Segunda-feira, 23 de Setembro, 2019
Media

Doze regras essenciais para o jornalista proteger as fontes

A era digital trouxe muitas oportunidades para o jornalismo de investigação de alto impacto. Mas também é verdade que as fontes de informação que proporcionam a denúncia de casos embaraçosos para os poderes ou os grandes interesses corruptos [os whistleblowers  - à letra, os que sopram o apito de alarme] se colocam em situação de risco.

“Esta é também a era em que estão a ser presos, porque as agências de segurança desenvolveram técnicas de intercepção sem precedentes. A luta não é igual quando o adversário é uma agência de segurança nacional.”

Num encontro sobre jornalismo de investigação, recentemente realizado em Perugia, Itália, foi elaborado um documento em doze pontos  -  como recomendações aos jornalistas que fazem a divulgação desse material sensível e assumem, portanto, a primeira responsabilidade de protecção das suas fontes.

Os “Princípios de Perugia”, assim intitulados, foram redigidos por Julie Posetti, do Instituto Reuters, e por Suelette Dreyfus e Naomi Colvin, da ONG europeia Blueprint for Free Speech.

Segue uma síntese desses princípios:

  1. -  Em primeiro lugar, proteja as suas fontes.  De modo geral, é aceite que o compromisso do jornalista, no sentido de proteger o anonimato de fontes confidenciais, só pode ser quebrado em circunstâncias excepcionais (por exemplo, quando se verifica que isso é fundamental para evitar a iminente perda de uma vida humana).
  2. -  Formas seguras para o “primeiro contacto”.  Ajude os potenciais informadores divulgando formas pelas quais possa ser contactado, usando canais anónimos e encriptados, e previna dos riscos associados a cada um deles.
  3. -  Informe sobre as consequências da publicação. Trate o informador com dignidade e respeito, como alguém que corre um risco grave ao confiar-lhe os seus segredos e a sua identidade, ao revelar informação de interesse público.
  4. -  Foque a atenção neste interesse público e não na sua visão sobre as atitudes ou opiniões da fonte contactada.  É importante avaliar a motivação do informador  - se há intenção maliciosa, ou inexactidões intencionais.
  5. -  Assuma a responsabilidade da defesa digital, usando linguagem cifrada.  Não sendo, embora, uma garantia total de confidencialidade, é uma importante protecção de primeira linha.
  6. -  Identifique as ameaças mais importantes, tanto para si como para a sua fonte, e que passos são necessários para protecção de ambos.
  7. -  Explique ao seu informador os riscos da exposição digital.  Pense que podemos estar a regressar à época em que a segurança era obtida só por contactos face a face, passando a informação em envelopes, com encontros em parques públicos.
  8. -  Publique documentos originais e conjuntos de dados na sua totalidade, quando seja possível e seguro.
  9. Apague de modo seguro os dados trazidos da sua fonte, quando lhe seja solicitado. Tenha em conta que os documentos e respectivos metadados podem ser usados para identificar o informador.
  10. -  Há caixas de correio digitais que permitem um tráfego seguro para informadores de jornalistas. Pode ser a rede Tor, ou SecureDrop, ou a plataforma GlobalLeaks, usados por vários media e organizações da sociedade civil.
  11. -  Conheça as várias normas de legislação nacional e internacional para proteger fontes confidenciais, baseadas no direito do público a ser informado.
  12. -  Verifique se a sua empresa jornalística tem uma estratégia responsável de segurança de dados, para jornalistas, as suas fontes e os materiais armazenados. Se é um jornalista independente, contacte o seu sindicato ou uma ONG nesta área (por exemplo, Blueprint for Free Speech ou The Signals Network).

 

O artigo aqui citado, em Red Ética.  Mais informação no NiemanLab.  Os “Princípios de Perugia”, em PDF.

Connosco
Estudo revela cepticismo sobre cobrança generalizada de conteúdos Ver galeria

Num relatório da KMPG intitulado “Presente e futuro do sector intermediário”, os empresários de media concordam que, a transição progressiva para um sistema de pagamento de conteúdos é necessária.

No entanto, apenas 38% desses executivos estão convencidos de que a cobrança pelos conteúdos digitais será generalizada nos próximos três anos. Entretanto, 62% acreditam que o modelo aberto e de pagamento coexistirá nesse período.

O relatório vem publicado no site da APM com quem a CPI tem um acordo de parceria.
Segundo o mesmo relatório, as cinco tendências que marcarão a agenda do sector dos media são as seguintes: a busca de um modelo de negócios rentável e sustentável, o potencial da publicidade digital, o compromisso com a qualidade, a análise de dados e alianças entre empresas jornalísticas.
A necessidade proteger o jornalismo do discurso inflamado Ver galeria

Os media e os jornalistas, parecem ter sido dominados pela energia estonteante dos discursos inflamados, da ofensa ao adversário e da mentira persuasiva que apelam á emoção em vez da razão, defende José Antonio Zarzalejos , nos  Cuadernos de Periodismo  da  APM, com a qual o CPI tem um acordo de parceria.

Especialmente, em período de eleições, a transmissão de mensagens “tornou-se um exercício de impostura e num território onde tudo é permitido, incluindo o insulto e a mentira”.

Nesta lógica comunicacional,  a transformação do estrangeiro em inimigo, e da dissidência em dissidente, são procedimentos  na arena política, segundo  o autor.
A receptividade para acolher  argumentos contrários  ou partilhar pensamentos diversos,  de acordo com   Zarzalejos, passou a ser entendido como uma abordagem fraca, sem convicção.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Uma das coisas em que a informação sobre o mercado publicitário português peca é na análise das contas que são ganhas pelas agências de meios aqui em Portugal. Volta e meia vejo notícias do género a marca X decidiu atribuir a sua conta de publicidade em Portugal à agência Y. Quando se vai a ver, o que aconteceu é que a marca internacional X decidiu num qualquer escritório em Londres, Paris ou Berlim,...
Agenda
24
Set
Radio Show
09:00 @ Hilton Anatole, Dallas, EUA
07
Out
14
Out
Mipcom
09:00 @ Cannes, França
14
Out
17
Out
Broadcast India Show
09:00 @ Mumbai, India