Sexta-feira, 22 de Fevereiro, 2019
Estudo

Reportagem sobre ambiente é missão arriscada para o jornalista

Fazer a cobertura das questões relacionadas com o ambiente é das coisas mais arriscadas em jornalismo. Segundo uma estimativa, foram mortos 40 repórteres em todo o mundo, entre 2005 e 2013, por este motivo  - mais dos que morreram cobrindo a guerra no Afeganistão.

Estas questões têm a ver, frequentemente, com interesses de negócios, conflitos políticos, actividades criminosas, corrupção ou insurreições contra governos. Há depois ambiguidades na distinção que se faz, em muitos países, entre “jornalistas” e “activistas”, bem como lutas a respeito dos direitos de povos indígenas à terra e aos seus recursos.

Tanto em países ricos como em fase de desenvolvimento, os jornalistas que trabalham sobre estes temas encontram-se entre fogo cruzado. Muitos sobrevivem, mas muitas vezes com traumas severos, que têm profundas consequências nas suas carreiras. É facto assente que estes repórteres têm um risco acrescido de morte, prisão, ataque, ameaças, exílio, processos judiciais ou perseguição. Esta reflexão é de Eric Freedman, docente no Knight Center for Environmental Journalism, na Universidade do Michigan, autor de um estudo recente sobre esta matéria.

Um exemplo extremo é o de Rodney Smith, um jornalista independente da Libéria, que revelou, em 2013, o envolvimento de um antigo ministro da Agricultura do seu país num esquema de corrupção que implicava utilização indevida de fundos destinados ao combate a uma infecção denominada dracunculíase (doença do verme-da-Guiné). 

Sieh acabou condenado a cinco mil anos de prisão e uma multa de 1,6 milhões de dólares por difamação. Passou três meses na pior prisão da Libéria antes de um movimento internacional de protesto ter convencido o governo a libertá-lo. 

No mesmo ano, o repórter canadiano Miles Howe foi enviado para New Brunswick, fazer a reportagem dos protestos do povo Elsipogtog contra uma exploração de gás natural pelo processo de “fractura hidráulica”: 

“Muitas vezes, eu era o único jornalista credenciado a testemunhar detenções muito violentas, incluindo de mulheres grávidas no seu terceiro trimestre e de homens atirados ao solo.” Ele próprio foi preso por diversas vezes e, durante uma manifestação, um dos guardas da Polícia Montada apontou para ele e gritou: “Esse está com eles!” 

O equipamento que tinha foi-lhe apreendido, a casa foi revistada, e finalmente propuseram-lhe um esquema de pagamento a troco de dar informação sobre “acontecimentos” futuros  - por outras palavras, tornar-se espião dos manifestantes. (...) 

Os profissionais que vivem experiências dete tipo ficam sujeitos a sofrer de stress pós-traumático, mas muitas vezes são relutantes a tratar-se. Eric Freedman cita Gowri Ananthan, do Instituto de Saúde Mental do Sri Lanka, que chama ao jornalismo “uma profissão em negação”, mesmo quando algumas vítimas reconhecem o preço que tiveram de pagar. 

Por exemplo, Howe teve problemas psicológicos graves depois das suas detenções. “O que é que isso me fez? Fez-me furioso, zangado”  - conta ele. Howe não procurou terapia até depois de ter deixado o jornalismo, mais de dois anos mais tarde, mas, em retrospectiva, lamenta não o ter feito em devido tempo. 

Outros afirmam que as suas experiências os tornaram mais empenhados nas suas missões como jornalistas. Sieh conta que a sua passagem pela prisão “elevou o nosso trabalho a um nível internacional que eu nunca teria alcançado se não tivesse sido preso; tornou-nos mais fortes, maiores e melhores”. 

Na América do Sul, os jornalistas nativos e os “etno-comunicadores” desempenham um papel cada vez mais importante na revelação de uma vasta exploração dos recursos naturais, florestas e terra. 

E apesar dos códigos profissionais apelarem a uma cobertura equilibrada e imparcial, alguns repórteres sentem-se impelidos a tomar partido nestas histórias: 

“Vimos isso claramente em Standing Rock”  - diz Tristan Ahtone, membro da direcção da Native American Journalists Association, a repeito dos protestos que se deram, a partir de Abril de 2016, na reserva de Standing Rock, no Dakota do Norte, contra o pipeline ali em construção. (...) 

“A poluição e o estrago dos recursos naturais afectam toda a gente, especialmente os membros mais pobres e vulneráveis da sociedade. O facto de os jornalistas que fazem a sua cobertura serem, também eles, vulneráveis, é profundamente preocupante. E os seus agressores agem frequentemente com impunidade.” 

“Por exemplo, não houve qualquer condenação pelo assasínio, em 2017, da jornalista colombiana de rádio Efigenia Vásquz Astudillo, que foi baleada quando fazia reportagem sobre um movimento indígena que pedia a devolução das suas terras ancestrais, transformadas em quintas, estâncias de turismo e plantações de açúcar. Como observa uma declaração do Committee to Protect Journalists, ‘O assassínio é a derradeira forma de censura’.”

 

O artigo aqui citado, na íntegra, no NiemanLab;  e o estudo realizado pelo seu autor, Eric Freedman

Connosco
Eslováquia recorda jornalista morto há um ano Ver galeria
“Esperamos respostas tão breve quanto possível, porque ainda há muitas questões”  - afirmou.
Prémios do World Press Photo 2019 já têm candidatos escolhidos... Ver galeria

Um fotojornalista português, Mário Cruz, da Agência Lusa, figura entre os nomeados para o World Press Photo 2019, o mais prestigiado prémio de fotojornalismo do mundo, cuja identidade e trabalhos a concurso foram agora conhecidos. A Fundação organizadora introduziu também uma nova categoria a ser premiada, a História do Ano, destinada a “fotógrafos cuja criatividade e habilidades visuais produziram uma história com excelente edição e sequenciamento, que captura ou representa um evento ou assunto de grande importância jornalística”.

A imagem de Mário Cruz, intitulada “Viver entre o que foi deixado para trás”, mostra uma criança recolhendo material reciclável, deitada num colchão cercado por lixo, enquanto flutua no rio Pasig, em Manila, nas Filipinas.

Os vencedores do concurso serão conhecidos na cerimónia marcada para 11 de Abril, em Amesterdão, na Holanda.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Adoro imprensa…
Manuel Falcão
Sou um apaixonado leitor de imprensa, quer de jornais quer de revistas, e gosto de seguir o que se publica. A edição mais recente da revista Time tem por título de capa "The Art Of Optimism" e apresenta 34 pessoas que são relevantes e inspiracionais, na sociedade norte-americana, mostrando o que estão a fazer. A edição é cuidada e permite-nos ter de forma sintética um retrato daquilo que tantas vezes passa despercebido. O...
Os actuais detentores da Global Media, proprietária do Diário de Noticias e do Jornal de Noticias, além da TSF e de outros títulos, parecem estar a especializar-se como uma espécie  de “comissão  liquidatária” da empresa. Depois de alienarem  o edifício-sede histórico do Diário de Noticias , construído de raiz para albergar aquele jornal centenário,  segundo um projecto de Pardal...
Zé Manel, o talento e a sensualidade
António Gomes de Almeida
Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a...
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
26
Fev
Digital Summit Seattle
09:00 @ Seattle, EUA
02
Mar
LinkedIn para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
04
Mar
Simpósio de Radiodifusão Digital da ABU
09:00 @ Kuala Lumpur, Malásia