null, 19 de Maio, 2019
Mundo

Editorial de Khashoggi defende liberdade de expressão no mundo árabe

O mundo árabe “encheu-se de esperança durante a Primavera de 2011; jornalistas, académicos e a população estavam cheios de entusiasmo por uma sociedade árabe livre nos seus países”, mas as expectativas foram frustradas e “estas sociedades voltaram ao antigo status quo, ou tiveram que enfrentar condições ainda mais duras do que tinham antes”.

É esta a reflexão do último editorial de Jamal Khashoggi, o jornalista saudita interrogado e morto no consulado do seu país em Istambul, segundo apontam cada vez mais as informações que vão chegando. A editora de opinião do jornal The Washington Post, do qual era colaborador regular há um ano, conta que recebeu o texto do seu tradutor e ajudante, um dia depois do desaparecimento. Foi decidido adiar a publicação, na esperança de que ele voltasse e a edição final fosse feita por ambos. Segundo Karen Attiah, o texto “capta na perfeição a sua dedicação e paixão pela liberdade no mundo árabe, uma liberdade pela qual, aparentemente, deu a sua vida”.

Jamal Kashoggi parte do mais recente relatório sobre a liberdade no mundo, publicado pela Freedom House, para manifestar o seu choque por ter encontrado apenas um país árabe na categoria de “livre”: a Tunísia. A Jordânia, Marrocos e o Kuwait vêm na segunda posição, como “parcialmente livres”, e os restantes países árabes como “não livres”. 

Menciona depois o caso de um seu amigo saudita, o escritor Saleh al-Shehi, que redigiu uma das colunas de opinião mais famosas jamais publicadas na imprensa saudita. “Infelizmente, hoje cumpre uma pena de cinco anos de prisão por supostos comentários contra o establishment saudita.” 

Segundo o autor, o silêncio da comunidade internacional está a dar aos governos árabes “carta branca para continuarem a silenciar os meios de comunicação a um ritmo cada vez mais rápido”: 

“Houve um tempo em que os jornalistas pensaram que a Internet libertaria a informação da censura e do controlo que se exerciam sobre os media impressos, Mas estes governos, cuja própria existência depende do controlo da informação, bloquearam agressivamente a Internet e detiveram jornalistas locais, pressionando os anunciantes a reduzirem as receitas de determinadas publicações.” (...) 

Khashoggi aponta como oásis onde ainda se vive o espírito da Primavera árabe o caso do Qatar, que continua a apoiar a cobertura de notícias internacionais. Mesmo na Tunísia e no Kuweit, como afirma, “os media centram-se em temas locais, não em temas que digam respeito ao conjunto do mundo árabe, e são avessos a proporcionar uma plataforma para os jornalistas da Arábia Saudita, Egipto e Iémen.” 

“Mesmo o Líbano, a jóia da coroa do mundo árabe no que se refere à liberdade de Imprensa, caíu vítima da polarização e da influência do Hezbolah pró-iraniano.” (...) 

A terminar, Khashoggi salienta a importância de os seus artigos serem traduzidos do inglês para o árabe e agradece ao Washington Post por isso. 

“O mundo árabe precisa de uma versão moderna dos antigos meios de comunicação transnacionais, para que os cidadãos possam ser informados sobre acontecimentos mundiais. E, o que é mais importante, temos de proporcionar uma plataforma às vozes árabes.” 

“Sofremos de pobreza, má gestão e educação deficiente. Por meio da criação de um fórum internacional independente, protegido da influência de governos nacionalistas que espalham o ódio pela propaganda, as pessoas normais e correntes do mundo árabe poderiam abordar os problemas estruturais com que se debatem as suas sociedades.”


O último editorial de Jamal Khashoggi, aqui traduzido por El País

Connosco
Francisco George no ciclo "Portugal: que País vai a votos?" Ver galeria
O próximo orador convidado do ciclo "Portugal: que País vai a votos?", a 21 de Maio, será Francisco George, um prestigiado médico, especialista em Saúde Pública, actual presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, empossado em finais de 2017, após ter desempenhado as funções de director-geral da Saúde, a partir de 2005 e durante mais de uma década.
O ciclo é promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de cultura e o Grémio Literário.
Francisco Henrique Moura George, nascido em Lisboa a 21 de Outubro de 2947, frequentou, de acordo com a sua biografia oficial, o Colégio Valsassina.
Licenciado em Medicina, com Distinção, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em 1973, foi interno de Medicina Interna dos Hospitais Civis de Lisboa no Hospital de Santa Marta e completou, em 1977, o Curso de Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública de Lisboa, tornando-se especialista em Saúde Pública.
Meio século depois da alunagem o valor do jornalismo científico Ver galeria

Vai fazer 50 anos, no dia 20 de Julho, a primeira descida de uma nave com tripulação humana sobre a superfície da Lua. Seis horas depois da alunagem, já a 21, o comandante Neil Armstrong foi o primiro homem a pisar o solo do nosso satélite. O sucesso da missão Apollo 11, e das outras cinco missões lunares que a seguiram, teve um enorme impacto sobre a Humanidade.

“Do ponto de vista mediático, o colossal interesse público que o voo da Apollo 11 suscitou  — estima-se que um em cada seis habitantes do planeta assistiu pela TV ao momento em que Neil Armstrong desceu lentamente pela escada do módulo lunar até pousar os pés na superfície do satélite —  consolidou um público ávido por acompanhar a exploração do espaço.”

Cinquenta anos depois, as perspectivas de colonização do Sistema Solar continuam distantes, e a cobertura de astronomia e exploração espacial teve de mudar muito. “Mas, para quem tem o coração nas estrelas, continua sendo uma actividade apaixonante.”

A reflexão é de Pablo Nogueira, jornalista e editor da Scientific American Brasil, membro da Rede Brasileira de Jornalistas e Comunicadores de Ciência. No Observatório da Imprensa, com o qual mantemos um acordo de parceria.

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
A celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa  constitui o pretexto e o convite para uma reflexão que não nos exclui. Com os jornais em contínua degradação de vendas em banca, obrigando  já a soluções extremas  - como se verificou com o centenário  “Diário de Noticias”, que passou a ser semanário, embora sem inverter o plano inclinado -,  a apatia...
A Google trouxe a Lisboa Mark Howe, um veterano da publicidade no Reino Unido. Actualmente responsável da Google pela relação com as agências de meios na Europa, Mark Howe contou uma história que mostra bem a importância de as marcas comunicarem de forma continuada – mesmo que o objectivo não seja as vendas imediatamente. A situação passou-se no Reino Unido e nos EUA durante a II Grande Guerra. Por iniciativa dos governos foi...
Assange e o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
O caso Assange dura há quase sete anos. Agora, com a sua expulsão da embaixada do Equador em Londres e consequente prisão pela polícia britânica, o caso entrou numa nova fase. É possível que Assange venha a ser extraditado para os Estados Unidos (o que ele não quer) ou para a Suécia (o que ele agora prefere, embora tenha recusado essa possibilidade há sete anos).  Também se fala muito da mudança do poder...
Agenda
22
Mai
22
Mai
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor, Lisboa
27
Mai
DW Global Media Forum
09:00 @ Bona, Alemanha
02
Jun
"The Children’s Media Conference"
11:00 @ Sheffield, Reino Unido
14
Jun