Sábado, 20 de Abril, 2019
Media

Onde os jornalistas revelam uma relação de amor-e-ódio com gravadores

Há jornalistas que fazem questão de dizer que nunca gravaram uma entrevista. Há os que não dispensam o seu gravador de som. Há os que gravam e “filmam” com o telemóvel, explicando que só o vídeo acrescenta a expressão facial.

Há os que são mesmo opostos ao uso do gravador, e explicam porquê. E há os que decidem em que casos se deve levar um gravador  - cuja simples presença pode alterar a disponibilidade do entrevistado.

Há os que se gabam da sua velocidade de escrita e memória do que foi dito, e há os que consideram os que fazem isto como desleixados ou demasiado confiantes. E, finalmente, há situações em que, até por lei [por exemplo nos EUA], não se pode gravar nem filmar nem fotografar.

Matthew Kassel, um freelancer com obra publicada em The New York Times e The Wall Street Journal, interessou-se por esta questão e reuniu os depoimentos de 18 jornalistas sobre os vários lados da questão.

“O modo como os jornalistas guardam a memória das suas entrevistas parece dividir-se, de muitas formas, segundo linhas geracionais, com os antigos repórteres confiando mais nos seus blocos de notas e os mais novos dependendo dos gravadores  - que eram desajeitados e quase proibitivos, mas tornaram-se de uso corrente por volta do fim do séc. XX, com a chegada da tecnologia digital.” 

“Mas também depende das pessoas. Gay Talese, por exemplo [jornalista e autor, associado ao que se chama, nos EUA, literary journalism], opõe-se veementemente aos gravadores, e considera o seu uso generalizado como tendo sido a sentença de morte desse tipo de reportagem.” 

Mas explica, no seu depoimento, que repete a mesma pergunta várias vezes, para ter a certeza de compreender e recolher o entendimento exacto daquilo que o seu entrevistado queria dizer. 

Jill Abramson, que foi editora-chefe em The New York Times, afirma que nunca gravou uma entrevista em décadas de carreira. “Sou muito rápida a tomas notas”  - disse num questionário que lhe foi feito, e que teve por consequência uma chuva de críticas online, de quantos consideraram isto uma prova de negligência. 

Gustavo Aureliano, do Los Angeles Times, defende-a, perguntando  – “o que é que está errado nisso?” -  e diz de si próprio: 

“Quase nunca gravo entrevistas. Acho que é uma muleta de que muitos repórteres dependem, e que os impede de escutarem realmente o que a pessoa está a dizer, porque calculam que, já que fica tudo na gravação, não é preciso o incómodo de prestar cem por cento de atenção.” 

“Também não confio na tecnologia, e fico sempre com a paranóia de que a entrevista que gravei pode desaparecer.” (...) 

À semelhança de Jill Abramson, considera-se rápido a tomar notas. 

Hannah Dreier, que faz reportagem sobre imigração na ProPublica, explica que não grava as pessoas que lhe falam não oficialmente, ou lhe prestam informação assumindo que não serão identificadas pelo nome, porque  - como diz  - “descobri que os gravadores enervam as fontes”. 

Mas acrescenta que, depois de ter trabalhado com fact-checkers, numa revista, percebeu “como era realmente útil estar em condições de lhes mostrar gravações”. (...) 

“Algumas pessoas negaram ter falado comigo, ou negaram ter dito o que disseram, e provavelmente teríamos de cortar essa parte do relato se eu não estivesse em condições de dar as gravações aos fact-checkers. Agora procuro gravar tudo o que possa, a menos que tenha uma boa razão para não o fazer.” (...) 

O repórter de investigação Bryn Stole, do diário The Advocate, de New Orleans, explica que em muitas circunstâncias puxar de um gravador e pô-lo diante de uma pessoa “pode ser intimidante, acrescentando tensão à conversa, ou apagando uma voz potencialmente iluminadora, de um modo como uma simples caneta e bloco de notas não fazem”. 

Recorda também que os tribunais habitualmente proibem todo o tipo de electrónica no seu interior, “o que significa que temos de deixar os gravadores fechados no carro e confiar na caneta e no bloco para entrevistas de corredor com advogados, testemunhas e parentes”. 

Rex Reed, do semanário Observer, de Nova Iorque, conta a sua história dos dois lados: quando era mais novo confiava na sua “memória fotográfica” e ainda guarda os blocos de notas de muitas entrevistas que fez; mas à medida que foi avançando na idade começou a usar gravadores de fita: 

“Mas eram toscos, desconfortáveis, e era uma maçada ficar a escutá-los durante horas  - além de se acabar sempre a fita nos momentos mais importantes.” (...) 

Por segurança, Amanda Petrusich, da revista The New Yorker, leva dois gravadores, com baterias novas dentro do bolso. 

Lizzie Johnson, do San Francisco Chronicle, explica que grava as entrevistas, mas nem sempre volta a escutar tudo, porque vai tomando notas no gravador portátil ou num bloco. Mas volta atrás e escuta de novo quando se trata de ter a certeza dos termos usados de uma declaração importante. (...)

 

 

O texto aqui citado, na íntegra, na Columbia Journalism Review

Connosco
Agravam-se as restrições à liberdade de Imprensa - segundo os RSF Ver galeria

A situação da liberdade de Imprensa continua a degradar-se em muitos países, por todo o mundo. O ódio aos jornalistas degenerou em violência, o que leva a um aumento do medo na profissão.
É esta a síntese inicial da edição de 2019 do Ranking Mundial da Liberdade da Imprensa, dos Repórteres sem Fronteiras, agora divulgada.

“Se o debate político desliza, de forma discreta ou evidente, para uma atmosfera de guerra civil, onde os jornalistas se tornam bodes expiatórios, os modelos democráticos passam a estar em grande perigo”  - afirma Christophe Deloire, secretário-geral da referida ONG.

“O número de países onde os jornalistas podem exercer com total segurança a actividade profissional continua a diminuir, enquanto os regimes autoritários reforçam o controlo sobre os meios de comunicação.” De acordo com este relatório, apenas 24% dos 180 países e territórios analisados apresentam uma situação considerada “boa” ou “relativamente boa”.

A Noruega mantém, pelo terceiro ano consecutivo, o primeiro lugar no ranking, com a Finlândia na segunda posição e a Suécia na terceira. Portugal subiu para o 12º lugar, ficando imediatamente acima da Alemanha, da Islândia e da Irlanda.
José Ribeiro e Castro: "Sofremos de uma periferia mental" Ver galeria

Portugal precisa de fazer três reformas atrasadas, e a primeira é a reforma eleitoral, para “devolver a democracia à cidadania, resgatar e salvar a democracia do declínio em que está e que nós sentimos, eleição após eleição”  -  afirmou José Ribeiro e Castro no ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema “Portugal: Que País vai a votos?”.

As outras duas são a do território, num País que é “um deserto administrativo”, e a do Estado, para o tornar “mais barato e eficiente” e realmente “dimensionado às capacidades do País”.

Segundo o nosso convidado, Portugal precisa ainda de dois propósitos, o mais urgente do combate à pobreza, o mais ambicioso de “atingir a média europeia em vinte anos”.

Finalmente, precisamos de realizar estes projectos assumindo a nossa condição europeia, em relação à qual continuamos a sofrer de uma “periferia mental”, que "é pior do que a geográfica, porque aqui não há auto-estrada que valha".
O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Assange e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O caso Assange dura há quase sete anos. Agora, com a sua expulsão da embaixada do Equador em Londres e consequente prisão pela polícia britânica, o caso entrou numa nova fase. É possível que Assange venha a ser extraditado para os Estados Unidos (o que ele não quer) ou para a Suécia (o que ele agora prefere, embora tenha recusado essa possibilidade há sete anos).  Também se fala muito da mudança do poder...
Muitos responsáveis pela comunicação e marketing de várias marcas defrontam-se quotidianamente com um dilema: será que ainda vale a pena fazer publicidade em televisão? O investimento ainda compensa? A dúvida é legítima – mas antes de mais nada é preciso definir bem o objectivo e o alvo da campanha. Uma coisa é anunciar para jovens urbanos até aos 25 anos, outra é para responsáveis de compras...
A realidade choca. Um trabalho de investigação jornalística, publicado no Expresso,  apurou que Portugal tem 95 políticos a comentar nos media. É algo absolutamente inédito em qualquer parte do mundo, da Europa aos EUA. Nalguma coisa teríamos de ser inovadores, infelizmente, da pior maneira. É um “assalto”, que condiciona a opinião pública e constitui um simulacro de pluralismo, já que  o elenco...
Augusto Cid, uma obra quase monumental
António Gomes de Almeida
Com o falecimento de Augusto Cid, desaparece um dos mais conhecidos desenhadores de Humor portugueses, com uma obra que pode considerar-se quase monumental. Desenhou milhares de cartoons, fez livros, e até teve a suprema honra de ver parte da sua obra apreendida – depois do 25 de Abril (!) – e tornou-se conhecido, entre outras, por estas duas razões: pelas piadas sibilinas lançadas contra o general Ramalho Eanes, e por fazer parte do combativo grupo das...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Agenda
25
Abr
Social Media Camp
09:00 @ Victoria, Canada
27
Abr
30
Abr
Social Media Week: New York
09:00 @ Nova Iorque, EUA
02
Mai
SEO para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
03
Mai
V Congresso Literacia, Media e Cidadania
09:00 @ Aveiro, Portugal