Terça-feira, 11 de Dezembro, 2018
Media

Agrava-se o risco para jornalismo e jornalistas em todo o mundo

Já foram mortos em 2018, até este momento, pelo menos 43 jornalistas em todo o mundo, o que ultrapassa o total de 2017  - não incluindo aqui outras 17 mortes cujo motivo não foi esclarecido. O alerta é do Committee do Protect Journalists, que chama a atenção para o facto de haver cada vez mais casos destes em espaços “anteriormente considerados bastiões da liberdade de Imprensa”, como os EUA e a Europa Ocidental, ao mesmo tempo que se desenvolve “uma retórica contra a Imprensa”.

A organização Repórteres sem Fronteiras faz o mesmo balanço sobre o facto de os jornalistas mortos nos primeiros nove meses do ano serem já mais que os de todo o ano anterior  - mas põe o número um pouco acima, declarando um total de 56 até ao dia 1 de Outubro (foram 55 em 2017). A reportagem que citamos é do diário The New York Times, que afirma:

“Este ano, os Estados Unidos tiveram o terceiro lugar no número de jornalistas assassinados em todo o mundo, em parte devido ao ataque contra a redacção da The Capital Gazette, em Annapolis, que deixou cinco jornalistas mortos.”

O Committee to Protect Journalists já tinha documentado a morte de mais de 70 jornalistas, em quatro anos separados, ao longo da última década  - muitos deles apanhados sob fogo cruzado. Em áreas onde há conflitos armados em curso, ou crime organizado endémico, a ameaça que pesa sobre os jornalistas é bem conhecida. 

“Doze jornalistas, por exemplo, foram mortos este ano no Afeganistão. E pelo menos seis no México, há muito tempo conhecido como um sítio perigoso para se ser jornalista.” Mas os números deste ano expõem “uma nova tendência preocupante”, segundo Courtney Radsch, do CPJ

“Há um aumento de ataques aos jornalistas e ao jornalismo, como instituição que é importante para a democracia e para a fundação dos direitos humanos”  - afirmou. “E vemos que isto está a ser abalado em todo o mundo.” (...) 

“Estamos a assistir à instalação de um clima de impunidade em muitos mais países do que víamos antes”  - afirma Margaux Ewen, directora dos Repórteres sem Fronteiras nos EUA. “É preocupante o que aconteceu a Jamal Khashoggi, se os relatos se confirmarem  - que uma pessoa possa desaparecer desta forma descarada.” (...) 

Entrevistado pelo semanário francês L’Express, o secretário-geral dos RSF, Christophe Deloire, lamenta que, “embora a Europa seja o continente que melhor garante a liberdade de Imprensa, é um desastre que jornalistas de investigação sejam impedidos de trabalhar nela”: 

“Há algum tempo que verificamos a erosão da liberdade de Imprensa, bem como a erosão institucional, quando são os poderes estabelecidos que tentam pôr uma chapa de chumbo sobre os media do seu país, como na Hungria ou na Polónia. Esta erosão é acompanhada de uma escalada do ódio e da violência.” (...) 

“Penso nomeadamente na Eslováquia, e no Primeiro-Ministro Robert Fico [entre Abril de 2012 e Março de 2018], que alimentou este ódio contra os jornalistas, insultando-os durante anos. Estamos numa escalada muito forte deste desprezo pelo pluralismo, e há quem pense que as nossas liberdades seriam melhor garantidas sem o trabalho dos jornalistas...” 

Entretanto, e segundo o diário britânico The Guardian, já há patrocinadores do chamado “Davos no Deserto”  - um importante encontro de investidores marcado para Riyadh, no final de Outubro -  a serem pressionados a desligar-se do mesmo, depois do sucedido com o desaparecimento e possível assassínio do jornalista dissidente Jamal Khashoggi. 

The New York Times, que desempenhava o papel de media sponsor, já se demarcou, bem como a directora da revista The Economist, Zanny Minton Beddoes, que iria falar na conferência. 

Segundo The Guardian, o encontro está previsto para “o mesmo hotel Ritz-Carlton onde o príncipe Mohammed bin Salman prendeu, no ano passado, dúzias de sauditas abastados, naquilo que classificou como uma campanha contra a corrupção”. (...)

 

Mais informação no NYT,  em The Guardian  e no L’Express

Connosco
Estratégia mediática da China usa "barcos emprestados" para "autenticar" a propaganda... Ver galeria

Durante décadas, a estratégia de imagem da China foi defensiva, de resposta, e apontada sobretudo à sua audiência interna. O efeito mais visível era o desaparecimento de conteúdos: revistas estrangeiras com páginas arrancadas, ou as emissões da BBC que ficavam escuras quando tratavam de temas sensíveis, como o Tibete, Taiwan ou o massacre de Tienanmen.

Mas nos últimos anos a China desenvolveu uma estratégia mais sofisticada e assertiva, apontada às audiências internacionais. E Pequim está a fazê-lo com grande investimento financeiro  - que inclui cobertura jornalística patrocinada.

Um dos exemplos mais ostensivos é agora a contratação de jornalistas ocidentais para a China Global Television Network  - o ramo internacional da Televisão Central da China -  com estúdios em Chiswick, Londres. O objectivo deste esforço é, nas palavras do Presidente Xi Jinping, “contar bem a história da China”. E não faltam candidatos. A informação consta de uma reportagem extensa, em The Guardian.

Jornais perdem publicidade e a democracia qualidade Ver galeria

A receita proveniente da publicidade nos diários impressos está a desaparecer num movimento que parece inexorável. Acontece em todos os mercados, e nomeadamente no dos EUA, que pode servir de aviso aos outros: neste caso, a receita da publicidade de todos os diários foi de 13.330 milhões de dólares em 2016, de 9.760 neste ano de 2018, quase a acabar, e será de apenas 4.400 milhões em 2022, segundo a mais recente projecção da eMarketer.

Na Espanha, e segundo os dados da InfoAdex sobre os nove primeiros meses de 2018, regista-se uma queda generalizada de 6,1% no investimento na Imprensa escrita, depois de onze anos de descida sem fim. O balanço é de Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics, que conclui: “A desinformação instala-se à vontade e é urgente fazer qualquer coisa. Não abandonemos os editores, ou a qualidade da democracia irá pelo mesmo ralo por onde se escoa a conta de resultados dos meios de comunicação.”

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O Presidente Marcelo é um dos poucos políticos portugueses com legitimidade para colocar a questão dos apoios do estado à produção jornalística porque ele é produtor e produto do sistema mediático.A sua biografia confunde-se com a liberdade de imprensa e a pergunta que Marcelo faz é, para ele, uma questão de consciência presidencial.Dito isto, pergunto:O que diríamos nós se fosse Donald Trump a...
Perante a bem conhecida e infelizmente bem real crise da comunicação social o Presidente da República questionou, há dias, se o Estado não tem a obrigação de intervir. Para Marcelo Rebelo de Sousa há uma "situação de emergência", que já constitui um problema democrático e de regime. A crise está longe de ser apenas portuguesa: é mundial. E tem sobretudo a ver com o facto de cada vez mais...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...