Quarta-feira, 19 de Setembro, 2018
Fórum

"Deep Fakes", uma nova ameaça para o jornalismo "online"

A comunicação entre pessoas não se esgota na palavra (que pode ser usada para mentir), nem no tom de voz, nem na postura geral de quem fala  - embora todos estes elementos sejam úteis para detectar a falsidade intencional de alguém. Em qualquer diálogo, como nos interrogatórios de investigação judicial, ou psicológica, os olhos são especialmente reveladores. A partir destas evidências, e da natureza tecnológica da inteligência artificial, investigadores ao serviço do Departamento de Defesa dos EUA estão a desenvolver ferramentas capazes de detectar os chamados DeepFakes  - vídeos que retratam a imagem verdadeira de alguém, mas a fazer ou a dizer coisas que de facto não são autênticas.

Um exemplo conhecido é o que foi feito pelo humorista e cineasta Gordon Peele, que criou para o BuzzFeed um vídeo que, entre outras coisas, chama “completo idiota” a Donald Trump. Outros, mais correntes, apropriam-se do rosto de actrizes famosas de Hollywood e conseguem colocá-lo nos corpos de protagonistas de filmes pornográficos, realizando deste modo imitações muito realistas e, naturalmente, lesivas de quem teve a sua imagem usurpada para tais fins. 

Segundo o artigo que citamos, da Media-tics, os investigadores ao serviço da DARPA - Defense Advanced Research Projects Agency procuraram e aproveitaram uma brecha na tecnologia usada para a criação destas falsificações, a saber: os DeepFakes “nunca mostram a pessoa que foi manipulada a pestanejar, porque a inteligência artificial que os cria é baseada em imagens estáticas”. 

Ou, em casos em que haja pestanejar, “os movimentos oculares não imitam com exactidão os que são naturalmente efectuados por qualquer ser humano”. É então possível identificar “a exploração de sinais fisiológicos deste tipo, os quais – pelo menos por enquanto -  são difíceis de imitar para fazer DeepFakes”. 

“Para desmontar um DeepFake é preciso, em primeiro lugar, examinar o arquivo digital em busca de indícios que sugiram uma montagem de imagens, analisando cortes ou pequenos erros de edição. Depois, é preciso prestar atenção às distintas propriedades físicas das imagens, na busca de possíveis incongruências ou erros de junção. Neste sentido, é possível ainda verificar se o vídeo mostra características climáticas incompatíveis com a sua suposta data de realização, ou um fundo que não encaixa com a sua teórica localização de filmagem.” 

“Treinar uma ferramenta de inteligência artificial para detectar estas falhas é a tarefa que tem em mãos o projecto da agência DARPA, embora seja necessário tempo para o conseguir  -  e, de qualquer modo, o mundo digital já demonstrou que a detecção das mentiras costuma chegar depois de se terem tornado ‘virais’ e feito o seu trabalho.” 

“Esperam-nos muitas aventuras...”  - conclui o autor. 

Podemos acrescentar outro exemplo recente das possibilidades assustadoras da tecnologia digital usada por estes maus caminhos. Charlie Warzel, um jornalista do BuzzFeed, preocupado com a predição de um futuro em que essa tecnologia pode estar perto de “democratizar a capacidade de manipular a percepção e falsificar a realidade”, chegando a uma espécie de “Infocalipse”, resolveu testar as suas próprias competências neste terreno. 

Procedeu a uma recriação digital da sua voz e foi melhorando até chegar ao ponto de a tornar tão convincente que podia “enganar a pessoa que claramente conhece a minha voz melhor do que ninguém: a minha mãe”. 

Os passos técnicos seguidos estão descritos no artigo de que incluímos aqui o link, em BuzzFeedNews. O engano resultou, e ela levou tempo até aceitar que aquilo que escutou tinha sido criado por inteligência artificial: 

“Eu não sabia que uma coisa como esta era possível”  -  disse mais tarde. “Nunca duvidei, nem por um segundo, que eras tu.”

 

O artigo de Miguel Ossorio Vega, em Media-tics, e o de Charlie Warzel, em BuzzFeedNews.

Connosco
Plataformas tecnológicas estão a sentar-se no coração do jornalismo Ver galeria

Na relação difícil que se tem desenvolvido, nestes últimos anos, entre as plataformas tecnológicas e os publishers dos media, a iniciativa foi sempre das primeiras e a intimidade nunca foi tanta como agora, com as plataformas “a tomarem mais decisões deliberadas que afectam o jornalismo e a colocação e distribuição das notícias”. Embora já haja editores a praticarem um “desacoplamento consciente” da sua dependência das plataformas, do lado destas vem um movimento muito claro de se envolverem cada vez mais no “apoio financeiro directo a determinados tipos de jornalismo”. Isto significa que plataformas “movidas pelo lucro” estão a “sentar-se desconfortavelmente no coração do jornalismo e das notícias”.

É esta a reflexão inicial de Emily Bell, directora do Tow Center for Digital Journalism  - que esteve em Lisboa, na cimeira da Global Editors Network -  no texto de apresentação de um relatório sobre o estado das relações entre publishers e plataformas.

Empresas de Media alimentam monstros que as fazem passar fome... Ver galeria

Tanto a Google como o Facebook têm estado a enviar dinheiro para apoio a projectos jornalísticos. Só nestes últimos três anos, as duas empresas juntas já destinaram mais de 500 milhões de dólares a vários programas ou parcerias com os media. Estas mega plataformas contam-se agora entre as maiores financiadoras do jornalismo. A ironia é que foi o desmantelamento da publicidade tradicional, em grande parte cometido por elas, que deixou as empresas jornalísticas neste sufoco de necessidade. O resultado é uma aliança disfuncional. Mesmo os que recebem estes apoios acham que as doações são “dinheiro culpado”, enquanto as gigantes tecnológicas procuram melhorar a imagem e conquistar amigos numa comunidade jornalística que  - sobretudo agora -  parece abertamente hostil.

O Clube

Lançado em Novembro de 2015, este site do Clube Português de Imprensa tem desenvolvido, desde então, um trabalho de acompanhamento das tendências dominantes, quer no mercado de Imprensa, quer nos media audiovisuais em geral e na Internet em particular.

Interessa-nos, também, debater o jornalismo e o modo como é exercido, em Portugal e fora de fronteiras,  cumprindo um objectivo que está na génese desta Associação.


ver mais >
Opinião
Costuma dizer-se que “no melhor pano cai a nódoa”. E assim aconteceu com o prestigiado jornal americano “The New New York Times” ao decidir publicar, como opinião, um artigo não assinado com o sugestivo titulo “I Am Part of the Resistance Inside the Trump Administration”, que dispensa tradução. Depois do saudável movimento, que congregou, recentemente, 350 jornais americanos, em resposta ao apelo do The Boston Globe,...
Trump contra o jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
Numa iniciativa inédita, mais de 300 órgãos de comunicação dos EUA manifestaram na quinta-feira repúdio contra os violentos ataques de Trump ao jornalismo.  Como jornalista com muitos anos de profissão, tenho pena de reconhecer que a qualidade do produto jornalístico baixou ao longo das últimas décadas. Mas importa perceber porquê. No século XIX o jornalismo resumia-se a… jornais impressos....
Em meados do séc. XVIII, os parisienses que quisessem manter-se “au courant” àcerca do andamento da Guerra dos Sete Anos (iniciada em 1756) não tinham muitas escolhas. Se fizessem parte, dentre os 600 mil habitantes da capital francesa, da minoria que sabia ler – menos de metade dos homens e uma quarta parte das mulheres – e também estivessem entre os poucos privilegiados que podiam dar-se ao luxo de comprar um jornal, tinham três...
Agenda
20
Set
Google Analytics para Jornalistas
09:00 @ Cenjor,Lisboa
24
Set
Ateliê de Jornalismo Televisivo
09:00 @ Cenjor, Lisboa
24
Set
25
Set
The Radio Show
09:00 @ Orlando, Florida, USA