null, 26 de Maio, 2019
Opinião

Duas atitudes face ao jornalismo

por Francisco Sarsfield Cabral

No recente encontro em Roma, no Vaticano, sobre o dramático caso dos abusos sexuais por elementos do clero católico, a vários níveis, ouviram-se vozes agradecendo a jornalistas que investigaram e divulgaram abusos. É uma justa atitude. 

Dir-se-á que alguns jornalistas terão procurado o escândalo e, também, denegrir a imagem da Igreja. Talvez. Mas o verdadeiro escândalo é que padres, bispos e cardeais, em vez de protegerem os mais novos e indefesos, os agrediram, deixando-lhes marcas psicológicas para toda a vida. E quanto a prejudicar a imagem da Igreja, quem, se não os agressores, contribuiu para abalar seriamente essa imagem? 

O facto essencial é que os jornalistas ajudaram a revelar casos que nunca deveriam ter sido encobertos – mas foram, desgraçadamente. Ainda bem que o papel dos jornalistas nesta tragédia foi reconhecido.

Pelo contrário, na Venezuela o ditador Maduro deporta jornalistas estrangeiros cujo trabalho não lhe agrada. Recorde-se que Maduro afirmou há dias que não existe fome no seu país. Uma incrível mentira, desmentida por  um vídeo com crianças a comer do lixo.

Esse vídeo havia sido feito por uma equipa do canal americano Univisión. A equipa foi detida depois de tentar entrevistar Nicolás Maduro. “Confiscaram-lhes todo o equipamento técnico que levaram ao palácio para a entrevista”, informa o jornal digital “Observador”.

A entrevista não chegou ao fim. Maduro não terá gostado de uma afirmação do jornalista, que lhe disse que milhões de venezuelanos o consideram um ditador, e abandonou a sala.

O ministro de Comunicação e Informação venezuelano e a vice-presidente da Venezuela entraram então na sala, insultaram a equipa e chamaram provocador ao jornalista. “Vais engolir as tuas palavras com uma Coca Cola”, terão dito.

A equipa da Univisión foi depois metida num quarto de segurança, onde permaneceu com as luzes apagadas durante mais de duas horas. Seguiu-se a deportação.

Este lamentável caso é típico de um ditador como  Maduro. E mostra o “grande respeito” que o chamado socialismo bolivariano tem pela liberdade de expressão e de informação.

Mas o mais extraordinário é ainda haver quem classifique de democrático um regime destes, que desgraçou o próprio povo.

Connosco
Prémios Europeus de Jornalismo privilegiam grandes reportagens Ver galeria

Foram designados os vencedores do European Press Prize, que contempla, desde 2013, os melhores trabalhos do jornalismo europeu, como uma espécie de equivalente europeu do famoso Prémio Pulitzer nos EUA. A cerimónia de atribuição, realizada na sede do diário Gazeta Wyborcza, em Varsóvia, nomeou cinco meios de comunicação e a rede de jornalistas  Forbidden Stories, que prossegue e procura concluir as reportagens de investigação de profissionais que deram a vida por elas.

Os jornais onde foram publicados os trabalhos premiados são a Der Spiegel, o El País Semanal e o Süddeutsche Zeitung Magazin, The Guardian e o site de jornalismo de investigação Bellingcat, no Reino Unido. O júri, que examinou centenas de trabalhos vindos de toda a Europa, era constituído po Sir Harold Evans, da Reuters, Sylvie Kauffmann, de Le Monde, Jorgen Ejbol, do Jyllands-Posten, Yevgenia Albats, de The New Times, e Alexandra Föderl-Schmidt, do Süddeutsche Zeitung.

Crise actual do jornalismo é "diferente de todas as que já teve" Ver galeria

O jornalismo “já não é mais o que era antigamente, e as pessoas e as sociedades relacionam-se hoje de forma distinta, muitas vezes abrindo mão do jornalismo para isso”. Em consequência, o jornalismo “está numa crise diferente de todas as que já teve: não é só financeira, mas política, ética, de credibilidade, de governança”.

“Mas é importante ter em mente que não se pode resolver um problema tão complexo assim com uma bala de prata, com uma tacada perfeita. A crise afecta profissionais, públicos e organizações de forma distinta, inclusive porque tem escalas distintas. Um pequeno jornal do interior é afectado pela crise de um modo e não pode responder a ela como um New York Times. A crise é frenética, dinâmica e complexa. Enfrentá-la é urgente.”

Esta reflexão é de Rogério Christofoletti , docente de jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina, que sintetiza o seu pensamento sobre esta matéria num livro acabado de lançar  - “A crise do jornalismo tem solução?” -  e responde a uma entrevista no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Agenda
27
Mai
DW Global Media Forum
09:00 @ Bona, Alemanha
02
Jun
"The Children’s Media Conference"
11:00 @ Sheffield, Reino Unido
14
Jun
14
Jun
21
Jun
Social Media Day: Halifax
09:00 @ Halifax, Nova Escócia, Canadá