Sexta-feira, 21 de Fevereiro, 2020
Media

O papel e o digital podem unir-se com vantagem do leitor

Citando a frase famosa atribuída a Mark Twain, os boatos sobre a morte dos jornais em papel foram muito exagerados. É verdade que as publicações digitais cresceram muitíssimo nos últimos anos, mas 58% dos assinantes ainda se descrevem como sendo em primeiro lugar leitores do impresso, e 60% a 80% das receitas dos media ainda vêm das edições impressas. Também é certo que os assinantes print-first são mais velhos, mas isso não significa que entre os mais jovens não haja quem esteja disposto a pagar pelo impresso.

A reflexão é de Ana Lobb, da plataforma MPP Global, que acrescenta: "Os editores estão, de modo inteligente, a assumir uma abordagem centrada nos utentes, para conquistarem novos assinantes e aprofundarem a sua relação com os que existem. Muitos tiram proveito dos dados que já têm e descobrem que não têm de escolher entre o impresso e o digital."

A solução pode passar por uma combinação dos meios: "Se um assinante quer uma assinatura digital do seu diário, mas ainda gosta do jornal em papel aos domingos, isso é fácil de tratar."

Segundo a autora do texto que citamos, “a importância do impresso não devia ser subestimada ou negligenciada”: 

“O perfil dos assinantes varia muitíssimo, mesmo na mesma publicação, e todos procuram experiências diferentes, na base daquilo que são, onde estão e que aparelhos usam ao longo do dia. Com mais informação do que alguma vez tiveram a respeito das audiências, e do modo como são consumidores dos media, os editores deviam considerar todas as opções para manterem os seus assinantes envolvidos com ofertas personalizadas.” (...) 

“Não é surpresa que os assinantes print-first e os que preferem o digital têm modos diferentes de se relacionarem com os conteúdos, e têm diferentes expectativas. Muitos dos primeiros são mais velhos e, de modo geral, fizeram assinatura para vários anos. Mas estes também se envolvem no digital, e até partilham conteúdos mais vezes do que os assinantes do digital.”

“Dito isto, os do digital-first ainda têm interesse no impresso. É por este motivo que vários editores digitais introduziram, nos últimos anos, revistas impressas, e alguns editores recentes introduziram novas publicações print-first, em pequenas quantidades. Até o Facebook lançou uma revista impressa intitulada Grow.” (...) 

A autora recorda alguns exemplos recentes de sucesso, ligados a grandes títulos bem conhecidos:  a assinatura de uma publicação impressa para crianças, por The New York Times; a síntese semanal, impressa, em The Guardian, pensada para poupar a sobrecarga do papel diário, mantendo “a satisfação e facilidade da leitura de um jornal em papel”; ou a mistura do Financial Times, que junta a oferta do impresso e do digital por um preço baixo. 

E outros editores propõem outras misturas, em que os assinantes podem escolher os vídeos, podcasts e conteúdos especiais, por exemplo de desporto ou de artes, para criarem a assinatura que lhes convém. 

A editora Amedia, na Noruega, é o exemplo de quem compreendeu a importância do impresso para a sua audiência de leitores locais:

“Nós fizémos uma proposta de valor: se quer o jornal entregue à sua porta todas as manhãs, pode tê-lo. Se não quiser, não é obrigado. Cada assinante do impresso é também do digital, portanto adquire esse valor e tem acesso a todos os canais digitais que usamos, porque simplificámos radicalmente a avaliação de custo dos nossos produtos e os preços que oferecemos.” (...)

 

O artigo aqui citado, na íntegra na FIPPInternational Federation of the Periodical Press

Connosco
Literacia mediática como ferramenta contra desinformação Ver galeria

Para além da infecção provocada pelo novo coronavírus, identificado na China, estamos, agora, a assistir à disseminação indiscriminada de notícias falsas sobre o tema, conforme refere Ricardo Torres, num artigo publicado na revista “objETHOS”.

De acordo com Torres, o volume e a nocividade das informações propagadas através dos “media” digitais, são o reflexo de formatos comunicacionais imersos num “ecossistema” que favorece a desinformação.

Em temas sensíveis, como a saúde, os riscos da disseminação maciça de informações falsas são ampliados e podem, mesmo, conduzir ao caos social e a um estado de pânico generalizado. 

A OMS tem tentado evitar situações de pânico e insegurança, fortalecendo a posição científica, desmistificando rumores e esclarecendo dúvidas. No entanto, o cenário difuso e hiperbólico, fortalecido pelo sensacionalismo, torna a missão informativa confusa e complexa.

A era digital veio complicar a narrativa jornalística Ver galeria

A era digital e a revolução tecnológica vieram alterar o panorama do jornalismo. Se, anteriormente, os jornalistas apenas tinham de  preocupar-se com o conteúdo produzido na redacção onde trabalhavam, hoje, terão de manter-se competitivos com outras plataformas, e escrever com base nos artigos de outros jornais.

Muitos jornalistas, da chamada “velha guarda”, ainda não  conseguiram adaptar-se à nova realidade, e continuam a depender de uma cultura profissional baseada num jornalismo linear e sequencial, o que impede, por vezes, a tão desejada diversidade dos formatos de apresentação informativa.

O jornalista Carlos Castilho, especializado em “media” digitais, escreveu um artigo para o “Observatório da Imprensa”, no qual reflecte sobre a urgência de adaptação aos novos modelos. 

O Clube


Três jornais açorianos celebram este ano aniversários redondos. O Diário dos Açores completa século e meio de existência , o que é marcante. O Jornal dos Açores perfaz cem anos, outra vitória sobre o tempo. E o Açoriano Oriental , chega aos 185 anos , uma longevidade qualificada , que o coloca entre os diários mais antigos em publicação. A todos o Clube Português de Imprensa felicita , pela resistência e pelo mérito , numa época em que floresce a falta de memória nas redações. E associa-se neste site às respectivas efemérides.
Houve tempo em que os jornais se felicitavam com júbilo, e parabenizavam os concorrentes aniversariantes. Tempos idos. Agora , ignoram-se como se houvesse um deserto à volta de cada um.
Ser diário centenário num arquipélago de pouca gente, de onde tantos emigraram, e sobreviver em confronto com a agressividade da Internet e dos audiovisuais , é proeza de vulto.
São uma lição que merece relevo, cheia de ensinamentos para outros que desistiram antes de tempo.

ver mais >
Opinião
Neste primeiro semestre, três jornais açorianos comemoram uma longevidade assinalável. Conforme se regista noutros espaços deste site, o Diário dos Açores acabou de completar século e meio de existência;  em Abril, será a vez do Açoriano Oriental,  o mais antigo, soprar 185 velas; e, finalmente em Maio, o Correio dos Açores alcança o seu primeiro centenário. Em tempo de crise na Imprensa,...
O volume de investimento publicitário na imprensa tem estado em queda, mas vários estudos indicam que os leitores de jornais e revistas continuam a ser influenciados pela publicidade que encontram nas páginas das publicações que consomem regularmente. Por outro lado a análise dos dados do mais recente estudo Bareme Impresa, da Marktest, revela que os indivíduos da classe alta têm níveis de audiência de imprensa 40% acima dos...
Graves ameaças à BBC News
Francisco Sarsfield Cabral
A BBC é, provavelmente, a referência mundial mais importante do jornalismo. Foi uma rádio muito ouvida em Portugal no tempo da ditadura, para conhecer notícias que a censura não deixava publicar. E mesmo depois do 25 de Abril, durante o chamado PREC (processo revolucionário em curso) também o recurso à BBC News por vezes dava jeito para obter uma informação não distorcida por ideologias políticas.Ora a BBC News...