null, 19 de Maio, 2019
Media

Jornalismo digital ao alcance de profissionais empreendedores

Os novos modelos de negócio do jornalismo digital podem ser activados por “jornalistas empreendedores”, que se ocupam simultaneamente da recolha de fundos e do trabalho na redacção e, mesmo assim, “conseguem manter um jornalismo credível, com os mais elevados padrões editoriais, valores que fundamentam o quarto poder numa sociedade democrática, no sentido de responsabilizar o poder”.  Não será pedir muito?...

É esta a reflexão inicial do texto de apresentação do relatório Digital Journalism & New Business Models, agora divulgado pela Federação Europeia de Jornalistas. Assinado por Andreas Bittner, da respectiva Comissão Directiva, o texto segue a pista destes projectos em curso, afirmando que o jornalismo de investigação é a sua “força motriz” e que procuram “proteger de interferências a operação editorial”  - mesmo que, pelo caminho “rompam o muro sagrado entre as fontes editoriais e as de financiamento”.

O mesmo texto reconhece estas atitudes numa variedade de experiências em curso, citando de passagem o diário britânico The Guardian, o pioneiro francês Mediapart e outros casos, desde a Suécia até à Espanha. Mas adverte que “as start-ups podem falhar de modo dramático, se não atingem o seu objectivo”: 

“Mesmo quando os modelos alternativos se afastam da empresa publicadora tradicional, isso não garante que o sucesso, ou a sustentabilidade, estejam ao virar da esquina.” 

“O desafio é sobrevivermos como jornalistas profissionais, mantendo-nos credíveis e estando abertos e capazes de continuar a produzir um jornalismo de qualidade.” 

A expressão “jornalismo de qualidade” é também o ponto forte de outro documento, divulgado poucos dias antes deste, pelo Comité de Ministros do Conselho da Europa. Trata-se, neste caso, de uma Declaração em 12 pontos, sobre a “sustentabilidade financeira de um jornalismo de qualidade na era digital”. (...) 

O ponto segundo cita o Artigo 10º da Convenção para a Protecção dos Direitos Humanos e Liberdades Fundamentais [dos Tratados europeus], afirmando que o direito à liberdade de expressão e de Imprensa é “um requisito prévio a um ambiente favorável ao jornalismo de qualidade, que serve uma importante função democrática”: 

“O jornalismo de qualidade proporciona ao público uma gama de informação diversa, credível, interessante e atempada, e contraria a propaganda e a desinformação que proliferam, em especial, nas redes sociais.” (...) 

O ponto terceiro afirma que um jornalismo fiel a estes princípios “deve ser reconhecido como um bem público”. Os pontos seguintes descrevem as várias formas de disrupção do jornalismo tradicional trazidas pela revolução digital, chegando por esta via à questão da sustentabilidade. 

O ponto oitavo reconhece que, “nesta era de crescente cepticismo a respeito das instituições democráticas, os media ficam vulneráveis a serem rotulados de partidarismo, ou fake, mesmo quando estão empenhados em padrões elevados de jornalismo”. 

Nas conclusões do texto, o Comité de Ministros alerta os Estados membros para a importância de promoverem  - por meio de medidas regulatórias que defendam a operação de todos os media, dos tradicionais aos modelos inovativos -  “a sustentabilidade financeira, a longo prazo, de um jornalismo de qualidade produzido de acordo com os padrões editoriais e éticos da profissão, estabelecendo ao mesmo tempo garantias efectivas de que esse modelo não vai constranger a independência editorial e operacional dos media”. (...) 

Segue-se uma série de recomendações concretas, nas áreas do regime fiscal, do apoio ao jornalismo local e não-lucrativo, e de medidas de desenvolvimento com várias fontes de financiamento possíveis, incluindo parcerias público-privadas. 

Outras recomendações visam a relação com as grandes plataformas, pelas crescentes responsabilidades que assumiram na evolução recente dos modelos de sustento das empresas de comunicação social. 

Os últimos parágrafos sublinham “a importância de providenciar a todos um acesso efectivo a conteúdos jornalísticos de qualidade, independentemente dos seus níveis de vida económica ou quaisquer outras barreiras”, bem como a correspondente necessidade de literacia mediática.

 

 

Mais informação na Federação Europeia de JornalistasO relatório Digital Journalism & New Business Models.

A Declaração do Comité de Ministros do Conselho da Europa.

Connosco
Francisco George no ciclo "Portugal: que País vai a votos?" Ver galeria
O próximo orador convidado do ciclo "Portugal: que País vai a votos?", a 21 de Maio, será Francisco George, um prestigiado médico, especialista em Saúde Pública, actual presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, empossado em finais de 2017, após ter desempenhado as funções de director-geral da Saúde, a partir de 2005 e durante mais de uma década.
O ciclo é promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de cultura e o Grémio Literário.
Francisco Henrique Moura George, nascido em Lisboa a 21 de Outubro de 2947, frequentou, de acordo com a sua biografia oficial, o Colégio Valsassina.
Licenciado em Medicina, com Distinção, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em 1973, foi interno de Medicina Interna dos Hospitais Civis de Lisboa no Hospital de Santa Marta e completou, em 1977, o Curso de Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública de Lisboa, tornando-se especialista em Saúde Pública.
Meio século depois da alunagem o valor do jornalismo científico Ver galeria

Vai fazer 50 anos, no dia 20 de Julho, a primeira descida de uma nave com tripulação humana sobre a superfície da Lua. Seis horas depois da alunagem, já a 21, o comandante Neil Armstrong foi o primiro homem a pisar o solo do nosso satélite. O sucesso da missão Apollo 11, e das outras cinco missões lunares que a seguiram, teve um enorme impacto sobre a Humanidade.

“Do ponto de vista mediático, o colossal interesse público que o voo da Apollo 11 suscitou  — estima-se que um em cada seis habitantes do planeta assistiu pela TV ao momento em que Neil Armstrong desceu lentamente pela escada do módulo lunar até pousar os pés na superfície do satélite —  consolidou um público ávido por acompanhar a exploração do espaço.”

Cinquenta anos depois, as perspectivas de colonização do Sistema Solar continuam distantes, e a cobertura de astronomia e exploração espacial teve de mudar muito. “Mas, para quem tem o coração nas estrelas, continua sendo uma actividade apaixonante.”

A reflexão é de Pablo Nogueira, jornalista e editor da Scientific American Brasil, membro da Rede Brasileira de Jornalistas e Comunicadores de Ciência. No Observatório da Imprensa, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
A celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa  constitui o pretexto e o convite para uma reflexão que não nos exclui. Com os jornais em contínua degradação de vendas em banca, obrigando  já a soluções extremas  - como se verificou com o centenário  “Diário de Noticias”, que passou a ser semanário, embora sem inverter o plano inclinado -,  a apatia...
A Google trouxe a Lisboa Mark Howe, um veterano da publicidade no Reino Unido. Actualmente responsável da Google pela relação com as agências de meios na Europa, Mark Howe contou uma história que mostra bem a importância de as marcas comunicarem de forma continuada – mesmo que o objectivo não seja as vendas imediatamente. A situação passou-se no Reino Unido e nos EUA durante a II Grande Guerra. Por iniciativa dos governos foi...
Assange e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O caso Assange dura há quase sete anos. Agora, com a sua expulsão da embaixada do Equador em Londres e consequente prisão pela polícia britânica, o caso entrou numa nova fase. É possível que Assange venha a ser extraditado para os Estados Unidos (o que ele não quer) ou para a Suécia (o que ele agora prefere, embora tenha recusado essa possibilidade há sete anos).  Também se fala muito da mudança do poder...
Agenda
22
Mai
22
Mai
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
27
Mai
DW Global Media Forum
09:00 @ Bona, Alemanha
02
Jun
"The Children’s Media Conference"
11:00 @ Sheffield, Reino Unido
14
Jun