Quarta-feira, 17 de Julho, 2019
Opinião

Vamos pagar jornais que ninguém quer ler?

por Rui Ramos

Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa?

Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave: uma grande parte da comunicação social portuguesa é cada vez menos vista, ouvida ou lida. Por isso, quando o Presidente da República, esta semana, sugeriu que talvez o Estado pudesse “intervir” para ajudar a imprensa, deveria talvez ter sido mais preciso sobre o modo como essa ajuda se deve fazer:

porque, por exemplo, pôr os contribuintes a pagar a comunicação social através da Autoridade Tributária não é a mesma coisa que tornar essa comunicação social mais relevante. Pode até ter o efeito contrário.

O Presidente da República sabe isso, como aliás deu a entender ao mencionar a memória dos mais “velhinhos”. Mas não é preciso ser muito “velhinho”. Há trinta anos, quem acendesse a televisão, só via a televisão do Estado, quem ligasse a rádio, quase só ouvia antenas do Estado, e quem passasse pelo quiosque, tinha sobretudo títulos do Estado para ler. A experiência da “comunicação social estatizada”, depois de 1974, foi um dos maiores dramas da história da imprensa portuguesa. Durante anos, os governos mudaram directores, escolheram jornalistas, decidiram subsídios. O resultado foi, no caso da imprensa escrita, o descrédito e a morte de alguns dos mais importantes jornais portugueses. O Século, por exemplo, que passara por muitos regimes e muitas crises sempre como o maior diário nacional, desapareceu, sem audiência, à mercê de uma direcção-geral qualquer. Na comunicação social, o Estado mata tudo o que ama.

Porquê? Em primeiro lugar, porque há, na ideia de uma imprensa estatizada ou ajudada pelo Estado, uma contradição que não há noutros casos. A comunicação social, para ser relevante, precisa de independência. Mas nunca parecerá independente, por mais voltas que dê, se depender precisamente da entidade que, em qualquer sociedade, mais se queixa da imprensa: o governo.

Perguntarão: não seria possível criar mecanismos para impedir a interferência directa dos ministros nos órgãos de comunicação sob assistência? Talvez, mas o problema é que haveria sempre a “ajuda” em si (fosse qual fosse a sua modalidade), que os governos poderiam racionar, redistribuir ou ameaçar extinguir como forma de pressão. Uma imprensa forçada a passar constantemente debaixo das forcas caudinas nunca estaria à vontade.

Mas mesmo que por milagre resolvêssemos essa dificuldade, restava ainda outra. Na imprensa portuguesa, como na imprensa de outras partes do mundo, há dificuldades, mas há também sucessos. O que quer dizer que é possível viabilizar televisões, rádios ou jornais. Durante algum tempo, julgou-se que a questão era tecnológica, e que bastaria migrar para a internet. Não basta. É preciso desenvolver novas relações com clientes e com leitores, que levem uns e outros a identificar-se com as marcas e a contribuir para a sua viabilidade. Foi, por exemplo, o que o Guardian conseguiu. É verdade que não há certezas a esse respeito. Mas há uma maneira infalível de garantir que a imprensa nunca descobrirá o que fazer: é passar a ser financiada ou protegida pelo Estado, retirando-lhe motivos para mudar e melhorar. Empresas de comunicação social encostadas ao poder não seriam só pouco inovadoras, mas tenderiam a limitar em geral a inovação no sector, ao atulhar o mercado e retirar espaço a novos concorrentes. Televisões que ninguém vê, rádios que ninguém ouve, jornais que ninguém lê, mas todos pagos pelo Estado: expliquem-me como é que isso salvaria a democracia.

 

(Publicado originalmente no jornal electrónico “Observador”)

Connosco
Confirma-se que as más notícias são as que correm mais depressa Ver galeria

Todos ouvimos alguma vez dizer, no início da profissão, que a aterragem segura de mil aviões não é notícia, mas o despenhamento de um só já passa a ser.
A classificação do que é “noticiável” teve sempre alguma preferência por esse lado negativo: “a guerra mais do que a paz, os crimes mais do que a segurança, o conflito mais do que o acordo”.

“Sabemos hoje que nem sempre a audiência segue estas escolhas; muitos encaram os noticiários como pouco mais do que uma fonte de irritação, impotência, ansiedade, stress  e um geral negativismo.”

Sabemos também que cresce a percentagem dos que já se recusam a “consumir” a informação jornalística dominante por terem esta mesma sensação.  

A reflexão inicial é de Joshua Benton, fundador e director do Nieman Journalism Lab, na Universidade de Harvard.

As questões “que incomodam” no Festival Internacional de Jornalismo Ver galeria

Jornalistas e gilets jaunes  tiveram, em Couthures, o seu frente-a-frente de revisão da matéria dada. Terminado o quarto Festival Internacional de Jornalismo, o jornal  Le Monde, seu organizador, conta agora, numa série de reportagens, o que se passou neste evento de Verão nas margens do rio Garonne  - e um dos pontos altos foi uma espécie de “Prós e Contras”, incluindo a sua grande-repórter Florence Aubenas, que encontrou a agressividade das ruas em Dezembro de 2018, mais Céline Pigalle, que chefia a redacção do canal BFM-TV, especialmente detestado pelos manifestantes, e do outro lado seis representantes assumidos do movimento, da região de Marmande.

O debate foi vivo, e a confrontação verbal, por vezes, agressiva. Houve também um esforço de esclarecimento e momentos de auto-crítica.  Depois do “julgamento” final, uma encenação com acusadores (o público), réus (os jornalistas), alguns reconhecendo-se culpados com “circunstâncias atenuantes”, outros assumindo o risco de “prisão perpétua”, a conclusão de uma participante:

“Ficam muito bem as boas decisões durante o Festival. Só que vocês vão esquecer durante onze meses, e voltam iguais para o ano que vem. Mas eu volto também e fico agradecida.”

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Agenda
01
Ago
Composição Fotográfica
09:00 @ Cenjor,Lisboa
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
16
Set