Quinta-feira, 21 de Novembro, 2019
Media

A reportagem que os jornalistas não puderam publicar em vida

Um repórter do jornal equatoriano El Comercio, o fotógrafo e o condutor que os levou à fronteira com a Colômbia, foram mortos, em Março de 2018, quando faziam investigação sobre ligações entre as autoridades e os cartéis de droga. Agora, 19 repórteres independentes de ambos os países investigam, a coberto de anonimato, para saber o que aconteceu e de que modo. São apoiados pela organização Forbidden Stories (Histórias Proibidas), que procura continuar o trabalho dos jornalistas que já não o podem fazer.

Por coincidência trágica, o primeiro trabalho empreendido sob os auspícios do movimento de solidariedade Forbidden Stories, faz agora um ano, era precisamente para prosseguir a investigação de outros três jornalistas mortos pelos cartéis de droga, neste caso mexicanos. Outra equipa trabalha sobre a reportagem interrompida de Caruana Galizia, morta em atentado à bomba na ilha de Malta.

Javier Ortega, de 32 anos, procurava desenredar a meada do “novelo de relações criminosas, comunidades pobres e o Estado, como factor desequilibrante numa guerra que parece uma espiral sem fim”. 

O condutor Efraín Segarra, de 60 anos, era um veterano de El Comercio. Já não estava empregado no jornal, desde 2013, mas tinha tanto apego ao trabalho de reportagem que trazia consigo, ele mesmo, uma máquina fotográfica, que gostava de usar em viagens deste tipo. 

O fotógrafo Paúl Rivas, de 45 anos, outro “veterano” do jornal, tinha-se especializado na região de fronteira e gostava muito do que fazia. O objectivo, desta vez, era chegar a Mataje, uma localidade minúscula a 100 passos da Colômbia. Tinha havido um atentado com explosivos artesanais, a 20 de Março, que matou quatro militares, e muitos jornalistas estavam a tentar chegar ao local exacto do crime, procurar testemunhas, ver como vive a população. 

A sua companheira, Yadira Aguagallo, tinha-lhe dito: “Por favor, não vás desta vez. Sinto que é muito perigoso.” 

A última imagem dos três homens, em liberdade, é das videocâmaras do Hotel El Pedregal, em San Lorenzo, quando saíam para viajar na direcção de Mataje. Os seus corpos, crivados de balas, foram encontrados três meses mais tarde, na região de Nariño, já do lado colombiano, onde operam vários grupos de narcotraficantes. 

A imagem que aqui reproduzimos, da reportagem de Le Monde, é colhida de um vídeo divulgado pelos sequestradores, quando pretendiam negociar com as autoridades do Equador os termos da entrega dos três homens. 

Basicamente, a Frente Oliver Sinisterra, grupo dissidente das FARC, exigia uma troca de prisioneiros (três dos seus membros estavam detidos em Latacunga, no Equador, bem como o cancelamento do acordo de luta contra o narcotráfico entre os dois países. 

Havia um canal de comunicação estabelecido entre a polícia do Equador e grupos dissidentes das FARC, Javier Ortega sabia disso e era este um dos objectivos da sua investigação  - para além do atentado à bomba que matara os quatro militares. Era a reportagem exclusiva que nunca pôde terminar.

 

Mais informação em Le Monde e no site de Forbidden Stories

Connosco
O risco do jornalismo de dados produzir gráficos enganosos Ver galeria

As visualizações de dados podem ser enganosas. No seu novo livro, "How Charts Lie",Alberto Cairo, não poupa palavras para expor os perigos de visualizações de dados mal projectadas. 

O autor identifica cinco grandes categorias de desenhos de gráficos, que não são o que parecem à primeira vista, desde os que contêm dados insuficientes até aos que, deliberadamente, ocultam ou enganam o espectador. 

Os jornalistas podem proteger-se de serem "enganados" pelos gráficos, aceitando que são tão vulneráveis quanto o público em geral.

Cairo descreve os gráficos como argumentos feitos visualmente, que precisam de ser avaliados e verificados com o mesmo cuidado que qualquer outro dado ao qual recorremos para escrever uma história. 

O número crescente de ferramentas de visualização de dados gratuitas e de baixo custo, como Datawrapper e Flourish, tornaram as histórias baseadas em dados acessíveis, até mesmo às pequenas redacções.

"Pensamos no New York Times como o padrão ouro da visualização de dados, mas, na Flórida, o Tampa Bay Times tem apenas duas ou três pessoas a realizar esse tipo de trabalho e estão a fazer peças vencedoras do Pulitzer", explica o autor. 

O artigo de Corinne Podger, publicado no site do IJNet, analisa os riscos dos enganos do jornalismo de dados.

Jornalismo tecnológico requer soluções no mundo digital Ver galeria

A postura dos jornalistas em relação aos meios tecnológicos tem vindo a sofrer algumas alterações. 

Os jornalistas têm adoptado novamente uma atitude de “watchdog” em relação a Silicon Valley, tendo começado a produzir reportagens sobre negligência e outros problemas gerados por estas empresas. Começaram a debater questões sociais e técnicas, como o caso das campanhas de desinformação e os efeitos discriminatórios de algoritmos. 

Porém, é importante que os jornalistas não só ajudem a compreender os problemas tecnológicos, mas que identifiquem, também, as possíveis soluções e os efeitos positivos da tecnologia na sociedade. 

Os autores do texto, publicado no site Columbia Journalism Review, sugerem que seja adoptado um jornalismo de soluções como um movimento a seguir na cobertura de temas tecnológicos. Este género de jornalismo propõe realizar reportagens centradas nas respostas aos problemas sociais reportados, minimizando a ideia feita de que os jornalistas apenas estão presentes quando ocorrem escândalos. 

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Agenda
01
Dez
05
Dez
Jornalismo Empreendedor
09:00 @ Cenjor
10
Dez
Colóquio - A Batalha: 100 anos
15:00 @ Biblioteca Nacional de Portugal