Terça-feira, 26 de Outubro, 2021
Jantares-debate

Decálogo de Eduardo Marçal Grilo: "Os extremismos estão a tomar conta da Europa"

Falando sobre “os grandes desafios” que temos de enfrentar na próxima década, Eduardo Marçal Grilo advertiu que “os extremismos estão a tomar conta da Europa”:

“Julgo que é mais importante, para o futuro da Europa, a médio-longo prazo, o que se vai passar nas eleições de Maio do que nas de Outubro. Ou seja, são mais importantes as eleições europeias, a nível europeu, do que as legislativas aqui em Portugal.”

A reflexão de Marçal Grilo foi proferida no contexto do jantar-debate de 22 de Novembro, que inaugura o novo ciclo sob o título “Portugal: que País vai a votos?”  -  organizado pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário.

O orador, socorrendo-se de um decálogo de temas, sublinhou o risco “dos extremismos e do apagamento dos partidos moderados e reformistas”, acrescentando que “os extremismos trouxeram sempre às sociedades onde se implantaram problemas acrescidos, de confronto e de violência. E sobretudo transformando a política numa coisa que hoje se nota muito: é que já praticamente não há adversários: há inimigos.”

O nosso convidado introduziu a sua palestra afirmando que, “como português e como europeu, e olhando para os grandes desafios e as grandes questões que se nos colocam, eu antevejo que é na Europa, e no projecto da construção de uma Europa unida, que devem residir as nossas maiores esperanças, mas também as nossas maiores preocupações”.

 

Marçal Grilo identificou então uma sequência de “dez grandes desafios para a próxima década”, que apresentou pela seguinte ordem:

Procura da paz. “Este é um desafio a que todos temos de prestar enorme atenção e prioridade. A Europa vive há mais de 70 anos num clima de paz, mas não nos devemos esquecer que os Balcãs não tiveram essa paz, teve sobretudo o centro da Europa. (...) O mundo precisa seguramente de uma reforma das Nações Unidas, precisa que os Estados Unidos se clarifiquem, que esta América Trump, ou America First, se defina melhor, ou que nós a consigamos compreender um pouco melhor  - se é que o Presidente Trump é compreensível...  E a ideia que eu tenho é que, na procura da paz, a Europa tem que ser um conjunto coerente.”
“A Europa vai perdendo peso, quer do ponto de vista demográfico, quer da sua relevância económica, mas   perderá muito mais se a Europa se desunir, ou pior ainda, se desintegrar aquilo que se chama a União Europeia.” (...) 


O segundo desafio é o das migrações, que “são hoje uma constante, dividem os povos mais desfavorecidos deste mundo próspero em que nós vivemos, com duas grandes fronteiras, a do Mediterrâneo e a do México. E esta matéria tem sido um dos factores de maior desintegração em termos europeus. Nós portugueses, com esta enorme capacidade de acolhimento, que temos tido (mas também favorecidos pela situação geográfica), temos de continuar a perceber duas coisas”:

“Que não é possível resolver, nem enfrentar o problema das migrações, de todos aqueles que nos procuram, sem que haja uma estratégia comum, o que reforça a ideia de uma Europa unida e organizada. O segundo é o de que também não é possível combater as migrações (...) se não desenvolvermos as sociedades africanas. A Europa tem que ter uma contribuição significativa para o desenvolvimento dos países e das sociedades africanas, e só fazendo crescer estas economias nós podemos, em certa medida, travar este fluxo migratório que vem para a costa europeia do Mediterrâneo.”

O terceiro é o da digitalização das economias e da vida das sociedades modernas. Sobre este tema, Marçal Grilo chamou a atenção para o facto de que a chamada “sociedade 4.0” levanta problemas sérios sobre “a formação de uma mão-de-obra qualificada e preparada para enfrentar os novos desafios, os apoios a todos os que se vêem numa situação de desemprego forçado, o diálogo entre governo, empresas e sindicatos como forma de ir ao encontro de soluções para esta forma de mudança estrutural e, finalmente, a adopção de políticas sociais que protejam os mais desfavorecidos e excluídos”. (...) Lembrou ainda que “Portugal tem um tecido económico muito frágil, em que 97% ou 98% é constituído por micro, pequenas e médias empresas”, e que há “um aspecto que os últimos indicadores revelam: é que as novas empresas estão a provocar uma maior desigualdade na sociedade”:

“As novas tecnologias e empresas, as start-ups, não tanto as empresas clássicas quando adoptam as novas tecnologias, mas as iniciativas mais modernas, sobretudo nas tecnologias mais avançadas, estão a provocar um aumento da desigualdade, sobretudo salarial.”

Seguidamente apelou à defesa dos “valores que caracterizam as sociedades ocidentais, designadamente nos países europeus e nos Estados Unidos”: a democracia, a liberdade de associação, os direitos e liberdades individuais, a solidariedade, o respeito pelos outros, a convivência entre raças, culturas e religiões e a tolerância.

Marçal Grilo sublinhou que “a defesa destes valores não passa apenas pela sua prática no dia a dia, mas sobretudo por uma educação para os valores”, propondo que esta tivesse em conta uma formação em três pilares: “os conhecimentos clássicos, as línguas, a matemática, a História, a filosofia, as artes, a música, tudo o que tem a ver com o conhecimento; o segundo pilar, que tem a ver com os comportamentos  - a responsabilidade, a autonomia, o pensamento independente, a capacidade de liderar, o trabalho em grupo; e finalmente os valores, os que identifiquei há pouco, mas sobretudo o do respeito entre todos, o sentido ético, que se perdeu completamente”…

“Se há factor que influenciou a crise, depois de 2007, 2008, foi a falta de sentido ético de todos aqueles que produziram aquelas centenas de milhares de produtos que foram lançados pelo mundo, e que lançaram o mundo naquela confusão imensa.” (...)  O orador concluiu este ponto com um apelo à defesa e promoção da língua e da literatura portuguesa no mundo.


O quinto desafio é o dos perigos que se manifestam nas democracias representativas. “O que aconteceu com a Cambridge Analytica, quer no que respeita ao Brexit quer à eleição do Presidente Trump, mostra duas coisas: que a democracia representativa é hoje manipulada  - é possível manipulá-la de tal forma que nós conseguimos, através dos hackers, dos ciber-ataques, pela utilização do Big Data, das redes sociais, etc.  - somos capazes de pôr os eleitores a votar, pensando que estão a votar naquilo que os defende. E isto é apenas um pequeno e inicial exemplo do que poderá acontecer em sistemas eleitorais futuros.”

Marçal Grilo deixou uma interrogação sobre “para onde vai a democracia representativa” e “como podemos aperfeiçoar os nossos regimes democráticos, para garantir a representatividade dos diversos sectores de opinião”.

Sobre os extremismos e “o apagamento dos partidos moderados e reformistas”, o orador fez uma breve descrição do surgimento dos movimentos nacionalistas e independentistas por toda a Europa, nas últimas décadas, sublinhando:

“Portugal é uma espécie de excepção. Nós mantemos aqui uma configuração partidária com uma enorme estabilidade. Se olharmos para as eleições de 1975, e substituirmos a CDE pelo Bloco de Esquerda, temos praticamente o mesmo panorama. Até quando? Veremos.” (...) 

O desafio das alterações climáticas. Sobre esta matéria, o nosso convidado afirmou que “estamos a introduzir um dano tal no nosso planeta”, com todas as formas de poluição conhecidas, que, também neste ponto, “só uma Europa unida será capaz de cumprir os Acordos de Paris; ninguém terá capacidade, por si só, de lutar contra esta degradação do ambiente a que estamos a assistir por todo o mundo”. (...)

 
Marçal Grilo falou, a seguir, das fontes energéticas, sobre a necessária transição das energias fósseis para as renováveis:

“O carvão está a perder peso, o gás natural e o petróleo manterão durante alguns anos uma tendência ainda de crescimento, mas é a utilização das energias renováveis, eólica, a solar, a biomassa, que têm vindo a ganhar peso na produção e consumo de energia. Mas estamos ainda muito longe de atingir um patamar que permita conjugar o desenvolvimento crescente económico, e o bem-estar das populações, com o enquadramento ambiental que assegure a qualidade do ar, dos oceanos, dos lagos e dos rios, que seja garante do equilíbrio do planeta em que vivemos.”

O combate ao terrorismo. O orador comparou os tipos de terrorismo a que assistimos nas últimas décadas, desde os que representavam  “uma espécie de luta pela independência (o IRA e a ETA), depois movimentos como Baader-Meinhof e Brigadas Vermelhas, de acção armada contra o sistema capitalista”, até ao actual terorismo islâmico, que “é diferente porque funciona não racionalmente, é descentralizado, opera por grupos espalhados praticamente por todo o mundo”.

E assenta em três factores: no jogo da imagem, (o que importa é o que a TV mostra, e as redes sociais), no medo, e na procura da alteração dos comportamentos:

“Eles querem dizer: nós somos capazes de vos fazer viver de uma forma diferente.”

Sobre este ponto, Marçal Grilo chamou a atenção para “as muitas fragilidades da Europa” nesta matéria, sobretudo com o Brexit  - referindo-se à qualidade dos sistemas de informação britânicos, que o resto da Europa não terá ao mesmo nível.

A concluir, Marçal Grilo falou da necessária “concepção de um novo modelo para o projecto de construção de uma Europa Unida”, citando Helmut Kohl, que em 1991 disse que “a união monetária sem unidade política será a longo prazo insustentável”:

“Eu não sei se isto é verdade hoje… A ideia que tenho é de que nós teremos que repensar o modelo de integração europeia. A próxima década vai trazer uma grande imprevisibildade  -  se há coisa que se possa prever é a imprevisibilidade, mas a Europa tem que se estruturar e tem que se consolidar como um projecto para que nós sejamos capazes de enfrentar todos estes desafios.”   

“Tudo isto passa por uma Europa muito mais articulada, e muito menos uma Europa em que a única coisa que importa são os fundos…Os países que vieram do que impropriamente se chamava a Europa de Leste, e mesmo ainda aqui em Portugal, o que importa são os fundos.”  (...)

 

Connosco
Jornal finlandês troca "cadeados" por "diamantes" para atrair assinantes Ver galeria

Com a era digital, vários jornais passaram a apostar nos conteúdos “online”, recorrendo às “paywalls” para obter receitas.

Este novo modelo de negócio foi introduzido um pouco por toda a Europa, incluindo na Finlândia, onde o jornal “Helsingin Sanomat” conta com a subscrição de 48% de todos os assinantes de produtos noticiosos do país.

Conforme apontou Hanaa Tameez num artigo publicado no “Nieman Lab”, o "Helsingin Sanomat” foi fundado em 1889, quando a Finlândia ainda integrava o Império Russo. Agora, este jornal é detido pelo Grupo Sanoma, que controla 40 outras marcas mediáticas naquele país.

Em 2016, continuou Tameez, os editores do “Helsingin Sanomat” chegaram à conclusão de que a “paywall” não estava a obter os resultados esperados.

Por isso mesmo, os responsáveis por aquela publicação começaram a analisar o tipo de conteúdos que deveriam ser exclusivos para subscritores e, em vez de os assinalarem com um “cadeado”, passaram a identificá-los através de um “diamante”.

“O símbolo do cadeado passou a ser reconhecido mundialmente enquanto um identificador da ‘Paywall’”, disse o editor-executivo, Kaius Niemi, em entrevista para o “Nieman Lab”. “Sentimos, contudo, que o cadeado não simboliza valor acrescentado no jornalismo, ou ‘storytelling’ avançado. Por outro lado, acaba por ter uma conotação negativa, já que fecha a porta a um potencial subscritor. Os diamantes, por sua vez, ilustram o trabalho árduo dedicado a cada história”.

Graças a estas iniciativas, a equipa editorial daquele jornal finlandês percebeu que estava a apostar em temáticas que não chamavam a atenção dos leitores, e decidiram investir em artigos sobre sociedade, cultura e “lifestyle”.

Relatório aponta prioridade para o jornalismo isento e objectivo Ver galeria

As audiências valorizam a imparcialidade no jornalismo, e justificam a convicção de que os artigos noticiosos e as colunas de opinião devem ser, claramente, distinguidas, aponta o estudo The Relevance Of Impartial News In A Polarised World, encomendado pela Universidade de Oxford.

De acordo com este relatório -- que contou com 52 participantes, provenientes da Alemanha, do Brasil, dos Estados Unidos e do Reino Unido -- a informação objectiva e a contextualização devem estar no centro de qualquer formato noticioso.

Neste sentido, os participantes do estudo alertaram para o facto de as peças noticiosas e as colunas de opinião não serem facilmente identificáveis em formatos “online”, ao contrário do que acontece nas publicações em formato de papel.

“As audiências valorizam a opinião como um suplemento dos factos, mas, na sua generalidade, querem que a informação objectiva seja estabelecida em primeiro lugar. O público preocupa-se, também, com a mistura destes dois formatos”.

Os jornais assumem-se, assim, como a fonte noticiosa mais fiável, embora alguns leitores mais jovens considerem que estas publicações transmitem “ideais conservadores”, com os quais não se identificam.

Por outro lado, os participantes afirmam que as redes sociais não são boas fontes noticiosas, já que os seus algoritmos dão prioridade aos artigos de opinião, sem que estes estejam identificados como tal.

“Nas redes sociais, torna-se difícil distinguir entre notícias e a opinião, devido à falta de pistas. Algumas pessoas consideram que isto é um problema”, indica o relatório. “Alguns temem que o conteúdo de opinião esteja a contaminar as notícias. Outros assumem, simplesmente, que a opinião é uma característica inerente a estas plataformas”.

O Clube


Conhecidas as propostas do governo para o Orçamento de Estado, verifica-se que o sector dos media continua a ser o “parente pobre”, sem atrair medidas de reanimação capazes de corrigirem e de equilibrarem o plano inclinado em que se encontra a maioria das empresas jornalísticas, já periclitantes antes de serem fortemente flageladas pela pandemia.
O Sindicato dos Jornalistas lamenta-o e estranha que o OE ignore “completamente as dificuldades da comunicação social”. As associações do sector, como é o caso do CPI, certamente não menos.
O documento é omisso em medidas de apoio, que possam contribuir para inverter o declínio das vendas de jornais e revistas, sem pôr em causa a independência das publicações.
O bom jornalismo não precisa de ser subsidiado, mas implica redacções ágeis e com capacidade de resposta, que não dependam das redes sociais para medirem a realidade.
Com as contas no “vermelho”, as empresas editoriais não dispõem , contudo, de meios nem de condições propícias ao investimento, por exemplo, na reportagem de investigação.
Os jornalistas saem cada vez menos e a pandemia, com o teletrabalho, mais acentuou esse défice de contacto com o exterior.
É impossível não concordar com o SJ quando este defende várias medidas, como a criação de um voucher de 20 euros por agregado familiar para assinaturas ou compra de jornais e revistas, o desconto do IVA de produtos de media no IRS e a oferta de jornais ou de uma assinatura digital a todos os jovens que completem 18 anos.
Salva-se apenas a digitalização, a única que tem verbas disponíveis no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). É importante. Mas não é exclusivamente por aí que se salvam os media em sérias dificuldades, que lutam pela sobrevivência. E que são um pilar da democracia. Eis um debate urgente ao qual nos associamos.


ver mais >
Opinião
O jornalismo está de parabéns. O Nobel da Paz atribuído a dois jornalistas, Maria Ressa e Dmitry Muratov, uma filipina e um russo, premiou uma incansável e corajosa luta pela liberdade de expressão nos seus países, com risco da própria vida. São um exemplo. Foi necessário passar quase um século para um Nobel da Paz caber novamente a jornalistas, que pugnam pela sobrevivência do jornalismo sério e independente,...
O que une radicais de direita e de esquerda
Francisco Sarsfield Cabral
Contra o que frequentemente se julga, um radical de direita não está a uma distância de 180 graus de um radical de esquerda. Ambos partilham um desprezo pela democracia liberal, que consideram um regime político “mole”, sem “espinha dorsal”. Não aceitam que quem pense de maneira diferente da nossa não seja um inimigo a abater.  No passado dia 1 a Eslovénia sucedeu a Portugal na presidência semestral da UE....
Uma das coisas que mais me intriga e cansa no jornalismo que se faz atualmente em Portugal é a ausência de sentido crítico, a incapacidade de arriscar e de fazer diferente. Estão todos a correr para dar as mesmas notícias e fazer as mesmas perguntas. E, quando conseguem o objetivo, ficam com a sensação de dever cumprido.Vem isto a propósito da não notícia que ocupa lugar diário nos títulos da imprensa, dos...
Venham mais 40!...
Carlos Barbosa
No Brasil, começou esta aventura, com o Dinis de Abreu!! Foi há 40 anos, estava ele no Diário de Noticias e eu no Correio Manhã, quando resolvemos, com mais uma bela equipa de jornalistas, fundar o Clube Português de Imprensa. Completamente independente e sem qualquer cor politica, o Clube cedo se desenvolveu com reuniões ,almoços, palestras, etc. Tivemos o privilégio de ter os maiores nomes da sociedade civil e política portuguesa...
A perda da memória é um dos problemas do nosso jornalismo. E os 40 anos do Clube Português de Imprensa (CPI) reforçam essa ideia quando revejo a lista dos fundadores e encontro os nomes de Norberto Lopes e Raul Rego, dois daqueles a quem chamávamos mestres, à cabeça de uma lista de grandes carreiras na profissão. São os percursores de uma plêiade de figuras que enriqueceram a profissão, muitas deles premiados pelo Clube...
Agenda
01
Nov
The African Investigative Journalism Conference
10:00 @ Joanesburgo, África do Sul
02
Nov
Global Investigative Journalism Conference
10:00 @ Evento "Online" da GIJN
18
Nov
22
Nov
28
Nov
LinkedIn para Jornalistas
10:00 @ Cenjor