incumprimento reiterado de alguns órgãos de informação em matéria deontológica? Só perceberam agora. Não deram pela cobertura dos casos Sócrates e companhia, não assistiram à novela Rosa Grilo? Perceberam finalmente que se pratica em Portugal, às vezes e em alguns casos senão mau, pelo menos péssimo jornalismo? Não estamos todos no mesmo saco. Não somos todos iguais....
Agenda
15
Out
Conferência sobre a história do jornalismo em Portugal
10:00 @ Universidade Nova de Lisboa -- Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
18
Out
Conferência World Press Freedom
10:00 @ Países Baixos -- Hague
26
Out
Conferência Africana de Jornalismo de Investigação
09:00 @ África do Sul - Joanesburgo