Terça-feira, 26 de Outubro, 2021
Jantares-debate

Embaixador Martins da Cruz adverte para a "implosão dos centros à esquerda e à direita"

Nas próximas eleições europeias e legislativas, tudo leva a crer que o Partido Socialista continuará a ser o mais votado, “por razões políticas e económicas, e porque beneficia da dessintonia de aternativas por parte do PSD”. Mas haverá eleitores que vão perguntar, em Outubro, se “continuará a genuflexão do PS perante a extrema-esquerda, perante comunistas e pós-trotskistas”.

E estamos a assistir, na Europa, a uma “atomização” que já se reflecte no próprio Parlamento Europeu, com o fim da polarização partidária a trazer uma “fragmentação” e a “implosão dos centros à esquerda e à direita”:

“A direita dirá que se trata de uma regeneração democrática, e a esquerda de um avanço do populismo.”

Foi esta a reflexão inicial do Embaixador Martins da Cruz, no jantar-debate do presente ciclo promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema “Portugal: que País vai a votos?”.

Sobre a conjuntura internacional, o orador chamou a atenção para as vulnerabilidades de Portugal, como País “que reage mais do que age”. Se o Brexit se concretizar, a Espanha subirá a quarta economia do euro “e isso pode acentuar a nossa dupla periferia, peninsular e europeia”  - advertiu.

António Martins da Cruz afirmou o propósito de, nesta palestra, “procurar ângulos de visão tão neutros quanto possível sobre a realidade portuguesa”, aliás em consonância com a sua formação de diplomata  - mas reconhecendo que essa neutralidade “é sempre limitada”. 

Sobre a nossa situação interna  - a que mais importa para as eleições legislativas -  disse que “o Governo já está em campanha eleitoral e soube fazer a gestão política das expectativas e das percepções dos portugueses após os anos difíceis da troika”; teve também “o mérito de saber aproveitar uma certa bonança económica europeia e internacional e aumentar assim o rendimento disponível para as classes menos favorecidas”. (...) 

Com a eleição do ministro Mário Centeno para chefiar o Eurogrupo, o Primeiro-Ministro “criou um cordão sanitário, ou firewall em Bruxelas, para se proteger, em primeiro lugar, dos critérios de Maastricht e, em segundo, dos outros líderes europeus; e para evitar suspeitas de que Portugal não seguia o catecismo da União Monetária e Económica”. 

“Este escudo protegeu o Governo, mesmo que tudo isto tenha conduzido a uma tendência de proletarização da sociedade portuguesa e a uma amplitude das assimetrias de rendimento.” (...) 

Quanto aos dois lados das opções possíveis, António Martins da Cruz caracterizou o Partido Comunista Português como sendo “o único e o último partido comunista com existência política nos países do Sul da Europa, onde os comunistas desapareceram de todo”, mantendo “a costumada veia estalinista, como se viu há dias na carta que o PC dirigiu ao venezuelano Maduro pela sua pseudo-eleição recente”. 

“O Bloco anda por sua vez a sacudir cada vez mais o trotskismo e até a escovar os extremismos, para se criar uma aura de respeitabilidade que lhe abra as portas de algum Ministério  - ou até já se contentava com uma pequena Secretaria de Estado; seria interessante ver quanto tempo duraria  - se o Bloco entrasse para o Governo um dia -  um unguided missile na sala do Conselho de Ministros.” (...) 

“O CDS, superada a herança anterior, tem um discurso consistente e esperado, e o seu núcleo eleitoral estabilizado, e vai procurar rentabilizar a recordação dos votos municipais em Lisboa.” 

“O PSD anda, como andou muitas vezes, em zigue-zague interno, com uma narrativa pulverizada, sem mel nem fel e com as habituais contradições internas que o percorrem desde a sua fundação, o que aliás já originou diversas cisões e rupturas ao longo dos anos. O actual presidente do PSD regionalizou o processo de decisão do partido, ignorando o pragmatismo, por vezes até difuso, de muitas anteriores presidências. As consequências foram, entre outras, a percepção de uma aproximação à força política que governa o País.” (...) 

Passando a falar do Presidente da República, disse o orador que a sua intervenção está a ser feita “com margens de acção sem precedentes no constitucionalismo português”. 

“Há uma teoria benigna que alguns comentadores de esquerda têm vindo a assumir: que o populismo do Presidente, entre selfies, telefonemas e camiões, estaria a cortar a via ou a atrasar as hipóteses de surgirem outros populismos.” 

“Para esses ícones de esquerda, o populismo só pode ser de direita. Como bem escreveu, recentemente, Vasco Pulido Valente  - ‘Definição de populista: político, partido ou movimento de quem a esquerda não gosta porque ganhou eleições’.” 

“O nosso Presidente tem a plena noção do que a Constituição lhe permite  - não fora ele professor de Direito Constitucional. E por isso nos fica a dúvida quanto ao alcance dos entendimentos a que teria chegado com o Governo em matéria de política interna e externa, ou a margem de movimentos que acordou  - ou que ganhou -  ao Primeiro-Ministro.” 

“Porque, como dizia alguém, ‘em política o que parece é’. E por isso o Presidente nem sempre projecta a ideia de ser um contra-poder ou, se se preferir, de viabilizar os checks and balances que se esperam de um Presidente em relação aos outros poderes.” (...) 

Por tudo isso, é legítimo ponderar a sua influência no futuro ciclo eleitoral. (...) E realçar a veia cristã com que o Presidente se destaca em várias das suas intervenções sociais. Talvez por isso haja quem diga, e escreva, que há populismos bons.” (...) 

Passando a falar dos factores externos de influência, disse o orador que “o Governo soube tirar partido da conjuntura favorável, europeia e internacional, que se reflectiu no ritmo das exportações, no tsunami do turismo, nos investimentos que aos poucos se vão anunciando e no aumento moderado do consumo interno; soube adaptar a estrutura governativa e impulsionar a diplomacia económica”. Mas advertiu: 

“Quando a soma das exportações e importações de bens e serviços atinge 90% do PIB, facto quase único na União Europeia, importa saber acompanhar e antecipar as tendências e previsões dos mercados. E aqui começa um alerta vermelho no calendário eleitoral, mesmo que as expectativas dos portugueses sejam baixas.” 

“O discurso governamental tem sido exuberante no louvar das benesses económicas. Em política, as palavras contam. Mas, tal como sucedeu a Sócrates em 2008-2009, o tempo económico pode agora ser desfavorável. Tudo irá depender do intervalo entre o abrandamento económico que se anuncia e as repercussões que terá na vida de todos os portugueses.” 

“Mas os economistas do Governo sabem certamente que o custo de oportunidade é o valor que se deixa de realizar quando se escolhe outra opção e não aquela que tomámos. Esta regra aplica-se também às escolhas políticas. E talvez por isso venha agora à superfície a falta de reformas do Governo.” (...) 

Mesmo não havendo uma recessão à vista, como dizem Christine Lagarde e Mario Draghi, há “um sério abrandamento da economia”: 

“Ora essa deterioração do comércio mundial atinge quase 75% dos nossos mercados de exportação: Espanha, Alemanha, França, Reino Unido, EUA, Benelux e Itália. É o fim de um ciclo de crescimento e da sincronização das economias.” 

“Não haverá um shutdown das exportações, mas provavelmente uma redução que irá afectar sobretudo as PME’s, base do nosso tecido industrial e económico.” (...)  

Segundo o Embaixador Martins da Cruz, “no plano social, ou melhor, na perspectiva da volatilidade da situação social, irão ter peso na decisão dos eleitores as repetidas greves no largo sector público, a falta de respostas no sistema de saúde, as rupturas nas plataformas de transportes, as continuadas imprecisões das propostas de ensino; e os outros obstáculos à vida quotidiana da maioria dos portugueses, que os telejornais nos trazem todos os dias em tom alarmista.” 

“Porque os portugueses  - e aqui temos de reconhecê-lo -  não gostam de ser confrontados com uma escolha fundamental perante a qual agora estão os gilets jaunes em França: ou há melhores serviços públicos ou há menos impostos. [Para ter] as duas coisas ao mesmo tempo, ninguém descobriu a receita. A solução passa por escolhas ideológicas que são sempre difíceis de concretizar.” (...) 

O orador enumerou, em síntese, as várias crises geo-políticas, turbulências económicas e ameaças internacionais anunciadas:

“A crise existencial da União Europeia;  a política externa errática do Sr. Trump;  as guerras comerciais de Washington com Bruxelas e com a China;  o crescimento do poder chinês;  os novos propósitos dos velhos actores no Médio-Oriente;  o expansionismo imperial do Sr. Putin;  o drama da Venezuela e o inesperado evangelismo brasileiro;  as ciber-ameaças;  e as divergências, cada vez mais fortes na Europa, sobre as migrações.” 

“Somos um dos poucos países de dimensão europeia média com uma política externa universal e, por isso, todas as crises afectam indirectamente Portugal. Mas Portugal, na cena internacional, desde há muitos anos reage mais do que age.” 

“Em matéria substancial de política externa, a última grande acção que Portugal teve foi a independência de Timor. Normalmente nós reagimos aos acontecimentos, porque nem sempre temos a capacidade de agir, ou de despoletar iniciativas.”

“Por isso, as repercussões das crises internacionais, para nós, são sempre mais estratégicas do que operacionais, mais económicas do que geo-políticas, mais europeias do que mundiais. Com as habituais excepções, entre as quais o prestígio conseguido com a eleição do Secretário-Geral da ONU.” (...) 

A concluir, o Embaixador Martins da Cruz sublinhou, entre as diversas ameaças externas descritas, as que mais de perto, ou de modo mais grave nos dizem respeito: 

“Não sabemos hoje se haverá Brexit - embora, com o que sabemos, seja mais provável que haja. Se for assim, a saída inglesa desequilibra a Europa e, mais do que isso, desequilibra a geo-política atlântica e vai dar um novo dinamismo à diplomacia inglesa, uma das melhores do mundo, em áreas onde nós também temos os nossos interesses, como, por exemplo, em África.”

“Eu acho que importaria começar a reflectir sobre este assunto. Os ingleses não vão, com certeza, voltar ao Império mas, se saírem da Europa, vão avançar para o mundo, e vão chocar com outras diplomacias e outros interesses.” 

“Ora Portugal não tem alternativas, em matéria de política externa, nem à União Europeia nem à Aliança Atlântica. Com a Europa temos estabilidade política, mercados e investimentos. Com a NATO temos segurança e defesa. Por isso temos que distinguir, na NATO, os humores do ‘arrendatário’ da Oval Room da Aliança e da partilha de interesses e valores com os Estados Unidos.” (...) 

“Se o Brexit se concretizar, a Espanha subirá a quarta economia do euro e passará a integrar um grupo que não existe nos Tratados, mas por onde passam todas as decisões importantes antes de chegarem a Bruxelas  -  o famoso Directório Europeu.”

“Isto pode acentuar a nossa dupla periferia, peninsular e europeia. E na Europa a duas velocidades que o Tratado de Lisboa permitiu, se não conseguirmos estar nos núcleos duros onde a Espanha estiver, Madrid passa a falar por nós em Bruxelas. (...) 
Estes são alguns dos desafios com que o Governo e as outras forças políticas irão conviver até às eleições.” (...)

“A nossa política na Europa tem vindo a alterar-se em prioridades e em alianças. Em prioridades, porque a coesão económica e social, que queríamos transversal a todas as políticas europeias, vai perdendo fulgor em detrimento de outros objectivos, nossos e europeus. Em alianças, sobretudo desde a crise de 2008. Até então, o grande apoio português na Europa era a Comissão Europeia, fazendo acordos pontuais com outros países em geometria variável, conforme os nossos interesses.” 

“O Governo Sócrates, por razões mais partidárias do que de Estado, proclamou como leit-motiv da nossa salvação o grito ‘Espanha, Espanha, Espanha’. Tendo-se dado conta das realidades geo-políticas e sobretudo financeiras, depressa foi chorar para o regaço da Srª Merkel. A salvação estaria em Berlim.” 

“O Governo Passos Coelho seguiu-lhe o exemplo, refinando-o até. E mesmo o actual Governo, no início, também entrou no circuito das procissões a Berlim. Ainda trouxe Merkel a Lisboa, num exercício teatral de ‘toda a companhia em cena aberta’. Depois caíu no fascínio de Macron e na prioridade da eleição de Centeno. Lá se foram outra vez as nossas prioridades.” 

“Também a concepção da Europa tem evoluído  -  ela é federalista com a esquerda no Governo, [mas] cultivando o peso dos Estados membros e as soluções inter-governamentais quando está a direita a dirigir.” (...) 

“O deslizar externo tem sido visível também na nossa prioridade atlântica. Continuamos a confiar na NATO, mas o Governo teve de ser travado no seu entusiasmo inicial por essa fantasia da defesa europeia, que é uma iniciativa de quatro países, mais para vender armamentos do que para dissuadir e proteger.” 

Finalmente, nas relações com os Estados Unidos, como lembrou o orador, “o afastamento é anterior à administração Trump”, tendo os equívocos começado em torno da utilização das Lages: 

“O último Chefe do Governo português que visitou a Casa Branca foi Durão Barroso em 2003. Nunca mais nenhum Primeiro-Ministro português se sentou na Oval Room. Sócrates esteve lá como Presidente do Conselho Europeu, antes do Tratado de Lisboa, mas não abriu a boca para falar de questões bilaterais.” 

Neste contexto, Martins da Cruz chamou a atenção para o facto de que o afastamento dos EUA dos Açores é correspondente ao seu maior envolvimento em Jerez de la Frontera, onde têm uma importante base militar. 

“Além disso, nos últimos anos afastámo-nos de África, pilar importante da nossa vocação exterior. Há agora aproximações, mas entretanto outros países foram criando raízes, influência e mercados. (...) Não é por acaso  - lembrou -  que Angola quer entrar na Commonwealth...” 

A concluir, afirmou:

“A política externa não é estática e adapta-se às circunstâncias. Mas as mudanças têm consequências e não passam desapercebidas aos outros Estados”. (...)

Connosco
Jornal finlandês troca "cadeados" por "diamantes" para atrair assinantes Ver galeria

Com a era digital, vários jornais passaram a apostar nos conteúdos “online”, recorrendo às “paywalls” para obter receitas.

Este novo modelo de negócio foi introduzido um pouco por toda a Europa, incluindo na Finlândia, onde o jornal “Helsingin Sanomat” conta com a subscrição de 48% de todos os assinantes de produtos noticiosos do país.

Conforme apontou Hanaa Tameez num artigo publicado no “Nieman Lab”, o "Helsingin Sanomat” foi fundado em 1889, quando a Finlândia ainda integrava o Império Russo. Agora, este jornal é detido pelo Grupo Sanoma, que controla 40 outras marcas mediáticas naquele país.

Em 2016, continuou Tameez, os editores do “Helsingin Sanomat” chegaram à conclusão de que a “paywall” não estava a obter os resultados esperados.

Por isso mesmo, os responsáveis por aquela publicação começaram a analisar o tipo de conteúdos que deveriam ser exclusivos para subscritores e, em vez de os assinalarem com um “cadeado”, passaram a identificá-los através de um “diamante”.

“O símbolo do cadeado passou a ser reconhecido mundialmente enquanto um identificador da ‘Paywall’”, disse o editor-executivo, Kaius Niemi, em entrevista para o “Nieman Lab”. “Sentimos, contudo, que o cadeado não simboliza valor acrescentado no jornalismo, ou ‘storytelling’ avançado. Por outro lado, acaba por ter uma conotação negativa, já que fecha a porta a um potencial subscritor. Os diamantes, por sua vez, ilustram o trabalho árduo dedicado a cada história”.

Graças a estas iniciativas, a equipa editorial daquele jornal finlandês percebeu que estava a apostar em temáticas que não chamavam a atenção dos leitores, e decidiram investir em artigos sobre sociedade, cultura e “lifestyle”.

Relatório aponta prioridade para o jornalismo isento e objectivo Ver galeria

As audiências valorizam a imparcialidade no jornalismo, e justificam a convicção de que os artigos noticiosos e as colunas de opinião devem ser, claramente, distinguidas, aponta o estudo The Relevance Of Impartial News In A Polarised World, encomendado pela Universidade de Oxford.

De acordo com este relatório -- que contou com 52 participantes, provenientes da Alemanha, do Brasil, dos Estados Unidos e do Reino Unido -- a informação objectiva e a contextualização devem estar no centro de qualquer formato noticioso.

Neste sentido, os participantes do estudo alertaram para o facto de as peças noticiosas e as colunas de opinião não serem facilmente identificáveis em formatos “online”, ao contrário do que acontece nas publicações em formato de papel.

“As audiências valorizam a opinião como um suplemento dos factos, mas, na sua generalidade, querem que a informação objectiva seja estabelecida em primeiro lugar. O público preocupa-se, também, com a mistura destes dois formatos”.

Os jornais assumem-se, assim, como a fonte noticiosa mais fiável, embora alguns leitores mais jovens considerem que estas publicações transmitem “ideais conservadores”, com os quais não se identificam.

Por outro lado, os participantes afirmam que as redes sociais não são boas fontes noticiosas, já que os seus algoritmos dão prioridade aos artigos de opinião, sem que estes estejam identificados como tal.

“Nas redes sociais, torna-se difícil distinguir entre notícias e a opinião, devido à falta de pistas. Algumas pessoas consideram que isto é um problema”, indica o relatório. “Alguns temem que o conteúdo de opinião esteja a contaminar as notícias. Outros assumem, simplesmente, que a opinião é uma característica inerente a estas plataformas”.

O Clube


Conhecidas as propostas do governo para o Orçamento de Estado, verifica-se que o sector dos media continua a ser o “parente pobre”, sem atrair medidas de reanimação capazes de corrigirem e de equilibrarem o plano inclinado em que se encontra a maioria das empresas jornalísticas, já periclitantes antes de serem fortemente flageladas pela pandemia.
O Sindicato dos Jornalistas lamenta-o e estranha que o OE ignore “completamente as dificuldades da comunicação social”. As associações do sector, como é o caso do CPI, certamente não menos.
O documento é omisso em medidas de apoio, que possam contribuir para inverter o declínio das vendas de jornais e revistas, sem pôr em causa a independência das publicações.
O bom jornalismo não precisa de ser subsidiado, mas implica redacções ágeis e com capacidade de resposta, que não dependam das redes sociais para medirem a realidade.
Com as contas no “vermelho”, as empresas editoriais não dispõem , contudo, de meios nem de condições propícias ao investimento, por exemplo, na reportagem de investigação.
Os jornalistas saem cada vez menos e a pandemia, com o teletrabalho, mais acentuou esse défice de contacto com o exterior.
É impossível não concordar com o SJ quando este defende várias medidas, como a criação de um voucher de 20 euros por agregado familiar para assinaturas ou compra de jornais e revistas, o desconto do IVA de produtos de media no IRS e a oferta de jornais ou de uma assinatura digital a todos os jovens que completem 18 anos.
Salva-se apenas a digitalização, a única que tem verbas disponíveis no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). É importante. Mas não é exclusivamente por aí que se salvam os media em sérias dificuldades, que lutam pela sobrevivência. E que são um pilar da democracia. Eis um debate urgente ao qual nos associamos.


ver mais >
Opinião
O jornalismo está de parabéns. O Nobel da Paz atribuído a dois jornalistas, Maria Ressa e Dmitry Muratov, uma filipina e um russo, premiou uma incansável e corajosa luta pela liberdade de expressão nos seus países, com risco da própria vida. São um exemplo. Foi necessário passar quase um século para um Nobel da Paz caber novamente a jornalistas, que pugnam pela sobrevivência do jornalismo sério e independente,...
O que une radicais de direita e de esquerda
Francisco Sarsfield Cabral
Contra o que frequentemente se julga, um radical de direita não está a uma distância de 180 graus de um radical de esquerda. Ambos partilham um desprezo pela democracia liberal, que consideram um regime político “mole”, sem “espinha dorsal”. Não aceitam que quem pense de maneira diferente da nossa não seja um inimigo a abater.  No passado dia 1 a Eslovénia sucedeu a Portugal na presidência semestral da UE....
Uma das coisas que mais me intriga e cansa no jornalismo que se faz atualmente em Portugal é a ausência de sentido crítico, a incapacidade de arriscar e de fazer diferente. Estão todos a correr para dar as mesmas notícias e fazer as mesmas perguntas. E, quando conseguem o objetivo, ficam com a sensação de dever cumprido.Vem isto a propósito da não notícia que ocupa lugar diário nos títulos da imprensa, dos...
Venham mais 40!...
Carlos Barbosa
No Brasil, começou esta aventura, com o Dinis de Abreu!! Foi há 40 anos, estava ele no Diário de Noticias e eu no Correio Manhã, quando resolvemos, com mais uma bela equipa de jornalistas, fundar o Clube Português de Imprensa. Completamente independente e sem qualquer cor politica, o Clube cedo se desenvolveu com reuniões ,almoços, palestras, etc. Tivemos o privilégio de ter os maiores nomes da sociedade civil e política portuguesa...
A perda da memória é um dos problemas do nosso jornalismo. E os 40 anos do Clube Português de Imprensa (CPI) reforçam essa ideia quando revejo a lista dos fundadores e encontro os nomes de Norberto Lopes e Raul Rego, dois daqueles a quem chamávamos mestres, à cabeça de uma lista de grandes carreiras na profissão. São os percursores de uma plêiade de figuras que enriqueceram a profissão, muitas deles premiados pelo Clube...
Agenda
01
Nov
The African Investigative Journalism Conference
10:00 @ Joanesburgo, África do Sul
02
Nov
Global Investigative Journalism Conference
10:00 @ Evento "Online" da GIJN
18
Nov
22
Nov
28
Nov
LinkedIn para Jornalistas
10:00 @ Cenjor