Terça-feira, 11 de Dezembro, 2018
Estudo

Abranda a confiança dos portugueses nas notícias e conteúdos

Há sinais de esperança para a chamada indústria do jornalismo, com muitas empresas a apostarem em conteúdos de melhor qualidade e nas assinaturas como fonte de sustento económico. Mas estas mudanças continuam a ser “frágeis, distribuídas de modo desigual, e chegam por cima de muitos anos de disrupção digital, que degradou a confiança tanto dos editores como dos consumidores”.

É este o diagnóstico inicial do Digital News Report 2018, do Reuters Institute, já divulgado (e com um vídeo de apresentação de três minutos), onde se afirma também:

“Com dados cobrindo quase 40 países em cinco continentes, esta investigação é um aviso de que a revolução digital está cheia de contradições e excepções. Os países partiram de diferentes pontos, e a velocidade e extensão desta disrupção digital depende parcialmente da história, da geografia, da política e da regulação.”
O capítulo referente a Portugal reconhece que a confiança dos portugueses nas notícias em geral tem sido consistentemente elevada. Reconhece também, no entanto, que houve uma quebra significativa da confiança, quer ao nível das notícias mas, principalmente, ao nível dos conteúdos consumidos.

Uma das boas notícias é a de que o recurso às redes sociais como fonte noticiosa começa a decair em vários mercados importantes, depois de anos de crescimento contínuo. Esta queda é de seis pontos percentuais nos Estados Unidos, e está a acontecer também no Reino Unido e na França. Há um declínio específico no que se refere à pesquisa e partilha de notícias pelo Facebook (menos nove pontos nos EUA).  

 

Ao mesmo tempo, verifica-se uma subida no uso das aplicações de mensagens para este fim, à medida que os consumidores “procuram espaços de comunicação mais privados (e de menos confronto)”. O WhatsApp é usado para recolha de notícias “por cerca de metade da nossa representação de utentes digitais na Malásia (54%), no Brasil (48%) e por cerca de um terço na Espanha (36%) e na Turquia (30%)”.

 

Em todos os países, “o nível médio de confiança nas notícias mantém-se relativamente estável nos 44%, com uma percentagem pouco acima da metade (51%) afirmando que confia nos meios noticiosos que usa regularmente”.

 

“Por contraste, 34% dos inquiridos dizem confiar nas notícias que encontram por meio de pesquisa e menos de um quarto (23%) confiam nas que encontram nas redes sociais”. 

 

“Acima de metade (54%) manifestam-se preocupados (ou muito preocupados) a respeito do que é real ou falso na Internet. Isto atinge o ponto máximo em países como o Brasil (85%), Espanha (69%) e os EUA (64%), onde situações políticas polarizadas se combinam com elevados níveis de utilização das redes sociais. É mais baixo na Alemanha (37%) e na Holanda (30%), onde as eleições recentes foram menos perturbadas por preocupações a respeito de conteúdos falsos.” (...)

 

“Existe algum apetite público por intervenção governamental na repressão das fake news, principalmente na Europa (60%) e na Ásia (63%). Por contraste, só quatro em cada dez americanos (41%) acham que o governo devia fazer mais.” (...)

 

“O número médio de pessoas que pagam pelas notícias online subiu em muitos países, com aumentos significativos na Noruega (mais quatro pontos percentuais), Suécia (mais seis) e Finlândia (mais quatro). Todos estes países têm um número reduzido de publishers, que na sua maioria continuam a promover uma variedade de estratégias de paywall. Mas, em mercados mais complexos e fragmentados, há ainda muitos que editam jornais digitais de acesso gratuito.” (...)

 

Na classificação por países, o capítulo referente a Portugal reconhece que a confiança dos portugueses nas notícias em geral tem sido consistentemente elevada, mas este ano fica a par dos que se encontram no primeiro lugar do inquérito, com 62%.

Ainda assim, e “apesar dos elevados níveis de confiança, observa-se, entre 2015 e 2018, uma quebra significativa da confiança”, realçam Gustavo Cardoso, Miguel Paisana e Ana Pinto Martinho, investigadores do OberCom e do ISCTE, em comunicado  - que aqui citamos da agência Lusa.

“A confiança geral nas notícias passou, assim, de 65,6% em 2015 para 62,1% este ano, enquanto a confiança nos conteúdos consumidos baixou de 71,3% para 62,3% em 2018. Portugal é também o segundo país onde a população mais se preocupa sobre o que é real ou falso na Internet, segundo indicaram 71% dos inquiridos, logo a seguir aos do Brasil urbano.”

Como relata o Expresso, “afirmar que se tem, regra geral, confiança nas notícias não é o mesmo que confiar numa determinada marca ou produtor. ‘Os portugueses podem consumir notícias, ter confiança genérica nelas e, simultaneamente, ter opinião negativa face às marcas que as divulgam’, lê-se no comunicado de Imprensa”.

“A forma como acedem a estas também tem impacto, com os motores de busca a oferecerem maior segurança aos consumidores do que as redes sociais. Quase metade (48,2%) dos portugueses afirma confiar em notícias acedidas através de motores de busca, mas apenas 28,9% diz confiar nelas se forem obtidas através de redes sociais.” (...)  

E cerca de metade dos inquiridos declara ter encontrado exemplos de mau jornalismo na semana anterior; 38% afirmam mesmo ter visto conteúdos que consideram “manipulados para seguirem uma agenda específica”.

“A televisão e a Internet são as principais fontes noticiosas, mas a primeira continua a conquistar 55% dos portugueses inquiridos no estudo (e a Internet, incluindo redes sociais, apenas 34%). O domínio da televisão é também evidente ao verificar-se que as marcas mais utilizadas pelos portugueses são todas estações televisivas: SIC Notícias e SIC estão na liderança, seguidas pela TVI24, TVI e RTP.

“Se analisarmos apenas o universo online, é o portal Sapo que está na linha da frente, seguido pela SIC Notícias, Notícias ao Minuto, Jornal de Notícias e Público. E no caso dos jornais em papel, os diários Jornal de Notícias e Correio da Manhã foram os mais lidos na semana anterior à resposta do inquérito.” (...) 


Mais informação em sapo.pt e no ExpressoO relatório no site do Reuters Institute

Connosco
Estratégia mediática da China usa "barcos emprestados" para "autenticar" a propaganda... Ver galeria

Durante décadas, a estratégia de imagem da China foi defensiva, de resposta, e apontada sobretudo à sua audiência interna. O efeito mais visível era o desaparecimento de conteúdos: revistas estrangeiras com páginas arrancadas, ou as emissões da BBC que ficavam escuras quando tratavam de temas sensíveis, como o Tibete, Taiwan ou o massacre de Tienanmen.

Mas nos últimos anos a China desenvolveu uma estratégia mais sofisticada e assertiva, apontada às audiências internacionais. E Pequim está a fazê-lo com grande investimento financeiro  - que inclui cobertura jornalística patrocinada.

Um dos exemplos mais ostensivos é agora a contratação de jornalistas ocidentais para a China Global Television Network  - o ramo internacional da Televisão Central da China -  com estúdios em Chiswick, Londres. O objectivo deste esforço é, nas palavras do Presidente Xi Jinping, “contar bem a história da China”. E não faltam candidatos. A informação consta de uma reportagem extensa, em The Guardian.

Jornais perdem publicidade e a democracia qualidade Ver galeria

A receita proveniente da publicidade nos diários impressos está a desaparecer num movimento que parece inexorável. Acontece em todos os mercados, e nomeadamente no dos EUA, que pode servir de aviso aos outros: neste caso, a receita da publicidade de todos os diários foi de 13.330 milhões de dólares em 2016, de 9.760 neste ano de 2018, quase a acabar, e será de apenas 4.400 milhões em 2022, segundo a mais recente projecção da eMarketer.

Na Espanha, e segundo os dados da InfoAdex sobre os nove primeiros meses de 2018, regista-se uma queda generalizada de 6,1% no investimento na Imprensa escrita, depois de onze anos de descida sem fim. O balanço é de Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics, que conclui: “A desinformação instala-se à vontade e é urgente fazer qualquer coisa. Não abandonemos os editores, ou a qualidade da democracia irá pelo mesmo ralo por onde se escoa a conta de resultados dos meios de comunicação.”

O Clube

Foi em Novembro de 2015 que o Clube Português de Imprensa criou este site, consagrado à informação das suas actividades e à divulgação da actualidade relacionada com o que está a acontecer, em Portugal e no mundo, ao jornalismo e aos   jornalistas.

Temos dedicado , também, um espaço significativo às grandes questões em debate sobre a evolução do espaço mediático, designadamente,  em termos éticos e deontológicos,  a par da  transformação das redes sociais em fontes primárias de informação, sobretudo  por parte das camadas mais jovens.


ver mais >
Opinião
O Presidente Marcelo é um dos poucos políticos portugueses com legitimidade para colocar a questão dos apoios do estado à produção jornalística porque ele é produtor e produto do sistema mediático.A sua biografia confunde-se com a liberdade de imprensa e a pergunta que Marcelo faz é, para ele, uma questão de consciência presidencial.Dito isto, pergunto:O que diríamos nós se fosse Donald Trump a...
Perante a bem conhecida e infelizmente bem real crise da comunicação social o Presidente da República questionou, há dias, se o Estado não tem a obrigação de intervir. Para Marcelo Rebelo de Sousa há uma "situação de emergência", que já constitui um problema democrático e de regime. A crise está longe de ser apenas portuguesa: é mundial. E tem sobretudo a ver com o facto de cada vez mais...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
O jornalismo estará a render-se à subjetividade, rainha e senhora de certas redes sociais. As ‘fake news’ e o futuro dos media foram dos temas mais falados na edição de 2018, da Web Summit. Usadas como arma de arremesso político e de intoxicação, as notícias falsas são uma praga. Invadem o espaço público, distorcem os factos, desviam a atenção, comprometem a reflexão. E pelo caminho...
1.Segundo um estudo da Marktest sobre a utilização que os portugueses fazem das redes sociais 65.9% dos inquiridos referem o Facebook, 16.4% indicam o Instagram, 8.3% oWhatsApp, 4% o Youtube e 5.4% outras redes. O estudo sublinha que esta predominância do Facebook não é transversal a toda a população: “Entre os jovens utilizadores de redes sociais, os resultados de 2018 mostram uma inversão das redes visitadas com mais...