Segunda-feira, 19 de Agosto, 2019
Mundo

A Internet pode partir-se em duas, uma chinesa e outra americana

Desde que chegou a Internet, qualquer pessoa pessoa pode, a partir de um computador, ou de um telemóvel que se leva no bolso, aceder a uma fonte de notícias em qualquer parte do mundo.
Dir-se-ia que ela aboliu as fronteiras. Mas, por via dos extremismos políticos que circulam nas redes sociais, mesmo as fronteiras físicas de antigamente estão a recuperar a sua “idade de ouro”. O que vem a seguir pode ser mais inquietante: seguindo as linhas de clivagem da nova “guerra fria” entre os Estados Unidos e a China, podemos estar a caminho de um mundo da comunicação repartido entre duas Internets. A reflexão é de Miguel Ossorio Vega, em Media-tics.
O autor parte da afirmação de que, já hoje, a Internet ocidental e a chinesa são muito diferentes. Como conta, o gigantesco mercado chinês começou por desenvolver as suas próprias versões dos êxitos criados nos EUA: desde o Twitter (Weibo na China) até ao Youtube (Youku), passando pela Amazon (Alibaba), pela Google (Baidu), WhatsApp (WeChat) e Uber (Didi Chuxing). 

 “Podem ter começado como cópias grosseiras das suas homólogas norte-americanas, mas o sector digital chinês actual já não tem nada a ver com o que era quando se levantou o “Escudo Dourado”  - o Grande Corta-Fogos -  por volta de 1996: o plano do governo chinês para proteger o país dos conteúdos sensíveis do ponto de vista político.” 

Por paradoxos da vida, como escreve Ossorio Vega, “a censura chinesa converteu o país num líder tecnológico global em que entraram, em partes iguais, tanto a dificuldade das empresas ocidentais para funcionarem no país como o sobre-esforço para compensar esta ausência com produtos locais que, agora, querem comer o mundo”. Em muitos casos, segundo diz, a China já vai à frente  - cita o exemplo da aplicação WeChat, pela qual é possível na China marcar uma consulta médica. 

Esta independência da China no mundo digital está a levar muitos peritos a reconhecerem como a sua Internet se distancia da que conhecemos como tal, até ao ponto em que Eric Schmidt  - que foi CEO da Google -  deu o passo de tornar pública esta ideia, “por enquanto baseada numa apreciação pessoal”. 

“Creio que o cenário mais provável, agora, não é uma divisão, mas uma bifurcação entre uma Internet dirigida por chineses e uma Internet não chinesa liderada pelos Estados Unidos”  -  disse há poucos dias num evento privado, em San Francisco.

Nesse encontro, terá também falado das consequências possíveis: da “escala das empresas que estão a ser construídas” no gigante asiático e da riqueza “fenomenal” que está a ser criada graças à tecnologia. 

“A globalização significa que eles também podem entrar no jogo”  - reconhece Schmidt, e que vamos assistir “a uma liderança fantástica por produtos e serviços da China”. 

Estas previsões chegam numa altura em que o sucessor de Schmidt à frente da Google, Sundar Pichai, tem sido questionado sobre a disponibilidade da empresa para ajustar o seu motor de busca às regras impostas pelo governo chinês.

 

Mais informação em Media-tics e na notícia sobre as declarações de Eric Schmidt, na CNBC

Connosco
História de um editor espanhol de sucesso em tempo de crise Ver galeria

No decorrer de uma década, e em plena crise económica e do jornalismo,  a Spainmedia ocupou o seu lugar de editora de revistas internacionais na área designada por  lifestyle  - trazendo para o mercado espanhol a versão local de marcas como a Esquire e a Forbes, entre outras.  A história do seu êxito neste espaço é também a de um jornalista, Andrés Rodríguez, que se torna um director editorial bem sucedido  -  e é essa, naturalmente, a primeira pergunta da entrevista que lhe é feita por Media-tics.

A sua resposta é que foi na base de “paixão, entusiasmo e inconsciência”, e muito por tentativa e erro. Logo acrescenta:

“Aprendi, também, a dirigir recursos humanos  - e que, se não formos rentáveis, fechamos mais tarde ou mais cedo. Os media podem sobreviver algum tempo sem rentabilidade mas, por fim, impõe-se a conta dos resultados.”

Reconhece que aprendeu muito na Prisa, mas ficou frustrado com a fronteira marcada entre o sector jornalístico e o financeiro e publicitário. Como explica,  “pensava que para fazer a minha revista eu tinha que poder vender, ter alianças, mas na Prisa isso não podia ser feito por um jornalista”:

“Se alguma coisa corria bem, resultava do êxito do jornalista e do gestor; se corria mal, era resultado do jornalista. Eu queria ser responsável pelo que fizesse mal.”

"Jornalismo de soluções" como mito ou alternativa Ver galeria

Muitos chegam ao jornalismo com o sonho de fazer reportagem que comunique “impacto, conhecimento e inspiração”. Mas quando encontram o espaço ocupado principalmente por notícias negativas, sem caminho de saída, desanimam e chegam a desistir da profissão.

A jornalista argentina Liza Gross conta que passou por isto, tendo deixado o jornalismo “porque estava esgotada a todos os níveis, não só pelo modelo económico como também pelo modo como nós, jornalistas, estávamos a fazer o nosso trabalho”.

O rumo que seguiu levou-a à rede Solutions Journalism Network [Red de Periodismo de Soluciones  nos países de língua espanhola], cujos métodos promove, no sentido de alterar a imagem clássica do jornalista, que deixa de ser apenas o watchdog (“cão de guarda”) que vigia os poderes e denuncia o que está mal, para se tornar o “cão-piloto” capaz de de fazer “a cobertura rigorosa e baseada na evidência de respostas a problemas sociais”.

A reflexão é desenvolvida em dois textos que aqui citamos, da FNPI – Fundación Gabriel García Márquez para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, que trabalha em parceria com a Red de Periodismo de Soluciones  para dar formação nesta nova disciplina.

O Clube

É tempo de férias. E este site do Clube Português de Imprensa (CPI) não foge à regra e volta a respeitar Agosto,  como o mês mais procurado pelos seus visitantes para uma pausa nos afazeres. Suspendemos, por isso,  a  actualização diária,  a partir do  fim de semana. 

Quando retomarmos a actualização  das nossas páginas, no inicio de Setembro, contamos com a renovação do interesse dos Associados do Clube e dos milhares de outros frequentadores regulares,  que nos acompanham  em número crescente e que  se revêem neste espaço, formatado no rigor e na independência em que todos nos reconhecemos,  como  valor matricial do Clube, desde a sua fundação,  há quase meio século.   


ver mais >
Opinião
Os jornalistas e os incêndios
Francisco Sarsfield Cabral
Nos terríveis incêndios florestais de 2017 ouviram-se críticas à maneira sensacionalista como a comunicação social, ou parte dela, havia tratado essa tragédia. Julgo que, de facto, demasiadas vezes houve, então, uma exploração algo abusiva do que se estava a passar. As imagens televisivas de grandes fogos, sobretudo de noite, são muito atractivas. Mas podem induzir potenciais pirómanos a passarem à...
O descalabro do Grupo Global Media era uma questão de tempo. Alienada a sede patrimonial do Diário de Notícias  - o histórico edifício projectado por Pardal Monteiro, no topo da avenida da Liberdade, entregue sem preconceitos à gula imobiliária, perante a indiferença do Municipio e do Governo  - o plano inclinado ficou à vista.Se ao centenário DN foi destinado um comodato  nas Torres Lisboa,  ao Jornal de...
Um relatório recente sobre os princípios de actuação mais frequentes dos maiores publishers digitais dá algumas indicações que vale a pena ter em conta. O estudo “Digital Publishers Report”, divulgado pelo site Digiday, analisa as práticas de uma centena de editores e destaca alguns factores que, na sua opinião, permitem obter os melhores resultados. O estudo estima que as receitas provenientes de conteúdo digital...
Agenda
21
Ago
Edinburgh TV Festival
09:00 @ Edinburgo, Escócia
27
Ago
Digital Broadcast Media Convention
09:00 @ Lagos, Nigéria
04
Set
Infocomm China
09:00 @ Chengdu, Sichuan Province, China
09
Set
Facebook Ads Summit 2019
09:00 @ Online