Terça-feira, 28 de Janeiro, 2020
Mundo

A Internet pode partir-se em duas, uma chinesa e outra americana

Desde que chegou a Internet, qualquer pessoa pessoa pode, a partir de um computador, ou de um telemóvel que se leva no bolso, aceder a uma fonte de notícias em qualquer parte do mundo.
Dir-se-ia que ela aboliu as fronteiras. Mas, por via dos extremismos políticos que circulam nas redes sociais, mesmo as fronteiras físicas de antigamente estão a recuperar a sua “idade de ouro”. O que vem a seguir pode ser mais inquietante: seguindo as linhas de clivagem da nova “guerra fria” entre os Estados Unidos e a China, podemos estar a caminho de um mundo da comunicação repartido entre duas Internets. A reflexão é de Miguel Ossorio Vega, em Media-tics.
O autor parte da afirmação de que, já hoje, a Internet ocidental e a chinesa são muito diferentes. Como conta, o gigantesco mercado chinês começou por desenvolver as suas próprias versões dos êxitos criados nos EUA: desde o Twitter (Weibo na China) até ao Youtube (Youku), passando pela Amazon (Alibaba), pela Google (Baidu), WhatsApp (WeChat) e Uber (Didi Chuxing). 

 “Podem ter começado como cópias grosseiras das suas homólogas norte-americanas, mas o sector digital chinês actual já não tem nada a ver com o que era quando se levantou o “Escudo Dourado”  - o Grande Corta-Fogos -  por volta de 1996: o plano do governo chinês para proteger o país dos conteúdos sensíveis do ponto de vista político.” 

Por paradoxos da vida, como escreve Ossorio Vega, “a censura chinesa converteu o país num líder tecnológico global em que entraram, em partes iguais, tanto a dificuldade das empresas ocidentais para funcionarem no país como o sobre-esforço para compensar esta ausência com produtos locais que, agora, querem comer o mundo”. Em muitos casos, segundo diz, a China já vai à frente  - cita o exemplo da aplicação WeChat, pela qual é possível na China marcar uma consulta médica. 

Esta independência da China no mundo digital está a levar muitos peritos a reconhecerem como a sua Internet se distancia da que conhecemos como tal, até ao ponto em que Eric Schmidt  - que foi CEO da Google -  deu o passo de tornar pública esta ideia, “por enquanto baseada numa apreciação pessoal”. 

“Creio que o cenário mais provável, agora, não é uma divisão, mas uma bifurcação entre uma Internet dirigida por chineses e uma Internet não chinesa liderada pelos Estados Unidos”  -  disse há poucos dias num evento privado, em San Francisco.

Nesse encontro, terá também falado das consequências possíveis: da “escala das empresas que estão a ser construídas” no gigante asiático e da riqueza “fenomenal” que está a ser criada graças à tecnologia. 

“A globalização significa que eles também podem entrar no jogo”  - reconhece Schmidt, e que vamos assistir “a uma liderança fantástica por produtos e serviços da China”. 

Estas previsões chegam numa altura em que o sucessor de Schmidt à frente da Google, Sundar Pichai, tem sido questionado sobre a disponibilidade da empresa para ajustar o seu motor de busca às regras impostas pelo governo chinês.

 

Mais informação em Media-tics e na notícia sobre as declarações de Eric Schmidt, na CNBC

Connosco
Jornalismo universitário americano cultiva independência Ver galeria

A indústria mediática está em decadência. Nos últimos dez anos, perdeu-se um quarto dos empregos no sector e espera-se que, na próxima década, desapareçam mais 10%.

O jornais regionais são, particularmente, prejudicados, com mais de 1.400 cidades norte-americanas a ficar sem a cobertura local.

Cole Stallone, director do jornal universitário “Washington Square News”, escreveu um artigo oportuno sobre a importância da aposta no jornalismo independente, promovido por estudantes.

Para Stallone, embora o jornalismo seja uma profissão em risco, continua a ser importante cobrir histórias e acontecimentos. Enquanto os profissionais se debatem com a importância de relatar eventos de maior dimensão, é crucial que haja cidadãos que se ocupem de ocorrências locais.


Como a tecnologia pode ser "amiga" do jornalismo... Ver galeria

A desinformação é uma das maiores preocupações dos “media” e, com o desenvolvimento tecnológico, têm surgido alguma soluções interessantes. O Blockchain é um programa que bloqueia, automaticamente, informações que considera falsas, e embora não se entenda que pode salvar o jornalismo, ainda pode ser útil à imprensa. O problema é que os leitores não parecem interessados nos factos.

O “The New York Times” lançou um projecto com o objectivo de perceber se o bloqueio facilita, ou não, a compreensão da origem das notícias, por parte dos consumidores. Os colaboradores têm pesquisado utilizadores e construído protótipos da Blockchain, divulgando, agora algumas das suas revelações iniciais.


O Clube

Ao retomar a regularidade de actualização deste site, no inicio de outra década, achámos oportuno proceder ao  balanço do vasto material arquivado, designadamente, em textos de reflexão sobre a forma como está a ser exercido o jornalismo,  no contexto de um período extremamente exigente  para os novos e velhos  “media”.

O resultado dessa pesquisa retrospectiva foi muito estimulante, a ponto de termos sentido  ser um imperativo partilhá-la, no essencial,  com quem nos acompanha mais de perto, sendo, no entanto,  recém-chegados. 


ver mais >
Opinião
Apoiar a comunicação social
Francisco Sarsfield Cabral
O Presidente da República voltou a falar na necessidade de o Estado tomar medidas de apoio à comunicação social. Marcelo Rebelo de Sousa discursava na apresentação de um programa do “Público” para dar a estudantes universitários acesso gratuito a assinaturas daquele jornal, com o apoio de entidades privadas que pagam metade dos custos envolvidos. O Presidente entende, e bem, que o Estado tem responsabilidades neste campo e...
A “tabloidizacão” dos media portugueses parece imparável, com as televisões na dianteira, privadas e pública, sejam os canais generalistas ou temáticos. A obsessão pelos “casos” que puxem ao drama, ao pasmo ou à lágrima, tomou conta dos telejornais e da Imprensa. A frenética disputa das audiências nas TVs e a queda continuada das vendas nos jornais são, normalmente, apontadas...
Ainda a nova legislatura não começou e já surgiu o primeiro caso político em torno da RTP. Infelizmente foi causado pelo comportamento recente da Direcção de Informação da estação em relação a um dos programas dessa área com maior audiência, o “Sexta às 9”, de Sandra Felgueiras, que regularmente apresenta investigações sobre casos da actualidade nacional.   O...
Agenda
03
Fev
Workshop on Networks of (dis-)information
09:30 @ Universidade Nova de Lisboa I NOVA FCSH I iNOVA Media Lab
11
Mar
O cinema e a televisão como "forma de futuro"
15:00 @ Universidade Lusófona