Quarta-feira, 14 de Novembro, 2018
Media

Novo jornal francês gratuito aposta na reportagem de investigação

“A investigação nunca é rentável. Num contexto de constrangimento orçamental, é cada vez mais posta de lado nos media tradicionais. Torna-se impensável mobilizar um jornalista, ou vários, a tempo inteiro, para uma investigação que leva vários meses.” A reflexão é de Geoffrey Livolsi, que, com Mathias Destal, constitui a dupla fundadora de Disclose, apresentado como o primeiro projecto francês de jornalismo de investigação independente, inteiramente financiado por mecenato.

O novo jornal pretende-se não partidário, independente e sem assinaturas, baseado na filantropia. Os seus fundadores começam por lançar uma campanha de investimento participativo até 17 de Dezembro, dirigida ao site disclose.ngo.

“A informação não é um produto comercial, mas sim um bem público e um direito”  - afirma Geoffrey Livolsi. “Deve ser, portanto, acessível gratuitamente ao maior número possível, e defendida pelos cidadãos. Pelo acto de participação, os doadores fazem a escolha de sustentar a independência dos jornalistas e de encorajar investigações de impacto social.”

E Mathias Destal acrescenta: “Há três anos não faríamos a mesma reflexão. Mas os ataques contra a democracia estão a gerar uma tomada de consciência dos cidadãos.”

Os assuntos a cobrir passam pelos delitos financeiros, crimes ambientais, a indústria agro-alimentar, vigilância e liberdades fundamentais, saúde pública e questões de energia  -  uma recolha de temas possíveis, com o objectivo de denunciar os abusos de poder. Serão decididos por um comité editorial voluntário, composto por 14 jornalistas experimentados, entre eles Jean-Pierre Canet (ex-chefe da redacção de Envoyé Spécial), Benoît Collombat (France Inter), Valentine Oberti (Quotidien) e Anne Poiret (galardoada com o Prémio Albert Londres). 

Mathias Destal explica que, para efeitos de publicação, tencionam, além do site disclose.ngo, apoiar-se em media já existentes, como a Médiapart, Rue 89, o site de vídeos Konbini, a célula de investigação da Radio France ou ainda Marsactu, um jornal digital independente, de Marselha. 

“A ideia não é nova: o jornalismo colaborativo e a pulicação em suportes diversos já tem prestado propvas, nestes últimos anos, com as revelações a nível mundial, feitas pelo consórcio de investigação ICIJ e pelas Forbidden Stories, por exemplo (Panama Papers, Daphne Project).” (...) 

“Mas, para que o modelo seja viável, os fundadores de Disclose contam ainda, para conseguirem chegar ao objectivo dos 400 mil euros no primeiro ano, com o envolvimento de mecenas mais importantes do que a estrita contribuição popular: a de fundações privadas. A aposta é ousada.” Como explica Mathias Destal: 

“De momento, em França, nenhuma fundação apoia projectos mediáticos, estando a filantropia reservada sobretudo ao domínio cultural.” 

A Disclosure inspira-se num modelo de negócio muito corrente nos Estados Unidos, “onde existe uma longa tradição de filantropia por parte de homens de negócios  -  cujos pioneiros foram, nomeadamente, Andrew Carnegie e as famílias Rockfeller e Ford; várias estruturas de investigação são hoje financiadas por fundações privadas, como é o caso da ProPublica”: 

“Lançada em 2008 por Marion e Herbert Sandler, dois mecenas da Califórnia, este meio já não tem que provar a sua força de ataque. Financiado por este casal de milionários democratas, antigos proprietários da Golden West Financial, uma caixa de poupança e crédito, foi galardoado em 2009 com o Prémio Pulitzer por uma investigação com capa da New York Times Magazine.” (...) 

Mas esta filantropia levanta sempre perguntas sobre os conteúdos dos media beneficiados. “Para garantir a independência da sua redacção, a Disclose exige dos doadores (...) que renunciem a todo o poder sobre a linha editorial.” 

Beneficiam, no entanto, de um direito de vistoria sobre a gestão e utilização dos fundos, elegendo dois representantes no conselho de administração.

 

 

O artigo aqui citado, na íntegra, em L’Obs

Connosco
Agravam-se as ameças sobre os jornalistas na Europa Ver galeria

Jornalistas queimados em efígie, insultados e ameaçados, desacreditados pelos dirigentes dos seus próprios países. Processados, assaltados, alvo de ameaças de violação ou de morte, e em vários casos efectivamente assassinados. É este, hoje, o ambiente em que trabalham muitos jornalistas na Europa.

A organização Index on Censorship, com o apoio da Federação Europeia de Jornalistas, reuniu no relatório Mapping Media Freedom mais de três mil episódios de situações deste tipo, registadas desde Maio de 2004. A informação recolhida apresenta os jornalistas e os media onde trabalham como alvos de dirigentes políticos, empresas e mesmo o público em geral  -  mas algumas tendências principais são destacadas e apontadas neste trabalho. O objectivo é fornecer indicações úteis aos legisladores e a quantos desejem continuar a defender o ambiente favorável a uma Imprensa independente e pluralista.

Marçal Grilo abre novo ciclo de jantares-debate em Novembro Ver galeria

O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário juntam-se, novamente,para promover um novo ciclo de jantares-debate, desta vez subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?

Será orador convidado, no próximo dia 22 de Novembro, Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação e administrador da Fundação Gulbenkian, que tem dedicado à problemática do ensino e às causas da cultura e da ciência o essencial da sua actividade de intelectual, de homem político e enquanto docente.

O Clube

Bettany Hughes, inglesa, historiadora, autora e também editora e apresentadora de programas de televisão e de rádio, é a vencedora do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural 2018.

O Prémio pretende homenagear a personalidade excecional de Hughes, demonstrada repetidamente na sua maneira de comunicar o passado de forma popular e entusiasmante.

A cerimónia de atribuição do prémio terá lugar no dia 15 de novembro 2018 na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.


ver mais >
Opinião
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...
Há cerca de um ano, António Barreto  costumava assinar uma assertiva coluna de opinião no Diário de Noticias, entretanto desaparecida como outras, sem deixar rasto. Numa delas,  reconhecia ser “simplesmente desmoralizante. Ver e ouvir os serviços de notícias das três ou quatro estações de televisão” . E comentava, a propósito,  que  “a vulgaridade é sinal de verdade. A...
Ironias de uma tragédia
Francisco Sarsfield Cabral
O horrível assassinato de um jornalista saudita no consulado do seu país em Istambul tem várias e graves implicações políticas. Embaraça Trump, que logo no início do seu mandato decidiu apoiar a Arábia Saudita, contra o seu ódio de estimação, o Irão. Por outro lado, ninguém acredita que o até aqui todo poderoso príncipe herdeiro saudita, M. bin Salman, seja alheio ao crime. Pelo...
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
14
Nov
News Xchange 2018
09:00 @ Edinburgo, Escócia
14
Nov
10ª Conferência Comunicação e Jornalismo
10:00 @ Universidade Lusófona, Lisboa
17
Nov
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
19
Nov