Segunda-feira, 19 de Agosto, 2019
Media

Em defesa do "slow journalism" para assegurar mais tempo ao leitor

A verdade é que não fomos feitos para absorver tanta informação. Um número crescente de leitores ressente-se do consumo excessivo de conteúdos e da “sobrecarga” de noticiário.
“News is noise” [as notícias são ruído] é o diagnóstico do estado a que chegámos, neste ponto da revolução digital  - e há uma série de novos media voltados para o chamado jornalismo lento, “digerível”, assente mais na reflexão do que na reacção.

Uma proporção significativa dos actuais leitores “sente-se esgotada pela quantidade de notícias” a que é hoje exposta, segundo informação preliminar do próximo Digital News Report do Instituto Reuters, ainda não divulgado. Por troca do conhecido acrónimo FOMO – fear of missing out [corrente entre os “viciados” nas redes sociais], já está em voga o JOMO – joy of missing out.
O que significa assumir “a alegria de perder alguma coisa”, em vez do “medo de perder alguma coisa”, ou “ficar de fora”...

Mas será que a tartaruga do slow journalism vai mesmo conseguir ganhar a corrida contra a lebre? É esta a reflexão  - e a pergunta -  do jornalista Benjamin Bathke, no NiemanLab.

O “jornalismo lento” começou por volta de 2011, com o lançamento da revista trimestral Delayed Gratification no Reino Unido. Depois de cerca de uma dúzia de mais experiências nesta orientação, a questão é séria e persiste: 

Pode o “jornalismo lento” servir como alternativa à fadiga das notícias  - e à fuga das notícias? E serão estes novos media capazes de “capitalizar sobre o desencanto dos consumidores com uma oferta que as pessoas estejam dispostas a pagar”? 

Um dos pontos fundamentais deste tipo de jornalismo é o de “dar aos leitores uma hipótese realista de consumirem tudo antes de chegar mais conteúdo”. 

“É por isso que os membros do jornal britânico Tortoise Media recebem apenas cinco artigos por dia no seu portal slow newsfeed, como lhe chama uma sua co-fundadora e editora, Katie Vanneck-Smith.” 

Não é um produto jornalístico barato, mas os assinantes “membros” adquirem, por 250 libras por ano (cerca de 315 dólares), todo o acesso à edição digital (que tem paywall), a revista trimestral enviada por correio e uma série de programas interactivos em que a Tortoise solicita a sua participação nas conferências editoriais, por exemplo. Tem neste momento 40 empregados e mais de cinco mil membros fundadores. 

O autor do artigo que aqui citamos apresenta, depois, o exemplo do jornal dinamarquês Zetland, que tem uma produção diária “ainda mais lenta do que a da Tortoise”. A média de artigos que chegam à caixa de correio dos seus membros é de apenas dois por dia. 

“O grande problema das pessoas que são atraídas para o Zetland é a sensação de serem bombardeadas com notícias, e de terem dificuldade em encontrar um jornalismo sólido e profundo, em que valha a pena gastarem o seu tempo”  - diz a sua co-fundadora e editora principal, Lez Korsgaard.  “Não conseguimos chegar ao fim de um portal de notícias [news feed], mas conseguimos chegar ao fim do Zetland, e isso é muito bom: ‘OK, foi esta a aula por hoje, agora vou sair e apanhar sol, a conversar com um amigo’.” 

À semelhança do que sucede com a Tortoise, 35% dos assinantes do Zetland afirmam que este “número digerível de artigos” foi a primeira, ou uma das principais razões para se tornarem membros. A assinatura mensal é de 129 coroas (quase 20 dólares), e a anual de 1.288 coroas (196 dólares). Embora o Zetland ainda não seja lucrativo, já tem cerca de dez mil assinantes, está a fazer crowdfunding e espera chegar ao ponto de equilíbrio durante este ano. 

Os artigos são ainda publicados em formato áudio, com o autor a contar ao ouvinte, antes de ler o texto, a importância que aquela notícia teve para si mesmo. A redacção é de 25 jornalistas. (...) 

Outras publicações digitais baseadas na “membrasia” e proporcionando um “jornalismo lento” que se preocupa com os hábitos dos leitores são o jornal alemão Krautreporter, o suíço Republik, o italiano Il Salto, o finlandês Long Play e o holandês (de que já temos aqui falado) The Correspondent

“Este último, que é talvez o mais conhecido jornal de slow journalism, recolheu 2.627 milhões de dólares de cerca de 46 mil pessoas, durante o ano passado, numa campanha para levar o seu ‘antídoto contra a moagem diária das notícias’ aos leitores de língua inglesa.” (...) 

“À medida que cresce o número das pessoas conscientes e preocupadas pelas consequências negativas da tecnologia e do consumo das redes sociais sobre a nossa saúde mental, [sobe] também o número dos possíveis assinantes dos media de ‘jornalismo lento’.” 

A concluir o seu trabalho, Benjamin Bathke interroga-se sobre se estas “tartarugas” vão conseguir ganhar mesmo a corrida. Muito depende da efectiva qualidade do jornalismo que sejam capazes de proporcionar. O outro lado da questão é o de saber se o vício do FOMO [o tal “medo de estar a perder alguma coisa”], induzido como uma droga pelas redes sociais, não vai ter grandes recaídas mesmo entre os assinantes de slow journalism que julgávamos “desintoxicados”. 

Avaliando o movimento do slow journalism como um todo, talvez a grande questão seja a de saber quantas pessoas, entre os milhões das que se sentem “esgotadas pela avalanche de notícias”, vão tornar-se de facto membros contribuintes. (...) 

 

O artigo aqui citado, na íntegra no Nieman Lab.
Uma entrevista de há dois anos com a editora do Zetland. A revista Delayed Gratification. E mais informação no nosso site.

Connosco
História de um editor espanhol de sucesso em tempo de crise Ver galeria

No decorrer de uma década, e em plena crise económica e do jornalismo,  a Spainmedia ocupou o seu lugar de editora de revistas internacionais na área designada por  lifestyle  - trazendo para o mercado espanhol a versão local de marcas como a Esquire e a Forbes, entre outras.  A história do seu êxito neste espaço é também a de um jornalista, Andrés Rodríguez, que se torna um director editorial bem sucedido  -  e é essa, naturalmente, a primeira pergunta da entrevista que lhe é feita por Media-tics.

A sua resposta é que foi na base de “paixão, entusiasmo e inconsciência”, e muito por tentativa e erro. Logo acrescenta:

“Aprendi, também, a dirigir recursos humanos  - e que, se não formos rentáveis, fechamos mais tarde ou mais cedo. Os media podem sobreviver algum tempo sem rentabilidade mas, por fim, impõe-se a conta dos resultados.”

Reconhece que aprendeu muito na Prisa, mas ficou frustrado com a fronteira marcada entre o sector jornalístico e o financeiro e publicitário. Como explica,  “pensava que para fazer a minha revista eu tinha que poder vender, ter alianças, mas na Prisa isso não podia ser feito por um jornalista”:

“Se alguma coisa corria bem, resultava do êxito do jornalista e do gestor; se corria mal, era resultado do jornalista. Eu queria ser responsável pelo que fizesse mal.”

"Jornalismo de soluções" como mito ou alternativa Ver galeria

Muitos chegam ao jornalismo com o sonho de fazer reportagem que comunique “impacto, conhecimento e inspiração”. Mas quando encontram o espaço ocupado principalmente por notícias negativas, sem caminho de saída, desanimam e chegam a desistir da profissão.

A jornalista argentina Liza Gross conta que passou por isto, tendo deixado o jornalismo “porque estava esgotada a todos os níveis, não só pelo modelo económico como também pelo modo como nós, jornalistas, estávamos a fazer o nosso trabalho”.

O rumo que seguiu levou-a à rede Solutions Journalism Network [Red de Periodismo de Soluciones  nos países de língua espanhola], cujos métodos promove, no sentido de alterar a imagem clássica do jornalista, que deixa de ser apenas o watchdog (“cão de guarda”) que vigia os poderes e denuncia o que está mal, para se tornar o “cão-piloto” capaz de de fazer “a cobertura rigorosa e baseada na evidência de respostas a problemas sociais”.

A reflexão é desenvolvida em dois textos que aqui citamos, da FNPI – Fundación Gabriel García Márquez para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, que trabalha em parceria com a Red de Periodismo de Soluciones  para dar formação nesta nova disciplina.

O Clube

É tempo de férias. E este site do Clube Português de Imprensa (CPI) não foge à regra e volta a respeitar Agosto,  como o mês mais procurado pelos seus visitantes para uma pausa nos afazeres. Suspendemos, por isso,  a  actualização diária,  a partir do  fim de semana. 

Quando retomarmos a actualização  das nossas páginas, no inicio de Setembro, contamos com a renovação do interesse dos Associados do Clube e dos milhares de outros frequentadores regulares,  que nos acompanham  em número crescente e que  se revêem neste espaço, formatado no rigor e na independência em que todos nos reconhecemos,  como  valor matricial do Clube, desde a sua fundação,  há quase meio século.   


ver mais >
Opinião
Os jornalistas e os incêndios
Francisco Sarsfield Cabral
Nos terríveis incêndios florestais de 2017 ouviram-se críticas à maneira sensacionalista como a comunicação social, ou parte dela, havia tratado essa tragédia. Julgo que, de facto, demasiadas vezes houve, então, uma exploração algo abusiva do que se estava a passar. As imagens televisivas de grandes fogos, sobretudo de noite, são muito atractivas. Mas podem induzir potenciais pirómanos a passarem à...
O descalabro do Grupo Global Media era uma questão de tempo. Alienada a sede patrimonial do Diário de Notícias  - o histórico edifício projectado por Pardal Monteiro, no topo da avenida da Liberdade, entregue sem preconceitos à gula imobiliária, perante a indiferença do Municipio e do Governo  - o plano inclinado ficou à vista.Se ao centenário DN foi destinado um comodato  nas Torres Lisboa,  ao Jornal de...
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
Agenda
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
04
Set
Infocomm China
09:00 @ Chengdu, Sichuan Province, China
09
Set
Facebook Ads Summit 2019
09:00 @ Online